As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A taxação dos super-ricos

Imagem: Anthony Beck
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JOÃO CARLOS LOEBENS*

No sistema tributário brasileiro quanto mais pobre, mais imposto paga; quanto mais rico, menos imposto paga

O sistema tributário brasileiro, nos dias de hoje, apresenta uma característica geral que poderia ser assim resumida: quanto mais pobre, mais imposto paga; quanto mais rico, menos imposto paga.

Super-rico brasileiro, então, não paga praticamente nada.

Neste mês, o governo federal emitiu duas medidas para tributar alguma coisa dos rendimentos (“salários”) dos super-ricos brasileiros. Opa! Mexeu comigo! Será que você é super-rico ou conhece algum?

Não precisa ficar preocupado, muito provavelmente não é contigo, pois 99,999% dos brasileiros serão beneficiados com as duas medidas. Por exemplo, se a soma do seu patrimônio for de R$ 10 milhões de reais, você não será afetado, pois a taxação não é sobre bens. Não se trata de tributação sobre o patrimônio. A tributação é sobre os rendimentos (“salário”) de aplicações para quem tem mais de R$ 10 milhões de reais sobrando para aplicar em fundos financeiros fechados.

A primeira iniciativa do governo federal é a Medida Provisória 1.184, para tributar fundos de investimento de aproximadamente 2.500 pessoas super-ricas (0,001% da população do Brasil), que tem regras privilegiadas só para eles, e não pagam tributo. São os chamados fundos fechados, com aplicação financeira inicial ou mínima de 10 milhões de reais.

E quanto seria o rendimento/salário para uma aplicação desse tipo? Suponhamos uma aplicação mínima de 10 milhões a uma taxa de 1% ao mês, que daria um rendimento/salário de R$ 100.000,00 reais/mês, hoje sem pagar nada de imposto de renda. Já os demais brasileiros, com rendimentos/salário a partir de R$ 2.112,00 estão obrigados a pagar IR, com alíquota de até 27,5% para rendimentos superiores a R$ 4.664,00 reais.

Você quer ser um bilionário? Uma dica do que seria necessário fazer: você junta um milhão de reais por ano. Faça isso por mil anos. Juntando R$ 1.000.000,00/ano por 1.000 anos, ao final você será um super-rico bilionário. Simples, não? A explicação ou justificativa dada para essa concentração de renda bilionária estaria na meritocracia, que pode ser melhor entendida nos esclarecimentos do livro A tirania do mérito, do escritor estadunidense Michael Sandel.

A Forbes listou no Brasil, em 2022, 62 bilionários (oligarcas?), sendo o maior deles Jorge Paulo Lemann, com uma fortuna estimada de R$ 71 bilhões. Jorge Paulo Lemann é controlador da Ambev, tem participação na Burger King e a empresa 3G Capital, nova “dona” da Eletrobras. Cabe lembrar que o Lemann, juntamente com Sicupira e Teles (outros dois bilionários brasileiros da lista da Forbes, Ambev, Eletrobras …), foram os protagonistas do recente escândalo, fraude ou rombo da Americanas, algo em torno de 40 bilhões.

Voltando às medidas apresentadas pelo governo. A proposta é igualar a tributação desses fundos exclusivos, ou fechados, cobrando de 15% a 22,5% sobre os rendimentos, igual aos fundos abertos de investimento que os demais brasileiros aplicam, como por exemplo no Tesouro Direto (qualquer pessoa pode aplicar no Tesouro Direto usando seu computador de casa – bem melhor que a poupança).

A arrecadação prevista sobre os rendimentos desses fundos fechados dos super-ricos é de R$ 24 bilhões até 2026, que daria para financiar p.ex. 30% do Minha Casa Minha Vida. É uma iniciativa importante para reduzir desigualdades nesse nosso país, o mais desigual do mundo!

A segunda medida é um Projeto de Lei para tributar os rendimentos de capital aplicado em países denominados “paraísos fiscais”, que eu prefiro chamar de países “esconderijos fisco-criminais”, como Suíça, Ilhas Cayman, Luxemburgo e Emirados Árabes. O principal produto financeiro que esses países vendem é a ocultação de dinheiro/patrimônio, normalmente de origem ilícita (dinheiro de roubo, tráfico, corrupção/sonegação/desvios), e principalmente escondem esses recursos para possibilitar que os donos supre-ricos possam fugir da obrigação de pagar impostos no país de origem, como os demais cidadãos são obrigados a pagar.

No chamado PL das Offshores e Trusts, a proposta é taxar os rendimentos do capital de brasileiros aplicado no exterior com alíquotas progressivas de zero a 22,5%. A média mundial é 30 a 40%. Só o Brasil não cobra!

Essas duas medidas podem ser consideradas um começo para a justiça fiscal, para mudar essa regra brasileira ruim e inconstitucional do “quanto mais rico menos imposto paga”. A Constituição diz que a tributação sobre a renda deve ser universal e progressiva.

No Congresso Nacional, os super-ricos têm muitos representantes! E é justamente o Congresso, através dos deputados e senadores, que precisa aprovar essas medidas.

E então, os super-ricos irão pagar algo de imposto de renda sobre os seus rendimentos/salários dessas aplicações específicas? Vai depender do Congresso, vai depender do seu deputado e do seu senador.

*João Carlos Loebens é doutorando em economia e auditor-fiscal da Receita Estadual do Rio Grande do Sul.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Rubens Pinto Lyra Alexandre de Freitas Barbosa Valerio Arcary Ronaldo Tadeu de Souza Tarso Genro Érico Andrade Marcus Ianoni Eduardo Borges Bernardo Ricupero José Machado Moita Neto Berenice Bento Otaviano Helene Heraldo Campos Marilena Chauí João Adolfo Hansen Fábio Konder Comparato Salem Nasser Luis Felipe Miguel Luiz Carlos Bresser-Pereira Fernão Pessoa Ramos João Sette Whitaker Ferreira Renato Dagnino Vladimir Safatle Kátia Gerab Baggio Boaventura de Sousa Santos Lincoln Secco Lorenzo Vitral Luiz Werneck Vianna Flávio R. Kothe Sergio Amadeu da Silveira Caio Bugiato Mário Maestri Henry Burnett Samuel Kilsztajn José Luís Fiori Luiz Eduardo Soares Anderson Alves Esteves Ronald Rocha Alexandre de Lima Castro Tranjan Plínio de Arruda Sampaio Jr. Luiz Marques Dennis Oliveira Paulo Nogueira Batista Jr Vinício Carrilho Martinez Rodrigo de Faria Eugênio Trivinho Antonio Martins José Dirceu Gilberto Lopes Henri Acselrad Armando Boito João Carlos Loebens Leonardo Sacramento Ladislau Dowbor José Geraldo Couto Paulo Capel Narvai Luiz Roberto Alves Leonardo Avritzer Gilberto Maringoni Tales Ab'Sáber Luciano Nascimento Alexandre Aragão de Albuquerque Eliziário Andrade Remy José Fontana Carlos Tautz Antonino Infranca André Márcio Neves Soares Eleutério F. S. Prado Jorge Luiz Souto Maior Ari Marcelo Solon Julian Rodrigues Francisco Fernandes Ladeira Ricardo Abramovay Celso Favaretto Eleonora Albano Celso Frederico Anselm Jappe Maria Rita Kehl Bento Prado Jr. Paulo Sérgio Pinheiro Carla Teixeira Annateresa Fabris Francisco de Oliveira Barros Júnior Jean Pierre Chauvin Leda Maria Paulani José Costa Júnior Elias Jabbour Jorge Branco Marcos Silva André Singer Afrânio Catani Luiz Renato Martins Everaldo de Oliveira Andrade Juarez Guimarães Sandra Bitencourt Michael Roberts José Raimundo Trindade Bruno Fabricio Alcebino da Silva Luís Fernando Vitagliano Lucas Fiaschetti Estevez Jean Marc Von Der Weid Roberto Bueno Ricardo Fabbrini Gerson Almeida Yuri Martins-Fontes João Feres Júnior Ronald León Núñez João Lanari Bo João Carlos Salles Rafael R. Ioris Bruno Machado Paulo Fernandes Silveira Chico Alencar José Micaelson Lacerda Morais Alysson Leandro Mascaro Priscila Figueiredo Eugênio Bucci Claudio Katz Ricardo Antunes Ricardo Musse Airton Paschoa Tadeu Valadares Marjorie C. Marona Roberto Noritomi Daniel Costa Daniel Brazil João Paulo Ayub Fonseca Dênis de Moraes Vanderlei Tenório Andrew Korybko Slavoj Žižek Thomas Piketty Denilson Cordeiro Atilio A. Boron Mariarosaria Fabris Marilia Pacheco Fiorillo Benicio Viero Schmidt Daniel Afonso da Silva Chico Whitaker Luiz Costa Lima Michael Löwy Antônio Sales Rios Neto Flávio Aguiar Marcelo Guimarães Lima Valério Arcary Francisco Pereira de Farias Osvaldo Coggiola Manchetômetro Marcos Aurélio da Silva Gabriel Cohn Liszt Vieira Paulo Martins Manuel Domingos Neto Fernando Nogueira da Costa Luiz Bernardo Pericás Milton Pinheiro Leonardo Boff Igor Felippe Santos Marcelo Módolo Walnice Nogueira Galvão

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada