Vidas passadas

Imagem: Courtesy of Twenty Years Rights/A24 Films
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JOSÉ GERALDO COUTO*

O filme de Celine Song é singelo sem ser simplório

Azarão na insana “corrida do Oscar”, o coreano-americano Vidas passadas, da estreante Celine Song, tem o grande mérito de ser singelo sem ser simplório. Sua expressividade está em sua delicadeza, em sua recusa da estridência.

Por um artifício engenhoso de roteiro, a primeira cena semeia a curiosidade e estabelece uma das ideias básicas do filme, a de que sempre se pode inventar histórias alternativas para cada indivíduo ou grupo de indivíduos. No balcão de um bar, de madrugada, três pessoas na faixa dos trinta anos estão sentadas lado a lado: um asiático, uma asiática e um “ocidental”. De uma mesa a certa distância, um casal que não vemos especula sobre quem serão eles e que relações guardam entre si. Formulam diversas hipóteses, quase como se fossem espectadores diante da tela, no início de um filme. Ou seja: como nós.

A mesma cena reaparecerá perto do final, quando então já saberemos quem eram os três personagens e ouviremos o que estavam conversando ali. É como se o filme tivesse desenvolvido uma das hipóteses levantadas. Até chegar de novo a esse ponto, a narrativa terá retrocedido em três etapas: 25 anos antes, 24 anos antes, doze anos antes…

Esboço de romance

Tudo começa em Seul, quando o menino Hae Sung e a menina Na Young são colegas de escola e quase namorados. Mas esse esboço de romance é interrompido quando Na Young emigra com a família para o Canadá e muda seu nome para Nora. Corta para doze anos depois, quando Nora (Greta Lee), aspirante a escritora e dramaturga, participa de uma residência artística perto de Nova York, enquanto do outro lado do mundo Hae Sung (Teo Yoo) cumpre seu serviço militar.

Não convém antecipar as outras etapas dessas vidas paralelas, conectadas a certa altura pela internet e depois por um encontro “presencial”. Basta dizer que se estabelece um jogo delicado em torno dos conceitos de acaso e destino, condensados na expressão coreana “In-yun”, que segundo Nora vem do budismo e significa algo como destino ou providência, reverberando encontros e desencontros de vidas passadas.

Mas o que poderia ter o peso de uma parábola filosófica se dissolve na suavidade e na ironia. Ao conhecer na residência artística um jovem judeu americano, a própria Nora, depois de explicar o “In-yun”, diz que “é uma coisa que os coreanos dizem para seduzir alguém”.

É com essa leveza de espírito que se narra o que é, na essência, uma história de amor não consumado, como tantas outras da literatura e do cinema. Vidas que poderiam ter sido e que não foram.

Consciente dessa tradição, Celine Song joga com signos recorrentes dos filmes de amor, transfigurando-os ocasionalmente pela ironia ou por pequenos deslocamentos. Um exemplo: em seu passeio por Nova York, Nora e Hae Sung chegam a um parque de diversões. Mas em vez da cena-clichê dos enamorados se divertindo na montanha-russa ou comendo algodão doce, eles se sentam diante de um carrossel melancólico e meio deserto e conversam sobre as vezes em que Nora esteve ali com seu marido Arthur (John Magaro). Quando passeiam de barco pelo Hudson, eles passam pela estátua da Liberdade, mas Hae Sung comenta: “Ela está de costas para nós”.

Contraste cultural

Há sempre um balanço entre o real e sua ficção. Na cama com Nora, Arthur (que também é escritor) imagina o que estão vivendo como uma narrativa literária, em que ele faz o papel do marido inoportuno no caminho dos amantes. A ironia é amarga, mas não perde a leveza e o humor.

O tema do contraste cultural Coreia-EUA não é secundário. Está no cerne no drama. A certa altura Nora funciona como uma intérprete entre Arthur e Hae Sung. Sobre este último ela diz ao marido: “Ele é muito coreano. Sinto-me tão não-coreana quando estou com ele. Mas também, de algum modo, mais coreana”.

A progressão narrativa se dá num equilíbrio entre a decupagem clássica “ocidental” e momentos de contemplação e silêncio característicos de certo cinema asiático, em que os “tempos mortos” ganham vida e significado.

Mas cinema é antes de tudo imagem, e em Vidas passadas há uma que sintetiza todo o drama narrado: é a bifurcação, num bairro periférico de Seul, em que os dois amigos se separam, o pequeno Hae Sung subindo a ladeira à esquerda e a pequena Na Young galgando a escadaria à direita.

Esse plano retorna num flash durante uma conversa entre os dois, um quarto de século depois. Imagem-tempo (para usar sem rigor a expressão de Gilles Deleuze), verso visual, erupção do inconsciente. Cinema de poesia brotando no meio da prosa.

*José Geraldo Couto é crítico de cinema. Autor, entre outros livros, de André Breton (Brasiliense).

Publicado originalmente no Blog de Cinema do Instituto Moreira Salles.

Referência


Vidas passadas (Past Lives)
EUA, 2023, 106 minutos.
Direção e Roteiro: Celine Song
Elenco: Greta Lee, Teo Yoo, John Magaro, Federico Rodriguez


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Sergio Amadeu da Silveira Manuel Domingos Neto Liszt Vieira Paulo Nogueira Batista Jr Afrânio Catani Eugênio Trivinho João Paulo Ayub Fonseca José Raimundo Trindade Jean Pierre Chauvin André Singer Ricardo Antunes Vinício Carrilho Martinez José Costa Júnior Benicio Viero Schmidt Salem Nasser Airton Paschoa Ladislau Dowbor Paulo Martins Bento Prado Jr. Yuri Martins-Fontes Marilia Pacheco Fiorillo Ricardo Abramovay Mariarosaria Fabris João Carlos Salles Luiz Werneck Vianna Gilberto Maringoni Fernando Nogueira da Costa Érico Andrade Daniel Costa Leda Maria Paulani Valerio Arcary Slavoj Žižek Eliziário Andrade João Feres Júnior Andrés del Río Annateresa Fabris Tarso Genro João Lanari Bo Armando Boito Francisco Fernandes Ladeira Tales Ab'Sáber José Dirceu Ronaldo Tadeu de Souza Anselm Jappe Marcus Ianoni Bernardo Ricupero Valerio Arcary Bruno Fabricio Alcebino da Silva Manchetômetro Julian Rodrigues Flávio R. Kothe Marcos Silva Igor Felippe Santos Francisco Pereira de Farias Carlos Tautz Tadeu Valadares José Micaelson Lacerda Morais Gerson Almeida Alexandre de Freitas Barbosa Daniel Brazil Paulo Sérgio Pinheiro Eleutério F. S. Prado Henri Acselrad Ricardo Fabbrini Marcelo Módolo Juarez Guimarães Ari Marcelo Solon José Luís Fiori João Sette Whitaker Ferreira Chico Alencar Ronald León Núñez Priscila Figueiredo Marcos Aurélio da Silva Caio Bugiato Boaventura de Sousa Santos Matheus Silveira de Souza Chico Whitaker Marcelo Guimarães Lima Leonardo Boff Leonardo Avritzer Flávio Aguiar Henry Burnett Berenice Bento José Machado Moita Neto Andrew Korybko Gilberto Lopes João Adolfo Hansen Luiz Eduardo Soares Paulo Capel Narvai Lincoln Secco Remy José Fontana Everaldo de Oliveira Andrade Thomas Piketty Milton Pinheiro Alexandre de Lima Castro Tranjan Eduardo Borges Carla Teixeira Marilena Chauí Luiz Marques Alysson Leandro Mascaro Vanderlei Tenório Ronald Rocha Luiz Bernardo Pericás Sandra Bitencourt Heraldo Campos Alexandre Aragão de Albuquerque Mário Maestri Luis Felipe Miguel Leonardo Sacramento Eugênio Bucci Maria Rita Kehl Daniel Afonso da Silva Rubens Pinto Lyra Antonino Infranca Atilio A. Boron Luiz Roberto Alves Kátia Gerab Baggio Rodrigo de Faria Antonio Martins Celso Favaretto Plínio de Arruda Sampaio Jr. Elias Jabbour Fernão Pessoa Ramos Francisco de Oliveira Barros Júnior Luiz Carlos Bresser-Pereira Eleonora Albano Antônio Sales Rios Neto Ricardo Musse Marjorie C. Marona Michel Goulart da Silva Celso Frederico Luiz Renato Martins Fábio Konder Comparato Jorge Branco Jean Marc Von Der Weid Gabriel Cohn Michael Löwy Luciano Nascimento Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Paulo Fernandes Silveira Samuel Kilsztajn Claudio Katz Lucas Fiaschetti Estevez André Márcio Neves Soares José Geraldo Couto Michael Roberts Walnice Nogueira Galvão Rafael R. Ioris Otaviano Helene Lorenzo Vitral Luís Fernando Vitagliano Dênis de Moraes Vladimir Safatle Jorge Luiz Souto Maior Bruno Machado Denilson Cordeiro Osvaldo Coggiola Dennis Oliveira João Carlos Loebens Renato Dagnino

NOVAS PUBLICAÇÕES