As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A presença da China no Brasil

Imagem_Stela Maris Grespan
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ALEXANDRE G. DE B. FIGUEIREDO*

A trajetória secular da presença chinesa no Brasil mostra que, apesar das diferenças que existem, há uma infinidade de caminhos de cooperação e amizade a seguir, em benefício do Brasil

“Tudo cabe no globo”, diz o narrador de Orientação, conto de João Guimarães Rosa publicado em Tutaméia. A expressão era também uma explicação para um fato um tanto extraordinário: a presença de um chinês -“vivido, vindo, ido” – no sertão de Minas Gerais. O conto de Rosa tem como pano de fundo justamente o choque e o estranhamento entre os dois mundos já de si muito distantes e diferentes. Mas as dessemelhanças escondem, à primeira vista, as proximidades, os laços e as influências que existem.

No último dia 15 de agosto, foram celebrados os 120 anos da imigração chinesa no Brasil. Trata-se da data de entrada no porto do Rio de Janeiro do navio Malange, em 1900, vindo de Lisboa com imigrantes chineses na sua tripulação. A data é significativa para demarcar uma posição de amizade e cooperação em um contexto em que atores do governo federal brasileiro se esforçam no sentido oposto. Contudo, trata-se apenas de um marco oficial. Muito antes do século XX, mesmo quando poucos ou nenhum chinês seria encontrado por aqui, havia sua marca na arte e no cotidiano dos habitantes do Brasil.

Rugendas, quando viajou pelo país acompanhando a expedição Langsdorff na década de 1820, desenhou chineses trabalhando em uma plantação de chá no Rio de Janeiro ao lado de escravos negros. Quantos olhares e culturas distintas se cruzam na mesma cena? O que passava pela cabeça desses mundos que se olhavam pela primeira vez? O europeu, o escravo africano e o asiático cruzavam seus olhares e histórias em uma terra muito distante de onde haviam nascido.

A gravura esconde a extrema violência que marcava o cotidiano do trabalho certamente também para aqueles chineses. Não sabemos se a representação deles em roupas típicas e bem feitas em contraste com o torso nu dos escravos negros eram uma realidade ou uma interpretação em uma imagem concluída apenas em 1835, mais de 10 anos depois da cena que chamou atenção de Rugendas. De todo modo, naquele contexto em que ainda não existia o “Brasil”, a presença dos chineses trabalhando ao lado dos escravos, de onde se origina a maior parte da população do país contemporâneo, mostra uma história mais longa dos contatos e estranhamentos.

Ainda são muito poucas as pesquisas que tratam desse tema. O que não é surpreendente, já que mesmo a memória e a influência dos povos originários e dos escravizados só há pouco tempo ganharam mais espaço na universidade, que ainda não transbordou para o ensino público em geral, apesar dos esforços e legislação nesse sentido. Por isso, não espanta que estudos sobre a presença da China no Brasil sejam raros.

Uma exceção é a obra do professor José Roberto Teixeira Leite, publicado pela Unicamp na década de 1990. A pesquisa, A China no BrasilInfluências, Marcas, Ecos e Sobrevivências Chinesas na Sociedade e na Arte Brasileiras, continua atual e, sobretudo, necessária. Nela, estão apresentadas e mapeadas a presença chinesa na arte colonial brasileira, em especial a arte sacra, e no cotidiano da população. Ecos da antiga rota da seda: navios vindos da China chegavam a Salvador, então capital da colônia, carregados de porcelanas, leques e, claro, seda.

Para além dos produtos em si, vinham também as influências. Em diversas cidades de nove estados do país, como Bahia, Minas Gerais e São Paulo, são encontradas as chamadas “chinesices” (ou chinoiseries), introduzidas entre os séculos XVI e XIX. São marcas na arte sacra, na arquitetura, que refletem a influência do oriente em, por exemplo, rostos dos santos e dragões esculpidos em templos. A igreja de Nossa Sonhara do Rosário, em Embu das Artes, próxima a São Paulo, dentre outras, possui chinesices.

Também existiam evidências dessa presença no cotidiano, tais como o hábito de empinar pipas, estourar fogos de artifício (já conhecidos no Brasil colonial), usar roupas de seda ornamentadas e coloridas e até mesmo homens ricos ostentando unhas exageradamente compridas, para mostrar que não precisavam fazer trabalhos manuais, tal qual os mandarins da China. Ou seja, as marcas do contato com a China estão presentes entre nós desde os momentos fundadores.

Portanto, o estranhamento não se deve exclusivamente às disparidades entre os povos. O Brasil é formado pela integração de diferenças, mesmo que violentamente. Como escreveu Leopoldo Zea, se há uma identidade para nós é justamente a de termos todas as identidades juntas, em constante processo de transculturação[i]. O estranhamento se deve mais a uma opção tomada pelo estado imperial, ainda no século XIX, de se apresentar como “europeu”, negando todas as outras identidades que confluíram no Brasil e na sua multiplicidade.

O personagem do conto de Rosa, citado no início, é descrito como o representante de uma civilização milenar. Era ético, sábio, observador, educado, trabalhador: “sábio como sal no saleiro, bem inclinado. Polvilhava de mais alma as maneiras, sem pressa, com velocidade. Sabia pensar de-banda? Dele a gente gostava. O chinês tem outro modo de ter cara”.

Cozinhava para o Dr. Dayrell, engenheiro de nome inglês. Rosa não explicita esse ponto, mas foram muitos os engenheiros ingleses que vieram ao Brasil trabalhar na construção de ferrovias (o Império Britânico exercia seu poder sobre o Brasil e, de forma ainda mais cruel e direta, sobre a China). O personagem se chamava Yao Tsing-Lao e, aqui, acabou sendo Joaquim, o Sêo Quim. Diligente, conseguiu comprar terras e tornar-se chacareiro.

Seu mundo se abala quando se apaixona por uma sertaneja, a Rita Rola, o oposto da personalidade do Quim: feia, sem modos, falava muito (seria ela uma visão mais crítica de Rosa sobre todos nós?). Justamente por isso, o casamento dos dois soa estranho ao narrador do conto… um chinês e uma sertaneja. No fim, a união se desfez e Quim foi embora, deixando tudo para a esposa.

Deixou, apesar nas negativas da esposa em aceita-lo, uma herança cultural que Lita só assumiu depois da sua partida. Como aponta um ensaio da professora Walnice Galvão, não foi Quim quem se sertanizou, mas o sertão que se “orientou”, para explorar a riqueza semântica da palavra escolhida por Rosa para o título. Quim deixou para Rita, que vai se tornando a Lola Lita (como o chinês “silabava” seu nome), um “grão de fermento”, um “fino de bússola”, uma orientação, portanto. O casal não teve filhos, mas o contato melhorou o sertão[ii].

Hoje, quando muito se explora a imagem ressuscitada de um “perigo amarelo”, a história de Rosa e trajetória secular da presença chinesa no Brasil mostram que, apesar das diferenças que existem, há uma infinidade de caminhos de cooperação e amizade a seguir, em benefício do Brasil. Ao contrário da visão estreita do fundamentalismo de direita no poder, “tudo cabe no globo”.

*Alexandre G. de B. Figueiredo é doutor pelo Programa de Pós-Graduação em Integração da América Latina (PROLAM-USP).

Notas


[i]Zea, Leopoldo. El PensamientoLatinoamericano.

[ii]https://www1.folha.uol.com.br/fsp/mais/fs0110200009.htm

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Gabriel Cohn Vanderlei Tenório José Luís Fiori Rodrigo de Faria Priscila Figueiredo José Dirceu Luiz Renato Martins Anderson Alves Esteves Eugênio Trivinho Mariarosaria Fabris Luís Fernando Vitagliano Antônio Sales Rios Neto Leonardo Avritzer Luiz Costa Lima Daniel Brazil Claudio Katz Valério Arcary Alexandre de Lima Castro Tranjan Samuel Kilsztajn Afrânio Catani Alysson Leandro Mascaro Marilia Pacheco Fiorillo Juarez Guimarães Leda Maria Paulani Maria Rita Kehl Celso Favaretto Luis Felipe Miguel Michael Roberts Gilberto Maringoni Bernardo Ricupero João Lanari Bo Denilson Cordeiro Marjorie C. Marona Slavoj Žižek Luiz Bernardo Pericás Marcelo Guimarães Lima Ari Marcelo Solon Airton Paschoa Bruno Fabricio Alcebino da Silva Ricardo Antunes João Sette Whitaker Ferreira Bruno Machado Vinício Carrilho Martinez Osvaldo Coggiola Rafael R. Ioris José Micaelson Lacerda Morais Atilio A. Boron Fernando Nogueira da Costa André Singer Eleonora Albano Paulo Capel Narvai Carlos Tautz Paulo Nogueira Batista Jr Plínio de Arruda Sampaio Jr. Elias Jabbour Valerio Arcary Daniel Afonso da Silva Marcos Silva Érico Andrade Ronald León Núñez Kátia Gerab Baggio Francisco Pereira de Farias Marcos Aurélio da Silva Marcelo Módolo Remy José Fontana Eliziário Andrade Eleutério F. S. Prado Luiz Werneck Vianna Eugênio Bucci Dennis Oliveira Flávio Aguiar Bento Prado Jr. Celso Frederico Roberto Noritomi Liszt Vieira Lucas Fiaschetti Estevez Antonino Infranca Luiz Marques Salem Nasser Gilberto Lopes Annateresa Fabris Luiz Roberto Alves Ricardo Fabbrini João Paulo Ayub Fonseca Ricardo Musse Fábio Konder Comparato Manuel Domingos Neto Ladislau Dowbor Manchetômetro Luiz Eduardo Soares Benicio Viero Schmidt Everaldo de Oliveira Andrade Jean Marc Von Der Weid Eduardo Borges Armando Boito Carla Teixeira Thomas Piketty Lorenzo Vitral Ricardo Abramovay Daniel Costa Dênis de Moraes Jorge Luiz Souto Maior Vladimir Safatle Marilena Chauí Heraldo Campos André Márcio Neves Soares Leonardo Sacramento Flávio R. Kothe Leonardo Boff Boaventura de Sousa Santos Tales Ab'Sáber Berenice Bento Alexandre Aragão de Albuquerque Ronald Rocha Andrew Korybko João Carlos Loebens Henri Acselrad Otaviano Helene Francisco de Oliveira Barros Júnior Igor Felippe Santos João Feres Júnior José Machado Moita Neto Paulo Sérgio Pinheiro Ronaldo Tadeu de Souza Milton Pinheiro Caio Bugiato José Raimundo Trindade Walnice Nogueira Galvão Paulo Martins Antonio Martins Jorge Branco Rubens Pinto Lyra Henry Burnett Gerson Almeida Marcus Ianoni Chico Alencar Chico Whitaker Julian Rodrigues Sergio Amadeu da Silveira Jean Pierre Chauvin Anselm Jappe João Adolfo Hansen Tadeu Valadares Alexandre de Freitas Barbosa Paulo Fernandes Silveira Fernão Pessoa Ramos Luciano Nascimento João Carlos Salles José Costa Júnior Luiz Carlos Bresser-Pereira Mário Maestri Sandra Bitencourt José Geraldo Couto Roberto Bueno Francisco Fernandes Ladeira Michael Löwy Lincoln Secco Yuri Martins-Fontes Renato Dagnino Tarso Genro

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada