As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A lógica política do xingamento

Josef Herman, Esboço de uma mulher, sem data.
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JORGE ALEMÁN*

Somente existe um jeito de dobrar a potência do xingamento até o máximo e é prolongá-lo com a ameaça de morte

O xingamento é o invento da linguagem para interromper qualquer diálogo.

O xingamento não se direciona à palavra do outro, como a seu ser.

Direciona-se ao ser no sentido amplo do termo: à sua história, ao seu corpo, à sua existência em tanto valor de vida.

Somente existe um jeito de dobrar a potência do xingamento até o máximo e é prolongá-lo com a ameaça de morte.

Com a ameaça de morte suspende-se o pacto mínimo: o de continuar com a palavra.

Se a ameaça de morte se estende ao espaço democrático ele desapresse e passa a ter lugar o estado de exceção.

O neoliberalismo, na sua interpretação e no exercício do poder, já não tem condições de legitimar-se democraticamente. E isto por razões estruturais. Seu plano de apropriação e exploração de uma nação exige a permanente prática do ódio, o xingamento e a ameaça. Para isso conta com um grande número de sujeitos devastados simbolicamente cuja única identidade possível somente se conquista através destas práticas. É só questão de recrutá-los.

Logo, os políticos neoliberais e seus dispositivos da mídia se encarregam da operação perversa. Primeiro bater de frente, depois semear a dúvida sobre a existência do machucado, por último culpar à própria vítima pelo dano ocorrido. Obviamente, esta sequência se “espetaculariza” na mídia com diferentes estratégias dramáticas.

Os quadros políticos atuais decididos a combater este estado de coisas, que sem dúvida contam com uma grande usina internacional, devem analisar estas estratégias como sendo uma análise que forma parte de sua militância. Pois apesar de apresentarem-se como relatos, no seu cerne habita uma maquinaria de destruição sistemática da democracia.

*Jorge Alemán é psicanalista e escritor. Autor, entre outros livros, de Capitalismo: crimen perfecto o emancipación (Ned Ediciones).

Tradução: María Cecilia Ipar.

Publicado originalmente no jornal Página 12.

 

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores. Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Paulo Martins Kátia Gerab Baggio Fábio Konder Comparato Vinício Carrilho Martinez Alexandre Aragão de Albuquerque Celso Favaretto Celso Frederico Boaventura de Sousa Santos Antonino Infranca Carla Teixeira Bruno Fabricio Alcebino da Silva José Dirceu Marilena Chauí Juarez Guimarães Chico Whitaker Michael Löwy José Costa Júnior José Machado Moita Neto Luiz Carlos Bresser-Pereira Denilson Cordeiro Leonardo Avritzer Igor Felippe Santos Paulo Sérgio Pinheiro Lorenzo Vitral Milton Pinheiro Anselm Jappe Marjorie C. Marona Carlos Tautz Henry Burnett Luís Fernando Vitagliano Ricardo Abramovay Ricardo Musse Mariarosaria Fabris José Micaelson Lacerda Morais Otaviano Helene Paulo Nogueira Batista Jr Osvaldo Coggiola Alysson Leandro Mascaro Francisco de Oliveira Barros Júnior Atilio A. Boron Tadeu Valadares Walnice Nogueira Galvão Ari Marcelo Solon Lincoln Secco Salem Nasser Marilia Pacheco Fiorillo Gilberto Lopes Bruno Machado Gilberto Maringoni Heraldo Campos André Márcio Neves Soares Afrânio Catani Marcos Aurélio da Silva Luiz Costa Lima Francisco Fernandes Ladeira Luciano Nascimento Flávio Aguiar Dennis Oliveira Luiz Roberto Alves Airton Paschoa Sandra Bitencourt João Paulo Ayub Fonseca Lucas Fiaschetti Estevez Roberto Bueno Érico Andrade Jean Pierre Chauvin Henri Acselrad Valério Arcary Francisco Pereira de Farias Ricardo Fabbrini Luiz Werneck Vianna Priscila Figueiredo Caio Bugiato Anderson Alves Esteves Tales Ab'Sáber Thomas Piketty Luis Felipe Miguel José Luís Fiori Eduardo Borges Bernardo Ricupero Alexandre de Freitas Barbosa Liszt Vieira Daniel Afonso da Silva Gabriel Cohn Elias Jabbour André Singer Annateresa Fabris Eleonora Albano Eugênio Trivinho Manchetômetro Chico Alencar Eliziário Andrade João Sette Whitaker Ferreira João Carlos Loebens Bento Prado Jr. Daniel Costa Armando Boito Luiz Bernardo Pericás Valerio Arcary Gerson Almeida Yuri Martins-Fontes Berenice Bento Luiz Eduardo Soares Rubens Pinto Lyra Maria Rita Kehl Marcos Silva Daniel Brazil Jorge Luiz Souto Maior Remy José Fontana Tarso Genro Samuel Kilsztajn Roberto Noritomi Ronald León Núñez Rafael R. Ioris Paulo Fernandes Silveira João Carlos Salles Julian Rodrigues Antonio Martins Benicio Viero Schmidt Vladimir Safatle Fernão Pessoa Ramos Jorge Branco Paulo Capel Narvai João Feres Júnior Ricardo Antunes Alexandre de Lima Castro Tranjan João Lanari Bo Sergio Amadeu da Silveira José Geraldo Couto Marcelo Módolo Mário Maestri João Adolfo Hansen Ronald Rocha Manuel Domingos Neto Rodrigo de Faria Marcus Ianoni Leonardo Boff Ronaldo Tadeu de Souza Everaldo de Oliveira Andrade Luiz Renato Martins Fernando Nogueira da Costa Ladislau Dowbor Eugênio Bucci Leonardo Sacramento Vanderlei Tenório Plínio de Arruda Sampaio Jr. Leda Maria Paulani Dênis de Moraes Michael Roberts Renato Dagnino Flávio R. Kothe Luiz Marques Slavoj Žižek Marcelo Guimarães Lima Eleutério F. S. Prado Antônio Sales Rios Neto Claudio Katz José Raimundo Trindade Andrew Korybko Jean Marc Von Der Weid

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada