Uma invasão chinesa de Taiwan é iminente?

Imagem: Zhang Kaiyv
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por MICHAEL KLARE*

Enquanto uns fazem contas de quando a ilha será invadida por Pequim, ninguém sabe o que acontece nas reuniões a portas fechadas da liderança do PCC

A China está realmente prestes a invadir a ilha de Taiwan, como tantos altos funcionários dos EUA parecem acreditar? Se a resposta for “sim” e os Estados Unidos estiverem com Taiwan – como prometeu o presidente Joe Biden – podemos nos encontrar em um grande conflito de potência, ou mesmo nuclear, em um futuro não muito distante. Mesmo que se limitasse à Ásia e fosse realizado apenas com armas convencionais – o que não é certo – tal conflito causaria danos humanos e econômicos em uma escala muito maior do que hoje se vê na Ucrânia.

E se a resposta for “não”, o que parece pelo menos tão provável? Isso não abriria a perspectiva dentro dos Estados Unidos de cooperar com seus amigos e aliados, bem como com a própria China, a fim de reduzir as tensões na região e, possivelmente, abrir um espaço para o lançamento de negociações pacíficas entre Taiwan e o continente? No mínimo, eliminaria a necessidade de aumentar o orçamento do Pentágono em bilhões de dólares por ano, como os “falcões do Congresso” estão defendendo agora.

A resposta a esta pergunta tem enormes implicações para todos nós. No entanto, os líderes políticos em Washington nem sequer discutem isso. Pelo contrário, eles parecem estar competindo entre si para especificar o ano em que a suposta invasão chinesa ocorrerá e a guerra eclodirá entre nossos dois países.

2035, 2027 ou 2025?

Todas as previsões das mais altas autoridades sobre uma iminente invasão chinesa de Taiwan baseiam-se no pressuposto de que a liderança chinesa nunca permitirá que a ilha se torne totalmente independente e, portanto, responderá com um ataque militar em grande escala a qualquer iniciativa nesse sentido.

Para justificar essas alegações, as autoridades americanas apontam regularmente para a modernização em curso das forças armadas chinesas, o Exército Popular de Libertação (ELP), bem como declarações de altos funcionários chineses de que esmagarão qualquer tentativa dos “elementos separatistas” de Taiwan de obstruir a unificação. De acordo com esse padrão, resta apenas uma pergunta: quando os líderes da China acreditarão que o ELP está pronto para invadir Taiwan e esmagar as forças dos EUA enviadas para resgatar a ilha?

Até 2021, as autoridades militares dos EUA tendiam a colocar esse momento crucial no futuro, citando a distância considerável que o Exército Popular de Libertação tinha que percorrer para competir com os avanços tecnológicos das forças militares dos EUA. Os analistas do Pentágono mais frequentemente previram o ano de 2035 para tal prazo, a data estabelecida pelo presidente Xi Jinping para que a China “conclua fundamentalmente a modernização da defesa nacional e das Forças Armadas”.

Essa avaliação, no entanto, mudou drasticamente no final de 2021, quando o Departamento de Defesa divulgou seu relatório anual sobre o poder militar da República Popular da China (RPC). Este documento destacou uma mudança importante no planejamento estratégico da China: enquanto seus líderes anteriormente viam 2035 como o ano em que o Exército Popular de Libertação se tornaria uma força de combate totalmente modernizada, eles agora buscavam atingir esse limiar fundamental em 2027, acelerando a “inteligência” de suas forças (ou seja, o uso de inteligência artificial e outras tecnologias avançadas). De acordo com o relatório do Pentágono, se esta “nova etapa de modernização em 2027… [se tornasse realidade], daria a Pequim opções militares mais confiáveis no caso de uma emergência em Taiwan.”

No entanto, alguns funcionários do Pentágono sugeriram que é improvável que o Exército Popular de Libertação alcance uma “inteligência” completa até lá, o que lançaria dúvidas sobre sua capacidade de dominar os EUA em uma hipotética batalha por Taiwan. No entanto, isso não impediu os republicanos de usar essa previsão para alertar o Congresso e pedir recursos adicionais para armamentos para uma futura guerra com a China.

Como disse o deputado Mike Gallagher [republicano de Wisconsin, eleito em 2017] em 2022, quando ainda era membro minoritário do Comitê de Serviços Armados da Câmara: “A China está gastando tanto dinheiro em modernização militar e já acelerou seu cronograma para 2027 – quer que o Exército Popular de Libertação tenha a capacidade de assumir Taiwan – que devemos agir com senso de urgência para lidar com essa ameaça, porque é algo que nunca vimos na história moderna.” Note-se que ele é agora [desde janeiro de 2023] o presidente do novo Comitê Seleto da Câmara dos Representantes sobre a China: o Comitê do Partido Comunista Chinês da Câmara.

A possibilidade de uma invasão em 2027 permaneceu uma ideia aceita nos círculos políticos dos EUA até janeiro passado, quando o chefe do Comando de Mobilidade da Força Aérea, general Michael Minihan, disse a suas tropas que achava que a data correta para uma futura guerra com a China era 2025. Isso desencadeou um novo ataque de pânico em Washington.

“Espero estar errado”, escreveu aos 50 mil membros da Força Aérea sob seu comando. “Minhas entranhas me dizem que vamos lutar em 2025. Xi garantiu um terceiro mandato e definiu seu conselho de guerra para outubro de 2022. As eleições presidenciais de Taiwan serão realizadas em 2024 e fornecerão uma boa razão para Xi agir. As eleições presidenciais nos Estados Unidos ocorrerão em 2024 e oferecerão a Xi uma América conturbada. A equipe, o motivo e a oportunidade do lider Xi estão todos alinhados para 2025.”

Embora sua previsão tenha sido ridicularizada por alguns analistas que duvidavam da capacidade da República Popular da China de dominar os EUA naquela data, o general Michael Minihan foi fortemente apoiado por “falcões anti-chineses” no Congresso. “Espero que ele esteja errado também, mas acho que ele está certo, infelizmente”, disse o deputado Michael McCaul (republicano do Texas), presidente do Comitê de Relações Exteriores da Câmara, em entrevista à Fox News Sunday (em 29 de janeiro de 2023).

Atualmente, Washington continua obcecado com a data da potencial invasão chinesa. Alguns dados agora evocam o ano de 2024. É estranho, no entanto, que em nenhum lugar dos círculos oficiais haja uma única figura de liderança fazendo a pergunta mais fundamental: a China realmente pretende invadir Taiwan ou estamos criando uma crise desnecessária?

Cálculo de riscos e benefícios

Para responder a essa pergunta, é preciso estudar as estimativas de Pequim sobre os benefícios e riscos relativos de tal invasão.

Comecemos pelo início. Os líderes da China disseram repetidamente que estão dispostos a usar a força como último recurso para garantir a unificação de Taiwan com o continente. O presidente Xi e seus principais tenentes repetem esse mantra em todos os grandes discursos. “Taiwan é a Taiwan da China”, disse Xi Jinping no 20º Congresso Nacional do Partido Comunista da China (PCCh), em outubro de 2022. “Continuaremos a trabalhar pela reunificação pacífica com a maior sinceridade e esforço, mas nunca prometeremos renunciar ao uso da força e nos reservaremos o direito de tomar todas as medidas necessárias.”

Além disso, esforços consideráveis foram feitos para fortalecer a capacidade do Exército Popular de Libertação de invadir a ilha, localizada a 160 km do continente chinês através do Estreito de Taiwan. O Exército Popular de Libertação desenvolveu muito o seu armamento naval, a marinha do Exército Popular de Libertação e, em particular, a sua componente de assalto anfíbio. Este ramo do Exército Popular de Libertação, por sua vez, realizou inúmeros exercícios anfíbios ao longo da costa chinesa, muitos dos quais sugerem treinamento para uma possível invasão de Taiwan. De acordo com o Relatório Anual do Pentágono sobre Desenvolvimentos Militares e de Segurança Envolvendo a República Popular da China, 2022, essas manobras se multiplicaram nos últimos anos, com 20 delas ocorrendo apenas em 2021.

Tais exercícios certamente indicam que a liderança chinesa está adquirindo a capacidade de empreender uma invasão, se julgar necessário. No entanto, fazer ameaças e adquirir meios militares não significa necessariamente que eles pretendem agir. A alta liderança do Partido Comunista Chinês sobreviveu a lutas implacáveis dentro do partido e sabe calcular riscos e benefícios. Quaisquer que sejam seus sentimentos em relação a Taiwan, eles não estão inclinados a ordenar uma invasão que possa resultar na derrota da China e em seu próprio esquadrão, prisão ou morte.

Pesando os riscos

Mesmo na melhor das circunstâncias, um ataque anfíbio a Taiwan revelar-se-ia extremamente difícil e perigoso. Transportar dezenas de milhares de soldados do Exército Popular de Libertação através de 160 km de água enquanto são constantemente atacados por forças taiwanesas e (provavelmente) americanas e posicioná-las em cabeças de praia fortemente defendidas poderia facilmente terminar em desastre.

Como a Rússia descobriu na Ucrânia, pode ser extremamente difícil conduzir um ataque em grande escala diante de uma resistência feroz, mesmo no caso de uma invasão terrestre.

Não esqueçamos também que o Exército Popular de Libertação não participa de combates armados significativos desde 1979, quando perdeu uma guerra contra o Vietnã (embora tenha tido algumas escaramuças fronteiriças com a Índia nos últimos anos). Mesmo que conseguisse estabelecer uma cabeça de praia em Taiwan, suas forças perderiam sem dúvida dezenas de navios, centenas de aviões e milhares de soldados, sem nenhuma garantia de poder controlar Taipé ou outras grandes cidades.

Foi exatamente o que aconteceu durante vários “wargames” [que permitem aos exércitos simular, em forma de jogo, operações contra um adversário capaz de reagir] realizados em 2022 pelo Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais (CSIS), um think tank com sede em Washington. Essas simulações, conduzidas por figuras com “experiência variada em governos, think-tanks e militares”, sempre começaram com um ataque anfíbio do Exército Popular de Libertação a Taiwan, acompanhado de ataques aéreos e de mísseis a infraestruturas críticas do governo. Mas “a invasão chinesa parou rapidamente”, diz um resumo do CSIS.

“Apesar dos bombardeios maciços chineses, as forças terrestres taiwanesas estão migrando para a cabeça de praia, onde os invasores estão lutando para obter suprimentos e se mover para o interior. Enquanto isso, submarinos, bombardeiros e aviões de combate e ataque dos EUA, muitas vezes reforçados por forças de autodefesa japonesas, estão rapidamente paralisando a frota anfíbia da China. Os ataques chineses a bases japonesas e navios de superfície dos EUA não podem mudar o resultado: Taiwan continua autônoma.”

Aqueles que, como o general Michael Minihan, preveem uma invasão chinesa iminente geralmente esquecem de mencionar essas avaliações rigorosas, mas outros analistas militares têm sido menos relutantes. O relatório de 2022 do Pentágono sobre o poder militar chinês, por exemplo, afirma: “Uma tentativa de invasão de Taiwan provavelmente sobrecarregaria as forças armadas da República Popular da China e provocaria uma intervenção internacional. Combinado com o inevitável desgaste das forças… esses fatores tornam uma invasão anfíbia de Taiwan um risco político e militar significativo para Xi Jinping e o Partido Comunista Chinês”.

Os generais e almirantes de Xi Jinping certamente conduziram jogos de guerra semelhantes e chegaram a conclusões semelhantes. Os líderes chineses também estão cientes das sanções impostas pelos EUA e seus aliados à Rússia em resposta à invasão da Ucrânia e reconhecem que uma invasão de Taiwan levaria automaticamente a sanções semelhantes. Acrescente-se a isso os danos que os bombardeiros dos EUA poderiam causar à infraestrutura da China, e as perspectivas econômicas do país poderiam ser dizimadas nos próximos anos, provavelmente significando a sentença de morte para o Partido Comunista Chinês. Então, por que considerar uma invasão?

Não há urgência

Há outro fator a acrescentar. Os líderes da China parecem ter concluído que o tempo está do seu lado – que o povo taiwanês acabará por decidir voluntariamente unir-se à China continental. Essa abordagem é delineada no recente Livro Branco de Pequim, intitulado A Questão de Taiwan e a Reunificação da China na Nova Era, divulgado em agosto passado pelo Escritório de Assuntos de Taiwan do Conselho de Estado da RPC [resumo publicado em 19 de agosto de 2022 pela Xinhua, uma das duas agências oficiais]. De acordo com o documento, à medida que a China se torna mais próspera, os taiwaneses – especialmente os jovens – verão cada vez mais benefícios para a unificação, o que diminuirá o apelo da independência ou do “separatismo”.

“O desenvolvimento e o progresso da China e, em particular, o aumento constante de seu poder econômico, força tecnológica e capacidade de defesa nacional, é um freio eficaz às atividades separatistas”, diz o documento. “À medida que mais e mais compatriotas taiwaneses, especialmente jovens, continuam seus estudos, abrem empresas, procuram emprego ou se mudam para viver no continente… Os laços econômicos e pessoais entre os habitantes de ambos os lados estão se fortalecendo… Isso leva as relações entre os dois lados do Estreito à reunificação.”

Não esqueçamos que esta não é uma estratégia de curto prazo, mas que levará anos, se não décadas, a ser concluída. No entanto, a maior parte do conteúdo deste Livro Branco não é dedicada às ameaças militares – as únicas partes do documento que foram abordadas no Ocidente – mas ao reforço do comércio bilateral e ao aumento da atratividade económica da China para os jovens taiwaneses.

“Ao seguir o caminho do socialismo com características chinesas, a China continental melhorou sua governança e manteve o crescimento econômico de longo prazo”, diz o comunicado. “Como resultado, o poder geral e a influência internacional da China continental continuarão a crescer, e sua influência na sociedade taiwanesa e sua atratividade para ela continuarão a crescer.”

Nesta abordagem passo a passo, há certamente o reconhecimento de que uma ação militar contra Taiwan pode ser desastrosa para a China. Mas, seja qual for o raciocínio por trás dessa abordagem, parece que os líderes da China estão dispostos a investir recursos consideráveis para persuadir os taiwaneses de que a reunificação é de seu interesse. Não está claro se essa estratégia será bem-sucedida. É certamente possível que a preferência de Taiwan pela autonomia política supere seu interesse nas diversas oportunidades econômicas da China continental, mas se Pequim apostar tanto no futuro dessa maneira, um ataque militar parece muito menos provável. E isso é algo que você não pode ouvir hoje em dia em uma Washington cada vez mais belicosa.

Considere alternativas

É difícil para os estrangeiros – e ainda mais para a maioria dos chineses – saber o que está acontecendo nas reuniões a portas fechadas da liderança do PCC em Pequim. Todos os segredos de Estado, os cálculos dessa direção em relação a uma possível invasão de Taiwan são provavelmente os mais bem guardados. Em outras palavras, é perfeitamente possível que Xi Jinping e seus principais tenentes estejam prontos para invadir Taiwan ao menor sinal de independência por parte dos líderes taiwaneses, como afirmam muitas autoridades americanas. Mas não há evidências no domínio público que apoiem tal avaliação e todas as análises militares concretas sugerem que tal empreendimento seria suicida. Em outras palavras – mesmo que nunca se perceba isso no atual contexto de frenesi em Washington – é bastante razoável concluir que uma invasão não é provável nas circunstâncias atuais.

Convencidos de que Pequim está pronta para encenar uma invasão, os EUA já estão fornecendo a Taiwan bilhões de dólares em armamento avançado, enquanto constroem sua própria capacidade de derrotar a China em um possível conflito. Infelizmente, essa preparação para uma futura guerra no Pacífico provavelmente consumirá uma parcela cada vez maior do dinheiro do contribuinte dos EUA, treinará e planejará cada vez mais atividades militares no Pacífico.

E, como sugeriram recentemente o congressista Mike Gallagher e o líder da maioria republicana na Câmara, Kevin McCarthy – deve-se adotar uma atitude cada vez mais belicosa em relação à China. Dada a probabilidade razoável de que a liderança da China tenha decidido renunciar a uma invasão, pelo menos no futuro imediato, não faz sentido considerar políticas alternativas que nos custem menos e nos tornem mais seguros?

Imaginemos, de fato, que adotamos uma postura menos antagônica em relação a Pequim e buscamos soluções negociadas para alguns dos problemas que nos dividem, incluindo a militarização da China de ilhas disputadas no Mar do Sul da China e suas provocativas manobras aéreas e marítimas em torno de Taiwan. A redução das tensões no Pacífico Ocidental poderia, por sua vez, ajudar a evitar aumentos maciços no orçamento do Pentágono, o que aumentaria os gastos com prioridades nacionais, como saúde, educação e ação climática.

Michael Klare é professor no Hampshire College. Autor, entre outros livros, de All Hell Breaking Loose: The Pentagon’s Perspective on Climate Change (Metropolitan Books).

Tradução: Eleutério F. S. Prado.

Publicado originalmente no portarl A l’encontre.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • Razões para o fim da greve nas Universidade Federaisbancos 16/05/2024 Por TADEU ALENCAR ARRAIS: A nova proposta do Governo Federal anunciada dia 15 de maio merece debate sobre continuar ou não a greve
  • O negacionismo ambiental e a inundação de Porto Alegreporto alegre aeroporto alagado 14/05/2024 Por CARLOS ATÍLIO TODESCHINI: Porto Alegre tem o melhor sistema de proteção contra cheias do Brasil. É considerado um “minissistema holandês”. Por que esse sistema falhou em sua função de evitar que a cidade fosse alagada?
  • Como mentir com estatísticascadeira 51 18/05/2024 Por AQUILES MELO: Os números apresentados pelo governo federal aos servidores da educação em greve mais confundem do que explicam, demonstrando, assim, desinteresse na resolução do problema
  • A mão de OzaJoao_Carlos_Salles 14/05/2024 Por JOÃO CARLOS SALLES: O dever do Estado brasileiro e a universidade contratada
  • A universidade operacionalMarilena Chauí 2 13/05/2024 Por MARILENA CHAUI: A universidade operacional, em termos universitários, é a expressão mais alta do neoliberalismo
  • A “multipolaridade” e o declínio crônico do OcidenteJosé Luís Fiori 17/05/2024 Por JOSÉ LUÍS FIORI: A defesa da multipolaridade será cada vez mais a bandeira dos países e dos povos que se insurgem neste momento contra o imperium militar global exercido pelo Ocidente
  • O cavalo Caramelocavalo caramelo 15/05/2024 Por LEONARDO BOFF: Há que se admitir que nós não temos respeitado os direitos da natureza com seu valor intrínseco, nem posto sob controle nossa voracidade de devastá-la
  • A greve nas universidades e institutos federais não…caminho tempo 17/05/2024 Por GRAÇA DRUCK & LUIZ FILGUEIRAS: As forças de esquerda e democráticas precisam sair da passividade, como que esperando que Lula e o seu governo, bem como o STF resolvam os impasses políticos
  • SUS, 36 anos – consolidação e incertezasPaulo Capel Narvai 15/05/2024 Por PAULO CAPEL NARVAI: O SUS não foi o “natimorto” que muitos anteviram. Quase quatro décadas depois, o SUS está institucionalmente consolidado e desenvolveu um notável processo de governança republicana
  • A liberdade fake e o Marquês de SadeEugenio Bucci 18/05/2024 Por EUGÊNIO BUCCI: A liberdade fake, a liberdade sádica, que no fundo é a negação de toda liberdade, está levando o Brasil ao naufrágio total

AUTORES

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES