As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Uma mulher negra no STF

Imagem: Elyeser Szturm
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por VINÍCIO CARRILHO MARTINEZ*

Carta ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva

Caro companheiro, ilustre, excelentíssimo, senhor presidente da República “Luiz Inácio Lula da Silva”, na certeza de que não serei lido, escrevo-lhe para elencar alguns breves pensamentos acerca da necessária, obrigatória, indicação de uma mulher negra para o Supremo Tribunal Federal (STF).

Considerando-se desde já o nosso apelo: por menos racismo, por uma mulher negra no STF!!

Considerando-se que vossa excelência nunca terá ciência desta carta, mas que outras pessoas possam ler e assim, juntos, aumentarmos o coro em prol da instigante defesa de todas as lutas contra o racismo, a misoginia, o feminicídio,

Considerando-se que (penso eu) sempre me coloquei ao alcance da luta pelo direito, como componente vivo da luta política, no miolo da inesgotável luta de classes,

Considerando-se que o embate contra o fascismo nacional (2016-2022) não cessou, não deverá cessar nunca, e que hoje nos empenhamos na conquista/recuperação da justiça política restaurativa no âmbito do Estado democrático de direito (profundamente laico, como reza o art. 19 da Constituição Federal de 1988 – CF88),

Considerando-se que mesmos as “cartas ao/do tempo” (aquelas presas em garrafas e lançadas ao mar profundo) fazem algum sentido, obrigamo-nos a nos manifestar na luta intempestiva a fim de que indique uma mulher negra ao STF.

Desse modo, insistindo na luta justa, comecemos pela afirmação: “O porquê de uma mulher negra no Supremo Tribunal Federal (STF)”. No caso emergencial, para ocupar a vaga da ministra Rosa Weber que se aposenta.

São muitas respostas que convergem a um só ponto: fazer justiça à história. Especialmente no tocante à história das mulheres negras que lutaram (lutam), que tombaram (ainda tombam) diante da violência, do arcaico machismo convertido em misoginia e condutor do feminicídio.

Essa futura indicação da presidência – na prática, nomeação – faria justiça, mesmo que inicialmente simbólica, a todas as Marias Quitérias e Marielles. Milhares delas, ao longo da história, e muitas vezes bem na frente dos nossos olhos.

Seria uma resposta à altura das promessas de inclusão, emancipação, aderência aos melhores valores humanos. Seria um depósito definitivo na certeza de que os direitos humanos são prevalecentes, bem como a luta por descompressão social e política.

Essa indicação, nomeação, seria um tiro certeiro no miolo do patriarcalismo e do domínio (verdadeiro “dominus”) do homem branco, altamente escolarizado, mas herdeiro das elites culturais dominantes. Seria uma aposta, em caráter definitivo, no próprio acatamento, fruição e respeito constitucional; seria uma crença inabalável, inafiançável na força normativa da Constituição.

Seria a suma conclamação à soberania constitucional, ao respeito ao Estado laico, democrático e de direito – seria um tiro fatal na tese de quem defende mais um nome (masculino, dominante) associado como “terrivelmente evangelizado”.

Vossa indicação/nomeação seria uma investida certeira, oposta, contrária às demais indicações/nomeações obedientes unicamente aos interesses pessoais ou políticos.

Essa indicação/nomeação levaria uma mulher negra (garantista e constitucionalista) para onde dever ir: a casa superior da justiça. Esta que não é (não deve ser) a Casa grande, seria reconfortante ao ideal de justiça, da democracia, da coisa pública, porquanto é o espaço onde a mulher negra poderia contribuir na construção da justiça popular que tanto ansiamos.

Essa mulher negra, garantista, constitucionalista – com seu evidente e notório saber jurídico –, olharia para os seus. Olharia mais ainda para si e para os seus se viesse da militância jurídica (judicial) em favor do povo pobre, negro e oprimido.

Essa mulher negra faria justiça a si, à sua história de vida, aos seus próximos, aos indefesos que sempre defendeu; faria justiça à própria Corte Suprema, guardiã da Constituição. Basta-nos pensar que nem todos os indicados têm uma visão muito acurada do que seja um Estado constitucional.

Essa mulher negra faria justiça a este que escreve, porque, como deficiente físico, encontraria nesta mulher negra atuante, combativa na defesa das garantias constitucionais, dos Direitos humanos, uma nobre e valente mulher negra que defende os direitos fundamentais de todas as minorias sociais. Porque ela própria sempre sentiu na cor da pele o que é ser minoria na sociedade nacional elitista, profusamente racista e excludente.

Os critérios técnicos seriam todos observados na indicação dessa mulher negra ao STF. Aliás, forjada na luta pelo efetivo cumprimento e fruição dos direitos humanos fundamentais, essa mulher negra exigiria que assim o fosse. É a sua cláusula pétrea, a pedra atirada por todos/todas que se postam ao lado certo da história. Sabedora e defensora de toda sua história, de sua honestidade intelectual, a mulher negra jamais abaixaria a defesa de seu notório conhecimento jurídico, humano, social, antifascista, antirracista.

Uma vez indicada, empossada, essa mulher negra – a primeira junto ao STF – saberia reconhecer de pronto de quanta hipocrisia é feita a elite dos poderes constituídos. Como combatente, na afirmação histórica dos Direitos humanos Fundamentais, essa mulher negra não ficaria impressionada. Isso lhe cairia como vontade agregada na luta pela descompressão social e política.

Senhor presidente, minha última consideração, assim como comecei: por menos racismo, por uma mulher negra no STF!

*Vinício Carrilho Martinez é professor do Departamento de Educação da UFSCar.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Carla Teixeira Henry Burnett Kátia Gerab Baggio Juarez Guimarães Rodrigo de Faria Eliziário Andrade Vladimir Safatle Paulo Fernandes Silveira Leonardo Sacramento Mário Maestri Luiz Bernardo Pericás Everaldo de Oliveira Andrade Paulo Martins Eleutério F. S. Prado Érico Andrade Thomas Piketty Slavoj Žižek Fernando Nogueira da Costa Vinício Carrilho Martinez Leonardo Avritzer Tadeu Valadares Airton Paschoa Flávio R. Kothe Chico Alencar Francisco Pereira de Farias Gilberto Lopes Denilson Cordeiro Bento Prado Jr. Daniel Afonso da Silva André Márcio Neves Soares Eduardo Borges Henri Acselrad Alexandre de Freitas Barbosa Caio Bugiato Alexandre Aragão de Albuquerque Lorenzo Vitral Tales Ab'Sáber Ronaldo Tadeu de Souza Marcelo Guimarães Lima Mariarosaria Fabris Anselm Jappe Sergio Amadeu da Silveira Ricardo Musse José Dirceu Francisco de Oliveira Barros Júnior José Luís Fiori Fábio Konder Comparato Tarso Genro Michael Löwy José Micaelson Lacerda Morais Dennis Oliveira Rubens Pinto Lyra Antonio Martins Otaviano Helene Leonardo Boff Luiz Eduardo Soares Ricardo Fabbrini Lincoln Secco José Machado Moita Neto Milton Pinheiro Bernardo Ricupero Luis Felipe Miguel Manuel Domingos Neto Marilia Pacheco Fiorillo Andrew Korybko Jean Marc Von Der Weid Salem Nasser Paulo Nogueira Batista Jr Luiz Renato Martins Celso Favaretto Boaventura de Sousa Santos Luiz Marques Gerson Almeida Eleonora Albano Lucas Fiaschetti Estevez Dênis de Moraes Luiz Carlos Bresser-Pereira Michael Roberts Yuri Martins-Fontes André Singer Marcos Aurélio da Silva Antonino Infranca Daniel Brazil Jorge Luiz Souto Maior Osvaldo Coggiola Celso Frederico José Geraldo Couto Remy José Fontana José Raimundo Trindade Vanderlei Tenório Daniel Costa Marcus Ianoni Valerio Arcary Walnice Nogueira Galvão Ricardo Abramovay Francisco Fernandes Ladeira Luiz Roberto Alves Igor Felippe Santos Liszt Vieira Luciano Nascimento Gabriel Cohn Maria Rita Kehl Flávio Aguiar Benicio Viero Schmidt Anderson Alves Esteves Samuel Kilsztajn Carlos Tautz Jean Pierre Chauvin João Adolfo Hansen João Carlos Salles Priscila Figueiredo Roberto Noritomi Paulo Sérgio Pinheiro Antônio Sales Rios Neto Marilena Chauí Manchetômetro Luiz Costa Lima Heraldo Campos Luiz Werneck Vianna Eugênio Bucci Plínio de Arruda Sampaio Jr. João Paulo Ayub Fonseca Jorge Branco Elias Jabbour Ronald León Núñez Marjorie C. Marona Bruno Machado Marcelo Módolo Fernão Pessoa Ramos João Carlos Loebens Valério Arcary Ricardo Antunes Annateresa Fabris Rafael R. Ioris Chico Whitaker Roberto Bueno Eugênio Trivinho Sandra Bitencourt João Lanari Bo Berenice Bento Afrânio Catani João Sette Whitaker Ferreira Paulo Capel Narvai Ronald Rocha Luís Fernando Vitagliano Atilio A. Boron Gilberto Maringoni Julian Rodrigues Renato Dagnino José Costa Júnior Armando Boito Ladislau Dowbor João Feres Júnior Marcos Silva Alexandre de Lima Castro Tranjan Bruno Fabricio Alcebino da Silva Alysson Leandro Mascaro Claudio Katz Ari Marcelo Solon Leda Maria Paulani

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada