As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A Divina

Antonio Lizárraga (Jornal de Resenhas)
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por NIRTON VENÂNCIO*

Comentário sobre a vida de Elizeth Cardoso, cujo centenário se comemora hoje

Ela tinha 16 anos quando Jacob do Bandolim, amigo de seu pai, a viu cantar em seu próprio aniversário. Muito nova começou a namorar o jogador Leônidas da Silva, o craque que imortalizou a “bicicleta” no futebol. O pai não aprovava. Um dia, obrigou a filha a pegar o telefone e acabar com aquele namoro sem futuro. Ali do lado, com o olhar fixo, uma vara de marmelo na mão balançando no vinco da calça de linho, o pai aguardava a moça “desnamorar” pelas linhas espirais telefônicas. Com medo de uma surra, obedeceu.

No dia seguinte vingou-se do pai-patrão: entrou em campo com a desobediência e reatou com o jogador. Foram vistos abraçados em plena rua da Lapa. Relação assumida, apostando num campeonato de felizes-para-sempre, foram morar juntos. Numa manhã ensolarada encontrou uma recém-nascida abandonada na rua e levou para criá-la. Leônidas colocou a mulher na área e mandou escolher: “ou eu ou a criança!”, não admitia jogar para escanteio na relação. “Fico com Teresa!”. O jogador foi expulso de campo, surpreso porque a bebê até nome ganhara. Ficou mais fumaçando quando soube que no dia seguinte a pequena Tetê foi registrada, na certidão como filha de mãe solteira. O Diamante Negro, como era o apelido do jogador, que fosse brilhar noutro time.

Do outro lado do bairro, o pai da moça mais indignado com mais uma transgressão aos bons costumes do lugar: a filha jovem, cantora e agora mãe solteira de uma criança encontrada na rua. Meses depois conheceu o músico Ari Valdez, rolou um clima, e foram morar juntos. O rapaz não teve outro jeito, aceitou as condições e à noite, mesmo cansado de alguma apresentação, trocava as fraldinhas de Teresa de seis meses. Valdez, galanteador, não poupava alguma garota que lhe estendesse uns olhares lânguidos em seus shows. Mas tinha crises incontroláveis de ciúmes da esposa, principalmente quando ela precisava viajar para cantar.

Grávida de Valdez, ela decidiu encerrar a relação. Saiu com barrigão e a pequena Tetê e foi morar com a mãe, também já separada. Definitivamente, não queria nada com um ciumento sem moral e motivos para tanto, e além do mais extensão do pai dominador. Teve o filho sozinha, e para conseguir mais dinheiro, pediu para mãe cuidar das crianças, aprendeu a dirigir e foi ser motorista de táxi em pleno Rio de Janeiro da década de 1940. Só as apresentações nas casas noturnas não cobriam as despesas do mês.

Assim foi o começo da carreira de Elizeth Cardoso, a Divina, apelido dado pelo jornalista Haroldo Costa, em um artigo publicado no A Última Hora.

Com uma voz belíssima que vibrava do erudito ao popular, Elizeth é uma das maiores cantoras da história da música brasileira, consagrada como intérprete impecável do choro ao samba-canção, chegando a Bossa Nova. Seu nome é até rima no endereço da rua Nascimento Silva, 107, onde Tom e Vinicius compunham para ela as canções de canção do amor demais, citada em “Carta ao Tom”, gravada em 1974 pelo poetinha, Toquinho e Quarteto em Cy.

Elizeth Cardoso foi uma das pioneiras dos jingles em campanha política, gravou uma machinha para a campanha de João Goulart como vice-presidente na chapa de oposição ao candidato Jânio Quadros.

Com mais de 40 discos e reconhecida internacionalmente, amiga de Sarah Vaughan, a voz enluarada de nosso cancioneiro passou três anos se tratando de um câncer no estômago, diagnosticado em uma turnê no Japão, quando se sentiu mal no hotel. Mesmo doente, comparecia aos shows, muitas vezes não conseguindo ir até o final, de tão debilitada. O público se emocionava e aplaudia a beleza daquela mulher e seu canto de amor demais.

Elizeth Cardoso é o modelo de resistência feminina em um país racista, machista, conservador, principalmente em uma época em que seus projetos de vida e seus ideais como artista e mulher eram completamente inconcebíveis.

Tinha 69 anos quando faleceu em 1990. Neste 16 de julho comemora-se o centenário de seu nascimento. Fazendo uma paráfrase com a citada carta musicada de Vinicius ao amigo Tom, ouvir Elizeth Cardoso lembra um tempo feliz, ai que saudade, a vida era só felicidade, era como se o amor doesse em paz.

*Nirton Venâncio é poeta, roteirista e cineasta.

Publicado originalmente no Jornal GGN.

 

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Julian Rodrigues Osvaldo Coggiola Marilena Chauí Rafael R. Ioris João Adolfo Hansen Mário Maestri Michael Roberts Luiz Costa Lima Ricardo Antunes Bento Prado Jr. Claudio Katz Manuel Domingos Neto Marcus Ianoni Anselm Jappe Paulo Nogueira Batista Jr Antonio Martins Renato Dagnino Leda Maria Paulani Ari Marcelo Solon Luiz Eduardo Soares Leonardo Avritzer Gerson Almeida Daniel Afonso da Silva Luís Fernando Vitagliano Liszt Vieira Fábio Konder Comparato Eliziário Andrade Annateresa Fabris José Dirceu Marcos Aurélio da Silva Benicio Viero Schmidt Luiz Roberto Alves Marjorie C. Marona Flávio Aguiar José Machado Moita Neto João Carlos Loebens Paulo Sérgio Pinheiro Ronald Rocha Celso Frederico Priscila Figueiredo Francisco Pereira de Farias Eugênio Bucci Leonardo Boff Armando Boito Dênis de Moraes Lincoln Secco Jorge Luiz Souto Maior Manchetômetro Antonino Infranca Igor Felippe Santos Ronaldo Tadeu de Souza Berenice Bento João Carlos Salles Heraldo Campos Tales Ab'Sáber Flávio R. Kothe João Lanari Bo Airton Paschoa Valerio Arcary Paulo Capel Narvai Elias Jabbour Paulo Martins Maria Rita Kehl Roberto Bueno Vinício Carrilho Martinez Henri Acselrad Eleonora Albano Boaventura de Sousa Santos Denilson Cordeiro Carlos Tautz Alexandre de Freitas Barbosa Michael Löwy Rubens Pinto Lyra João Paulo Ayub Fonseca Lorenzo Vitral Daniel Costa Anderson Alves Esteves José Geraldo Couto Celso Favaretto Valério Arcary Ricardo Abramovay Thomas Piketty André Márcio Neves Soares Vladimir Safatle Tarso Genro Alysson Leandro Mascaro Chico Whitaker Marcelo Guimarães Lima Alexandre Aragão de Albuquerque Luiz Bernardo Pericás Plínio de Arruda Sampaio Jr. Francisco de Oliveira Barros Júnior Rodrigo de Faria João Sette Whitaker Ferreira Caio Bugiato Jean Marc Von Der Weid Ladislau Dowbor Jorge Branco Tadeu Valadares Luiz Marques José Costa Júnior Leonardo Sacramento Marcos Silva Francisco Fernandes Ladeira Bruno Machado Lucas Fiaschetti Estevez Luiz Werneck Vianna Chico Alencar Ronald León Núñez Gilberto Lopes Kátia Gerab Baggio Juarez Guimarães José Raimundo Trindade Daniel Brazil Atilio A. Boron Vanderlei Tenório Sergio Amadeu da Silveira Dennis Oliveira Eduardo Borges Ricardo Musse Marcelo Módolo Gabriel Cohn Slavoj Žižek Samuel Kilsztajn Eleutério F. S. Prado Luis Felipe Miguel Fernando Nogueira da Costa Walnice Nogueira Galvão Everaldo de Oliveira Andrade Marilia Pacheco Fiorillo Mariarosaria Fabris Érico Andrade Andrew Korybko Otaviano Helene Luciano Nascimento Fernão Pessoa Ramos Sandra Bitencourt Henry Burnett Salem Nasser Carla Teixeira Remy José Fontana Luiz Carlos Bresser-Pereira Roberto Noritomi Milton Pinheiro Luiz Renato Martins Antônio Sales Rios Neto Eugênio Trivinho Afrânio Catani Jean Pierre Chauvin André Singer Ricardo Fabbrini Bruno Fabricio Alcebino da Silva José Micaelson Lacerda Morais Alexandre de Lima Castro Tranjan José Luís Fiori Bernardo Ricupero Gilberto Maringoni Paulo Fernandes Silveira João Feres Júnior Yuri Martins-Fontes

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada