As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Retornar a Sun Tzu

Dora Logo Bahia, Revoluções (projeto para calendário), 2016 Acrílica, caneta à base de água e aquarela sobre papel (12 peças) 23 x 30.5 cm cada
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por RAUL ZIBECHI*

Focar na tomada ou ocupação do Estado é o caminho do fracasso porque volta a legitimar a ordem que se pretende combater

Em períodos de tempestade sistêmica é necessário ter uma estratégia clara e definida. Caso contrário, o naufrágio é quase inevitável. Talvez seja por isso que muitos de nós voltamos a conhecimentos como o encarnado por Sun Tzu, um militar, estrategista e filósofo da China antiga, que resume seus ensinamentos no livro A Arte da Guerra, que inspirou várias gerações de revolucionários.

Retornar a Sun Tzu nestes tempos é duplamente importante para aqueles de nós que querem derrotar o capitalismo sem se envolver nos horrores das guerras, que caracterizaram a ascensão dos impérios e do sistema mundial atual. E que podem ser a marca registrada de sua queda.

Um de seus conceitos mais notáveis ​​diz: “um exército vitorioso vence primeiro e luta depois; um exército derrotado luta primeiro e tenta a vitória depois”.

Do ponto de vista das comunidades em movimento, e dos povos indígenas maias e nasa em particular, isso significa, acredito: vencemos porque aqui estamos, sobrevivemos às tentativas de desaparecer como povos. Não era esse o objetivo das classes dominantes desde a Conquista? Não é esse o objetivo da guerra contra as drogas e de empreendimentos como o Trem Maia(1)?

Para os povos oprimidos, o conceito de vitória não é militar, não está relacionado com a morte, mas com a vida. Continuar sendo povos, continuar construindo novos mundos porque, como aponta a afirmação “Uma montanha em alto mar”, do Exército Zapatista de Libertação Nacional (EZLN), não se trata de retornar a um passado supostamente maravilhoso, como o império asteca, construído às custas do sangue de seus semelhantes.

Continuar a ser é continuar a resistir, não é voltar atrás, mas construir o novo. Esta é a vitória dos zapatistas, nasa/misak, mapuche, wampis e tantos outros povos.

É preciso dizer tudo: pensei que o que os PeñaNietos e os Pinochets não conseguiram da maneira mais difícil poderia ser alcançado através do desenvolvimento e das políticas sociais dos Mujica e dos Correa (acrescentem os nomes que considerem adequados, em cada geografia). Erro. Os povos estão conseguindo superar as diversas formas de gestão do modelo extrativista neoliberal em curso ou a quarta guerra mundial, como o denomina o EZLN.

A frase notável de Sun Tzu vem à tona quando vemos que alguns povos conseguiram passar, apesar da dor e do sangue, tanto pela administração conservadora quanto a do modelo progressista. O que nos diz que as batalhas que eles travam agora são frutos de sua vitória estratégica.

Sobre a relação entre estratégia e tática, a Sun Tzu é atribuída uma frase que, segundo especialistas não consta de seu livro, diz: “estratégia sem tática é o caminho mais lento para a vitória. A tática sem estratégia é barulho antes da derrota”.

A meu ver, grandes obras de infraestrutura, como a brutal barragem de Belo Monte, no Brasil, que destrói as fontes de vida de povos inteiros; a megamineração em todo o continente; o próprio Trem Maia ou o Corredor Transistmiano, para citar alguns exemplos, são apenas fogos de artifício para encobrir o vazio estratégico de um modelo que nada tem a oferecer aos povos além de morte e destruição.

Os povos em movimento que não se deixaram cooptar por um ou outro, que mantêm a sua autonomia (o que não quer dizer que nunca errem), que não se curvam ao mau império ou ao bom, ou a qualquer governo, são aqueles que estão em posição de continuar sua jornada de longo prazo.

São eles que podem embarcar em projetos de novo tipo, ousados ​​e até perigosos, porque já venceram por continuar a existir. O que não significa que eles não possam ser atacados e até mesmo ser alvo de genocídios. Notícias disso chegam todos os dias do Cauca colombiano, de Wallmapu, de Chiapas e de todas as geografias que resistem.

Em meio a essa tremenda tempestade, as estratégias da esquerda e dos antigos movimentos mostraram suas limitações e estreitezas. Focar na tomada ou ocupação do Estado é, como apontou Immanuel Wallerstein décadas atrás, o caminho do fracasso porque volta a legitimar a ordem que se pretende combater.

Precisamos de estratégias que não sejam cópias invertidas das agendas e modos acima, sejam elas da direita ou da esquerda. Resistir sem reproduzir a mesma cultura política. Quando o Conselho Regional Indígena do Cauca proclama que conta conosco para a paz, nunca para a guerra, aponta para um novo tipo de política. Eles resistem construindo outros mundos.

Quando o EZLN constrói saúde, educação, justiça e poder autônomos, está ensinando o modo de vida que percorrem os povos de raízes maias e bases de sustentação, que aos poucos muitos outros começam a percorrer, em todos os continentes, em particular na América Latina.

*Raúl Zibechi é jornalista, escritor e teórico político.

Tradução: Ricardo Kobayaski

Publicado originalmente no jornal La Jornada.

 

Nota do tradutor


(1) É uma ferrovia, cujo projeto prevê atravessar quatro estados, impactando negativamente em comunidades indígenas, reservas florestais e espécies ameaçadas do México.

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Benicio Viero Schmidt Paulo Martins José Dirceu Luiz Renato Martins Juarez Guimarães Chico Alencar Paulo Sérgio Pinheiro Liszt Vieira Jorge Luiz Souto Maior Fernão Pessoa Ramos Eleonora Albano Vanderlei Tenório Rodrigo de Faria Dênis de Moraes Alysson Leandro Mascaro Rafael R. Ioris Atilio A. Boron João Carlos Loebens Afrânio Catani Celso Frederico Tales Ab'Sáber Michael Löwy Bruno Fabricio Alcebino da Silva Jorge Branco Paulo Nogueira Batista Jr Carlos Tautz Gilberto Maringoni Marjorie C. Marona Ricardo Musse José Machado Moita Neto João Paulo Ayub Fonseca Walnice Nogueira Galvão Jean Marc Von Der Weid Anderson Alves Esteves Henri Acselrad Érico Andrade Rubens Pinto Lyra Flávio Aguiar Francisco de Oliveira Barros Júnior José Geraldo Couto Gerson Almeida Valério Arcary Sergio Amadeu da Silveira Tarso Genro João Feres Júnior Airton Paschoa Paulo Capel Narvai Tadeu Valadares Elias Jabbour Maria Rita Kehl Heraldo Campos José Micaelson Lacerda Morais João Carlos Salles Thomas Piketty Sandra Bitencourt Gilberto Lopes Luciano Nascimento Jean Pierre Chauvin Andrew Korybko Ronaldo Tadeu de Souza João Sette Whitaker Ferreira Marcelo Guimarães Lima Mariarosaria Fabris Daniel Costa Marilia Pacheco Fiorillo Valerio Arcary Bento Prado Jr. Leda Maria Paulani Everaldo de Oliveira Andrade Berenice Bento Yuri Martins-Fontes Bruno Machado Dennis Oliveira Ladislau Dowbor Julian Rodrigues José Costa Júnior Celso Favaretto José Luís Fiori Ricardo Abramovay Lincoln Secco Claudio Katz Samuel Kilsztajn Daniel Brazil Marcos Silva Eliziário Andrade Henry Burnett Otaviano Helene Armando Boito Ricardo Antunes Lorenzo Vitral Luiz Bernardo Pericás Milton Pinheiro Lucas Fiaschetti Estevez José Raimundo Trindade Salem Nasser Osvaldo Coggiola Fernando Nogueira da Costa Leonardo Boff Ronald León Núñez Carla Teixeira Anselm Jappe Bernardo Ricupero Luiz Roberto Alves Igor Felippe Santos Luiz Eduardo Soares Antônio Sales Rios Neto João Lanari Bo Ronald Rocha Antonino Infranca Fábio Konder Comparato Alexandre de Freitas Barbosa Alexandre de Lima Castro Tranjan Eugênio Trivinho Paulo Fernandes Silveira Daniel Afonso da Silva Ricardo Fabbrini Chico Whitaker Leonardo Sacramento Roberto Noritomi Vladimir Safatle Luiz Marques Marcelo Módolo Remy José Fontana Luiz Werneck Vianna Flávio R. Kothe Marcos Aurélio da Silva Roberto Bueno Eduardo Borges Ari Marcelo Solon Luiz Carlos Bresser-Pereira Kátia Gerab Baggio André Márcio Neves Soares Boaventura de Sousa Santos Marilena Chauí Luiz Costa Lima Alexandre Aragão de Albuquerque Michael Roberts Eleutério F. S. Prado Priscila Figueiredo Eugênio Bucci Antonio Martins Renato Dagnino Leonardo Avritzer Marcus Ianoni Mário Maestri André Singer Luís Fernando Vitagliano Francisco Fernandes Ladeira Manchetômetro Luis Felipe Miguel Francisco Pereira de Farias Vinício Carrilho Martinez Caio Bugiato Denilson Cordeiro Plínio de Arruda Sampaio Jr. Gabriel Cohn Slavoj Žižek Manuel Domingos Neto João Adolfo Hansen Annateresa Fabris

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada