As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

7 prisioneiros

Dalton Paula, Cor da Pele, 2012
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JOSÉ GERALDO COUTO*

Comentário sobre o filme dirigido por Alexandre Moratto

Existe chaga mais dolorosa, iniquidade mais cruel que a escravidão? Com seu realismo brutal, um filme como 7 prisioneiros, em cartaz na Netflix, mostra que essa ferida não cicatrizou, não é reminiscência de um passado remoto, mas continua viva e aberta, infeccionando não apenas quem a sofre diretamente mas toda a sociedade que a tolera, quando não a incentiva.

Segundo longa-metragem de ficção de Alexandre Moratto (diretor do ótimo Sócrates, de 2018), o filme narra o drama de um grupo de rapazes pobres do interior que vão a São Paulo em busca de uma vida melhor e acabam prisioneiros do dono de um ferro-velho que os obriga a trabalhar de graça e morar num dormitório fétido não muito diferente de uma senzala.

Dito assim, pode dar a ideia de uma obra sensacionalista e maniqueísta, com vilões e vítimas bem demarcados e, de preferência, uma catarse edificante no final. Mas não é bem essa a realidade construída pelo filme.

Há, desde logo, dois personagens centrais: o jovem negro Mateus (o ótimo Christian Malheiros), que deixa o pequeno sítio da família para trabalhar na metrópole, e Luca (Rodrigo Santoro), o dono do ferro-velho onde Mateus e seus companheiros vão trabalhar. A argúcia narrativa do filme consiste em contrapor incialmente os dois e, aos poucos, aproximá-los, quase como se a história toda fosse o processo de transformação de Mateus em Luca, ou de oprimido em opressor. Mas não vamos nos adiantar.

Desde a primeira cena, tudo é narrado do ponto de vista de Mateus, mas isso não se dá de forma ostensiva, por meio de uma câmera predominantemente subjetiva ou recorrendo à muleta da narração em off, tão comum em nosso cinema social-didático. Ele simplesmente está presente em todas as cenas, mesmo que às vezes a certa distância, vendo, ouvindo ou intuindo tudo o que se passa. O filme é, em certo sentido, seu “romance de formação”, ou antes de deformação.

Vistas retrospectivamente, as primeiras imagens são significativas. Com martelo, pregos e tábuas, Mateus constrói uma cerca ou parede no sítio da família. A câmera está “do lado de cá” da cerca, e nós vemos o rapaz e o sítio no espaço que ainda resta, e que vai diminuindo ao longo da cena. De certo modo, somos nós, espectadores, que ficamos presos. E Mateus é quem prende. Essa inversão de perspectiva ganhará todo sentido no decorrer da narrativa.

A escravidão, parece nos dizer o filme, não é fruto da perversidade de alguns indivíduos, mas de todo um sistema de deformações: sociais, políticas, econômicas e, claro, morais. Em outras palavras, a perversidade existe, mas ela é produzida em série. O negócio lucrativo de Luca conta com a ajuda de policiais corruptos, fiscalização leniente, cumplicidade de comerciantes e clientes. Mais que isso: faz parte de uma rede mais ampla de exploração do trabalho escravo, de que um dos chefões é um político simpático em busca da reeleição, um pai de família preocupado com “o país que vai deixar para os filhos”.

Assim como o político é um pai dedicado, Luca é um filho exemplar, que comprou uma padaria para a mãe administrar, deixando de padecer sob a exploração de outros. O terrível é isso: os monstros são humanos, demasiado humanos.

É nessa situação, em que os espaços de manobra vão diminuindo como a paisagem vista nas primeiras imagens da cerca, que se move o jovem Mateus. É ele o grande personagem moral, aquele que se vê em todos os momentos diante de dilemas éticos e que, no limite, ao realizar a mais sórdida das ações, justifica-se dizendo: “Se eu não fizer, outro vai fazer”. O filme apresenta com sutileza esses momentos, essas encruzilhadas da conduta, sem excessiva ênfase, apenas mediante a duração um pouco maior de um plano, ou uma hesitação no olhar do ator.

É, em suma, um realismo substantivo, sem didatismo e sem discurso militante, que move 7 prisioneiros. Sua eficácia dramática e política está em seu caráter enxuto, em sua dinâmica implacável. É um dos filmes mais violentos dos últimos tempos. Não tanto pela violência física, que se resume a um par de coronhadas e dois ou três socos, mas pela brutalidade psicológica, espiritual e moral que ele dá a ver.

Em tempo: Alexandre Moratto, filho de mãe brasileira e pai norte-americano, estudou cinema nos EUA e foi assistente de Ramin Bahrani, diretor de O tigre branco. Consta que foi Bahrani que o aconselhou a voltar ao Brasil e fazer filmes inseridos na realidade social do país. Sócrates e 7 prisioneiros (produzido por Bahrani) são frutos desse sábio conselho.

*José Geraldo Couto é crítico de cinema. Autor, entre outros livros, de André Breton (Brasiliense).

Publicado originalmente no BLOG DO CINEMA

Referência


7 prisioneiros

Brasil, 2021, 94 minutos

Direção e roteiro: Alexandre Moratto

Elenco: Christian Malheiros, Rodrigo Santoro, Bruno Rocha, Vitor Julian, Lucas Oranmian, Cecília Homem de Mello, Dirce Thomaz.

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Michael Löwy Jean Pierre Chauvin Airton Paschoa Boaventura de Sousa Santos Marcos Aurélio da Silva Priscila Figueiredo Claudio Katz Rafael R. Ioris Bruno Fabricio Alcebino da Silva Rodrigo de Faria Julian Rodrigues Luiz Marques Marcos Silva João Carlos Salles Mariarosaria Fabris José Geraldo Couto Alysson Leandro Mascaro Eugênio Bucci Gerson Almeida Gilberto Maringoni Anderson Alves Esteves Armando Boito José Costa Júnior Tadeu Valadares Valério Arcary Marilia Pacheco Fiorillo Luiz Eduardo Soares Everaldo de Oliveira Andrade André Singer Ladislau Dowbor Leonardo Avritzer Francisco Fernandes Ladeira Dênis de Moraes Eugênio Trivinho Fábio Konder Comparato Chico Whitaker Marcus Ianoni Alexandre de Lima Castro Tranjan Roberto Noritomi Maria Rita Kehl Otaviano Helene Celso Favaretto Michael Roberts Leda Maria Paulani Francisco Pereira de Farias Remy José Fontana Jorge Luiz Souto Maior Antonino Infranca Atilio A. Boron José Micaelson Lacerda Morais Francisco de Oliveira Barros Júnior Sergio Amadeu da Silveira Luiz Carlos Bresser-Pereira Dennis Oliveira Andrew Korybko Paulo Sérgio Pinheiro João Feres Júnior Igor Felippe Santos Osvaldo Coggiola Paulo Nogueira Batista Jr Henry Burnett Annateresa Fabris Eleonora Albano Salem Nasser João Carlos Loebens Caio Bugiato José Dirceu Juarez Guimarães Jorge Branco Carlos Tautz Berenice Bento Eliziário Andrade Milton Pinheiro Mário Maestri João Paulo Ayub Fonseca Walnice Nogueira Galvão Valerio Arcary João Sette Whitaker Ferreira Vinício Carrilho Martinez Vladimir Safatle Flávio Aguiar Antônio Sales Rios Neto Luis Felipe Miguel Sandra Bitencourt Lorenzo Vitral Bento Prado Jr. Benicio Viero Schmidt Samuel Kilsztajn Heraldo Campos André Márcio Neves Soares Fernando Nogueira da Costa Roberto Bueno Ronaldo Tadeu de Souza Luiz Costa Lima Daniel Costa Manuel Domingos Neto Celso Frederico Paulo Capel Narvai Afrânio Catani Tales Ab'Sáber Kátia Gerab Baggio Ari Marcelo Solon Renato Dagnino Bernardo Ricupero Ricardo Antunes Yuri Martins-Fontes Luiz Bernardo Pericás Rubens Pinto Lyra Luiz Roberto Alves João Adolfo Hansen Henri Acselrad Gabriel Cohn Gilberto Lopes Alexandre de Freitas Barbosa Luiz Renato Martins Manchetômetro Luiz Werneck Vianna Thomas Piketty João Lanari Bo José Raimundo Trindade Denilson Cordeiro Carla Teixeira Paulo Martins Slavoj Žižek Ronald León Núñez Luís Fernando Vitagliano Lincoln Secco Paulo Fernandes Silveira Ricardo Musse Leonardo Sacramento Leonardo Boff José Luís Fiori Plínio de Arruda Sampaio Jr. Luciano Nascimento Alexandre Aragão de Albuquerque Fernão Pessoa Ramos Daniel Brazil Tarso Genro Marcelo Guimarães Lima Antonio Martins Jean Marc Von Der Weid Marilena Chauí Érico Andrade Daniel Afonso da Silva Marcelo Módolo Lucas Fiaschetti Estevez Ricardo Abramovay Liszt Vieira Vanderlei Tenório Elias Jabbour José Machado Moita Neto Eleutério F. S. Prado Ronald Rocha Flávio R. Kothe Marjorie C. Marona Anselm Jappe Eduardo Borges Ricardo Fabbrini Bruno Machado Chico Alencar

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada