As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Vai passar

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por VALERIO ARCARY*

A atual conjuntura expressa um desenlace parcial e temporário de uma luta política inconclusa

Marx comentou uma vez que a história podia ser, estupidamente, lenta. É bom lembrar que a ditadura militar tinha muito apoio popular no início dos anos 1970, mas depois mais de cinco milhões de pessoas foram às ruas nas Diretas Já em 1984; que o governo Sarney foi ultra-popular no ápice do Plano Cruzado, mas depois milhões aderiram à greve geral em 1989, e Lula chegou ao segundo turno; que o governo Collor era super-popular enquanto a inflação não disparou em 1991, mas depois outra vez, alguns milhões foram às ruas para derrubá-lo; que o governo FHC era mega popular em 1994, e foi reeleito em primeiro turno em 1998, mas depois em 1999 a campanha Fora FHC mobilizou centenas de milhares, e abriu caminho para a eleição de Lula em 2002.

Na verdade, a atual conjuntura expressa um desenlace parcial e temporário de uma luta política inconclusa. Vai passar, só não sabemos quando. Mesmo depois de cinco meses de pandemia, em um contexto de tragédia humanitária, e um inusitado desemprego superior, provavelmente, a 20% , a rejeição ao governo Bolsonaro diminuiu.

A esquerda é ainda mais influente entre os trabalhadores com contrato, celetistas do setor privado e funcionários públicos e na juventude, e a oposição a Bolsonaro majoritária entre as mulheres e negros, mas a confiança popular na força das mobilizações permanece baixa. Estamos há cinco anos em uma situação reacionária, e a oscilação na conjuntura do último mês foi desfavorável.

Estamos todos, em maior ou menor grau, um pouco perplexos. As pesquisas da últimas semanas confirmam que a resiliência do bolsonarismo tem se revelado poderosa. A influência da corrente neofascista é majoritária entre os empresários, se consideramos a burguesia brasileira de conjunto, ainda que haja divisões; ainda mantém maioria nas camadas médias, embora sofra desgaste; e avança entre os trabalhadores informais, aqueles que não não têm contrato de trabalho.

O paradoxo é que a experiência com o governo de extrema-direita, ainda que esteja em desenvolvimento, é lenta. Essa lentidão não deve ser exagerada, mas é real. Um bom momento para lembrar a máxima de Spinoza: “nem rir, nem chorar, compreender”. Não é um mistério. São variados e conhecidos os fatores objetivos e subjetivos que explicam estas flutuação: impacto da injeção dos R$ 200 bilhões do auxílio emergencial, elevação do consumo, adaptação fatalista à longa duração da pandemia, reativação parcial da atividade econômica, isolamento das esquerda ao espaço das redes, etc.

Queremos culpados. Mas compreender a realidade que nos cerca exige pensar em níveis diferentes de abstração. A culpa dos cem mil mortos é, evidentemente, de Bolsonaro, porque era possível evitar que a calamidade se transformasse em cataclismo. Mas de quem é a culpa, se em plena catástrofe, a rejeição ao governo diminuiu?

Existem três respostas simples, límpidas, óbvias, evidentes e erradas. Todas são parciais e, portanto, meias-verdades. Meias verdades são meias mentiras.  A primeira é que não há culpados: Bolsonaro mantém posições porque venceu o debate público e nós perdemos. É um argumento circular: nós perdemos porque os neofascistas ganharam. Sim, há um grão de verdade. Mas, por que perdemos?

A segunda resposta é que a culpa é da parcela do povo pobre que não entende, e absolve a responsabilidade do governo. É um argumento injusto e perigoso. As massas não são politicamente, inocentes, porque ninguém é. Mas culpar as massas pelo seu destino é um argumento reacionário e cruel. É reacionário, porque a culpa pela preservação de Bolsonaro é da burguesia e da classe média que o apoiam. É cruel, porque as amplas massas estão consumidas em uma luta atroz pela sobrevivência.

A rigor, não deveríamos estar surpresos. Não é nada excepcional. Ao contrário, essa é uma das regularidades históricas mais freqüentes, e por isso mesmo é que a história tem um grau de incertidão e imprevisibilidade tão elevado. Os trabalhadores, como todas as classes sociais ascendentes no passado histórico, passaram pela cruel escola do aprendizado político-prático para construir uma experiência e uma consciência de onde estavam localizados os seus interesses de classe.

Como se não fosse comum as classes populares agirem contra os seus interesses. Não só o fazem, dentro de certos limites, e por um certo período de tempo, até que os acontecimentos mesmos demonstrem, pela força viva das suas conseqüências, quem está sendo beneficiado e quem está sendo prejudicado, como o fazem de forma recorrente.

Nesta perspectiva, as responsabilidades das organizações dirigentes e dos seus atos seria, politicamente, pouco relevante. Isso é falso. As responsabilidades dos sujeitos sociais não podem absolver as responsabilidades dos sujeitos políticos. Nas sociedades contemporâneas assistimos, de forma ininterrupta, uma defasagem entre as necessidades objetivas das classes, e o grau de consciência, ou seja, o estado de espírito, o humor, o ânimo que a classe trabalhadora tem sobre os seus interesses.

Em momentos de súbitas viradas do curso das situações políticas, como na pandemia, o fenômeno ocorre com mais intensidade. Essa defasagem é mais acentuada entre os trabalhadores do que entre as classes dominantes, pela razão arqui-conhecida de que os trabalhadores têm sempre que vencer uma enorme quantidade de obstáculos materiais, culturais, políticos e ideológicos para se afirmar e constituir como classe independente.

A terceira resposta é que a culpa é da direção dos partidos de esquerda que abraçaram a campanha Fora Bolsonaro, mas não conseguiram um desgaste mais acelerado do governo. Os partidos de esquerda de base operária são, historicamente, um instrumento de organização e resistência, são ou devem ser um ponto de apoio para que a classe possa se defender: essa seria a sua utilidade, e se fracassarem nesse elementar propósito, tendem a perder autoridade, audiência e respeito.

Existe uma intransferível responsabilidade moral e politica, em uma esfera diferente das responsabilidades das massas, que é própria das organizações políticas e suas direções. No caso dos partidos de esquerda essa responsabilidade parece ser, historicamente, ainda maior, dado a enorme dificuldade de uma classe ao mesmo tempo explorada materialmente, oprimida culturalmente e dominada politicamente construir a sua independência. Mas, se é verdade que uma parte da esquerda hesitou em subir o tom, e foi difícil, durante pelo menos dois meses construir uma Frente Única de Esquerda pelo Fora Bolsonaro, não é justo concluir que esta recuperação do governo repousa nas suas costas.

Como sempre, em uma avaliação em perspectiva histórica, é preciso considerar de onde viemos, para termos parâmetros de para onde vamos. Viemos do impasse das mobilizações de 2013; do giro do governo do PT com a nomeação de Joaquim Levy e o ajuste fiscal em 2015; da divisão e desmoralização entre os trabalhadores com o desemprego em massas; dos deslocamentos da classe média para uma oposição furiosa embalada pela narrativa contra a corrupção; do triunfo do golpe parlamentar; da incapacidade do PT de liderar a campanha pelo Fora Temer; da condenação e prisão de Lula; e da vitória eleitoral de uma liderança neofascista em 2018.

A democracia não é um regime político de luta entre os iguais: as classes proprietárias lutam para exercer e preservar um domínio e um controle sobre a vida material, e, também, sobre a vida cultural e politica dos trabalhadores, em condições de superioridade que são incomparáveis. A burguesia, em outras palavras, luta por uma hegemonia sobre toda a sociedade, sob a bandeira dos seus valores e seus interesses, que são sempre apresentados como os interesses de todos: ela não ambiciona somente dominar, ela quer dirigir. Mas tudo tem limites históricos. Vai passar.

*Valério Arcary é professor aposentado do IFSP. Autor, entre outros livros, de O encontro da revolução com a história (Xamã).

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Michael Roberts Ronald Rocha Andrew Korybko Heraldo Campos Gilberto Lopes Eleutério F. S. Prado Vinício Carrilho Martinez Francisco de Oliveira Barros Júnior Marcelo Guimarães Lima Ricardo Musse Marjorie C. Marona Julian Rodrigues Alysson Leandro Mascaro Marilia Pacheco Fiorillo Luiz Renato Martins Elias Jabbour Plínio de Arruda Sampaio Jr. Berenice Bento Renato Dagnino Caio Bugiato João Lanari Bo Leonardo Avritzer Ricardo Antunes Luiz Werneck Vianna José Luís Fiori Eleonora Albano Sergio Amadeu da Silveira Anderson Alves Esteves Alexandre Aragão de Albuquerque Walnice Nogueira Galvão Marcos Aurélio da Silva Marcos Silva Jorge Branco Slavoj Žižek Dênis de Moraes Francisco Fernandes Ladeira José Machado Moita Neto Paulo Capel Narvai Ari Marcelo Solon João Carlos Salles Airton Paschoa Eduardo Borges Antonino Infranca Francisco Pereira de Farias Boaventura de Sousa Santos Annateresa Fabris Luiz Roberto Alves Daniel Brazil Leonardo Boff Dennis Oliveira Mário Maestri José Geraldo Couto José Costa Júnior Paulo Sérgio Pinheiro Armando Boito Ricardo Abramovay Mariarosaria Fabris Daniel Afonso da Silva Milton Pinheiro Rafael R. Ioris André Márcio Neves Soares Anselm Jappe Yuri Martins-Fontes Juarez Guimarães Lincoln Secco Atilio A. Boron Marcelo Módolo Sandra Bitencourt Alexandre de Freitas Barbosa Luiz Marques Celso Favaretto Eliziário Andrade Remy José Fontana Benicio Viero Schmidt José Dirceu Paulo Martins Jean Pierre Chauvin Ronaldo Tadeu de Souza Afrânio Catani Salem Nasser Marilena Chauí Thomas Piketty Eugênio Bucci José Micaelson Lacerda Morais Maria Rita Kehl Valério Arcary Carlos Tautz José Raimundo Trindade Everaldo de Oliveira Andrade Bento Prado Jr. Paulo Nogueira Batista Jr Igor Felippe Santos Eugênio Trivinho Bernardo Ricupero Luiz Costa Lima Érico Andrade Ladislau Dowbor Osvaldo Coggiola Jean Marc Von Der Weid Tadeu Valadares Priscila Figueiredo Fábio Konder Comparato Rubens Pinto Lyra Celso Frederico Bruno Fabricio Alcebino da Silva João Adolfo Hansen João Sette Whitaker Ferreira Roberto Bueno Liszt Vieira Vladimir Safatle Claudio Katz Rodrigo de Faria Denilson Cordeiro Bruno Machado Flávio Aguiar Gabriel Cohn Lorenzo Vitral Henri Acselrad Luiz Bernardo Pericás Fernão Pessoa Ramos Luciano Nascimento Alexandre de Lima Castro Tranjan Carla Teixeira Henry Burnett Vanderlei Tenório Michael Löwy Leonardo Sacramento Chico Whitaker Leda Maria Paulani Gilberto Maringoni João Feres Júnior João Paulo Ayub Fonseca Lucas Fiaschetti Estevez Roberto Noritomi Luiz Eduardo Soares Marcus Ianoni Antonio Martins Ricardo Fabbrini Tarso Genro Flávio R. Kothe Daniel Costa Fernando Nogueira da Costa Manchetômetro Otaviano Helene Ronald León Núñez Samuel Kilsztajn André Singer Paulo Fernandes Silveira Jorge Luiz Souto Maior Luiz Carlos Bresser-Pereira Manuel Domingos Neto Luís Fernando Vitagliano Valerio Arcary Tales Ab'Sáber Kátia Gerab Baggio João Carlos Loebens Antônio Sales Rios Neto Chico Alencar Luis Felipe Miguel Gerson Almeida

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada