As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Contos de fadas

Jean Cocteau (Jean Maurice Eugène Clément Cocteau), "Figuras", desenho a nanquim.
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por WALNICE NOGUEIRA GALVÃO*

Considerações sobre filmes baseados em contos de fadas

Contos de fadas podem gerar filmes fora do padrão Disney, como demonstrou Jacques Démy. O cineasta da Nouvelle Vague granjeou fama de original, porque não seguia as receitas. Conheceu enorme sucesso com Os guarda chuvas do amor, uma ópera moderna, toda cantada num fio de voz pela juvenilíssima Catherine Deneuve, que mal estreava seus 17 anos. Ganhou a Palma de Ouro em Cannes e tornou-se cult. Depois viria outra proeza com Les demoiselles de Rochefort. Ambos são contos de fadas modernos, lindos, coloridíssimos.

Mas conto de fadas mesmo, não modernizado, é outro filme de Jacques Démy. Em Pele de asno, baseado em Charles Perrault, a protagonista passa o filme inteiro coberta pelo couro do burro, antes que o príncipe descubra o anel que ela deixou cair dentro de um bolo.  O pai incestuoso, vivido por Jean Marais, no final chega para o casamento de helicóptero, versão atualizada do deus exmachina do teatro clássico.  O anacronismo é uma piscadela para o espectador, semelhante ao tênis de grife que Sophia Coppola incluiu entre os calçados de época na sapateira de Maria Antonieta. Em ambos, trata-se de um recurso anti-ilusionista de estranhamento. Os três filmes de Jacques Démy foram servidos à perfeição pela maravilhosa música de Michel Legrand, a quem Pele de asno rendeu o Oscar de melhor trilha sonora.

Outro caso é uma reduzida série de filmes de Jean Cocteau, que não era um profissional do cinema, mas um artista cujos talentos iam da poesia às artes plásticas, célebre também no teatro e na prosa. Seus filmes são sobretudo poemas filmados. O mais renomado deles é A bela e a fera, de atmosfera mágica impecável, em que a fera quase morre de amor. Penetrado de surrealismo, multiplica os efeitos, pondo em cena, entre outros, candelabros constituídos por braços humanos que saem da parede a intervalos regulares, empunhando velas acesas.

E Orfeu émais surrealista ainda. No antigo mito grego, tão reproduzido em literatura, música, artes visuais, Orfeu, o maior poeta do mundo, que até os animais apaziguava com sua lira, perdeu a esposa e ficou inconsolável. Os deuses lhe facultaram ir aos infernos buscá-la, mas se olhasse para trás a perderia para sempre – e foi o que aconteceu. O Orfeu de Cocteau é um poeta dos dias de hoje, fascinado pela Princesa Morte, que o disputa à esposa Eurídice. Há mensageiros do Além que circulam de motocicleta, ou então travessiade espelhos que são passagens para os mundos ínferos. Todos são filmes de arte.

Os amores de Astrée ET Céladon, filme de Eric Rohmer, outro nome da Nouvelle Vague, aproveita uma novela de Honoré d`Urfé. Árcade e barroca, com pastoras e pastores que tocam lira, situada numa aldeia gaulesa do séc. V, não é uma novela de cavalaria transposta para a tela, mas sim o que pensavam os do séc. XVII que era uma novela de cavalaria típica da Idade Média. Uma história de amores contrariados ou realizados: uma beleza de fantasia e devaneio lírico, que transcreve falas do texto original.

Perrault era um bom compilador – não só porque redigia os relatos orais que ouvia, como consta, mas também porque compilava narrativas que já estavam escritas por outrem. E sobretudo por mulheres, posteriormente tornadas invisíveis e apagadas da História. Por exemplo, o mais famoso deles, A bela e a fera, já tinha sido redigido e publicado, sendo muito divulgado à época. Sua autora pertenceu a um grupo de mulheres que escreviam contos de fadas no séc. XVIII, na França. Também o conceito de “conto de fadas” foi criado por ela.  Quem vem estudando e revelando essas e outras preciosidades, que pesquisa mundo afora, é Susana Ventura, autora de A Bela e a Fera e outros contos de fadas de Madame Leprince de Beaumont, que acaba de sair. Um belo livro, todo ilustrado e multicor. Muito conhecida, e com livros de sua autoria no gênero infanto-juvenil, Susana tem biblioteca com seu nome em Osaka, no Japão – raríssima homenagem a exigir muito respeito.  Outro de seus livros, Um lençol de infinitos fios, tratando dos refugiados entre nós, vendeu 100 mil exemplares: ninguém pode dizer que falte interesse.

*Walnice Nogueira Galvão é Professora Emérita da FFLCH da USP. Autora, entre outros livros, de Lendo e relendo (Senac/Ouro sobre azul).

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Roberto Noritomi Afrânio Catani Berenice Bento Elias Jabbour Paulo Sérgio Pinheiro Vinício Carrilho Martinez Chico Whitaker Antonio Martins Otaviano Helene José Costa Júnior José Geraldo Couto Flávio Aguiar Jean Marc Von Der Weid Henri Acselrad Everaldo de Oliveira Andrade Alysson Leandro Mascaro Luís Fernando Vitagliano Fábio Konder Comparato Ricardo Antunes Mário Maestri Jorge Branco Alexandre de Freitas Barbosa Bruno Machado Henry Burnett Sergio Amadeu da Silveira Bernardo Ricupero Luiz Costa Lima Chico Alencar Rubens Pinto Lyra Luiz Eduardo Soares André Márcio Neves Soares Bruno Fabricio Alcebino da Silva Flávio R. Kothe Antônio Sales Rios Neto Fernão Pessoa Ramos Ricardo Abramovay Ronald León Núñez João Paulo Ayub Fonseca João Carlos Salles José Machado Moita Neto Eugênio Bucci Paulo Nogueira Batista Jr Michael Löwy Atilio A. Boron José Raimundo Trindade Marcus Ianoni Luiz Carlos Bresser-Pereira Francisco de Oliveira Barros Júnior João Lanari Bo Carla Teixeira Luiz Marques Ricardo Fabbrini Osvaldo Coggiola Salem Nasser Vanderlei Tenório Marcos Silva Marilia Pacheco Fiorillo Eliziário Andrade Liszt Vieira Marjorie C. Marona Érico Andrade José Luís Fiori Francisco Fernandes Ladeira Plínio de Arruda Sampaio Jr. Anderson Alves Esteves Eleonora Albano Julian Rodrigues Airton Paschoa Francisco Pereira de Farias Marcos Aurélio da Silva Rodrigo de Faria Boaventura de Sousa Santos Luiz Bernardo Pericás Mariarosaria Fabris Marilena Chauí Heraldo Campos Jorge Luiz Souto Maior Gilberto Lopes Valério Arcary Denilson Cordeiro Celso Frederico Sandra Bitencourt Claudio Katz Michael Roberts João Adolfo Hansen Tales Ab'Sáber Igor Felippe Santos Milton Pinheiro Lucas Fiaschetti Estevez Tarso Genro Dennis Oliveira Slavoj Žižek Renato Dagnino André Singer Benicio Viero Schmidt Annateresa Fabris João Sette Whitaker Ferreira Leda Maria Paulani Daniel Afonso da Silva Manuel Domingos Neto Marcelo Módolo Priscila Figueiredo Ladislau Dowbor Carlos Tautz Luiz Roberto Alves Eduardo Borges Lorenzo Vitral Ronald Rocha Luis Felipe Miguel Manchetômetro Leonardo Boff Remy José Fontana Gilberto Maringoni Paulo Martins Eleutério F. S. Prado Luciano Nascimento Dênis de Moraes Ronaldo Tadeu de Souza Walnice Nogueira Galvão Tadeu Valadares Antonino Infranca Gabriel Cohn Daniel Brazil Juarez Guimarães Luiz Renato Martins Alexandre de Lima Castro Tranjan Bento Prado Jr. Alexandre Aragão de Albuquerque Armando Boito José Dirceu Caio Bugiato Leonardo Avritzer Eugênio Trivinho Leonardo Sacramento Valerio Arcary Rafael R. Ioris Kátia Gerab Baggio Anselm Jappe Gerson Almeida Fernando Nogueira da Costa Paulo Capel Narvai Ricardo Musse Ari Marcelo Solon Thomas Piketty Andrew Korybko João Carlos Loebens Vladimir Safatle Jean Pierre Chauvin Yuri Martins-Fontes Marcelo Guimarães Lima Roberto Bueno Lincoln Secco João Feres Júnior Maria Rita Kehl Paulo Fernandes Silveira José Micaelson Lacerda Morais Daniel Costa Luiz Werneck Vianna Celso Favaretto Samuel Kilsztajn

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada