Duas exposições: Aby Warburg e Marcel Proust

Imagem: Ermelindo Nardin
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por WALNICE NOGUEIRA GALVÃO*

O historiador alemão e o escritor francês em exposições memoráveis

Para levantar os ânimos e insinuar que nem tudo está perdido, chegam ecos de duas exposições fora de série.

Uma delas, na Haus der Kulturen der Welt, em Berlim, homenageia Aby Warburg, encampando seu Bilderatlas Mnemosyne: a súmula visual, em imagens, de toda uma estética. Work in progress, que o autor foi alterando durante toda a vida, acabando por desistir de pôr um fim, é, a bem dizer, uma enciclopédia com 63 painéis negros portando imagens coladas: fotos, desenhos, reproduções, recortes, riscos.

Uma de suas obsessões era a imagem da ninfa, outra a da serpente. Dedicou longas perquirições à mobilidade do panejamento, que segundo seus estudos tinha desertado das artes visuais por influência da iconografia cristã, hirta e hierática, só reaparecendo no Renascimento: Boticelli é um grande exemplo. Postulava que tais imagens percorriam a história da humanidade e as civilizações, formando um estoque a que artistas de qualquer época podiam recorrer.

A exposição gerou muitos subprodutos, inclusive um tour virtual em 3D. Quem estiver interessado pode procurar os podcasts e vídeos variados, com depoimentos dos curadores e de outros críticos. Foi posto à venda um álbum com reprodução fotográfica de todos os painéis e mais estudos, ao preço de duzentos euros.

Como se sabe, o pesquisador em boa hora transferiu-se para Londres, comboiando todo o seu acervo, inclusive uma biblioteca de 60 mil volumes, em troca da fundação do Instituto Aby Warburg, que ainda lá está hoje em dia e recebe alunos.

A propósito, houve outra exposição no Reina Sofia, em Madri, ostentando o provocador título de Atlas – Como levar o mundo nas costas?, com curadoria de um perito e fã como Georges Didi-Huberman.

Já quanto a Marcel Proust, a iniciativa da nova exposição coube ao Museu Carnavalet de história da cidade de Paris, tradicional abrigo dos despojos de sua vida e obra. A exposição se intitula Marcel Proust – Um roman parisien, título muito justo para quem nasceu e morreu em Paris, com eventuais jornadas ao balneário de Trouville ou à casa de Tante Léonie em (hoje) Iliers-Combray, que preserva sua outra cama. Ele raramente transpôs as fronteiras de seu país, assim mesmo nunca se afastando muito.

Proust, como se sabe, viveu intensamente seu tempo e sua cidade, produzindo uma verdadeira radiografia dos percalços históricos que a atravessaram, como o Caso Dreyfus.

Em busca do tempo perdido, na edição canônica em oito volumes, por muitos eleito o melhor romance já escrito, ocupou toda a vida do autor. Na fase final, escrevia deitado e acalentando sua asma com fumigações, num quarto forrado de cortiça para abafar os sons da rua, que vinham estorvar sua inspiração. É uma verdadeira crônica daqueles anos na então “capital do século XIX”, no dizer de Walter Benjamin. Concentra-se na análise da classe dominante, mostrando fascínio pelos aristocratas e burgueses ricos, e especialmente por seu requintado trem de vida.

Tal era o perfeccionismo do autor, que se tornou o terror dos editores, corrigindo sem cessar seus próprios manuscritos, mas também as provas gráficas e até os livros já impressos. Não contente em adicionar emendas com letra miúda, nas margens e mesmo no verso, ainda recortava e colava nas páginas as tiras a que chamava de “paperolles”.

Seu próprio quarto de dormir – o último – está sob a guarda do Museu Carnavalet há tempos e agora constitui o foco central da mostra. Mas o precioso quarto está cercado de outros objetos auráticos: pinturas e esculturas, livros e cadernos, apetrechos de escrita, utensílios de toalete e de conforto pessoal etc.

Na capa do catálogo entroniza-se seu mais reputado retrato, que o acompanhou até a morte, devido aos pinceis de Jacques-Emile Blanche. O modelo, altamente estilizado, aparece em trajes de gala e com uma orquídea na botoeira. Visto frontalmente, na face pálida sobressaem os magníficos “olhos de príncipe persa”, como diziam à época, as manchas brancas do rosto e do plastrom constrastando com o negror do fraque. O catálogo está esgotado, mas uma reedição é aguardada.

*Walnice Nogueira Galvão é Professora Emérita da FFLCH da USP. Autora, entre outros livros, de Lendo e relendo (Senac/Ouro sobre azul).

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Gerson Almeida Boaventura de Sousa Santos Matheus Silveira de Souza Gilberto Lopes Everaldo de Oliveira Andrade Michael Löwy Lorenzo Vitral João Lanari Bo Vladimir Safatle Leonardo Avritzer Eleonora Albano Eleutério F. S. Prado Ronaldo Tadeu de Souza Paulo Sérgio Pinheiro Eduardo Borges Lincoln Secco Chico Alencar Paulo Fernandes Silveira Manchetômetro Ricardo Antunes Mariarosaria Fabris Celso Favaretto Marcos Silva Milton Pinheiro Atilio A. Boron Marilena Chauí Gilberto Maringoni Samuel Kilsztajn Leda Maria Paulani Rubens Pinto Lyra Alysson Leandro Mascaro João Carlos Salles Salem Nasser Marcus Ianoni Bento Prado Jr. Rodrigo de Faria Vanderlei Tenório André Márcio Neves Soares Bruno Machado Paulo Capel Narvai Elias Jabbour Caio Bugiato Denilson Cordeiro Valerio Arcary Ricardo Abramovay João Feres Júnior Anselm Jappe Daniel Brazil Priscila Figueiredo José Geraldo Couto Kátia Gerab Baggio João Sette Whitaker Ferreira Eliziário Andrade Francisco Fernandes Ladeira Thomas Piketty Bruno Fabricio Alcebino da Silva Luiz Bernardo Pericás Luiz Marques Leonardo Sacramento Ricardo Musse Claudio Katz Michel Goulart da Silva Paulo Martins Sandra Bitencourt Berenice Bento Armando Boito Luciano Nascimento Flávio Aguiar Plínio de Arruda Sampaio Jr. Tarso Genro Fernando Nogueira da Costa Osvaldo Coggiola Dennis Oliveira Marcelo Módolo Jorge Luiz Souto Maior Dênis de Moraes Julian Rodrigues Ricardo Fabbrini Yuri Martins-Fontes Henri Acselrad José Micaelson Lacerda Morais Francisco de Oliveira Barros Júnior Ronald Rocha Antônio Sales Rios Neto Flávio R. Kothe Gabriel Cohn Heraldo Campos Alexandre Aragão de Albuquerque Michael Roberts Bernardo Ricupero Eugênio Bucci João Paulo Ayub Fonseca Benicio Viero Schmidt José Luís Fiori José Dirceu Andrew Korybko Otaviano Helene Tadeu Valadares Marcelo Guimarães Lima Maria Rita Kehl João Adolfo Hansen Valerio Arcary Jean Marc Von Der Weid Slavoj Žižek Luís Fernando Vitagliano Rafael R. Ioris Luiz Eduardo Soares Tales Ab'Sáber Ronald León Núñez Igor Felippe Santos Paulo Nogueira Batista Jr Antonino Infranca Ladislau Dowbor Alexandre de Lima Castro Tranjan Fábio Konder Comparato Jean Pierre Chauvin Alexandre de Freitas Barbosa Carla Teixeira Luiz Werneck Vianna Marilia Pacheco Fiorillo José Machado Moita Neto Andrés del Río Jorge Branco Luiz Carlos Bresser-Pereira Walnice Nogueira Galvão Luiz Roberto Alves Anderson Alves Esteves Ari Marcelo Solon João Carlos Loebens Érico Andrade Luiz Renato Martins Fernão Pessoa Ramos Eugênio Trivinho Carlos Tautz Sergio Amadeu da Silveira André Singer Lucas Fiaschetti Estevez Manuel Domingos Neto Airton Paschoa Vinício Carrilho Martinez Daniel Costa Mário Maestri Marjorie C. Marona Luis Felipe Miguel Henry Burnett Leonardo Boff Juarez Guimarães Marcos Aurélio da Silva José Costa Júnior Remy José Fontana Annateresa Fabris Antonio Martins Renato Dagnino Chico Whitaker Celso Frederico Francisco Pereira de Farias Daniel Afonso da Silva José Raimundo Trindade Liszt Vieira Afrânio Catani

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada