Uma farsa cômica e trágica

Imagem: Ricardo Kobayaski
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por HECTOR BENOIT*

A farsa do direito burguês-capitalista: libertação do líder do PCC

A farsa total do “Direito Burguês” foi demonstrada, de fato, neste caso da libertação de um dos maiores traficantes do mundo, no Brasil.

Pachukanis, grande teórico do Direito, durante a Revolução Russa de 1917 começou a elaborar a teoria de que a Ciência do Direito (burguês) era uma grande farsa!

Bem. ao negar que o Direito existisse como ciência positiva, o autor sustentou que o Direito (burguês) era só a defesa da propriedade privada e, portanto, da sociedade de classes. Mas, foi além, o chamado “Direito” seria, na verdade, após uma hipotética sociedade da igualdade comunista, totalmente abolido. Ora, causou escândalo em todos os lugares, até no próprio Estado, chamado de “comunista” por Stálin

Nesse sentido, se entende, que já em 20 de janeiro de 1937 foi detido pela burocracia stalinista e executado em setembro de 1937!

Por quê?

Simplesmente porque a burocracia stalinista tomava o lugar da antiga burguesia russa e desta surgia uma nova classe, praticamente, burguesa.

Bastou esse processo se desenvolver e já em 1990, começou a cair definitivamente o único estado operário, ainda que, totalmente degenerado, como dizia Trotsky desde a década de 1930.  Nos seus chamados “Cadernos de Praga”, Che também previa que a URSS ia retornar ao capitalismo!

Pior, ele, Che, via sinais sensíveis dessa ‘degeneração’ no seu próprio esconderijo: como esconder Che na Checoslováquia?  Ora, queriam o denunciar, mas, ninguém tinha coragem para matar Che!

Queriam que o ‘serviço sujo” fosse feito pela CIA! Até mandaram um negro cubano para acompanhar Che na  Checoslováquia! Che disse para os cubanos: “é claro que um negro na Checoslováquia é me denunciar! Mandem um branco!”.

Bem, esse contorno sobre a Justiça.  Sobre a ciência do Direito, explica muito bem aquilo que é “Direito”:  como colocava Pachukanis, uma defesa intransigente da propriedade privada.

Che Guevara  morreu apenas com couros amarrados nos pés, não tinha nem botas! Abandonado por todas as burocracias comunistas e perseguido pelos Boinas Verdes. Mas, morreu sorrindo, nenhum soldado boliviano conseguiu atirar no seu corpo frágil, pesando, na época, 55 quilos, ainda que fosse um homem de estatura privilegiada. Foi necessário que um oficial o executasse.

Lembro que quando morreu Guevara eu era office-boy, e todos os meus companheiros de trabalho, ainda que não politizados, me disseram: “Esse homem eu seguiria!”

Da mesma forma, relembro, o momento trágico quando dando uma aula de pós-graduação na UNICAMP, em 1990,  e depois do intervalo, os alunos voltaram dizendo,  e disseram “A URSS caiu!”

Hoje domina a Rússia há pelo menos duas décadas o ditador Putin. Ora, o ex-agente secreto da KGB, a polícia política da antiga URSS. Ou seja, a burocracia soviética do estado “socialista degenerada, tornou-se realmente uma nova classe, privatizou toda a economia soviética, e expropriou a revolução russa e todas as conquistas do estado operário.

Em outras palavras, transformou-se numa nova burguesia!

O capitalismo retornou na Rússia! Como previa Che Guevara desde os “Cadernos de Praga” de 1966.

O Ddireito, ciência positiva, faz bem o seu papel, contra Pachukanis, ao invés de eliminar a propriedade privada, a restaura sempre e sempre.

Lembremos que o Supremo Tribunal Federal do Brasil, ligado a todo essa estrutura, na figura do Ministro Marco Aurélio (não por acaso de Mello), deu habeas corpus a um criminoso totalmente reconhecido como tal.

Ainda bem que o atual presidente do Supremo Tribunal Federal se rebelou, acompanhando toda a sociedade brasileira que acompanhou esse caso absurdo de habeas corpus.

Mas, o quê está porvir? O pior!

Como o atual presidente do Executivo poderá indicar para ministro vitalício do Supremo Tribunal Federal alguém com o currículo do atual indicado?

Como alguém com graduação na Universidade Federal do Piauí, (uma universidade sem nenhuma tradição jurídica, como a USP, que tem como nomes Castro Alves, Rui Barbosa, Miguel Reale e outros), como nomear esse indivíduo que foi acusado de plagiar 27 páginas do seu mestrado em Portugal, que foi acusado de falsificar um suposto pós-doutoramento na Universidade de La Coruña (Espanha), que foi acusado ainda de falsificar um suposto pós-doutorado na Itália. Pergunto a todos os leitores:

Será que esse sujeito pode ser ministro vitalício do Supremo Tribunal Federal?

Será que ele cumpre a mínima regra da Constituição que para tal cargo precisa ser reconhecido como alguém de notório saber?

Será que ele cumpre a segunda regra constitucional que é ser uma pessoa absolutamente idônea?

Claramente não!

Prova disso, o sujeito não tem nem currículo Lattes, segundo a imprensa

Ora, qualquer aluno de pós graduação na USP, na UNICAMP, na UNESP, na UFRJ, para conseguir uma mera bolsa de Mestrado precisa ter tal currículo que é o atestado real da sua produção acadêmica. Quem falsifica o seu currículo Lattes sofre pena administrativa.

Como podemos ter um ministro do Supremo Tribunal Federal sem currículo Lattes?

Para qual objetivo? Será que é para, justamente, como Marco Aurélio, dar habeas corpus para membros do PCC ou senadores e deputados corruptos?

Talvez, para, de fato, isso mesmo, como Marcp Aurélio dar Habeas Corpus a membros do PCC ou criminosos do colarinho branco, boa parte do Senado da nossa república, tão sofrida, tão rica, mas, tão desigual e corrupta.

Nesse sentido, só voltando às lições dos revolucionários, Che e àquelas de Pachukanis, o Direito é uma grande farsa cômica e trágica, é a defesa da propriedade privada, já que nesses processos judiciários, só ganham os que compram os advogados e os juízes. Talvez, ainda bem, que não todos!

Nesse sentido, louvemos àqueles que ainda conseguem ser tribunos da plebe.

Mas, essa tarefa é cada vez mais difícil, o Direito, como sustentava Pachukanis é algo que só existe para defender a propriedade privada, e numa sociedade realmente comunista está condenado à morte. Enquanto isso, como Pachukanis, Trotsky, Rosa e Che, que lutaram por um mundo igualitário e melhor são assassinados.

Hector Benoit é professor aposentado de filosofia da UNICAMP. Autor, entre outros livros, de A odisessia de Platão. As aventuras e desventuras da dialética (Annablume).

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Celso Frederico Armando Boito Sergio Amadeu da Silveira André Márcio Neves Soares Luciano Nascimento Igor Felippe Santos Érico Andrade Marcelo Módolo Antonio Martins Atilio A. Boron Francisco Fernandes Ladeira Luiz Carlos Bresser-Pereira Marcus Ianoni Eduardo Borges Rodrigo de Faria José Machado Moita Neto Carlos Tautz Liszt Vieira Denilson Cordeiro Marjorie C. Marona José Luís Fiori Gerson Almeida Osvaldo Coggiola Michael Roberts Marilena Chauí Alexandre de Lima Castro Tranjan Marilia Pacheco Fiorillo Juarez Guimarães Henry Burnett João Adolfo Hansen Ladislau Dowbor Ronald Rocha Thomas Piketty Ronaldo Tadeu de Souza Elias Jabbour Alexandre Aragão de Albuquerque Otaviano Helene Francisco de Oliveira Barros Júnior Lorenzo Vitral Antonino Infranca Rubens Pinto Lyra Luiz Werneck Vianna Daniel Afonso da Silva Chico Whitaker Vinício Carrilho Martinez Slavoj Žižek Maria Rita Kehl Eleonora Albano Plínio de Arruda Sampaio Jr. Tadeu Valadares Valerio Arcary Ricardo Musse Jorge Branco Ricardo Abramovay Afrânio Catani Remy José Fontana Andrew Korybko Marcelo Guimarães Lima Paulo Nogueira Batista Jr Marcos Silva Berenice Bento José Micaelson Lacerda Morais Ricardo Antunes João Paulo Ayub Fonseca Leda Maria Paulani Gabriel Cohn Salem Nasser Ricardo Fabbrini Bento Prado Jr. José Costa Júnior Anderson Alves Esteves Henri Acselrad Julian Rodrigues Paulo Capel Narvai Marcos Aurélio da Silva Antônio Sales Rios Neto Gilberto Lopes Mariarosaria Fabris Airton Paschoa João Feres Júnior Walnice Nogueira Galvão Luiz Bernardo Pericás Francisco Pereira de Farias Luiz Renato Martins Alexandre de Freitas Barbosa Flávio R. Kothe Eugênio Bucci Luiz Roberto Alves Luiz Marques Sandra Bitencourt Tarso Genro Paulo Martins Bruno Fabricio Alcebino da Silva Vladimir Safatle Kátia Gerab Baggio Eugênio Trivinho Anselm Jappe Caio Bugiato Luis Felipe Miguel José Raimundo Trindade João Sette Whitaker Ferreira Renato Dagnino Lucas Fiaschetti Estevez Flávio Aguiar Annateresa Fabris Samuel Kilsztajn João Carlos Salles Lincoln Secco Ari Marcelo Solon Priscila Figueiredo Eliziário Andrade Jean Pierre Chauvin Leonardo Sacramento Paulo Sérgio Pinheiro Everaldo de Oliveira Andrade Michael Löwy Rafael R. Ioris Leonardo Boff Eleutério F. S. Prado Dennis Oliveira Dênis de Moraes Boaventura de Sousa Santos Manchetômetro Manuel Domingos Neto Jorge Luiz Souto Maior João Carlos Loebens Gilberto Maringoni Milton Pinheiro Jean Marc Von Der Weid Daniel Costa José Geraldo Couto Luiz Eduardo Soares Alysson Leandro Mascaro Leonardo Avritzer Luís Fernando Vitagliano Claudio Katz Andrés del Río José Dirceu Fábio Konder Comparato Yuri Martins-Fontes Paulo Fernandes Silveira Carla Teixeira Valerio Arcary Bruno Machado Bernardo Ricupero Matheus Silveira de Souza João Lanari Bo André Singer Mário Maestri Fernão Pessoa Ramos Benicio Viero Schmidt Tales Ab'Sáber Chico Alencar Celso Favaretto Daniel Brazil Michel Goulart da Silva Vanderlei Tenório Ronald León Núñez Heraldo Campos Fernando Nogueira da Costa

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada