Ódio e violência: o perverso legado do bolsonarismo

Clara Figueiredo, série_ registros da quarentena, av. prestes maia, São Paulo, 2020.
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LEONARDO BOFF*

O legado pior e mais perverso deixado pelo presidente fujão e ladrão de presentes oficiais foi o de atiçar o ódio e a violência nas relações sociais

Quem durante quatro anos nos governou não foi bem um presidente mas um cappo com sua família, cuja característica principal, utilizando as redes sociais, a linguagem chula, os comportamentos grosseiros, a mentira como método, a vontade de destruir biografias, a distorção consciente da realidade, a ironia e a satisfação desumana sobre a doença do Presidente Lula e da Presidenta Dilma, a omissão consciente no trato do coronavírus que sacrificou pelo menos 300 mil pessoas, o genocídio consentido do yanomami, a aquisição praticamente ilimitada de armas letais, a difusão do ódio e da violência, geraram o que ultimamente assistimos: alguém invade uma creche e assassina quatro inocentes crianças e deixa outras feridas.

Há outros casos de alunos que esfaquearam uma professora e um estudante, outro que mata seu colega de escola e outros tantos crimes desse jaez praticados no âmbito escolar, sem referir a violência policial nas periferias das cidades onde jovens negros e outros pobres são abatidos impunente. Mata-se por motivos fúteis como a disputa por um pedaço de pizza.

O legado pior e mais perverso deixado pelo presidente fujão e ladrão de presentes oficiais, doados por autoridades de outros Estados, além de inúmeros outros crimes políticos, foi este: atiçar o ódio e a violência desbragada nas relações sociais.

Nem chorar nem só lamentar, mas procurar entender: donde nos vem a violência bárbara que tantas vítimas fez em nosso pais? Observemos um pouco a história: Alfred Weber,i rmão de Max Weber, em seu resumo da história universal, nos relata que dos 3.400 anos de história documentada, 3.166 foram de guerra. Os restantes 234 anos não foram certamente de paz, mas de trégua e preparação para outra guerra. As guerras do século passado, ao todo, mataram 200 milhões de pessoas. Como se depreende, a violência e seus derivados estão enraizados em nossa história. Ele levanta uma interrogação, expressa na troca de cartas entre Albert Einstein e Sigmund Freud em 30 de julho de 1932.

Einstein pergunta ao fundador da psicanálise, Freud: “há um modo de libertar os seres humanos da fatalidade da guerra…é possível tornar os seres humanos mais capazes de resistir à psicose do ódio e da destruição?”. Freud realisticamente responde: “não existe a esperança de poder suprimir de modo direto a agressividade dos seres humanos. Contudo podem-se percorrer vias indiretas, reforçando o Eros (princípio de vida) contra o Tánatos (princípio de morte). Tudo o que faz surgir laços afetivos entre os seres humanos, age contra a guerra. Tudo o que civiliza o ser humano trabalha contra a guerra”.

A cultura, a religião, a filosofia, a ética e a arte foram sempre expedientes para frear ou sublimar o impulso de morte. Mas mostraram-se insuficientes. Por isso entendemos a resposta resignada de Freud a Einstein: “esfaimados, pensamos no moinho que tão lentamente mói que podemos morrer de fome antes de receber a farinha”.

Na verdade das coisas, os sábios da humanidade nos fizeram entender que somos seres ambíguos. No dialeto religioso dizia Santo Agostinho: “somos simultaneamente Adão e simultaneamente Cristo”. Não dizia outra coisa Lutero quando afirmava: “somos simultaneamente justos e pecadores”. Nos tempos atuais foi um sábio de 103 anos, Edgar Morin que continuamente nos recorda: pertence à condição humana, sermos ao mesmo tempo sapiens e demens. Isso não é defeito de criação, mas a nossa constituição enquanto humanos. Em outras palavras, somos seres portadores da dimensão de amor e de ódio, de luz e de sombra, da pulsão de vida e da pulsão de morte, do sim-bólico (que une) e do dia-bólico (que desune). Somos a unidade dialética destas contradições.

A opção de base que tomarmos, se o amor, se a luz, se a vida, se o sim-bólico funda nossa ética humanitária. Se assumirmos o contrário instauramos a ética desumana e cruel. Embora ambos os polos convivam e sem podemos eliminá-los nem recalcá-los, é a centralidade que conferimos a uma destas polarizações que define nosso percurso de vida, vital ou letal e nossos comportamentos éticos.

Se o que dissemos é verdade, então importa sermos realistas e sinceros e reconhecer que a violência que se aninha dentro de nós, irrompeu na figura sinistra do presidente anterior. Ele conseguiu que seguidores tirassem a dimensão de ódio que estava neles e deu-lhe franco curso. Utilizou todos os modos possíveis, desde a calúnia, a mentira, as fake news, a violência verbal através dos vários meios digitais, a violência direta, ameaçando de morte pessoas e efetivamente matá-las.

O humano “demasiadamente humano” vale dizer, a porção sombria e dia-bólica ganhou visibilidade e exercício impune sob o regime bolsonarista e com seu incentivador.

O mais grave do bolsonarismo e de seu cappo é ter deseducado os jovens, promovido a linguagem de baixo calão, os comportamentos agressivos, os preconceitos contra os mais vulneráveis, os pobres, os negros, os quilombolas, os indígenas, as mulheres, vítimas de incontáveis feminicídios e pessoas de outra opção sexual. Todos estes foram difamados, perseguidos, violentados e não poucos assassinados, especialmente estes últimos.

Basta esta história de horrores vividos durante quatro anos. Mas o povo deu-se conta de que assim não se pode viver e conviver. Elegeram, pela terceira vez, alguém, um representante da senzala social: Luiz Inácio Lula da Silva. Seu governo se confronta com uma tarefa ingente: reconstruir uma nação devastada no seu corpo e no seu espírito. As raízes desse desumanismo estão ainda aí e estarão sempre, pois, são parte de nossa condição. Mas as mantemos sob controle. O povo e a nação optou pela luz contra a sombra, pelo amor contra o ódio, pelo sim-bólico contra a dia-bólicos.

Devemos nos manter sempre vigilantes, para que os demônios (que junto com os anjos) que nos habitam, inundem a consciência dos bolsonaristas e destruam sistematicamente o que gerações e gerações com suor e sangue construíram. Eles não passarão. Como não passaram outros chefes de estado criminosos e inimigos da vida.

*Leonardo Boff, é teólogo, filósofo e escritor. Autor, entre outros livros, de Brasil: concluir a refundação o prolongar a dependência? (Vozes).


O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Gilberto Maringoni Leonardo Sacramento Paulo Fernandes Silveira Andrés del Río Anselm Jappe Ronaldo Tadeu de Souza Luiz Carlos Bresser-Pereira Dênis de Moraes Plínio de Arruda Sampaio Jr. Bruno Fabricio Alcebino da Silva Eliziário Andrade Eleonora Albano Ladislau Dowbor Michael Löwy Ronald León Núñez Marcos Aurélio da Silva Everaldo de Oliveira Andrade Paulo Capel Narvai Caio Bugiato Chico Whitaker Bruno Machado Daniel Costa Priscila Figueiredo Renato Dagnino José Raimundo Trindade Alexandre de Lima Castro Tranjan Marjorie C. Marona Benicio Viero Schmidt Matheus Silveira de Souza Lucas Fiaschetti Estevez Marcus Ianoni Valerio Arcary Afrânio Catani Mariarosaria Fabris Leda Maria Paulani Valerio Arcary Armando Boito José Costa Júnior Manuel Domingos Neto Luiz Werneck Vianna Gerson Almeida Annateresa Fabris Chico Alencar Ari Marcelo Solon Luiz Eduardo Soares Remy José Fontana Bernardo Ricupero Igor Felippe Santos Tales Ab'Sáber Slavoj Žižek Alysson Leandro Mascaro Salem Nasser Flávio R. Kothe Jean Marc Von Der Weid Dennis Oliveira André Márcio Neves Soares Daniel Brazil André Singer João Lanari Bo Paulo Martins Ricardo Abramovay Henry Burnett Sandra Bitencourt Vanderlei Tenório Tarso Genro Milton Pinheiro Lorenzo Vitral Jorge Luiz Souto Maior Luiz Marques Eduardo Borges Rubens Pinto Lyra José Micaelson Lacerda Morais Gabriel Cohn Bento Prado Jr. Francisco de Oliveira Barros Júnior Leonardo Boff Mário Maestri Juarez Guimarães Fernando Nogueira da Costa Carla Teixeira Denilson Cordeiro Jean Pierre Chauvin Sergio Amadeu da Silveira Samuel Kilsztajn Celso Favaretto Luciano Nascimento Marilena Chauí Atilio A. Boron Andrew Korybko Boaventura de Sousa Santos Maria Rita Kehl Luiz Bernardo Pericás João Carlos Salles Flávio Aguiar Marcos Silva Eleutério F. S. Prado Luis Felipe Miguel Walnice Nogueira Galvão Osvaldo Coggiola Michael Roberts Otaviano Helene Eugênio Trivinho Rodrigo de Faria Vinício Carrilho Martinez Julian Rodrigues José Luís Fiori Marcelo Módolo Ricardo Musse João Paulo Ayub Fonseca Ricardo Fabbrini João Carlos Loebens José Machado Moita Neto Rafael R. Ioris Fernão Pessoa Ramos Alexandre de Freitas Barbosa Carlos Tautz Thomas Piketty Ronald Rocha Ricardo Antunes Vladimir Safatle Anderson Alves Esteves Alexandre Aragão de Albuquerque Michel Goulart da Silva José Geraldo Couto Marilia Pacheco Fiorillo Heraldo Campos Antônio Sales Rios Neto Celso Frederico Kátia Gerab Baggio Lincoln Secco João Adolfo Hansen Yuri Martins-Fontes Eugênio Bucci Paulo Nogueira Batista Jr Fábio Konder Comparato Luiz Roberto Alves Francisco Pereira de Farias Jorge Branco João Feres Júnior Claudio Katz Luiz Renato Martins Paulo Sérgio Pinheiro Érico Andrade José Dirceu Liszt Vieira Berenice Bento Tadeu Valadares Airton Paschoa João Sette Whitaker Ferreira Luís Fernando Vitagliano Daniel Afonso da Silva Antonio Martins Gilberto Lopes Leonardo Avritzer Henri Acselrad Manchetômetro Francisco Fernandes Ladeira Marcelo Guimarães Lima Antonino Infranca Elias Jabbour

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada