A manipulação da verdade

James Boswell, O cinema, 1939
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LUIZ MARQUES*

Comentários a partir do livro de Patrick Charaudeau

Em A manipulação da verdade, Patrick Charaudeau afirma que “a pós-verdade produz a contraverdade”. Nos Estados Unidos, nas eleições de 2016, questionada sobre os números inflados da “multidão” na posse do candidato eleito, a justificativa amoral da assessora trumpista é que preferia “fatos alternativos”. Técnicas fotográficas e audiovisuais apagam “verdades factuais” e justapõem desinformações. Para o professor da Universidade Paris XIII, a contraverdade alimenta a desfaçatez. O ciberespaço potencializa polêmicas que têm menos a ver com a mentira e, muito mais, com o “tudo é dizível”. Falar merda deixou de ser problema.

Pós-verdade

Esse é um tempo de “palavras-maná, cujo significado impactante, multiforme e fugidio dá a ilusão de que com uma certa palavra se pode responder a qualquer coisa”, lê-se em Roland Barthes por Roland Barthes. Na atualidade, segundo o Dictionary Oxford, o mote mágico é post-truth. A pós-verdade insere-se no leque dapós-modernidade, pós-marxismo, pós-liberalismo, pós-nacionalismo, pós-colonialismo, pós-democracia, pós-revolução. A inflação de pós-conceitos não implica maior cuidado ou precisão no uso da linguagem. Implica antes o caos.

A partícula “pós” alude o momento seguinte, em pós-parto. Em pós-industrial, uma ruptura qualitativa com a perda de relevância do operariado fabril na história. Em pós-moderno, um pretenso fim das ideologias e o início das tecnologias digitais nas relações sociais. Na pós-verdade, os apelos às crenças e às emoções ganham proeminência. Fatos viram “interpretação” (Nietzsche) ou “narrativa” (Lyotard) e, no léxico homofóbico, “mimimi” (o Coisa). Para a nova velha direita, a lei que importa é a de um antigo axioma maquiaveliano – “governar é fazer crer”. Palavras viram elásticos puxados para lá e para cá por absoluta conveniência, até arrebentar.

Hannah Arendt, em As origens do totalitarismo, salienta as dissonâncias cognitivas com o real sob o prisma da concepção de “ideologia” enquanto “falsa consciência”. O pensamento ideológico seria independente e descolado da realidade; consideraria o factual um artefato; não distinguiria entre a verdade e a falsidade. Puxa-se à vontade, de acordo com o freguês. Com sorte, asnos se convertem em alternativas de poder aos domingos, na TV. Meios de comunicação inventaram e monetizaram a “democracia de opinião”, agora reproduzida nas redes sociais como o jogo onde “tudo é possível” e “tudo é divino e maravilhoso”. Se non è vero, è ben trovato.

O sinaleiro

A pasteurização das mentes pela mídia convencional foi a grande ameaça à democracia, no século XX: tornava os indivíduos incapazes de pensar com autonomia em face da linguagem vertical dos veículos. Sem a cidadania informada, o Estado de direito democrático não controla o exercício da governança. Sem transparência republicana, não há efetiva fiscalização dos governantes. A incerteza então confunde-se com uma impotência para mudar ou denunciar os tiranetes. Com o imaginário coletivo monitorado pela Big Tech, está pior no século XXI.

A agenda de mistificações desorienta a sociedade e obriga os adversários a gastarem uma enorme energia com os desmentidos. As redes estimulam a inimizade, acirram a competição, exploram o medo no ser humano. O ódio se espalha mais rápido que a solidariedade, cultiva o bullying, os insultos, organiza a violência para chacinas nas escolas. “Fazer justiça” (sic) tornou-se um ótimo produto para alavancar as vendas entre bilhões de usuários das telas de celulares com sede de sangue, cancelamento. Sobram vingadores na webesfera.

A barbárie atrás de uma tela de computador atrai mais do que a civilização. Por isso, a vitória de Lula da Silva teve caráter épico ao derrotar o neofascismo, o espírito do tempo e a máquina estatal. A resiliência dos trabalhadores que recebem salários inversamente proporcionais à sua memória esteve do lado certo: o futuro. Como no conto de Charles Dickens, O sinaleiro, a pequena burguesia precisa aprender com os pobres: “Ei, você aí embaixo!”

Bom negócio

O ódio é um bom negócio. Não à toa, a cinematografia hollywoodiana substitui romances por dramas tarantinos, que acabam em tortura e morte. Adéqua-se ao neoliberalismo, onde os fracos não têm vez e os fortes não têm empatia; circunstância que leva ambos a consumirem fórmulas de autoajuda à disposição no varejo. Com a iluminação em preto e branco, a truculência dispensa os roteiros e a plateia faz catarse durante as sessões. Cafajestes são atores com legendas em inglês; os ladrões de joias têm rachadinhas em português. Para compreender, há que situar os filmes no seu entorno, como indicado para as esculturas a céu aberto.

A “cultura do inimigo” está na alma das classes dominantes, o que inspira o eterno confronto do livre mercado com a democracia. A metáfora do mundo cindido em 1% de cidadãos versus 99% de subcidadãos, estampa a distopia neoliberal e resgata a verdade objetiva perdida nos labirintos da internet. A propósito, a imagem-mercadoria de Donald Trump na foto de presidiário é de soberba; Pablo Escobar sorri. Como será retratado no ato da prisão, o Coisa? Ao fundo, jazem Cancellier, Marielle, Bruno, Paulo Gustavo e outras 700 mil vítimas. As placas tectônicas estão se movendo. A custo, a democracia soube se defender; saberá conquistar?

Patrick Charaudeau não tem o otimismo dos ilusionistas. Percebe-se na dedicatória do livro: “Aos meus netos, presentes e futuros, para navegar entre ventos contrários”. Sem temer o ciclônico capital, o avô octogenário ensina as novas gerações a manejarem as velas do barco com a arma da crítica, para assumir a condição de sujeitos da história. A verdade produz a contramentira; a luta produz a consciência. O leme-leitura singra mares agitados.

*Luiz Marques é professor de ciência política na UFRGS. Foi secretário estadual de cultura do Rio Grande do Sul no governo Olívio Dutra.

Referência


Patrick Charaudeau. A manipulação da verdade: Do triunfo da negação às sombras da pós-verdade. São Paulo, Editora Contexto, 2022, 192 págs. [https://amzn.to/3SuvLTz]


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Vanderlei Tenório Andrew Korybko Alexandre Aragão de Albuquerque Daniel Brazil Leonardo Sacramento Celso Frederico Ricardo Abramovay Julian Rodrigues Fábio Konder Comparato Luiz Carlos Bresser-Pereira Andrés del Río Caio Bugiato André Márcio Neves Soares Daniel Costa Eleonora Albano Paulo Martins Érico Andrade Valerio Arcary Luís Fernando Vitagliano Gerson Almeida Ari Marcelo Solon Leonardo Avritzer João Lanari Bo Carla Teixeira Flávio R. Kothe Ronald León Núñez José Dirceu Tadeu Valadares Igor Felippe Santos João Paulo Ayub Fonseca Alexandre de Lima Castro Tranjan Tarso Genro Dennis Oliveira Luiz Renato Martins José Micaelson Lacerda Morais Antônio Sales Rios Neto Otaviano Helene Manchetômetro Luiz Eduardo Soares Fernão Pessoa Ramos Francisco Fernandes Ladeira Eduardo Borges Michael Löwy Elias Jabbour Ladislau Dowbor Renato Dagnino Luis Felipe Miguel Paulo Sérgio Pinheiro Vinício Carrilho Martinez Ronald Rocha Sandra Bitencourt Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Paulo Capel Narvai Claudio Katz Leonardo Boff Gilberto Lopes Gilberto Maringoni Tales Ab'Sáber Luiz Werneck Vianna Chico Whitaker Paulo Fernandes Silveira Chico Alencar Walnice Nogueira Galvão Milton Pinheiro Celso Favaretto Marcus Ianoni Marilia Pacheco Fiorillo Mariarosaria Fabris Michel Goulart da Silva Mário Maestri José Costa Júnior Luiz Bernardo Pericás Leda Maria Paulani Dênis de Moraes Paulo Nogueira Batista Jr Ronaldo Tadeu de Souza Anselm Jappe Priscila Figueiredo Marcelo Módolo Osvaldo Coggiola Yuri Martins-Fontes Bento Prado Jr. Bernardo Ricupero Thomas Piketty Heraldo Campos Lucas Fiaschetti Estevez Denilson Cordeiro Luiz Marques Valerio Arcary José Geraldo Couto Remy José Fontana Maria Rita Kehl Fernando Nogueira da Costa Kátia Gerab Baggio Ricardo Fabbrini Sergio Amadeu da Silveira Michael Roberts Lorenzo Vitral João Carlos Loebens Marjorie C. Marona José Machado Moita Neto Eugênio Trivinho João Feres Júnior José Raimundo Trindade Carlos Tautz Luiz Roberto Alves Plínio de Arruda Sampaio Jr. Rafael R. Ioris Eliziário Andrade Boaventura de Sousa Santos Henri Acselrad Antonio Martins João Sette Whitaker Ferreira Lincoln Secco Everaldo de Oliveira Andrade Marilena Chauí Afrânio Catani Marcos Silva Jean Pierre Chauvin Ricardo Musse José Luís Fiori Ricardo Antunes Henry Burnett Daniel Afonso da Silva Jean Marc Von Der Weid Bruno Fabricio Alcebino da Silva Francisco de Oliveira Barros Júnior Antonino Infranca Juarez Guimarães Jorge Branco Alexandre de Freitas Barbosa Luciano Nascimento Annateresa Fabris Rubens Pinto Lyra Eugênio Bucci João Carlos Salles Liszt Vieira Marcelo Guimarães Lima Samuel Kilsztajn Vladimir Safatle Atilio A. Boron João Adolfo Hansen Manuel Domingos Neto Berenice Bento Eleutério F. S. Prado Slavoj Žižek Salem Nasser Airton Paschoa Bruno Machado Alysson Leandro Mascaro Jorge Luiz Souto Maior Flávio Aguiar Marcos Aurélio da Silva Matheus Silveira de Souza Rodrigo de Faria Gabriel Cohn Armando Boito André Singer Benicio Viero Schmidt Francisco Pereira de Farias

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada