A guerra entre Estados Unidos e Rússia

Imagem: Cottonbro
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por RUBEN BAUER NAVEIRA*

A guerra é na Ucrânia, mas o real conflito é entre norte-americanos e russos

Que fique bem claro: a Ucrânia não é o centro do problema. O centro do problema é o conflito entre os Estados Unidos (de forma ampliada, o Ocidente) e a Rússia (de forma ampliada, Rússia e China). Os Estados Unidos defendem a sua hegemonia sobre o planeta (mundo unipolar), enquanto que a Rússia (e a China) defendem as suas soberanias (mundo multipolar).

Estados Unidos e Rússia já estão em guerra há muito tempo. Guerra não-declarada, evidentemente, porque no dia em que Estados unidos e Rússia entrarem em guerra direta esta escalará para guerra nuclear – que russos e americanos sabem que destruiria a ambos (e ao resto do mundo).

O mais recente round desta guerra acaba de ser vencido pelos americanos, ao obrigarem a Rússia a invadir a Ucrânia. Recapitulemos: (1) a Rússia havia dado (em dezembro) um ultimato aos Estados Unidos para que não apenas fizessem cessar a expansão da OTAN em direção às fronteiras russas como retirassem as tropas e bases de mísseis levadas para os países do leste europeu; o Ocidente respondeu ao ultimato russo reafirmando a liberdade de países como a Ucrânia e a Geórgia de resolverem entrar também para a OTAN; (2) ao passo que alardeava uma iminente invasão russa da Ucrânia, o Ocidente intensificou o envio de armamento de ponta aos ucranianos; (3) a Ucrânia, pressionada pelo Ocidente a invadir as repúblicas separatistas do Donbass, concentrou maciçamente tropas no front com aquelas repúblicas e passou a bombardear suas áreas residenciais civis com artilharia pesada, de uso proibido pelos acordos de Minsk (o que levou a uma evacuação de civis do Donbass para território russo); (4) no campo diplomático passou-se a ofender sem cerimônia, como na reação debochada do chanceler alemão Olaf Scholz à alegação russa de genocídio por parte da Ucrânia da sua população de russos étnicos (logo a Alemanha, que deveria ser o último lugar do planeta a desqualificar uma alegação de genocídio); (5) a gota d’água foi a declaração do presidente Zelensky da Ucrânia de que o país deveria buscar desenvolver armas nucleares (contando a Ucrânia com várias usinas nucleares, ou seja, detendo ela expertise sobre o ciclo de enriquecimento do urânio).

O objetivo dos americanos é a derrubada do governo russo para o desmantelamento das suas poderosas Forças Armadas e em especial de seu arsenal nuclear, a apropriação dos seus incomensuráveis recursos naturais, e o retalhamento do seu vasto território. Nesse sentido, a invasão russa da Ucrânia, “coberta” pela mídia ocidental por um modo difamatório sem precedentes em escala, orquestração e virulência, veio a calhar como justificação para a imposição de sanções também sem precedentes, que na prática correspondem a um verdadeiro banimento da Rússia do mundo econômico e financeiro ocidental.

Os americanos, conscientes que uma confrontação militar direta lhes seria desvantajosa (afora o risco de guerra nuclear), escolheram combater nos campos informacional (midiático) e econômico. O terremoto que já se instalou na economia russa visa, obviamente, à desestabilização do governo de Vladimir Putin, ao passo que o risco, assumido pelos países ocidentais, de que as sanções levem a repercussões danosas sobre as suas próprias economias, bem como a dimensão da campanha de demonização da Rússia, de Putin e do povo russo em geral, dão testemunho do quanto os americanos partiram para um “tudo ou nada” contra os russos.

No campo informacional/midiático, os russos já perderam a disputa pela narrativa (externamente; se perderem também internamente, será o seu fim). No campo econômico, eles foram postos em larga desvantagem (embora haja ainda muito jogo pela frente). Resta aos russos combaterem e buscarem vencer no campo que eles escolheram porque foi o que lhes restou, o militar.

Ainda que os americanos tenham vencido o último round impelindo os russos a uma guerra que eles prefeririam ter evitado (muito embora tenham se preparado para ela), o novo round é esta guerra em si, de desfecho em aberto. Se os russos alcançarem os seus objetivos (capitulação da Ucrânia em prazo não muito longo; desnazificação do país, com captura, julgamento e condenação dos neonazistas responsáveis por atrocidades; instalação de um novo governo no mínimo neutro, comprometido com a desmilitarização, e reconhecedor da Crimeia como território russo; e retorno das tropas russas) eles se cacifarão enormemente para voltar a exigir do Ocidente a saída das tropas da OTAN dos países do leste europeu. Porém, se a guerra se estender e se converter em atoleiro para os russos, o desgaste interno se somará ao desgaste devido ao bloqueio econômico, e o governo dificilmente se manterá. Para os russos, tanto quanto para os americanos, agora é tudo ou nada.

Os russos declaram não terem ambições territoriais na Ucrânia, mas é certo que não mais a tolerarão como um país inimigo. No dia da invasão (24) Vladimir Putin declarou que: “Deixe-me lembrar-lhes que ninguém perguntou às pessoas que vivem nos territórios da atual Ucrânia de que modo elas preferiam conceber as suas vidas quando a União Soviética foi criada, ou após a Segunda Guerra Mundial. Na base do nosso agir está a liberdade, a liberdade de escolha para todos ao conceber o seu futuro e o futuro dos seus filhos. Nós acreditamos que todos os povos que moram na Ucrânia de hoje, todos os que assim queiram, possam lançar mão desse direito de exercer a sua livre escolha. Nesse sentido eu gostaria de me dirigir aos cidadãos da Ucrânia. Em 2014, a Rússia se viu obrigada a defender o povo da Crimeia e de Sebastopol daqueles a quem vocês chamam “nazis”. O povo da Crimeia e de Sebastopol escolheu a favor de ficar com a sua pátria histórica, a Rússia. E nós os apoiamos. Como eu falei, não poderíamos ter agido de outra forma”.

É claro que o cenário é mutável, mas isso que Putin disse indica uma partição da Ucrânia em dois países – se a Rússia vencer esta guerra.

No mundo ocidental, será impossível saber-se para onde apontam as direções da guerra, até que as mesmas estejam fato consumado. O noticiário, convertido em instrumento para lavagem cerebral das massas, é inútil. Chega a ser razoável supor-se que, quanto mais exageradas as narrativas (“milhares de soldados russos mortos”; “resistência ucraniana paralisa o avanço russo”; “russos atacam a população civil”), então maior a probabilidade de estar ocorrendo exatamente o oposto nos campos de batalha. Ademais, aquele que esteja vencendo a guerra não distribui armas para todo e qualquer civil que se disponha a empunhá-las (algo duplamente criminoso, porque faz desses civis alvos militares legítimos, e porque leva as cidades à anomia, com explosão de saques, assaltos e assassinatos).

A extrema virulência do ataque econômico ocidental à Rússia não tem como ser tomada senão como uma declaração de guerra, o que empurrou as relações com o Ocidente para além do ponto de não-retorno (o estabelecimento de sanções pessoais contra Putin, algo inédito – não se sanciona pessoalmente o chefe de um Estado – representa um nível de ofensa que na prática obriga os russos ao rompimento das relações diplomáticas). Em se saindo vitoriosos na Ucrânia, os russos estarão cientes que a continuidade do enfrentamento terá que se dar por meio de novas ações militares.

Enfim, trata-se de guerra (mesmo que ainda não direta) entre Estados Unidos e Rússia, a qual admite apenas um dentre três desfechos possíveis: colapso do Ocidente, colapso da Rússia (e, na sequência, da China) ou guerra nuclear (e nada garante que uma das duas primeiras não leve à terceira).

*Ruben Bauer Naveira é ativista político. Autor do livro Uma nova utopia para o Brasil: três guias para sairmos do caos [disponível em http://www.brasilutopia.com.br].

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Heraldo Campos Paulo Nogueira Batista Jr Ronald León Núñez Ronald Rocha Berenice Bento Juarez Guimarães Salem Nasser Fernando Nogueira da Costa Eugênio Bucci Luiz Bernardo Pericás Flávio Aguiar Antonino Infranca Andrés del Río Marcelo Módolo Igor Felippe Santos Dênis de Moraes Luiz Roberto Alves Marcelo Guimarães Lima Daniel Afonso da Silva Luiz Eduardo Soares Sergio Amadeu da Silveira José Geraldo Couto Priscila Figueiredo José Costa Júnior Maria Rita Kehl Thomas Piketty Bruno Fabricio Alcebino da Silva Marcus Ianoni Armando Boito Lorenzo Vitral Denilson Cordeiro Sandra Bitencourt Vanderlei Tenório Tadeu Valadares José Luís Fiori Michael Roberts Michel Goulart da Silva Chico Whitaker Antônio Sales Rios Neto Marjorie C. Marona Henry Burnett Claudio Katz Leonardo Boff Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Flávio R. Kothe Gilberto Lopes Valerio Arcary Celso Favaretto Gilberto Maringoni Alysson Leandro Mascaro Manchetômetro Matheus Silveira de Souza Leda Maria Paulani Elias Jabbour José Raimundo Trindade Jorge Luiz Souto Maior Ronaldo Tadeu de Souza José Machado Moita Neto Paulo Capel Narvai Luiz Werneck Vianna Rubens Pinto Lyra João Feres Júnior Lincoln Secco Bruno Machado Valerio Arcary Paulo Fernandes Silveira Daniel Brazil Fernão Pessoa Ramos Ricardo Fabbrini Atilio A. Boron Eleonora Albano João Paulo Ayub Fonseca André Singer Julian Rodrigues Slavoj Žižek João Lanari Bo Michael Löwy Leonardo Avritzer Leonardo Sacramento André Márcio Neves Soares Kátia Gerab Baggio Tarso Genro Rodrigo de Faria Paulo Sérgio Pinheiro Walnice Nogueira Galvão Alexandre de Lima Castro Tranjan Carla Teixeira Benicio Viero Schmidt Daniel Costa Marcos Aurélio da Silva Carlos Tautz Otaviano Helene Henri Acselrad Gerson Almeida Ricardo Abramovay José Micaelson Lacerda Morais Alexandre Aragão de Albuquerque Fábio Konder Comparato Antonio Martins Dennis Oliveira Andrew Korybko Manuel Domingos Neto Ricardo Antunes Airton Paschoa Francisco de Oliveira Barros Júnior Milton Pinheiro Annateresa Fabris Jean Pierre Chauvin Plínio de Arruda Sampaio Jr. Ari Marcelo Solon Luis Felipe Miguel Tales Ab'Sáber Chico Alencar Celso Frederico Caio Bugiato Luiz Carlos Bresser-Pereira João Adolfo Hansen Mário Maestri João Carlos Loebens Marilena Chauí Vinício Carrilho Martinez Afrânio Catani Renato Dagnino Mariarosaria Fabris Liszt Vieira Marilia Pacheco Fiorillo Eduardo Borges Bernardo Ricupero Eliziário Andrade Ladislau Dowbor Everaldo de Oliveira Andrade Boaventura de Sousa Santos Francisco Pereira de Farias Luciano Nascimento Alexandre de Freitas Barbosa Samuel Kilsztajn Eugênio Trivinho Remy José Fontana Paulo Martins Luís Fernando Vitagliano Bento Prado Jr. Érico Andrade Anselm Jappe João Carlos Salles Gabriel Cohn Jean Marc Von Der Weid Marcos Silva Lucas Fiaschetti Estevez Luiz Marques Ricardo Musse José Dirceu Yuri Martins-Fontes Luiz Renato Martins Jorge Branco João Sette Whitaker Ferreira Vladimir Safatle Rafael R. Ioris Eleutério F. S. Prado Francisco Fernandes Ladeira Osvaldo Coggiola

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada