A lógica política do xingamento

Josef Herman, Esboço de uma mulher, sem data.
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JORGE ALEMÁN*

Somente existe um jeito de dobrar a potência do xingamento até o máximo e é prolongá-lo com a ameaça de morte

O xingamento é o invento da linguagem para interromper qualquer diálogo.

O xingamento não se direciona à palavra do outro, como a seu ser.

Direciona-se ao ser no sentido amplo do termo: à sua história, ao seu corpo, à sua existência em tanto valor de vida.

Somente existe um jeito de dobrar a potência do xingamento até o máximo e é prolongá-lo com a ameaça de morte.

Com a ameaça de morte suspende-se o pacto mínimo: o de continuar com a palavra.

Se a ameaça de morte se estende ao espaço democrático ele desapresse e passa a ter lugar o estado de exceção.

O neoliberalismo, na sua interpretação e no exercício do poder, já não tem condições de legitimar-se democraticamente. E isto por razões estruturais. Seu plano de apropriação e exploração de uma nação exige a permanente prática do ódio, o xingamento e a ameaça. Para isso conta com um grande número de sujeitos devastados simbolicamente cuja única identidade possível somente se conquista através destas práticas. É só questão de recrutá-los.

Logo, os políticos neoliberais e seus dispositivos da mídia se encarregam da operação perversa. Primeiro bater de frente, depois semear a dúvida sobre a existência do machucado, por último culpar à própria vítima pelo dano ocorrido. Obviamente, esta sequência se “espetaculariza” na mídia com diferentes estratégias dramáticas.

Os quadros políticos atuais decididos a combater este estado de coisas, que sem dúvida contam com uma grande usina internacional, devem analisar estas estratégias como sendo uma análise que forma parte de sua militância. Pois apesar de apresentarem-se como relatos, no seu cerne habita uma maquinaria de destruição sistemática da democracia.

*Jorge Alemán é psicanalista e escritor. Autor, entre outros livros, de Capitalismo: crimen perfecto o emancipación (Ned Ediciones).

Tradução: María Cecilia Ipar.

Publicado originalmente no jornal Página 12.

 

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores. Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • Sobre a ignorância artificialEugenio Bucci 15/06/2024 Por EUGÊNIO BUCCI: Hoje, a ignorância não é uma casa inabitada, desprovida de ideias, mas uma edificação repleta de baboseiras desarticuladas, uma gosma de densidade pesada que ocupa todos os espaços
  • Franz Kafka, espírito libertárioFranz Kafka, espírito libertário 13/06/2024 Por MICHAEL LÖWY: Notas por ocasião do centenário da morte do escritor tcheco
  • A sociedade da história mortasala de aula parecida com a da história usp 16/06/2024 Por ANTONIO SIMPLICIO DE ALMEIDA NETO: A disciplina de história foi inserida numa área genérica chamada de Ciências Humanas e Sociais Aplicadas e, por fim, desapareceu no ralo curricular
  • Introdução a “O capital” de Karl Marxcultura vermelho triangular 02/06/2024 Por ELEUTÉRIO F. S. PRADO: Comentário sobre o livro de Michael Heinrich
  • Impasses e saídas para o momento políticojosé dirceu 12/06/2024 Por JOSÉ DIRCEU: O programa de desenvolvimento tem de ser a base de um compromisso político da frente democrática
  • A greve das Universidades e Institutos federaisvidros corredor 01/06/2024 Por ROBERTO LEHER: O governo se desconecta de sua base social efetiva ao afastar do tabuleiro político os que lutaram contra Jair Bolsonaro
  • Fortalecer o PROIFESsala de aula 54mf 15/06/2024 Por GIL VICENTE REIS DE FIGUEIREDO: A tentativa de cancelar o PROIFES e, ao mesmo tempo, fechar os olhos para os erros da direção da ANDES é um desserviço à construção de um novo cenário de representação
  • Uma lógica míopeVERMELHO HOMEM CAMINHANDO _ 12/06/2024 Por LUIS FELIPE MIGUEL: O governo não tem vontade política para transformar a educação em prioridade, enquanto corteja militares ou policiais rodoviários, que não se movem um milímetro para longe do bolsonarismo que continuam a apoiar
  • Hélio Pellegrino, 100 anosHelio Pellegrino 14/06/2024 Por FERNANDA CANAVÊZ & FERNANDA PACHECO-FERREIRA: Na vasta elaboração do psicanalista e escritor, ainda há um aspecto pouco explorado: a luta de classes na psicanálise
  • A armadilha de Volodymyr Zelenskystar wars 15/06/2024 Por HUGO DIONÍSIO: Quer Zelensky consiga o seu copo cheio – a entrada dos EUA na guerra – ou seu copo meio cheio – a entrada da Europa na guerra –, qualquer das soluções é devastadora para as nossas vidas

AUTORES

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES