A escravidão já foi uma prática legalizada?

Foto de Christiana Carvalho
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por RICARDO MANOEL DE OLIVEIRA MORAIS*

Com altas autoridades defendendo a inexistência do racismo, passar em revista à nossa história é um imperativo

Todos os anos nós nos recordamos de um marco em que é lembrada a suposta abolição da escravidão pela Lei 3.353 de 13 de maio de 1888, conhecida como Lei Áurea. Deixo claro que não falarei dos movimentos que a antecederam ou de todos aqueles que se sacrificaram para que a escravidão tivesse um “fim”. O que eu gostaria de fazer é uma reflexão sobre a “legalidade” da escravidão entre 1822 e 1888. Diante de tamanhos retrocessos, com altas autoridades defendendo a inexistência do racismo no Brasil, brincando com questões como o “clareamento racial” e naturalizando o trabalho infantil, passar em revista a nossa história é um imperativo que se coloca.

Antes, porém, acho interessante olharmos para o nosso Deputado Príncipe. Há vários meses ele fazia um discurso na Câmara dos Deputados salientando, graças a uma imunidade parlamentar ironicamente republicana (imunidade ligada à liberdade de fala), que a escravidão faz parte da natureza humana. Não pretendo discutir a natureza humana. Acredito que esse seja um assunto para Príncipes. Apenas gostaria de apontar para o cinismo de alguém que foi filiado ao Partido NOVO (claro, nada mais novo que o monarquismo) entre 2015 e 2018 e que se dispõe a ser um congressista monarquista em uma República (ao menos é o que dizem). Coincidência? Acho que não.

No contexto da independência do Brasil, os ingleses impuseram como condição para o reconhecimento da colônia portuguesa como país independente que fosse abolida a escravatura. Logo, o Projeto de Brasil (ainda não se escrevia com Z – contém ironia) assumiu o compromisso de que só se tornaria Brasil se não existisse escravidão. Noutros termos, o Projeto de Brasil assinou um tratado mais de 60 anos antes da Lei Áurea com a potência econômica e militar do século XIX dizendo que não haveria no Brasil escravidão.

Mais ainda, na Constituição de 1824 não há qualquer menção à escravidão. Ao contrário, ela deixa claro que todos são iguais e não faz nenhuma distinção de cor ou raça (sugiro a leitura de seu art. 179). Daí entendemos não só de onde veio o cinismo do nosso Deputado Príncipe monarquista na república e defensor de uma “nova política”, mas também porque o BraZil não deixou que o Projeto de Brasil vingasse. E salta a pergunta que é a dúvida que sempre tive: se a escravidão no Brasil nunca foi permitida, como uma lei poderia proibi-la?

Não conseguiria responder a essa pergunta. Não sem o cinismo do nosso Deputado Príncipe (ou seria Príncipe Deputado?) ou do nosso “sensato” vice-Bolsonarista. Acho que é como um Projeto Anticrime. Se o crime é proibido, por que um projeto anticrime? Por isso questiono mais uma vez: se a escravidão jamais foi permitida, como pôde ser proibida? Perguntas da mais alta indagação.

Nós poderíamos, aqui, dizer que o crime não era proibido para os agentes do Estado durante o Regime de Exceção Militar. Poderíamos, igualmente, lembrar dos crimes cometidos por um ex-Juiz braZiliano, protagonista do tal projeto que proíbe crimes (vide art. 10 da Lei de Interceptação Telefônica. Mas, como dizem, princípio da irretroatividade). Poderíamos, ainda, lembrar dos elogios que o Sr. Sensato fez a um reconhecido torturador. Tudo isso diz muito sobre uma lei que proíbe o que jamais se permitiu.

Com isso, é com algum cinismo que digo que, em nosso país, a escravidão jamais foi legalizada. Ao contrário, vivemos décadas de tráfico deliberado de pessoas que aguardavam um mínimo de reconhecimento de direitos (apenas esclarecendo que não falo dos dias atuais). Isso apenas mostra o quão brutal e negacionista é o Estado brasileiro. Para os ingleses (daí a expressão “para inglês ver”), jamais houve escravidão no Brasil, assim como para o Governo, jamais houve pandemia ou racismo.

*Ricardo Manoel de Oliveira Morais é doutor em Direito Político pela UFMG.

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Daniel Costa Marcelo Módolo Eugênio Bucci Eugênio Trivinho Leda Maria Paulani Chico Whitaker Ricardo Musse Michael Löwy Eliziário Andrade Fernão Pessoa Ramos Osvaldo Coggiola Bruno Fabricio Alcebino da Silva Celso Frederico André Singer Otaviano Helene Everaldo de Oliveira Andrade Vladimir Safatle Igor Felippe Santos Gilberto Maringoni Antonio Martins José Geraldo Couto Caio Bugiato Henri Acselrad Bernardo Ricupero Claudio Katz Fernando Nogueira da Costa Luís Fernando Vitagliano Marcos Aurélio da Silva Ronald Rocha Luiz Renato Martins Tarso Genro Tales Ab'Sáber Lucas Fiaschetti Estevez José Dirceu Chico Alencar Michel Goulart da Silva Francisco de Oliveira Barros Júnior Airton Paschoa Leonardo Sacramento Anselm Jappe Luiz Bernardo Pericás João Lanari Bo Bento Prado Jr. Berenice Bento Alexandre de Lima Castro Tranjan Paulo Martins José Micaelson Lacerda Morais Gilberto Lopes Julian Rodrigues Jean Marc Von Der Weid Sergio Amadeu da Silveira Matheus Silveira de Souza Lincoln Secco Samuel Kilsztajn Valerio Arcary Atilio A. Boron Leonardo Avritzer Juarez Guimarães Sandra Bitencourt Eleutério F. S. Prado Manuel Domingos Neto Bruno Machado Jean Pierre Chauvin Lorenzo Vitral Valerio Arcary Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Francisco Fernandes Ladeira Luiz Carlos Bresser-Pereira Liszt Vieira Michael Roberts Dennis Oliveira Luiz Eduardo Soares Alexandre de Freitas Barbosa Paulo Nogueira Batista Jr Francisco Pereira de Farias Eleonora Albano Carla Teixeira Priscila Figueiredo Marjorie C. Marona Walnice Nogueira Galvão Marcos Silva Rubens Pinto Lyra Andrew Korybko Luciano Nascimento João Sette Whitaker Ferreira Vanderlei Tenório Marilia Pacheco Fiorillo Elias Jabbour Celso Favaretto José Costa Júnior Salem Nasser Maria Rita Kehl João Carlos Salles Rafael R. Ioris Ronaldo Tadeu de Souza Luiz Werneck Vianna Gerson Almeida Annateresa Fabris Alexandre Aragão de Albuquerque Marcelo Guimarães Lima Eduardo Borges Remy José Fontana Heraldo Campos Rodrigo de Faria Carlos Tautz Flávio Aguiar Afrânio Catani Paulo Capel Narvai Boaventura de Sousa Santos Luis Felipe Miguel Plínio de Arruda Sampaio Jr. Marilena Chauí Milton Pinheiro João Adolfo Hansen Paulo Fernandes Silveira Luiz Marques Daniel Brazil Manchetômetro Mário Maestri Denilson Cordeiro Mariarosaria Fabris João Carlos Loebens Marcus Ianoni Benicio Viero Schmidt João Feres Júnior José Luís Fiori Ari Marcelo Solon Armando Boito José Raimundo Trindade Jorge Luiz Souto Maior Kátia Gerab Baggio Ronald León Núñez André Márcio Neves Soares Slavoj Žižek Ladislau Dowbor Érico Andrade Jorge Branco José Machado Moita Neto Antônio Sales Rios Neto Leonardo Boff Gabriel Cohn Ricardo Antunes Henry Burnett Antonino Infranca Renato Dagnino Yuri Martins-Fontes Flávio R. Kothe Ricardo Fabbrini Daniel Afonso da Silva Luiz Roberto Alves João Paulo Ayub Fonseca Fábio Konder Comparato Dênis de Moraes Ricardo Abramovay Andrés del Río Paulo Sérgio Pinheiro Tadeu Valadares Alysson Leandro Mascaro Vinício Carrilho Martinez Thomas Piketty

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada