O que fazer?

Imagem: Elyeser Szturm

Por Airton Paschoa*

Ordem do dia perfilada pela direção da “Esquerda Marota”

Já que tá todo mundo falando o que que a esquerda deve de fazer, vô falar também, ora! E tenho este direito, na condição de dirigente clandestino de aparelho poético em que se reúnem milhares de vocábulos cabulosos, os quais perfilho, como bom pai, e depois perfilo, como bom comandante, em ordem unida de pelotão apto a combate. Quem não se alinha — já pras entrelinhas!

A esquerda deve de fazer o que não fez em 18, quando expliquei pra deus e o mundo (mais deus que o mundo) que ciro-libanês era a frente ideal, levando na cabeça o percearense e no cangote haddad, vice e ministro da Fazenda, claro, porque tava no papo.

Por que que não fez, é que não entendo, porque avisei.

Agora, então, que patinhamos na memamé, só que mais fedentina, com os milicos e os bolsonavírus infectando tudo, talvez tenha que esfriar um pouco a chapa: dino e sauro, digo, ciro, ou bicho afim.

Isto se moros e mourões admitirem o jogo “democrático” de 22, conforme consentiram no jogo “democrático” de 18 (desde que levem).

Impiche, renúncia, suicídio… quem dera! tudo tiro no escuro!

Contudo, com tudo isso, a esquerda, ai de nós! inda não está a salvo de naufragar, quero dizer, sufragar — que sensação de dejà vu avulta, ó sombras coturnas do passado! um… um civil… doria?! o incredible huck? Sorry(a).

*Airton Paschoa é membro demérito, desde 2003, da esquerda Marota (Movimento Aleatório Rotatório Tá)