Em destaque – X

Imagem_Marcio Costa
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por BENICIO VIERO SCHMIDT*

Comentário sobre acontecimentos recentes

Vamos começar pelo debate sobre “o furo do teto”. A legislação que veio do governo Michel Temer, patrocinado pelo MDB no projeto “Uma ponte para o futuro”, estabeleceu um teto para os gastos públicos, incluindo aí também os investimentos, igual a inflação do ano anterior acrescida à disponibilidade do ano corrente. Ora, antes da pandemia, o teto para os gastos estava estimado em 180 bilhões de reais. Já chegamos a 800 bilhões. O teto foi rompido por razões excepcionais, é claro, mas fica a dúvida se o Estado brasileiro não deveria manter uma capacidade de investimento para a recuperação do emprego e da renda. Ainda mais quando se leva em conta que novos investimentos podem incrementar o crescimento do PIB e diminuir da dívida pública pela via do aumento de arrecadação do Estado.

Os grandes argumentos da ortodoxia reinante, com Paulo Guedes no Ministério da Economia, são de que, primeiro, existe a possibilidade de uma fuga de capitais se o teto for rompido. A resposta a isso seria de que a fuga de capitais já se dá desde 2016, em quantidades acima da média histórica no Brasil. Portanto, já há fuga de capitais. Segundo, que o rompimento do teto levaria a uma inflação de custos. O que na verdade estamos vendo atualmente com o furo do teto de 800 bilhões de reais é que a inflação é praticamente inexistente, e temos em setores fundamentais sinais de deflação. Portanto, outro argumento insuficiente.

O terceiro argumento é que o aumento da dívida pública levaria ao aumento dos juros. Ora, a dívida pública aumentou de 65% do PIB para cerca de 80% do PIB atualmente e nós não tivemos aumento de juros, ao contrário, estamos na média histórica mais baixa de juros no Brasil. E, por último, de que o furo do teto levaria o país a uma recessão. Ora, oficialmente nós já estamos em recessão pelo menos desde o ano passado, no mínimo.

Trata-se de um debate mundial sobre o papel atual do Estado. A comunidade econômica européia lançou um programa coletivo de 750 bilhões de euros para financiar a reativação da economia nos países do bloco. Os Estados Unidos faz coisa idêntica desde 2008, quando foi o epicentro da crise, assim como o Japão. E nesses países não há inflação, há um aumento brutal da dívida sem inflação e com juros baixíssimos – no caso do Japão, juros negativos.

Os argumentos liberais são facilmente refutáveis no terreno do debate econômico. Resta saber qual operação governamental será feita. A situação torna possível uma predição: os dias de Paulo Guedes parecem estar contados. O governo, por intermédio de Jair Bolsonaro, do ministro Rogério Marinho e de outros ministros, aparentemente quer uma retomada do investimento público em cerca de 30 bilhões de reais. A peça do orçamento que será enviada ao Congresso prevê preliminarmente apenas 10 bilhões de reais. Portanto, quem corre riscos é Paulo Guedes e suas teses de austeridade fiscal.

O segundo destaque é que, contrariamente à liminar do ministro do STF Ricardo Lewandowski de anos atrás, e de uma concepção que vem da Constituição Federal, o governo está fatiando as empresas estatais para vendê-las no mercado privado. É o caso recentemente da venda pela Eletrobrás do projeto do grande parque eólico no Rio Grande do Sul. A estimativa é que a Eletrobrás para montar esse parque gastou 3,1 bilhões de reais e o vendeu por apenas 500 milhões de reais. O fatiamento das estatais tornou-se uma estratégia para vendê-las com um prejuízo enorme do ponto de vista operacional.

A peça orçamentária que será mandada ao Congresso nos próximos dias, prevê, pela primeira vez em dez anos, que a defesa terá maiores investimentos que a educação. Os gastos com a defesa, incluído salários, vão ser de 5.8 bilhões, maiores do que o total do Ministério da Educação. É a primeira vez que isso ocorre nos últimos 10 anos. O fato é que isso lembra a importância estratégica do papel político das Forças Armadas dentro do atual governo. Cabe destacar que no Ministério da Educação 71% do orçamento será dedicado ao pagamento da folha salarial. Já para a defesa, isso sobe a 91%, ou seja, do ponto de vista da eficácia econômica, o orçamento do MEC é mais eficiente que o orçamento da defesa, que mantém os seus quadros super bem remunerados.

A pesquisa nacional que anuncia Jair M. Bolsonaro com maior apoio desde que assumiu a presidência indica a presença de muitos fatores, obviamente, mas fica claro pelos dados que o maior apoio vem do setor informal da economia, em especial dos trabalhadores informais e dos desempregados. Isso quer dizer que, acabando o programa de auxílio emergencial, ou não sendo redefinida a ajuda estratégica que tem sido feita nos últimos meses, o apoio ao governo tende a ser redimensionado.

Estamos às vésperas das eleições municipais. Para essas eleições, como para todas as outras, existe um fundo partidário, que é alocado para os partidos políticos a cada ano, e um fundo eleitoral, que é dedicado a cada eleição em particular. Este ano, o fundo eleitoral vai a mais de 1 bilhão de reais e os partidos que perfazem o maior número de deputados são os que vão dispor das maiores fatias desses recursos.

Chama a atenção o fato de que – conforme mostram investigações realizadas sobre o processo decisório dentro dos partidos políticos – a maioria dos partidos terá nas suas cúpulas a única instância decisória. Ou seja, o tesoureiro e o presidente podem decidir sozinhos sobre a partilha de milhões de reais que serão depositados na conta do partido. Portanto, os partidos políticos estão a repetir um anacronismo burocrático e a elitização de suas máquinas pela conservação do poder nas mãos de poucos parlamentares, ou mesmo não parlamentares, como é o caso de alguns partidos.

Por último, cabe destacar negativamente o caso do estupro da menina de 10 anos cujo aborto foi realizado em Pernambuco debaixo de forte pressão e irracionalismo por parte de fundamentalistas religiosos que levaram novamente o médico que foi responsável pela operação a ser excomungado. Isso é o de menos, o grave é que a criança, ferida em seu direito inalienável, não pode contar com a aplicação do código penal. Teve que sair do Espírito Santo e ir a Recife e ainda sofreu, ela e seus familiares, pressões inacreditáveis.

*Benicio Viero Schmidt é professor aposentado de sociologia na UnB. Autor, entre outros livros, de O Estado e a política urbana no Brasil (LP&M).

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Osvaldo Coggiola Paulo Capel Narvai José Micaelson Lacerda Morais Ricardo Fabbrini Ronald León Núñez José Machado Moita Neto João Carlos Salles Manchetômetro Luiz Werneck Vianna Luciano Nascimento Daniel Afonso da Silva Ricardo Abramovay Lincoln Secco Marcos Aurélio da Silva Dênis de Moraes Samuel Kilsztajn Mariarosaria Fabris Renato Dagnino Matheus Silveira de Souza Claudio Katz José Raimundo Trindade Henri Acselrad Caio Bugiato Celso Frederico Eugênio Bucci João Feres Júnior Airton Paschoa Gilberto Lopes Luiz Carlos Bresser-Pereira Bento Prado Jr. Paulo Sérgio Pinheiro Benicio Viero Schmidt André Singer Plínio de Arruda Sampaio Jr. Milton Pinheiro Luiz Bernardo Pericás Paulo Nogueira Batista Jr André Márcio Neves Soares Jorge Branco Gabriel Cohn Marcelo Guimarães Lima Francisco de Oliveira Barros Júnior Valerio Arcary Leonardo Avritzer Eleonora Albano Gilberto Maringoni Elias Jabbour Luiz Eduardo Soares Denilson Cordeiro Marcelo Módolo Paulo Fernandes Silveira João Paulo Ayub Fonseca José Luís Fiori Sergio Amadeu da Silveira Luiz Renato Martins Ricardo Musse Carlos Tautz Ari Marcelo Solon Rodrigo de Faria Rafael R. Ioris Lucas Fiaschetti Estevez Marilia Pacheco Fiorillo Tales Ab'Sáber Jorge Luiz Souto Maior Flávio Aguiar Fernando Nogueira da Costa Bernardo Ricupero Atilio A. Boron Bruno Machado Berenice Bento Afrânio Catani Alysson Leandro Mascaro Eduardo Borges José Costa Júnior Andrés del Río Eleutério F. S. Prado Chico Whitaker Lorenzo Vitral Alexandre Aragão de Albuquerque João Lanari Bo Ronald Rocha Otaviano Helene Alexandre de Lima Castro Tranjan Armando Boito Leonardo Sacramento Vanderlei Tenório Andrew Korybko Boaventura de Sousa Santos Sandra Bitencourt Yuri Martins-Fontes Luiz Marques Anselm Jappe Jean Marc Von Der Weid João Sette Whitaker Ferreira José Dirceu Leda Maria Paulani Chico Alencar Jean Pierre Chauvin Henry Burnett Ronaldo Tadeu de Souza Flávio R. Kothe Antonino Infranca Antônio Sales Rios Neto Mário Maestri Valerio Arcary Salem Nasser João Carlos Loebens Vinício Carrilho Martinez Everaldo de Oliveira Andrade Daniel Costa Slavoj Žižek Marilena Chauí Walnice Nogueira Galvão Heraldo Campos Francisco Fernandes Ladeira Marjorie C. Marona Ricardo Antunes Luiz Roberto Alves José Geraldo Couto Ladislau Dowbor Eliziário Andrade Marcus Ianoni Priscila Figueiredo Liszt Vieira Luis Felipe Miguel Antonio Martins Igor Felippe Santos Kátia Gerab Baggio Leonardo Boff Michael Roberts Luís Fernando Vitagliano Fábio Konder Comparato Juarez Guimarães Tadeu Valadares Remy José Fontana Thomas Piketty Manuel Domingos Neto João Adolfo Hansen Eugênio Trivinho Michel Goulart da Silva Rubens Pinto Lyra Vladimir Safatle Annateresa Fabris Francisco Pereira de Farias Julian Rodrigues Alexandre de Freitas Barbosa Daniel Brazil Marcos Silva Tarso Genro Dennis Oliveira Gerson Almeida Paulo Martins Maria Rita Kehl Celso Favaretto Carla Teixeira Bruno Fabricio Alcebino da Silva Michael Löwy Fernão Pessoa Ramos Anderson Alves Esteves Érico Andrade

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada