As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Três culpas

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por EUGÊNIO BUCCI*

Não há mais como ignorar que a responsabilidade pelas fontes das aflições que calcinam o espírito do tempo é integralmente nossa

A angústia que consome os seres sensíveis do nosso tempo tem pelo menos três fontes. A primeira é a destruição acelerada dos recursos naturais do planeta, o que traz aquecimento global, pandemias e alterações climáticas extremas, com mais enchentes, mais secas e mais ventanias. Em segundo lugar, vem a dissolução das paredes da privacidade. Algoritmos extraem dados íntimos de toda gente para abastecer estratégias que desinformam e semeiam medo, preconceito e ódio. A desinformação industrializada, por sua vez, gera a terceira fonte de angústia: o declínio da democracia. Em toda parte, o autoritarismo ganha força, inclusive entre aqueles que, alegando defender as liberdades, são truculentos.

O pior é que a culpa é nossa. Não há mais como ignorar que a responsabilidade pelas três fontes das aflições que calcinam o espírito do tempo é integralmente nossa. Não é mais possível jogar a conta para os “outros”. A culpa não é “da indústria”, não é “da China”, não é “do marxismo cultural”, não é “da ideologia de gênero”, não é “do Google”, não é “do Trump” ou “do Bolsonaro”: é nossa, é minha, é sua, é de todo mundo. Os sujeitos pensantes, que são raros, olham para a frente e enxergam o fracasso. A nossa capacidade de agir coletivamente com base na razão vai malogrando em lances bizarros. A angústia se cristaliza em impotência.

Examinemos os fatos. De início, vejamos o que se passa com a destruição da natureza. Depois da COP-26 (a Cúpula do Clima, em Glasgow, na Escócia), não há mais espaço político, lógico, ético ou científico para dizermos que o ser humano não tem parte no aquecimento global. Não dá mais para disfarçar. Quem pôs fogo no clima fomos nós. Quem leva a humanidade rumo à extinção é a própria humanidade. Tanto isso é verdade que o português António Guterres, secretário-geral da ONU, fez o seu alerta em tom ameaçador: “Basta de cavar a nossa própria cova!”.

Foi em 1945, com as explosões atômicas sobre Hiroshima e Nagasaki, que a humanidade se deu conta de seu potencial de acabar consigo mesma. Nós, que já sabíamos que as civilizações eram mortais, nos demos conta de que as civilizações poderiam também se suicidar.

Mas, naquele entremeio do século XX, achávamos que o risco de aniquilarmos a vida na Terra tinha que ver com o risco de eclosão de uma guerra nuclear. Hoje, a velha ilusão virou pó. Percebemos, tardiamente, que os hábitos de consumo podem incinerar mais que as ogivas de um míssil. Aprendemos que não precisamos de explosivos para pôr fogo em florestas, extinguir espécies e matar nossos semelhantes. Vimos que o nosso modo de viver é o modo mais fatal de matar. Não, não há inocentes desenroscando a tampa de uma garrafa pet.

Outra ilusão que se desmanchou no ar foi aquela de achar que era preciso um controle burocrático central para que o dito “sistema” grampeasse em definitivo a intimidade dos viventes. Antes, imaginávamos que seria necessário existir um “Big Brother” – como no livro 1984, de George Orwell – para que o poder conseguisse vigiar os indivíduos e a sociedade inteira. Quanta ingenuidade.

Diante do que se passa atualmente, a ficção distópica de Orwell mais parece uma cantiga de ninar. Ficou evidente que a vigilância total não precisa de gerente nenhum, de “Big Brother” nenhum. O narcisismo alucinado de toda gente é o que basta para mover as tecnologias que bisbilhotam cada piscar de olhos de cada habitante da Terra. A vaidade exibicionista impulsiona os dispositivos da espionagem generalizada. Descobrimos, enfim, que o “Big Brother” não é um burocrata no comando das máquinas, mas um agente difuso: todos os olhos de todos os seres são os seus olhos. A sociedade do espetáculo, do hedonismo e da ostentação é a outra face da sociedade da vigilância. Qualquer semelhança com o totalitarismo não é mera coincidência. Não, não há inocentes alisando com a ponta dos dedos a tela de um celular.

Com isso chegamos à estafa das democracias. Em cada país, a coreografia é diferente, mas a tragédia de fundo é a mesma: os fundamentos da democracia estão no limiar de um burnout institucional. Aí o sujeito levanta o dedo: “Mas eu não votei no fulano que aí está”. O outro também se esquiva: “Eu votei, mas me arrependi”. Não adianta. A responsabilidade é comum.

O caso brasileiro aqui está para nos servir de evidência empírica. Todos somos responsáveis. Uns porque sufragaram o inquilino do Alvorada. Outros porque deixam que ele continue lá, exatamente onde está, apesar das atrocidades que cometeu. Um dia, quando formos chamados a explicar por que conferimos a este bárbaro a mais completa impunidade, não teremos nada que declarar além da nossa pusilanimidade como nação.

Você quer esperança? Pois não. Enquanto os brasileiros se ajoelham, a humanidade segue procurando meios de atenuar o desastre ambiental. O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, vê uma chance, embora tenha medo do julgamento da História: “Se fracassarmos, as gerações futuras não nos perdoarão”. Ao menos ele, Boris Johnson, tem alguma ideia da responsabilidade que carrega.

*Eugênio Bucci é professor titular na Escola de Comunicações e Artes da USP. Autor, entre outros livros, de A superindústria do imaginário (Autêntica).

Publicado originalmente no jornal O Estado de São Paulo.

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
José Machado Moita Neto Lucas Fiaschetti Estevez Denilson Cordeiro Airton Paschoa Luiz Roberto Alves Antonio Martins João Sette Whitaker Ferreira Eduardo Borges Julian Rodrigues Roberto Noritomi Carla Teixeira Ricardo Fabbrini Érico Andrade Heraldo Campos Celso Frederico Valerio Arcary Daniel Costa Rodrigo de Faria Luis Felipe Miguel Antonino Infranca Francisco de Oliveira Barros Júnior Elias Jabbour Francisco Pereira de Farias Antônio Sales Rios Neto Roberto Bueno Fábio Konder Comparato Marcelo Módolo Dênis de Moraes Jorge Branco Marcus Ianoni Alexandre Aragão de Albuquerque Luiz Renato Martins Fernão Pessoa Ramos Marcelo Guimarães Lima Anderson Alves Esteves Lincoln Secco Yuri Martins-Fontes Marcos Aurélio da Silva Walnice Nogueira Galvão Daniel Brazil Luiz Eduardo Soares Salem Nasser Rafael R. Ioris André Márcio Neves Soares Dennis Oliveira Anselm Jappe Eugênio Trivinho Gabriel Cohn Manuel Domingos Neto Paulo Capel Narvai José Geraldo Couto Jorge Luiz Souto Maior Leonardo Avritzer Daniel Afonso da Silva Priscila Figueiredo João Carlos Loebens Bruno Fabricio Alcebino da Silva João Adolfo Hansen Flávio R. Kothe Eleutério F. S. Prado Samuel Kilsztajn Gilberto Maringoni Benicio Viero Schmidt Bruno Machado Liszt Vieira Berenice Bento Rubens Pinto Lyra João Feres Júnior Luciano Nascimento Tarso Genro Vinício Carrilho Martinez Annateresa Fabris Eugênio Bucci Vanderlei Tenório Luiz Bernardo Pericás Gilberto Lopes Flávio Aguiar Michael Roberts Marilena Chauí José Dirceu Marcos Silva Thomas Piketty Chico Alencar Alysson Leandro Mascaro Michael Löwy Bernardo Ricupero Alexandre de Lima Castro Tranjan Luiz Werneck Vianna Ronald Rocha Slavoj Žižek Tadeu Valadares Manchetômetro André Singer Plínio de Arruda Sampaio Jr. Andrew Korybko Francisco Fernandes Ladeira Marilia Pacheco Fiorillo Valério Arcary Luiz Marques José Micaelson Lacerda Morais José Raimundo Trindade Ricardo Musse José Costa Júnior Claudio Katz Eleonora Albano Alexandre de Freitas Barbosa Leda Maria Paulani Ladislau Dowbor João Carlos Salles Otaviano Helene Afrânio Catani Renato Dagnino Paulo Fernandes Silveira Henri Acselrad Caio Bugiato Luís Fernando Vitagliano Maria Rita Kehl Sergio Amadeu da Silveira Paulo Nogueira Batista Jr Jean Pierre Chauvin Jean Marc Von Der Weid José Luís Fiori Juarez Guimarães Leonardo Boff Armando Boito Tales Ab'Sáber Bento Prado Jr. Everaldo de Oliveira Andrade Fernando Nogueira da Costa Gerson Almeida Ricardo Abramovay Chico Whitaker Carlos Tautz Vladimir Safatle Luiz Costa Lima Ari Marcelo Solon Ronald León Núñez Mariarosaria Fabris Igor Felippe Santos Milton Pinheiro Kátia Gerab Baggio Paulo Sérgio Pinheiro Atilio A. Boron Ricardo Antunes Celso Favaretto João Paulo Ayub Fonseca Sandra Bitencourt João Lanari Bo Paulo Martins Leonardo Sacramento Marjorie C. Marona Eliziário Andrade Luiz Carlos Bresser-Pereira Henry Burnett Boaventura de Sousa Santos Mário Maestri Osvaldo Coggiola Lorenzo Vitral Ronaldo Tadeu de Souza Remy José Fontana

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada