As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A busca do bem-estar nacional e planetário

Imagem: Fidan Nazim qizi
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LEONARDO BOFF*

Para os 730 milhões passando diariamente fome o desejo de bem-estar se vê continuamente frustrado

Mesmo dentro do quadro sombrio em que a humanidade vive atualmente, cabe sempre colocar a questão: em que medida a humanidade, todos os países e as pessoas podem e devem colaborar para um possível e desejável bem-estar minimamente possível. Para as grandes maiorias da humanidade com 730 milhões passando diariamente fome este desejo se vê continuamente frustrado. Isso representa uma desumanidade pois temos condições econômicas e políticas para permitir que todos pudessem viver de forma decente. Mas falta-nos coração e sensibilidade para com quem padece.

Vale a advertência do Papa Francisco em sua encíclica Laudato Sì: sobre o cuidado da Casa Comum (2015), dirigida a toda a humanidade e não apenas aos cristãos: “todos devemos fazer uma global conversão ecológica” (n. 5). Sem esta disposição para a mudança, não superaremos as ameaças que pesam sobre a Terra como as mudanças climáticas e as tragédias que já estão acontecendo.

Podemos até chegar a um ponto de inflexão, de um não-retorno. Estaríamos face ao colapso de nossa civilização e mesmo de nossa existência sobre esse planeta. Na encíclica Fratelli tutti (2021) o mesmo pontífice foi enfático ao dizer: “estamos no mesmo barco; ou nos salvamos todos ou ninguém se salva” (n. 34).

Alimentamos, no entanto, a esperança da Carta da Terra (2003) de que “nossos desafios ambientais, econômicos, políticos, sociais e espirituais estão interligados e juntos poderemos forjar soluções includentes” (Preâmbulo). Esse é o desafio a ser enfrentado corajosamente.

Aclaremos antes, o que se entende por “bem-estar nacional e planetário”. A resposta não pode ser antropocêntrica, como se o ser humano fosse o centro de tudo e o único a ter um fim em si mesmo. Ao contrário, ele é um elo da corrente da vida e parte inteligente da natureza. Vale o que assevera a Carta da Terra: temos que “reconhecer que todos os seres são interligados e cada forma de vida tem valor, independentemente, de sua utilidade para os seres humanos” (I,1.a).

No plano infra-estrutural o bem-estar é o acesso justo de todos aos bens básicos como à alimentação, à saúde, à moradia, à energia, à segurança, à educação, à comunicação e ao lazer. No plano social é a possibilidade de se levar uma vida material e humana satisfatória, na dignidade e na liberdade num ambiente sem violência, de cooperação, da solidariedade e de convivência pacífica. Este seria o grande ideal para a inteira humanidade e para as pessoas.

Esse tipo de bem-estar que equivale ao que chamamos de bem-comum, vale para todos os países e povos. Mas como somos parte da natureza e sem ela não poderíamos viver, o bem-estar inclui a comunidade biótica, os ecossistemas e todos os representantes de diferentes espécies que possuem o direito de existirem, de serem respeitados como portadores de direitos.

Pertence também ao bem-estar o respeito ao mundo abiótico, como as paisagens, as montanhas, os rios, lagos e oceanos, pois formamos com todos eles a grande comunidade terrenal.

Dada a religação de todos com todos, é a cooperação entre todos a seiva secreta que nutre o bem-estar nacional e planetário como um todo. Todo o planeta, entendido como um super-ente que sistemicamente articula o físico, o químico e o biológico, alcança um bem-estar à condição de todo ele se fazer sustentável, manter o equilíbrio de todos os elementos que o compõem e conseguir permanentemente se manter e se autorreproduzir. É o que significa a categoria sustentabilidade.

A Carta da Terra sabiamente colocou as pilastras que sustentam o bem-estar comum: uma mudança na mente e no coração. Quer dizer, ter uma visão da Terra realmente como nossa Mãe que devemos amar, respeitar e cuidar. Uma mudança no coração no sentido de estabelecer um laço afetivo com todos os seres, pois são nossos irmãos e irmãs com os quais conviveremos em harmonia. O bem comum resulta de um sentido de interdependência global entre os humanos e com a natureza. Também requer um sentido de responsabilidade universal pelo bem comum válido para toda a humanidade e para a natureza.

Somente assim se alcança um modo de vida sustentávelque mais que um desenvolvimento econômico sustentável, aos níveis local, nacional, regional e global, expressão de um bem-estar possível e alcançável por todos nós. Talvez o grande desafio humanístico e ético é criar a condições que possibilitem esse tão ansiado bem-estar nacional e planetário. Esse bem inestimável deve ser buscado e construído dia a dia, momento a momento para garantir a sua realização possível.

*Leonardo Boff é ecoteólogo, filósofo e escritor. Autor, entre outros livros, de A justa medida – fator de equilíbrio da Terra (Vozes). [https://amzn.to/464Nipp]


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Valério Arcary Gerson Almeida André Singer Leonardo Sacramento Leonardo Avritzer Gilberto Maringoni Marcos Aurélio da Silva Vanderlei Tenório Berenice Bento Michael Roberts Roberto Noritomi Tadeu Valadares Bruno Machado Lucas Fiaschetti Estevez Valerio Arcary Paulo Capel Narvai Francisco de Oliveira Barros Júnior José Raimundo Trindade Carlos Tautz Annateresa Fabris Kátia Gerab Baggio Airton Paschoa Jorge Branco Antonino Infranca Ricardo Antunes Eduardo Borges Roberto Bueno Yuri Martins-Fontes Alexandre de Lima Castro Tranjan Lorenzo Vitral Fábio Konder Comparato Gabriel Cohn Otaviano Helene Dennis Oliveira Eleonora Albano Henri Acselrad Anderson Alves Esteves Liszt Vieira Chico Alencar Ronald Rocha Eugênio Bucci Vladimir Safatle Bernardo Ricupero Luiz Marques Paulo Nogueira Batista Jr Luís Fernando Vitagliano Mário Maestri Rubens Pinto Lyra Eugênio Trivinho Michael Löwy Fernando Nogueira da Costa João Sette Whitaker Ferreira José Machado Moita Neto Mariarosaria Fabris Bento Prado Jr. Érico Andrade Sergio Amadeu da Silveira Slavoj Žižek Alexandre Aragão de Albuquerque Elias Jabbour Vinício Carrilho Martinez João Carlos Loebens Afrânio Catani Chico Whitaker Gilberto Lopes Paulo Sérgio Pinheiro Paulo Fernandes Silveira Luiz Werneck Vianna Jean Pierre Chauvin Thomas Piketty Osvaldo Coggiola Ronald León Núñez Maria Rita Kehl Ricardo Fabbrini José Luís Fiori Daniel Afonso da Silva Marcelo Guimarães Lima Luiz Renato Martins Paulo Martins Lincoln Secco Marcus Ianoni Samuel Kilsztajn Flávio R. Kothe Walnice Nogueira Galvão Dênis de Moraes Andrew Korybko Marcelo Módolo André Márcio Neves Soares João Adolfo Hansen Luiz Bernardo Pericás Jean Marc Von Der Weid Celso Favaretto Anselm Jappe Marilia Pacheco Fiorillo Antonio Martins Igor Felippe Santos Daniel Brazil Henry Burnett Boaventura de Sousa Santos Tarso Genro José Costa Júnior Eliziário Andrade Leonardo Boff Celso Frederico Jorge Luiz Souto Maior Alysson Leandro Mascaro Julian Rodrigues Atilio A. Boron Carla Teixeira Rodrigo de Faria Manchetômetro Marjorie C. Marona Luciano Nascimento Luiz Carlos Bresser-Pereira Daniel Costa Fernão Pessoa Ramos Claudio Katz Plínio de Arruda Sampaio Jr. Luiz Eduardo Soares José Micaelson Lacerda Morais Ronaldo Tadeu de Souza Everaldo de Oliveira Andrade Heraldo Campos Denilson Cordeiro Ricardo Abramovay Salem Nasser Francisco Pereira de Farias José Geraldo Couto Caio Bugiato Marilena Chauí Milton Pinheiro Remy José Fontana Luiz Costa Lima Flávio Aguiar Sandra Bitencourt João Paulo Ayub Fonseca Juarez Guimarães Bruno Fabricio Alcebino da Silva Luis Felipe Miguel Manuel Domingos Neto Ari Marcelo Solon Renato Dagnino Rafael R. Ioris Priscila Figueiredo Tales Ab'Sáber Marcos Silva Antônio Sales Rios Neto Eleutério F. S. Prado João Carlos Salles João Lanari Bo Ricardo Musse Armando Boito Francisco Fernandes Ladeira Alexandre de Freitas Barbosa José Dirceu João Feres Júnior Luiz Roberto Alves Benicio Viero Schmidt Ladislau Dowbor Leda Maria Paulani

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada