As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Não houve arrego e nem era golpe

Marina Gusmão, Cobra doce.
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JULIAN RODRIGUES*

O impeachment está fora do cenário imediato e a terceira via se enfraquece.

O 7 de setembro bolsonarista nunca foi verdadeiramente o dia de tomar a sede do STF ou decretar estado de sítio. Até porque, o golpe já foi dado – começou em 2016. Desde lá, vivemos um coup encours, um putsch in progress. Bolsonaro nunca escondeu seu objetivo de fechar o regime.

Bolsonaro já está no governo. E os militares também. Para que dar um golpe agora? Quem impediria um golpe bolsonarista? As Forças Armadas – que majoritariamente apoiam o ex-capitão? Ele segue tendo maioria na Câmara e não está preocupado com o agora, mas sim com 2022. Não é um governo “normal”; mas disruptivo – blefa, ameaça, alardeia golpe todo dia.

Embora venha perdendo apoio popular, o presidente ainda tem 25% de aprovação. O neofascismo hoje é uma corrente de massas no Brasil. E mostrou sua força nas ruas dia 7.

Bolsonaro se reposicionou. Arreganhou os dentes. Mostrou que tem musculatura. Deixou nítido que não vai “cair de maduro”. Re-aglutinou também sua base parlamentar. Rodrigo Pacheco fechou o Senado – Arthur Lira fez a fala mais escorregadia possível. Ele colocou o golpe no centro das manchetes. Testou novos limites e mandou muitos recados.

Análises impressionistas, sejam alarmistas ou triunfalistas, só atrapalham o campo progressista. Erraram os setores que defenderam cancelar as manifestações dos movimentos sociais no dia 7. A meta dos neofascistas era colocar mais gente nas ruas. Contudo, a movimentação esteve muito longe de um tal “flopou”. Autoengano não ajuda a armar nosso campo.

Mourão, o vice, não rompeu com Bolsonaro –   esteve ao seu lado em Brasília   e depois afirmou que não há clima para impedimento do presidente. Ou seja, a operação impeachment fica ainda mais complexa.

Bolsonaro avança e recua. Faz parte do jogo.  Em meados de abril do ano passado fez um pronunciamento em rede nacional bem   equilibrado, até negou a cloroquina. O bom senso não durou poucos dias. Há muita inteligência política nas ações do líder neofascista.

Não houve arrego nenhum na nota formal desta quinta, 9 –   todo mundo sabe que não foi escrita por Bolsonaro. É um passo da dança. Bolsonaro colocou as fichas na mesa, mostrou os dentes –  reafirmou que não vai se deixar derrotar, recolocou-se no jogo eleitoral (“se não me quiserem, vão ter que engolir o Lula”).

A reação “das elites” mostrou apreensão, mas foi   comedida   e morna, seja   a do STF, da mídia, ou dos  partidos que supostamente vocalizam a “burguesia neoliberal não fascista”. O recado para ele   foi “você exagerou, recue, nos ajude a te ajudar”. Ato contínuo, Bolsonaro encena o tal arrependimento. Houve muita negociação nos bastidores – provavelmente, inclusive, sobre o destino do clã familiar.

Ao radicalizar demais sua base fascistóide, Bolsonaro instiga essas coisas como os bloqueios de estradas pelos caminhoneiros e outras bizarrices. Decepciona muita gente dele ao pretensamente se compor com as “instituições”. O que muitos de nós desprezamos como comportamento de “gado” reflete, na verdade, uma organicidade, disciplina, firmeza ideológica, disposição de luta impressionantes – que muita falta faz à esquerda.

Não se deve, entretanto, superestimar a frustração da base neofascista.  Já está sendo reorientada, tanto por Bolsonaro (“deixa acalmar amanhã”), como pelos influencers deles – Bannon/Carluxo giram a opinião dessa turma em 48h. Se for necessário, o neofascismo descartará   setores mais extremados que não sigam sua orientação (é só nos remetermos às experiências históricas, como na ascensão do nazismo na Alemanha).

O “recuo” de Bolsonaro na verdade é um reposicionamento provisório. Esvazia pruridos pró-impeachment tanto de farialimers como dos Partidos (PSD/DEM/PSL/PSDB). Ademais, murcha o ato pró-Doria do dia 12 (a manifestação do MBL nada tem a ver com derrotar Bolsonaro, mas sim com vetar Lula e empinar o governador tucano paulista). Perdeu fôlego a micareta oposicionista fake do próximo domingo.

Não superestimar a força do neofascismo. Não haverá tanques nas ruas amanhã, nem PMs ou milícias matando pessoas descontroladamente. Ao mesmo tempo, é necessário não subestimar as forças do neofascismo. Bolsonaro não derreteu. A grande burguesia e boa parte das classes dominantes seguem divididas –  não  decidiram o que fazer, além de impulsionar uma terceira via.  Mas não  vão operar agora a derrubada de Bolsonaro.

A luta contra o bolsonarismo é muito mais dura do que a luta contra Bolsonaro. E não basta enfrentar o neofascismo sem enfrentar o neoliberalismo. Sem ilusões com a grande burguesia, com supostos setores democráticos dos endinheirados – foram eles que rasgaram a constituição de 88 e viabilizaram o bolsonarismo.

Respirar fundo. Equilibrar as análises. Pensar em termos estruturais-  históricos, analisando as relações entre as classes sociais, o cenário internacional, relações entre a superestrutura política e a infraestrutura. Menos pensamento desejante. Mais rigor.

Ruas e redes. Organização de base. Giro ao território. Formação política. Encarar as guerras culturais, ideológicas. Defender um programa de esquerda, de reformas estruturais –  sem medo. Fortalecer o campo democrático-popular. Combinar luta institucional com luta social e cultural. Parar de ridicularizar o bolsonarismo –  entender o tamanho da crise e da defensiva em que nos encontramos.

2022 não é 2002. O cenário segue instável, confuso. Bolsonaro se posiciona para seguir sendo o anti-Lula. E para tumultuar todo o processo. Nada está dado. Sem luta social, sem mobilizações nas ruas estaremos em desvantagem. Não dá para jogar parado, achando que Lula está quase eleito. Derrotar o programa de Guedes, o autoritarismo neofascista e reconstruir/transformar o Brasil vai exigir muito mais de todas nós. A começar por estudar, respirar. Pensar muito antes de fazer (e difundir) “análises” de conjuntura cheias de desejos e carentes de fatos.

*Julian Rodrigues é professor e jornalista, ativista LGBTI e de Direitos Humanos.

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Leonardo Sacramento Plínio de Arruda Sampaio Jr. Bento Prado Jr. Gilberto Lopes Salem Nasser Andrew Korybko Otaviano Helene Paulo Sérgio Pinheiro Luiz Eduardo Soares José Costa Júnior Manchetômetro Francisco Pereira de Farias Denilson Cordeiro Marcos Aurélio da Silva Eugênio Bucci Rafael R. Ioris Marcelo Guimarães Lima Rubens Pinto Lyra Mariarosaria Fabris Manuel Domingos Neto Tadeu Valadares Luiz Werneck Vianna Alexandre de Freitas Barbosa Ari Marcelo Solon Igor Felippe Santos Vanderlei Tenório Berenice Bento Alysson Leandro Mascaro Luiz Carlos Bresser-Pereira Jorge Luiz Souto Maior Marilia Pacheco Fiorillo Anselm Jappe Ricardo Musse Michael Roberts Antonino Infranca Fernão Pessoa Ramos José Micaelson Lacerda Morais Eleutério F. S. Prado João Sette Whitaker Ferreira Dênis de Moraes Luis Felipe Miguel Vinício Carrilho Martinez Fábio Konder Comparato Luiz Roberto Alves João Paulo Ayub Fonseca José Luís Fiori Jean Pierre Chauvin Tarso Genro Rodrigo de Faria Chico Whitaker Slavoj Žižek Juarez Guimarães Lucas Fiaschetti Estevez Paulo Martins Jean Marc Von Der Weid Luiz Marques Dennis Oliveira Daniel Afonso da Silva José Geraldo Couto Carlos Tautz Vladimir Safatle Samuel Kilsztajn Jorge Branco Ricardo Abramovay Kátia Gerab Baggio Daniel Brazil Marcelo Módolo Valerio Arcary Annateresa Fabris Paulo Nogueira Batista Jr Leda Maria Paulani Antônio Sales Rios Neto Francisco de Oliveira Barros Júnior Leonardo Boff Bernardo Ricupero José Dirceu Celso Frederico João Carlos Salles Lincoln Secco Roberto Bueno Caio Bugiato Osvaldo Coggiola Paulo Capel Narvai Marilena Chauí Yuri Martins-Fontes Michael Löwy Renato Dagnino Boaventura de Sousa Santos Luiz Costa Lima Valério Arcary Luciano Nascimento Ricardo Fabbrini Priscila Figueiredo Armando Boito Gabriel Cohn Celso Favaretto José Raimundo Trindade Flávio R. Kothe André Márcio Neves Soares Sergio Amadeu da Silveira Francisco Fernandes Ladeira Bruno Fabricio Alcebino da Silva Ronaldo Tadeu de Souza Heraldo Campos André Singer Atilio A. Boron Érico Andrade Julian Rodrigues Eliziário Andrade Walnice Nogueira Galvão Claudio Katz Afrânio Catani Eleonora Albano Luiz Renato Martins Daniel Costa Elias Jabbour Antonio Martins Thomas Piketty Marjorie C. Marona Flávio Aguiar Anderson Alves Esteves Marcus Ianoni Eugênio Trivinho João Carlos Loebens Sandra Bitencourt Chico Alencar José Machado Moita Neto João Lanari Bo Marcos Silva Ricardo Antunes Carla Teixeira João Feres Júnior Maria Rita Kehl Airton Paschoa Bruno Machado Benicio Viero Schmidt Gilberto Maringoni Henry Burnett Ronald Rocha Alexandre de Lima Castro Tranjan Milton Pinheiro Leonardo Avritzer Remy José Fontana Luís Fernando Vitagliano Ronald León Núñez Roberto Noritomi Eduardo Borges Paulo Fernandes Silveira Tales Ab'Sáber Everaldo de Oliveira Andrade Mário Maestri João Adolfo Hansen Lorenzo Vitral Luiz Bernardo Pericás Fernando Nogueira da Costa Liszt Vieira Ladislau Dowbor Gerson Almeida Henri Acselrad Alexandre Aragão de Albuquerque

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada