Abrir a arca do tesouro

Imagem: Deva Darshan
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LUIZ WERNECK VIANNA*

A primeira tentação para o vencedor é a de retomar o antigo repertório, revalorizando obras e instituições de provada serventia no passado

Temos seguido, imprecisamente desde os anos 1930, duas linhas paralelas em nosso processo de desenvolvimento, a da modernização e a do moderno, segundo nos sugere Raymundo Faoro em seu penetrante ensaio “A república inacabada”, linhas que revelam inequívoca prevalência da primeira sobre a do moderno que se apresenta em traços débeis ao longo do período e, em geral, como um efeito colateral não buscado do processo da modernização, mas que no governo JK e até 1964 experimentou um surto afirmativo.

Ainda segundo Raymundo Faoro, por processos de modernização devem-se entender os que derivam das ações de elites políticas que intentam conduzir sociedades retardatárias, por meio do controle autocrático do poder político, no sentido de acelerar sua expansão econômica e intervir no sentido de fortalecê-las em termos da competição internacional pelo controle de mercados, como nos casos clássicos da Alemanha, da Itália e do Japão. Tem origem, portanto, em processos políticos que operam por cima da sociedade entre suas elites, e, como tais, impõem vias artificiais de desenvolvimento para uma sociedade que apenas padece dos seus efeitos.

Sob o governo Bolsonaro experimentamos uma dupla negação, tanto das vias da modernização que por décadas encontrou nas corporações militares sua principal sustentação, quanto as do moderno que vinha encontrando brechas para se infiltrar, por suposto em razão da sua natureza autoritária, e ficamos expostos à vacuidade do neoliberalismo preconizado por seu ministro da Fazenda Paulo Guedes, adversário figadal de ambas, dominado por suas paixões sobre as virtudes de um mercado confiado à sua própria lógica. Com essa orientação, seguida à risca, tentou-se cirurgicamente separar o país do seu passado e de suas tradições.

O processo eleitoral, com a vitória da candidatura Lula-Alkmin cortou a possibilidade de ainda mais se radicalizar essa ruptura, embora os males já feitos sejam de difícil reparação inclusive por que o campo derrotado não só perdeu por uma quantidade pequena de votos, mas, sobretudo, por manter forte presença nas câmaras legislativas e em importantes estados da federação, inclusive São Paulo.

Nos quatro anos de destruição sistemática das instituições e da cultura política que criava raízes sob regime democrático em que se empenhou o governo Bolsonaro, degradando a memória da obra e de empreendimentos que nos serviam de orientação, como no caso de Paulo Freire que se tornou paradigmático, entre tantos, deixando um vazio no lugar que ocupavam na imaginação dos brasileiros sobre como pensar e agir nas suas circunstâncias.

A campanha eleitoral vitoriosa que derrotou o fascismo, possivelmente por cálculos que se demonstraram acertados, contornou a agenda dos temas político-culturais sem fornecer respostas para a sanha destrutiva do governo Bolsonaro nesse terreno, fixando-se nos temas da desigualdade, e aí nas questões da pobreza, das mulheres submetidas a um patriarcalismo secular, e das regiões desfavorecidas no capitalismo brasileiro, como o Nordeste, pauta que lhe abriu o caminho do êxito, embora lhe prometa um terreno de pedras.

A primeira tentação para o vencedor é a de retomar o antigo repertório, revalorizando obras e instituições de provada serventia no passado. Mas o Natal mudou, a crença disseminada de que, apesar dos pesares, a sociedade estava animada por uma contínua, embora lenta, movimentação em sentido progressivo rumo a um desenvolvimento menos desigual em termos sociais e mais afluente na economia, está em franca dissipação. Os antigos partidos que sustentavam tais crenças já não existem mais, sepultados por uma aluvião de organizações sem alma e meramente fisiológicas, fora os sobreviventes como o PT e alguns poucos e minoritários como o PSol, Rede e Cidadania, todos com baixa representação orgânica nos setores subalternos.

De outra parte, os intelectuais, antes inclinados a uma participação na vida pública se acham confinados a seus nichos especializados e desencontrados de sustentação social, e apenas alguns artistas renomados esporadicamente furam o isolamento em relação ao público. A cognição se desertifica num momento em que mais que nunca é necessária nesse momento de moda das concepções distópicas.

Em horas aziagas como essas, em que parecem estar fechadas as portas do futuro, convém abrir as arcas do passado com seus tesouros escondidos dos quais podem vir a inspiração para a retomada do impulso criativo que nos atualize no agir na hora presente, ali estão os nossos maiores a que devemos devolver vida, retomando os elos presentes em suas criações. Com eles e a partir deles extrair vantagens do que foi a nossa modernização sem perder de vista que é o moderno o que desejamos.

*Luiz Werneck Vianna é professor do Departamento de Ciências Sociais da PUC-Rio. Autor, entre outros livros, de A revolução passiva: iberismo e americanismo no Brasil (Revan).

 

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como 

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • Franz Kafka, espírito libertárioFranz Kafka, espírito libertário 13/06/2024 Por MICHAEL LÖWY: Notas por ocasião do centenário da morte do escritor tcheco
  • A sociedade da história mortasala de aula parecida com a da história usp 16/06/2024 Por ANTONIO SIMPLICIO DE ALMEIDA NETO: A disciplina de história foi inserida numa área genérica chamada de Ciências Humanas e Sociais Aplicadas e, por fim, desapareceu no ralo curricular
  • Sobre a ignorância artificialEugenio Bucci 15/06/2024 Por EUGÊNIO BUCCI: Hoje, a ignorância não é uma casa inabitada, desprovida de ideias, mas uma edificação repleta de baboseiras desarticuladas, uma gosma de densidade pesada que ocupa todos os espaços
  • Um olhar sobre a greve das federais de 2024lula haddad 20/06/2024 Por IAEL DE SOUZA: Com alguns meses de governo, comprovou-se o estelionato eleitoral de Lula, acompanhado do seu “fiel escudeiro”, o Ministro da Fazenda, Fernando Haddad
  • Carta ao presidenteLula 59mk,g 18/06/2024 Por FRANCISCO ALVES, JOÃO DOS REIS SILVA JÚNIOR & VALDEMAR SGUISSARDI: “Concordamos plenamente com V. Exa. quando afirma e reafirma que ‘Educação é investimento, não é gasto’”
  • Retomar o caminho da esperançafim de tarde 21/06/2024 Por JUAREZ GUIMARÃES & MARILANE TEIXEIRA: Cinco iniciativas que podem permitir às esquerdas e centro-esquerdas brasileiras retomarem o diálogo com a esperança majoritária dos brasileiros
  • Chico Buarque, 80 anoschico 19/06/2024 Por ROGÉRIO RUFINO DE OLIVEIRA: A luta de classes, universal, particulariza-se no requinte da intenção construtiva, na tônica de proparoxítonas proletárias
  • Por que estamos em greve?estátua 50g 20/06/2024 Por SERGIO STOCO: Chegamos a uma situação de penúria das instituições de ensino federal
  • Manual teológico do neopentecostalismo neoliberaljesus salva 22/06/2024 Por LEONARDO SACRAMENTO: A teologia transformou-se em coaching ou fomentador da disputa entre trabalhadores no mundo do trabalho
  • Oportunismo, doença infantil do esquerdismocadeira 5 18/06/2024 Por HERLON MIGUEL: Considerações sobre a greve na Universidade Federal da Bahia

AUTORES

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES