As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Micro-história em tempos de pandemia

Imagem: Ciro Saurius
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por CLEBER VINICIUS DO AMARAL FELIPE*

Estão disponíveis conferências, com conteúdo inédito, que abordam a micro-história

É surpreendente a eficácia com a qual alguns disparates circulam pelas redes sociais/digitais/virtuais sem despertar a menor suspeita. Não fossem a ignorância e/ou a malícia, talvez encontrassem obstáculos mais efetivos pela frente. Dizer que professores universitários usufruem de férias prolongadas e remuneradas durante a pandemia, por exemplo, é um clichê com evidente propósito político que o leitor, possivelmente, leu/ouviu em algum lugar/momento. Nada mais distante da verdade, pois continuam a lecionar, desempenhar atividades administrativas, conduzir projetos de extensão, escrever artigos e livros, organizar palestras e mesas redondas, orientar alunos da graduação e da pós-graduação, compor comissões e colegiados, corrigir provas e trabalhos, preencher diários, preparar disciplinas, participar de reuniões, administrar atividades síncronas e assíncronas. A atual situação extraordinária demandou atividades de outro quilate, para muitos, quase extraterrestre: dominar recursos virtuais e plataformas digitais, manusear novos expedientes didáticos e metodológicos, protagonizar outras formas de interação e comunicação, adaptar-se à (con)fusão entre o serviço público e a vida privada.

Resta acrescentar que, depois do COVID-19, uma série de medidas foram tomadas na universidade, como a suspensão das aulas presenciais e, em seguida, a promoção do ensino remoto. Para respeitar os protocolos de segurança, docentes e alunos buscaram na tecnologia uma maneira de possibilitar o magistério, mesmo diante da ampla falta de habilidade no manuseio dos recursos virtuais. De forma repentina, nossa imagem foi convertida em megapixels e as vozes passaram a repercutir abafadas, entrecortadas e/ou metálicas, em fones de ouvido e caixas de som. A eficácia didática passou a depender da velocidade da internet, da qualidade do sinal de Wi-Fi e da tecnologia que docentes e discentes têm à sua disposição. Definitivamente, a projeção espectral não substitui a presença física, pois não elimina a ausência e impede certos afetos e sensibilidades pouco ou nada condizentes com o aparato digital. Ainda assim, não fossem os mecanismos de que dispomos, não teríamos condições de continuar a promover a cultura, os (des)encontros e a produção de material capaz de proporcionar pesquisas e aprendizado.

Gostaria de mencionar e propalar um projeto, em particular: nos últimos quatro meses, com regularidade semanal, o coordenador do Laboratório de História do Trabalho, da Educação e da Violência (LAHTEV) da Universidade Federal de Uberlândia (UFU), prof. Dr. Deivy Ferreira Carneiro, entrevistou historiadores/pesquisadores que leciona(ra)m em universidades italianas, francesas, norte-americanas, brasileiras e que, ao longo da carreira, aderiram e/ou recorreram aos métodos e abordagens da micro-história. As entrevistas indagam sobre a formação, o lugar institucional e as pesquisas dos docentes Carlo Ginzburg, Maurizio Gribaudi, Simona Cerutti, Giovanni Levi, Angelo Torre, Marcos Bretas, Adriano Prosperi, Luís Augusto Farinatti, Jonas Vargas, Maíra Vendrame, Cláudia Viscardi, Osvaldo Raggio, João Fragoso, Sabina Loriga e Francesca Trivellato. Transmitidas em italiano, francês, espanhol, inglês e português, as conferências, com duração variada e conteúdo inédito, recompõem e entrelaçam trajetórias, delegam memórias e apresentam um contributo àqueles que se interessam pela abordagem, originalmente italiana, da micro-história, termo muito controvertido ou pouco explorado em universidades brasileiras. Não fossem a projeção de pixels, as plataformas digitais e os mecanismos de divulgação, não teríamos a satisfação de encontrar todos esses pesquisadores num mesmo locus, a falarem de temas comuns. A despeito da ausência corpórea, ao suprimir distâncias e repercutir espectros da cultura, tal empreitada demanda aplausos e problematização, afinal, o documento (nesse caso, oral/digital) torna-se fonte tão somente quando encontra quem possa indagá-lo.

*Cleber Vinicius do Amaral Felipe é professor do Instituto de História da UFU.

 

Referência


As entrevistas estão disponíveis encontradas em: www.youtube.com/c/lahtevufu.

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Caio Bugiato Priscila Figueiredo Manchetômetro Alysson Leandro Mascaro Gilberto Lopes João Paulo Ayub Fonseca Leonardo Sacramento Daniel Costa José Dirceu Carlos Tautz Tadeu Valadares Gabriel Cohn Maria Rita Kehl José Luís Fiori Valerio Arcary Jorge Branco Marcus Ianoni Marcos Aurélio da Silva Ronaldo Tadeu de Souza Luiz Marques Fernão Pessoa Ramos Boaventura de Sousa Santos Bernardo Ricupero Eugênio Bucci Fernando Nogueira da Costa Daniel Brazil José Machado Moita Neto Michael Löwy Anderson Alves Esteves José Costa Júnior Manuel Domingos Neto Ricardo Musse Armando Boito Antonino Infranca João Adolfo Hansen Roberto Noritomi Carla Teixeira Jean Marc Von Der Weid Afrânio Catani Flávio Aguiar Alexandre de Freitas Barbosa João Feres Júnior Eleonora Albano João Lanari Bo Marcos Silva Luiz Costa Lima Valério Arcary Atilio A. Boron Ronald León Núñez Vinício Carrilho Martinez Luiz Renato Martins Ricardo Antunes Salem Nasser Gilberto Maringoni Marilena Chauí Julian Rodrigues Yuri Martins-Fontes Kátia Gerab Baggio Celso Favaretto Ari Marcelo Solon Francisco de Oliveira Barros Júnior Leda Maria Paulani Juarez Guimarães Leonardo Avritzer Antônio Sales Rios Neto Rubens Pinto Lyra Benicio Viero Schmidt Ricardo Abramovay Jorge Luiz Souto Maior Airton Paschoa André Márcio Neves Soares Alexandre de Lima Castro Tranjan Lorenzo Vitral Paulo Fernandes Silveira João Sette Whitaker Ferreira Marilia Pacheco Fiorillo Tales Ab'Sáber Remy José Fontana Thomas Piketty Plínio de Arruda Sampaio Jr. Paulo Martins Claudio Katz André Singer Henry Burnett Daniel Afonso da Silva Andrew Korybko Mário Maestri Osvaldo Coggiola Érico Andrade Eliziário Andrade Michael Roberts Heraldo Campos Dennis Oliveira Marcelo Módolo Rodrigo de Faria Eduardo Borges Vladimir Safatle Luiz Roberto Alves José Geraldo Couto Anselm Jappe Marcelo Guimarães Lima Alexandre Aragão de Albuquerque Slavoj Žižek Luiz Werneck Vianna Sandra Bitencourt Francisco Fernandes Ladeira Bento Prado Jr. Chico Whitaker Sergio Amadeu da Silveira Paulo Capel Narvai Paulo Nogueira Batista Jr Mariarosaria Fabris Luciano Nascimento Otaviano Helene Antonio Martins Elias Jabbour Henri Acselrad Luiz Eduardo Soares Gerson Almeida Everaldo de Oliveira Andrade Eleutério F. S. Prado Luiz Bernardo Pericás Annateresa Fabris Chico Alencar Eugênio Trivinho José Micaelson Lacerda Morais Luís Fernando Vitagliano Walnice Nogueira Galvão Francisco Pereira de Farias Luis Felipe Miguel João Carlos Salles Dênis de Moraes Samuel Kilsztajn Renato Dagnino Vanderlei Tenório Marjorie C. Marona Liszt Vieira Milton Pinheiro Lincoln Secco Ricardo Fabbrini Bruno Machado Roberto Bueno Leonardo Boff Igor Felippe Santos Luiz Carlos Bresser-Pereira Bruno Fabricio Alcebino da Silva Fábio Konder Comparato Paulo Sérgio Pinheiro Denilson Cordeiro José Raimundo Trindade Ladislau Dowbor Jean Pierre Chauvin Rafael R. Ioris Berenice Bento Tarso Genro Flávio R. Kothe Lucas Fiaschetti Estevez Ronald Rocha Celso Frederico João Carlos Loebens

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada