A opinião pública americana sobre a guerra da Ucrânia

Imagem: Nout Gons

Por PEW RESEARCH CENTER*

Os padrões de opinião sobre a forma como o governo dos EUA está lidando com a invasão russa são semelhantes aos das sobre o desempenho geral do trabalho de Biden

O Pew Research Center realizou este estudo para compreender melhor as atitudes dos americanos sobre a invasão russa da Ucrânia, assim como a resposta do governo Biden à invasão. Para esta análise, entrevistamos 10.441 adultos norte-americanos em março de 2022. Todos os que participaram desta sondagem são membros do American Trends Panel [Painel de Tendências Americanas] (ATP) conduzido pelo Pew Research Center, um painel de sondagem online que é estabelecido por amostragem aleatória nacional de endereços residenciais. Desta forma, quase todos os adultos dos EUA têm uma chance de seleção. A sondagem é ponderada para ser representativa da população adulta dos EUA por gênero, raça, etnia, filiação partidária, educação e outras categorias.

Em três semanas de invasão militar russa da Ucrânia, quase metade dos americanos (47%) aprovam o tratamento dado pelo governo Biden à invasão russa, enquanto cerca de quatro em cada dez (39%) desaprovam; 13% disseram não ter certeza.

Cerca de um terço dos americanos (32%), afirma que os Estados Unidos estão prestando o apoio adequado à Ucrânia, uma vez que lutam para deter a invasão russa. Um percentual maior – 42% – afirma que os EUA deveriam estar prestando mais apoio à Ucrânia, enquanto apenas 7% dizem que estão dando apoio demasiado. Cerca de um em cada cinco (19%) afirma não ter certeza.

A nova sondagem, realizada de 7 a 13 de março de 2022, entre 10.441 adultos americanos do  American Trends Panel (ATP), conduzido pelo Pew Research Center, encontra amplas diferenças partidárias na opinião sobre o tratamento dispensado pelo governo à crise e o nível de apoio que os EUA têm prestado à Ucrânia.

No entanto, percentuais praticamente idênticos em ambos os partidos – 51% de republicanos e independentes de tendência republicana, e 50% de democratas e de tendência democrata – consideram a invasão russa como uma “grande ameaça” aos interesses dos EUA.

Além disso, há vários aspectos da política dos EUA em relação à Rússia e à Ucrânia que atraem o apoio bipartidário. Embora os republicanos tenham manifestado previamente ceticismo quanto à extensão em que os EUA deveriam trabalhar com seus aliados, quase três quartos deles (73%) dizem que trabalhar em estreita colaboração com os aliados para responder à invasão russa é a abordagem correta. Uma parte ainda maior dos democratas (85%) diz o mesmo.

Os americanos também estão amplamente unidos em seu apoio a sanções econômicas rigorosas contra a Rússia, em resposta à invasão da Ucrânia. Uma esmagadora maioria das pessoas (85%) – incluindo percentuais semelhantes de republicanos (85%) e democratas (88%) – é a favor da manutenção de sanções econômicas rigorosas. Cerca de seis em cada dez americanos (63%) são fortemente a favor de sanções rigorosas.

Amplas maiorias também a favor da manutenção de numerosas forças militares dos EUA nos países da OTAN próximos da Ucrânia em resposta ao conflito (77%), uma posição partilhada por 75% dos republicanos e 81% dos democratas.

No entanto, a maioria dos americanos (62%) diz que se oporia a que os EUA “tomassem medidas militares mesmo que houvesse risco de conflito nuclear com a Rússia”. Cerca de um terço (35%) dos americanos diz que seria a favor de uma ação militar neste cenário. Há percentuais comparáveis em ambos os partidos (36% dos republicanos, 35% dos democratas) dos que afirmam ser a favor de uma ação militar, mesmo que haja risco de conflito nuclear com a Rússia.

E enquanto quase sete em cada dez americanos (69%) são a favor da admissão de milhares de refugiados ucranianos nos EUA, incluindo a maioria dos que se encontram em ambos os partidos, os democratas são substancialmente mais propensos do que os republicanos a afirmar isto (80% vs. 57%).

A nova sondagem também constatou:

Grande atenção das pessoas à invasão russa. Cerca de sete em cada dez adultos (69%) agora relatam ter lido ou ouvido muito sobre a invasão russa, em comparação com 23% dos que disseram ter lido ou ouvido muito sobre a concentração de tropas russas na fronteira com a Ucrânia, numa sondagem de janeiro.

Atualmente, percentuais quase idênticos de republicanos (70%) e democratas (71%) afirmam ter ouvido ou lido muito sobre a invasão.

Aprovação do trabalho de Biden praticamente inalterada depois de janeiro. Hoje, 43% dos americanos aprovam a forma como Joe Biden está lidando com seu trabalho como presidente, enquanto 55% desaprovam. Isso mudou pouco desde janeiro, quando 41% dos americanos aprovaram o desempenho de Biden no cargo.

Quase metade aprova a resposta do governo Biden à invasão russa; e mais pessoas afirmam que os EUA estão fazendo muito menos do que o necessário para a Ucrânia

De modo geral, mais americanos aprovam (47%) do que desaprovam (39%) a resposta do governo Biden à invasão russa da Ucrânia, enquanto 13% dos americanos afirmam não ter certeza.

Na sua maioria, os padrões de opinião sobre a forma como o governo está lidando com a invasão russa são semelhantes aos das opiniões sobre o desempenho geral do trabalho de Biden.

Os democratas e os de tendência democrata aprovam amplamente a resposta do governo à invasão russa (69% aprovam), enquanto os republicanos e os de tendência republicana desaprovam na sua maioria (67% desaprovam).

Entre os grupos demográficos, os adultos negros são particularmente propensos a aprovar a resposta do governo à invasão russa da Ucrânia: 57% aprovam, 20% desaprovam. Os adultos hispânicos e asiáticos são mais propensos a aprovar do que desaprovar a resposta do governo Biden, enquanto os adultos brancos estão divididos (45% aprovam, 44% desaprovam).

Há também diferenças educacionais nas opiniões sobre a resposta do governo Biden à invasão russa. Quase seis em dez (57%) das pessoas com pelo menos quatro anos de formação superior aprovam a resposta do governo, em comparação com 42% das pessoas que não concluíram um curso superior.

Há uma correlação entre a classificação geral do trabalho de Biden e as opiniões sobre a resposta de seu governo à invasão russa da Ucrânia. Entre aqueles que desaprovam o desempenho do trabalho de Biden, a maioria (63%) desaprova a resposta do governo à Ucrânia; ainda assim, 22% aprovam e 14% não têm certeza. Entre os 43% das pessoas que aprovam o desempenho geral do trabalho de Biden, pouquíssimos (apenas 9%) desaprovam a resposta do governo à invasão, enquanto 11% não têm certeza e 79% aprovam.

 

Apoio dos EUA à Ucrânia

Em geral, cerca de um terço dos americanos afirma que os EUA estão fornecendo apoio adequado à Ucrânia, enquanto um percentual maior (42%) diz que não está fornecendo apoio suficiente; apenas 7% afirmam que está fornecendo demasiado apoio, enquanto 19% não têm certeza.

Enquanto há profundas divisões partidárias nas opiniões sobre a resposta do governo à crise, as opiniões sobre o apoio dos EUA à Ucrânia estão menos divididas. Quase metade dos republicanos (49%) afirma que os EUA estão dando muito pouco apoio; 23% dizem que estão dando apoio adequado e 9% pensam que os EUA estão dando demasiado apoio à Ucrânia.

Entre os democratas, percentuais comparáveis afirmam que os EUA estão fornecendo à Ucrânia o apoio adequado (39%) e muito pouco apoio (38%). Apenas 5% dos democratas dizem que os EUA estão dando demasiado apoio à Ucrânia – cerca da metade do percentual de republicanos que dizem o mesmo.

Há diferenças ideológicas modestas no interior de ambos os partidos em termos de apoio à Ucrânia: uma maioria de 54% dos republicanos conservadores afirma que os EUA não estão fazendo o suficiente pela Ucrânia, em comparação com 41% dos republicanos moderados e liberais. Entre os democratas, os liberais (43%) são mais propensos do que os moderados e os conservadores (34%) a dizer que os EUA não estão dando apoio suficiente.

Entre aqueles que desaprovam a resposta do governo Biden à invasão, uma maioria (54%) diz que os EUA não estão dando apoio suficiente à Ucrânia, em comparação com 18% que afirmam que estão dando apoio adequado e apenas 13% que dizem que estão dando demasiado apoio.

Cerca da metade dos que aprovam a resposta do governo (48%) afirma que os EUA estão fornecendo apoio adequado à Ucrânia, enquanto quatro em cada dez são favoráveis ao aumento do apoio e quase nenhum (2%) afirma que os EUA estão fornecendo demasiado apoio.

 

Metade dos adultos afirma que a invasão russa da Ucrânia é uma “grande ameaça” aos interesses dos EUA

Metade dos americanos afirma que a invasão russa da Ucrânia é uma grande ameaça aos interesses dos EUA, enquanto outros 28% dizem que é uma ameaça menor; apenas 6% dizem que a invasão não é uma ameaça aos interesses dos EUA, enquanto 16% não têm certeza. Isto marca uma mudança substancial em relação ao momento anterior à invasão russa; em janeiro, apenas 26% disseram que “a concentração de tropas russas perto da fronteira com a Ucrânia” representava uma grande ameaça aos interesses dos EUA.

Republicanos e democratas expressam opiniões praticamente idênticas sobre a ameaça da invasão russa; 51% dos republicanos e 50% dos democratas afirmam que é uma grande ameaça aos interesses dos EUA. Em janeiro, cerca de um quarto em cada partido viu a concentração de tropas  russas perto da Ucrânia como uma grande ameaça.

 

Apoio bipartidário para manter sanções rigorosas contra a Rússia, mantendo um grande número de forças dos EUA nos países da OTAN vizinhos da Ucrânia

Mais de oito em cada dez democratas e de tendência democrata (88%) e republicanos e de tendência republicana (85%) são favoráveis à manutenção de sanções econômicas rigorosas contra a Rússia. E pelo menos seis em dez em cada partido são fortemente favoráveis à manutenção de sanções rigorosas (68% dos democratas, 61% dos republicanos).

Percentuais semelhantes de republicanos (75%) e democratas (81%) estão a favor da manutenção de uma grande presença militar nos países da OTAN localizados perto da Ucrânia. E há um apoio limitado entre republicanos e democratas à ação militar, mesmo que haja risco de um conflito nuclear com a Rússia: cerca de um terço das pessoas (35%) e percentuais quase idênticos de democratas (35%) e republicanos (36%) estão a favor disso.

Contudo, os democratas são substancialmente mais propensos do que os republicanos a estarem a favor da admissão de milhares de refugiados ucranianos nos Estados Unidos.

Oito em cada dez democratas dizem ser a favor da admissão de milhares de refugiados ucranianos, em comparação com uma maioria mais reduzida de republicanos (57%).

E os democratas são cerca de duas vezes mais propensos do que os republicanos a estarem fortemente a favor da admissão de milhares de refugiados ucranianos nos EUA: 42% dos democratas são fortemente favoráveis a isso, em comparação com 20% dos republicanos.

 

Pequena mudança nas opiniões sobre o desempenho do trabalho de Biden

A opinião das pessoas sobre o desempenho do trabalho de Joe Biden pouco mudou desde janeiro. Hoje, 43% dos americanos dizem aprovar a forma como Joe Biden está realizando seu trabalho como presidente; 41% deram a Biden uma avaliação positiva de seu trabalho em janeiro. As avaliações do trabalho de Biden permaneceram bastante estáveis nos últimos seis meses, depois de diminuírem acentuadamente no verão passado.

Enquanto os republicanos desaprovam esmagadoramente o desempenho do trabalho de Biden (91% desaprovam), uma maioria mais reduzida de democratas (72%) aprova a forma como ele está realizando seu trabalho como presidente.

*Pew Research Center é um think tank norte-americano não partidário.

Essa pesquisa foi coordenada por Carroll Doherty.

Tradução: Fernando Lima das Neves.

Publicado originalmente em Pew Research Center.