7 de setembro, a vitória de Bolsonaro

Imagem: Paula
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JOANA A. COUTINHO* e JOHN KENNEDY*

Enquanto as tropas da direita desfilam força, coesão, disciplina e vontade política, as forças da democracia mostram fragilidade e divisão.

O claro reflexo da ausência de comando são os atos em oposição a Bolsonaro que tivemos em todo Brasil, mesmo no Anhangabaú e Candelária, foram pálidos e revelaram muito de nossa fragilidade e debilidade.

Aqueles que julgavam bravata o chamamento de Sérgio Reis, Zé Trovão e outros líderes de extrema direita à paralisação do país, a partir do locaute de transportadoras e do agronegócio, a partir de 7 de setembrodevem estar revendo suas análises e os termômetros pelos quais medem a temperatura da sociedade e do país.

Aqueles que julgam o isolamento institucional, do presidente Bolsonaro, como parâmetro devem acordar para o fato que o movimento contrarrevolucionário comandado pela extrema direita não visa conquistar apoio das instituições, e sim, a destruição e aniquilamento como estratégia e o bloqueio e desmoralização como tática diária.

Estamos frente a uma guerra de movimento e a ação de Bolsonaro mostra comando forte e centralizado: deixa para trás soldados caídos – mesmo com patente –, sem qualquer apego moral ou sentimentalismo, como ficou claro no caso de Daniel Silveira.

Avançam centralizando, disciplinando… O espetáculo que vemos hoje em 9 de setembro, com caminhoneiros bloqueando estradas em 16 estados; o alerta máximo contra invasão do STF; e, o desafio colocado por Bolsonaro a toda a democracia nos diz muito: (1) Bolsonaro saiu fortalecido das manifestações de 7 de setembro, centenas de milhares foram as ruas pedir golpe de estado e estado de sítio; outros milhões torceram de suas casas, nem nas diretas todo o povo foi a rua, nem na Revolução Francesa ou Russa todo povo foi às ruas; (2) Mostrou um comando hiper disciplinado e capaz de mobilizar e comunicar-se com a sociedade como um todo;

(3) Mostrou-se forte junto aos setores militares e colocou em xeque o comando dos governadores que tiveram (e estão tendo) dificuldades de controlar suas unidades armadas; (4) Mostrou uma tropa de ação rápida que tomou a Esplanada dos Ministérios e imediatamente paralisou o país e a economia nacional colocando em evidência a fragilidade da legalidade democrática e das instituições; (5) Mostrou grandeza ao recuar e dizer que ainda não é o momento, tal qual aconteceu com o fascismo italiano, alemão e japonês, os líderes mais radicais são afastados ou isolados para permitir uma ação mais ampla com setores conservadores e mesmo liberais, talvez Zé Trovão caia em desgraça nesse processo;

(6) Mesmo com todo desrespeito a instituição, mesmo com toda inconstitucionalidade, deixou claro a anemia das instituições democráticas, sua fragilidade e falta de apoio e força. Nenhuma instituição tem força para impetrar uma medida judicial contra Bolsonaro e nenhuma tem capacidade para fazê-la cumprir; (7) Ciente que ainda não é o momento da ação, recua, mostra grandeza dizendo que não quer o pior, pede serenidade aos caminhoneiros e coloca na mesa um diálogo tutelado ao STF, Senado, Congresso, aos Governadores etc. Bolsonaro e os bolsonaristas, sabem que estão por cima.

Frente ampla em defesa da democracia

Enquanto as tropas da direita desfilam força, coesão, disciplina e vontade política, as forças da democracia mostram fragilidade e divisão: Ciro briga com Lula, PSOL briga com PT, trans brigam com militantes do PCB na passeata do Rio, liberais brigam com progressistas e socialistas e etc.

O claro reflexo da ausência de comando são os atos em oposição a Bolsonaro que tivemos em todo Brasil, mesmo no Anhangabaú e Candelária, foram pálidos e revelaram muito de nossa fragilidade e debilidade. A favor tem o fato de que ficamos a semana toda polemizando se iria ou não ao Grito dos Excluídos, convocado pela Igreja há muitos anos.

Este é o momento em que devemos aprendercom a história, os socialistas e progressistas, a longo tempo viram-se obrigados a fazer acordos e alianças, muitas vezes com setores hostis as suas preposições. Assim foi na luta pela abolição da escravidão e República: houve alianças com os positivistas do exército e mesmo, setores reacionários do Partido Republicano Paulista, setor, escravagista. Em 1924, os setores do PSB e PCB buscaram aliança com setores do tenentismo e das frações liberais e oligárquicas para enfrentar o governo autoritário de Arthur Bernardes, frente a ditadura Vargas, foi necessária a construção de uma ampla frente com liberais, oligárquicas, conservadores e assim reestabelecer a democracia.

Para deter o golpe de 1954, o PTB e o PCB, buscaram a aliança com setores do Exército, frações das oligarquias agrárias, industriais etc. Para Jango tomar posse foi necessário articular ampla frente. No processo de redemocratização, vimos a composição de uma frente ampla contando com a participação de Aurélio Chaves, vice-presidentedo ditador João Figueiredo e com setores que apoiaram o golpe de 1964 como Tancredo Neves ou Teotônio Vilella. O mesmo aconteceu com o impeachment de Fernando Collor, foi preciso que se somasse com os ex- aliados de Collor, com o vice Itamar Franco, com o ex-coordenador de campanha, senador Renan Calheiros, Jader Barbalho etc. A mesma coisa se apresenta hoje: frente à ameaça real de um governo fascista é preciso somar-se a todos os setores que mantem divergências e diferenças com o fascismo e assuma a defesa do Estado de Direito.

Isso significa uma ampla frente em defesa da democracia, por nosso turno, precisamos articular a frente das esquerdas e dos setores progressistas para mudar o Brasil, nesse sentido é preciso fazer uma amplaautocrítica e enfrentarmos nossas debilidades.

Hoje, temos forças revolucionárias no facebook e republicanos nas ruas, temos teóricos de twiter e mudos nas ruas e calçadas dos bairros periféricos, enquanto a fome e o desemprego se multiplicam.

Não estamos conseguindo mobilizar o povo, os trabalhadores, os bairros, as escolas, as faculdades e os movimentos sociais, na verdade é a democracia que caminha para o isolamento. Caso não revejamos o curso em pouco tempo o discurso autoritário e a vanguarda autoritária terão capacidade suficiente para mudar o regime. A ameaça de um regime fascista ou neofascista como preferem alguns, é real. O momento exige clareza e determinação. Nas ruas pelo Fora Bolsonaro e pela democracia, mesmo esta, frágil e despudorada.

*Joana A. Coutinho é professora do Departamento de Sociologia e Antropologia da UFMA.

*John Kennedy Ferreira é professor do Departamento de Sociologia e Antropologia da UFMA.

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Benicio Viero Schmidt José Raimundo Trindade Jorge Branco Andrés del Río Michel Goulart da Silva Gilberto Lopes Paulo Fernandes Silveira Alexandre Aragão de Albuquerque Ari Marcelo Solon Rodrigo de Faria Luís Fernando Vitagliano Heraldo Campos Eugênio Bucci Ricardo Antunes Afrânio Catani Luiz Roberto Alves José Luís Fiori Luciano Nascimento Eduardo Borges João Sette Whitaker Ferreira Denilson Cordeiro Armando Boito Celso Frederico Lincoln Secco Thomas Piketty Osvaldo Coggiola Antônio Sales Rios Neto Leonardo Boff Luiz Renato Martins Paulo Capel Narvai Marcos Aurélio da Silva José Costa Júnior Ricardo Abramovay Juarez Guimarães João Lanari Bo Atilio A. Boron Matheus Silveira de Souza Samuel Kilsztajn Ronald León Núñez Fábio Konder Comparato Leonardo Avritzer João Adolfo Hansen Marcelo Guimarães Lima Carla Teixeira Alysson Leandro Mascaro Flávio Aguiar Eleutério F. S. Prado Manchetômetro Chico Whitaker Paulo Sérgio Pinheiro Dennis Oliveira João Paulo Ayub Fonseca Liszt Vieira Marcos Silva Plínio de Arruda Sampaio Jr. Everaldo de Oliveira Andrade Bernardo Ricupero Luiz Carlos Bresser-Pereira Ronaldo Tadeu de Souza Eleonora Albano Marilena Chauí André Márcio Neves Soares Daniel Costa Fernando Nogueira da Costa Lucas Fiaschetti Estevez Marcus Ianoni Jorge Luiz Souto Maior Otaviano Helene Maria Rita Kehl João Carlos Salles Salem Nasser Gabriel Cohn Celso Favaretto Yuri Martins-Fontes Igor Felippe Santos Michael Roberts Daniel Brazil Claudio Katz Caio Bugiato Lorenzo Vitral Walnice Nogueira Galvão Michael Löwy Flávio R. Kothe Francisco Pereira de Farias Jean Pierre Chauvin Alexandre de Lima Castro Tranjan Valerio Arcary Marilia Pacheco Fiorillo Jean Marc Von Der Weid Priscila Figueiredo Bruno Machado André Singer Luis Felipe Miguel Carlos Tautz Érico Andrade Boaventura de Sousa Santos Daniel Afonso da Silva Luiz Eduardo Soares Tales Ab'Sáber Marjorie C. Marona Chico Alencar José Dirceu Rubens Pinto Lyra Julian Rodrigues José Machado Moita Neto Rafael R. Ioris Vanderlei Tenório Renato Dagnino Ladislau Dowbor Antonio Martins Henri Acselrad Bento Prado Jr. Slavoj Žižek Milton Pinheiro Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Marcelo Módolo Elias Jabbour Leonardo Sacramento Ricardo Musse João Carlos Loebens Paulo Nogueira Batista Jr Ronald Rocha Sandra Bitencourt Valerio Arcary Eugênio Trivinho Antonino Infranca Ricardo Fabbrini José Micaelson Lacerda Morais Bruno Fabricio Alcebino da Silva Tadeu Valadares Paulo Martins Berenice Bento Leda Maria Paulani Manuel Domingos Neto Andrew Korybko Airton Paschoa Eliziário Andrade Kátia Gerab Baggio Francisco de Oliveira Barros Júnior Annateresa Fabris João Feres Júnior José Geraldo Couto Remy José Fontana Fernão Pessoa Ramos Henry Burnett Gilberto Maringoni Tarso Genro Dênis de Moraes Francisco Fernandes Ladeira Gerson Almeida Luiz Werneck Vianna Vinício Carrilho Martinez Mariarosaria Fabris Alexandre de Freitas Barbosa Anselm Jappe Vladimir Safatle Sergio Amadeu da Silveira Luiz Bernardo Pericás Mário Maestri Luiz Marques

NOVAS PUBLICAÇÕES