As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A crise na Ucrânia, num par de imagens

Imagem: Zeeshaan Shabbir
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ATILIO A. BORON*

Uma crise inventada pelas “democracias ocidentais”

Convido vocês a olharem este mapa elaborado pela BBC. Comprova-se nele a extensão das mentiras contadas pelos líderes das “democracias ocidentais”, que garantiram a Mikhail Gorbachev, quando a União Soviética se desintegrou, que “a OTAN não se moveria um centímetro para o Leste”. O que fizeram, entretanto, foi rodear a Rússia com 14 novos membros da OTAN, cercando esse país do Báltico até o Mar Negro.

Que países formam a OTAN

A OTAN foi criada em plena Guerra Fria (1949) e compreendia originalmente 12 países: Estados Unidos, Canadá, Reino Unido, França, Itália, Dinamarca, Noruega, Luxemburgo, Islândia, Bélgica, Países Baixos e Portugal. Em 1952, a Grécia e a Turquia aderiram, e em 1955 a República Federal da Alemanha. Em 1982, através da traição de Felipe González, a Espanha incorporou-se à organização. Em 1999, juntaram-se Hungria, Polônia e República Checa. Em 2004, a quinta expansão da OTAN teve lugar com a incorporação da Bulgária, Eslováquia, Eslovênia, Estônia, Letônia, Lituânia e Romênia. Em 2009, o processo continuou com a adesão da Croácia e da Albânia; em 2017, Montenegro, e em março de 2020, em meio à pandemia, Macedônia do Norte. Desta forma, esta organização benemérita tem a Rússia completamente encurralada ao longo de toda sua fronteira ocidental, com exceção da Bielorrússia e da Ucrânia.

 

O que a Rússia reivindica

Não é necessário ser um especialista em questões militares para avaliar o gravíssimo alcance desta situação e a ameaça à segurança nacional russa. Por exemplo, os mísseis carregados com ogivas nucleares empregados na Polônia e Romênia podem atingir um alvo como Moscou em 15 minutos. Aqueles que se instalariam na Ucrânia, caso esse país seja fagocitado pela OTAN, chegariam em apenas cinco minutos, impossibilitando qualquer tipo de defesa. É por isso que o presidente Vladimir Putin tinha razão quando perguntou: “o que é que não se entende?”. A questão é a segurança nacional de um país como a Rússia, que tem sido implacavelmente agredido nos últimos vinte anos com sanções econômicas, diplomáticas, estigmatização midiática e ameaças de todo o tipo, incluindo uma grosseira campanha de difamação contra Putin, e que agora se exacerba com a crise ucraniana.

Crise, há que dizer, inventada pelas “democracias ocidentais”, na realidade sórdidas oligarquias a serviço do grande capital e da indústria armamentista de seus países, a começar pelos Estados Unidos. Infelizmente, a maioria dos países europeus resignaram-se a ser eunucos obedientes dos presidentes dos Estados Unidos. Foi por isso que se calaram quando, num de seus discursos, Putin perguntou quantas bases militares a Rússia tinha na fronteira dos Estados Unidos, seja no sul, México, ou no norte, Canadá. Ou quantos porta-aviões russos estavam em frente à baía de São Francisco ou nas proximidades de Manhattan. A resposta foi contundente: nenhuma base, nem porta-aviões, nada! Como justificar então tamanha assimetria, em que uma poderosa coalizão de países está cercando a Rússia e o chefe desta organização criminosa (porque não há outra forma de qualificar a OTAN), os Estados Unidos através de seu presidente e de seus líderes políticos (que estão arrastando irresponsavelmente a Europa para uma possível guerra em que nenhum dos milhões de refugiados pedirá ajuda aos norte-americanos, mas destruirá o equilíbrio social e cultural europeu), estimulam uma espiral de violência que põe em risco a paz mundial.

Não há justificativa possível para esta agressão impulsionada pelos EUA. É apenas o declínio inocultável de seu poderio global que os leva a apostar numa aventura militar na Ucrânia – que poderia desencadear um confronto termonuclear – com o argumento estúpido de que uma guerra vitoriosa lhe permitiria recuperar uma liderança mundial irremediavelmente erodida e que seus líderes estão relutantes em admitir. Infelizmente, o único estadista neste jogo macabro é Putin; o resto, começando por Joe Biden e o palhaço Boris Johnson (e seguindo pelos demais), são politiqueiros de quinta que irresponsavelmente colocam o mundo à beira de um holocausto nuclear, como Noam Chomsky tantas vezes advertiu.

*Atilio A. Boron é professor de ciência política na Universidade de Buenos Aires. Autor, entre outros livros, de A coruja de Minerva (Vozes).

Tradução: Fernando Lima das Neves.

Publicado originalmente no jornal Página 12.

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Claudio Katz Michael Roberts Sandra Bitencourt Anderson Alves Esteves Julian Rodrigues José Luís Fiori Henry Burnett Francisco Fernandes Ladeira Daniel Costa Alexandre Aragão de Albuquerque Igor Felippe Santos Kátia Gerab Baggio Liszt Vieira Jean Pierre Chauvin Paulo Sérgio Pinheiro Luiz Renato Martins Mário Maestri André Singer Antônio Sales Rios Neto Flávio R. Kothe Marcelo Guimarães Lima Everaldo de Oliveira Andrade Valerio Arcary Eleutério F. S. Prado Alexandre de Lima Castro Tranjan Renato Dagnino José Dirceu Eliziário Andrade Walnice Nogueira Galvão Boaventura de Sousa Santos Ronald Rocha Luis Felipe Miguel Rafael R. Ioris Carlos Tautz João Carlos Loebens Salem Nasser Gilberto Maringoni Valério Arcary Bruno Fabricio Alcebino da Silva José Geraldo Couto Yuri Martins-Fontes Lucas Fiaschetti Estevez Afrânio Catani Vinício Carrilho Martinez Marcelo Módolo Luiz Carlos Bresser-Pereira Fernão Pessoa Ramos Heraldo Campos Daniel Brazil Jorge Luiz Souto Maior José Costa Júnior Henri Acselrad Eduardo Borges Paulo Nogueira Batista Jr Annateresa Fabris Sergio Amadeu da Silveira Samuel Kilsztajn Luciano Nascimento Maria Rita Kehl Antonio Martins Ari Marcelo Solon José Raimundo Trindade André Márcio Neves Soares João Adolfo Hansen Andrew Korybko Fábio Konder Comparato Luiz Bernardo Pericás Fernando Nogueira da Costa Marcus Ianoni Roberto Bueno Rodrigo de Faria Flávio Aguiar Berenice Bento Plínio de Arruda Sampaio Jr. Leonardo Avritzer Roberto Noritomi João Lanari Bo Gilberto Lopes Ronald León Núñez Eleonora Albano Alysson Leandro Mascaro Ladislau Dowbor Atilio A. Boron Manuel Domingos Neto José Micaelson Lacerda Morais Rubens Pinto Lyra Alexandre de Freitas Barbosa Marcos Aurélio da Silva Ronaldo Tadeu de Souza Francisco de Oliveira Barros Júnior Michael Löwy Remy José Fontana Marilena Chauí Osvaldo Coggiola Milton Pinheiro Vladimir Safatle Paulo Martins Denilson Cordeiro João Sette Whitaker Ferreira Priscila Figueiredo Luís Fernando Vitagliano Gerson Almeida Tarso Genro João Carlos Salles José Machado Moita Neto Eugênio Bucci Chico Alencar Ricardo Abramovay Bento Prado Jr. Ricardo Musse Benicio Viero Schmidt Thomas Piketty Antonino Infranca Marilia Pacheco Fiorillo Tales Ab'Sáber Caio Bugiato Bruno Machado Bernardo Ricupero Dennis Oliveira Dênis de Moraes Elias Jabbour Celso Frederico Paulo Capel Narvai Airton Paschoa Leda Maria Paulani Mariarosaria Fabris Ricardo Fabbrini Paulo Fernandes Silveira João Feres Júnior Gabriel Cohn Leonardo Boff Carla Teixeira Érico Andrade Marjorie C. Marona Eugênio Trivinho Luiz Eduardo Soares Luiz Costa Lima Luiz Marques Ricardo Antunes Luiz Roberto Alves Chico Whitaker Daniel Afonso da Silva Juarez Guimarães Slavoj Žižek Jorge Branco Tadeu Valadares Jean Marc Von Der Weid Lorenzo Vitral Anselm Jappe Francisco Pereira de Farias Armando Boito Manchetômetro Marcos Silva Celso Favaretto Otaviano Helene Luiz Werneck Vianna João Paulo Ayub Fonseca Leonardo Sacramento Vanderlei Tenório Lincoln Secco

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada