As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

O caso Mourão

Imagem: Tim Mossholder
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JOÃO HÉLIO FERREIRA PES*

O senador Hamilton Mourão se portou de forma criminosa, instigando à prática de crime contra o Estado democrático de direito

O sistema de justiça brasileiro quando exerce sua função de guardião da Constituição e protetor do Estado de democrático de direito, em raros espasmos de atuação, é atacado e ameaçado por vozes daqueles que pretensamente representam as pessoas armadas com armas fornecidas pelo próprio Estado para protegê-lo.

O senador Hamilton Mourão (Republicanos-RS) ao reagir à operação que investiga crimes contra a democracia perpetrados por civis e militares que participaram de organização criminosa visando um golpe de Estado se portou, também, de forma criminosa, instigando à prática de crime contra o Estado democrático de direito. Disse o senador que “no caso das Forças Armadas, os seus comandantes não podem se omitir perante a condução arbitrária de processos ilegais que atingem seus integrantes, ao largo da justiça” numa clara alusão a necessidade de reação daqueles que armados para proteger o território brasileiro também se protejam contra as normas e procedimentos judiciais, democraticamente definidos.

Hamilton Mourão, na condição de ex-agente militar, posto de general, chegou a fazer graves ameaças, ao dizer, num jogo de palavras visando se ocultar na imunidade parlamentar, que “a mera observação da precipitação dos acontecimentos, cada vez mais traumáticos, indica a possibilidade lamentável de um confronto de gravíssimas consequências”. O lugar de fala desse parlamentar não é apenas de um simples senador, por isso, não pode ficar acobertado pela garantia institucional da imunidade parlamentar.

Nesse sentido, é necessário relembrar um velho ensinamento do direito constitucional de que a imunidade parlamentar é a garantia da atividade do parlamentar para garantir a instituição parlamento. Portanto, para preservar as instituições e o Estado democrático de direito não há que se falar em imunidade parlamentar quando os atos praticados, discursos, falas e atuações são no sentido de instigar atos criminosos de abolição violenta do Estado democrático de direito.

Esse caso de Hamilton Mourão e outros similares não podem ser secundarizados pelas instituições políticas e instituições do sistema de justiça. É um imenso risco para a democracia não dar a devida importância a atos que podem ser enquadrados como apologia aos crimes contra as instituições democráticas. É papel da instituição política Senado da República abrir processo na Comissão de Ética para analisar desvios dessa grandeza praticados por um dos seus. Também, é papel das instituições Ministério Publico e Poder Judiciário analisar, denunciar e processar os crimes cometidos.

O desleixo institucional pode dar margem para tragédias. É preciso não abandonar a possibilidade de aprendizado com o passado e, também, com fatos recentes. Neste momento, o desleixo institucional norte-americano está abrindo a possibilidade de ser eleito um candidato que já demonstrou ser uma ameaça à própria democracia. No passado, não tão distante, precisamente no dia 08 para 09 de novembro de 1923, ocorreu uma tentativa de golpe de estado na Alemanha, em Munique. Com o desleixo das instituições da República Weimar o líder desse crime permaneceu apenas nove meses na prisão. Aproximadamente 10 anos após esse fato, o líder da organização criminosa contra a democracia, Hitler, assume o poder no Estado alemão. A consequência desse cochilo institucional foi trágica não só para a democracia, mas, também, para a dignidade da pessoa humana.

Portanto, o desleixo das instituições somado ao desdém dos líderes partidários e à apatia política dos movimentos populares e da própria cidadania colocam em risco a manutenção da democracia resultando em tragédias inimagináveis. Quando temos esses espasmos de efetividade institucional não resta outra alternativa a não ser a de aplaudir e fazer de tudo para que o “direito”, dentro do Estado democrático de direito, seja um trunfo da cidadania contra as arbitrariedades de qualquer maioria eventual.

*João Hélio Ferreira Pes é professor de direito da Universidade Franciscana – UFN (Santa Maria, RS).


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
João Feres Júnior Heraldo Campos Jorge Branco Slavoj Žižek Jorge Luiz Souto Maior Leonardo Avritzer Mário Maestri Flávio R. Kothe Eugênio Trivinho Paulo Capel Narvai Annateresa Fabris Alexandre Aragão de Albuquerque Antônio Sales Rios Neto Antonio Martins Fernando Nogueira da Costa Bento Prado Jr. Lucas Fiaschetti Estevez Everaldo de Oliveira Andrade Paulo Fernandes Silveira Marcos Silva João Carlos Salles Jean Pierre Chauvin Luiz Carlos Bresser-Pereira Luis Felipe Miguel Elias Jabbour Afrânio Catani João Carlos Loebens Luiz Renato Martins José Micaelson Lacerda Morais Eleutério F. S. Prado João Sette Whitaker Ferreira Chico Alencar Luís Fernando Vitagliano Michael Roberts José Costa Júnior Rafael R. Ioris Roberto Noritomi Bernardo Ricupero Ronaldo Tadeu de Souza Plínio de Arruda Sampaio Jr. Luiz Costa Lima Daniel Brazil Rodrigo de Faria Sandra Bitencourt Chico Whitaker João Paulo Ayub Fonseca José Machado Moita Neto Walnice Nogueira Galvão Luiz Eduardo Soares Leda Maria Paulani Remy José Fontana Marilena Chauí Daniel Costa Ricardo Abramovay Alexandre de Lima Castro Tranjan Francisco de Oliveira Barros Júnior Marcelo Guimarães Lima Paulo Martins José Luís Fiori Ladislau Dowbor Ronald Rocha Milton Pinheiro Érico Andrade Henry Burnett Ari Marcelo Solon Armando Boito Luciano Nascimento Celso Favaretto Leonardo Sacramento Luiz Werneck Vianna Carlos Tautz Manchetômetro Gilberto Maringoni Flávio Aguiar Priscila Figueiredo Renato Dagnino Marcos Aurélio da Silva Ricardo Fabbrini Dênis de Moraes Berenice Bento José Dirceu Gerson Almeida Airton Paschoa Anselm Jappe Antonino Infranca Lorenzo Vitral Roberto Bueno Carla Teixeira Tarso Genro Lincoln Secco Leonardo Boff Henri Acselrad Marcus Ianoni Kátia Gerab Baggio Maria Rita Kehl Paulo Sérgio Pinheiro Ricardo Musse Eugênio Bucci Francisco Fernandes Ladeira Thomas Piketty Samuel Kilsztajn Tales Ab'Sáber Celso Frederico Manuel Domingos Neto João Adolfo Hansen Caio Bugiato Vinício Carrilho Martinez Mariarosaria Fabris Rubens Pinto Lyra Paulo Nogueira Batista Jr Yuri Martins-Fontes Marilia Pacheco Fiorillo Luiz Bernardo Pericás João Lanari Bo Tadeu Valadares Eliziário Andrade Valério Arcary Fábio Konder Comparato Gilberto Lopes Ronald León Núñez Alysson Leandro Mascaro Sergio Amadeu da Silveira Denilson Cordeiro Otaviano Helene Salem Nasser Eleonora Albano Vanderlei Tenório José Raimundo Trindade Bruno Fabricio Alcebino da Silva Eduardo Borges Osvaldo Coggiola Valerio Arcary Ricardo Antunes Dennis Oliveira Daniel Afonso da Silva Alexandre de Freitas Barbosa Liszt Vieira Juarez Guimarães Michael Löwy Bruno Machado André Márcio Neves Soares Gabriel Cohn Luiz Roberto Alves Atilio A. Boron Luiz Marques Vladimir Safatle Igor Felippe Santos Andrew Korybko José Geraldo Couto Anderson Alves Esteves Julian Rodrigues Fernão Pessoa Ramos Benicio Viero Schmidt Marjorie C. Marona Claudio Katz Francisco Pereira de Farias André Singer Marcelo Módolo Boaventura de Sousa Santos Jean Marc Von Der Weid

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada