As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A marcha da distopia

Imagem: Aa Dil
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LUIZ MARQUES*

Os governantes da cartilha do neoliberalismo tratam bens construídos por várias gerações como se as joias fossem suas, sem propor plebiscitos para ouvir a vontade popular

No país, as privatizações condensam o método antropofágico para a acumulação da riqueza por poucos. Uma extensa bibliografia sobre a década de 1990, em especial, sob o governo de Fernando Henrique Cardoso, aborda os negócios escusos que cobriram falcatruas: O Brasil privatizado: um balanço do Estado, de Aloysio Biondi; A privataria tucana, de Amaury Ribeiro Jr.; O príncipe da privataria, de Palmério Dória. O pretexto do repasse das empresas superavitárias para a iniciativa privada foi a redução da dívida líquida do setor público, o que se mostrou uma falácia. Entre 1994 e 2002, a dívida pública saltou de 32% para 56% do PIB nacional. As fake news não são novidades.

Os governantes da cartilha do neoliberalismo tratam bens construídos por várias gerações como se as joias fossem suas, sem propor plebiscitos para auscultar a vontade popular. Para privatizar, antes menosprezam a democracia. A representação que recebem nas urnas é convertida na delegação para fazerem o que quiser no poder, via de regra, sem aviso prévio nas campanhas eleitorais. O resultado é o aumento das desigualdades, do desemprego, da pobreza, da fome e de serviços muito piores.

As privatizações coincidem com a aplicação da “austeridade” na economia, lê-se em Os custos sociais do ajuste neoliberal na América Latina, da economista Laura Tavares Soares. A liquidação do patrimônio público anda junto com a precarização da existência das classes trabalhadoras. O povo empobrece na velocidade com que o país se desnacionaliza. A marcha da distopia é saudada com loas à “modernização” e à “globalização”, para liberar fronteiras para o consumo e o capital. A cinegrafia hollywoodiana capta o medo coletivo de um fenômeno que ocorre nos dois hemisférios, em maior ou menor intensidade. O neopentecostalismo oferece o ombro ao desamparo individual.

Para lembrar a aldeia do Rio Grande do Sul, e quiçá universalizar a experiência sobre o que os mandatários comprometidos com o bem comum não devem fazer, a aliança do PSDB / Eduardo Leite e o MDB privatizou a CEEE e a CORSAN, luz e água essenciais. O slogan emedebista sobre a “alma gaúcha”, usado para salientar a gauchidade, é uma tentativa demagógica de naturalizar um posicionamento político-ideológico-classista, como se brotasse da estética de um baile no CTG.

A pantomima se repete. O chefe do Movimento Integralista Brasileiro, o arroubo fascista que se derramou pelos anos 1930, Plínio Salgado, batia na mesma tecla subjetiva para significar uma brasilidade – “o sertão é uma mentalidade, um estado de espírito”. O bolsonarismo, idem, acena com uma alma penada, a do patriota que não olha para cima, oculta o apoio à financeirização do Estado e à monocultura do agronegócio neocolonial tipo exportação. São técnicas para ludibriar.

Na divisão política do entreguismo, o prefeito de Porto Alegre, Sebastião Melo e o vice Ricardo Gomes, membro do Instituto de Estudos Empresariais (IEE), repassam terrenos e parques com corte de árvores para erguer a roda gigante e o estacionamento. Ademais, privatizam a joia da Carris. O alcaide José Fogaça, lá atrás, preparou o cenário ao retirar da EPTC o controle da bilhetagem, a venda antecipada e a caixa de compensação da tarifa social, abdicando do papel do poder público.

São 121 prestações por 10 anos, pagas com recursos da própria empresa, outrora modelo de gestão. O município perde a referência fundamental à política de transportes, e garante prestações inferiores a 10% do que costumam contabilizar as linhas monopólicas atuais, denunciou o ex-prefeito Raul Pont, em “O escândalo da Cia. Carris, ou como criar capitalistas sem capital” (Sul 21, 16/10/2023).

Aprofunda-se a desrazão verde-amarela, ao Sul. Não é o interesse público que mede as transações comerciais em curso; é a ideia tola de que a gestão privada seria mais eficiente do que a gestão pública. O assunto da compra de livros, chromebooks e kits pedagógicos, sem uso, na rede escolar porto-alegrense não é um caso de incompetência, mas uma irregularidade. A sindicância interna concluída sem designar aqueles que devem explicações pela incúria. O lucro particular, não o bem-estar da população, move o privatismo de empresas estratégicas, sem as quais a sociedade fica à merce do mercado. A cidade é posta à venda pela (extrema) direita. A mídia corporativa passa pano. Explica-se: é neoliberal e, por igual, torce pela panaceia da cloroquina e ivermectina do mercado.

Não demora haverá uma bibliografia sobre cada evento vendilhão do templo, também na querência amada. O comportamento de cada instituição que esteve ligada ao processo das privatizações, logo  será objeto de reportagens investigativas sérias, trabalhos de conclusão de curso nas universidades, dissertações de mestrado e teses de doutorado. Nenhum personagem público que se envolve em negócios tão polêmicos e contestados escapa do julgamento público, mais cedo ou mais tarde.

A guerra é a continuação das privatizações por outros meios, parafraseando Clausewitz. Enquanto isso, o bombardeio no Oriente Médio não para. O hospital atingido por bombas na Faixa de Gaza – estima-se com 500 vítimas fatais – contribui na regionalização do conflito. O porta-voz do governo israelense posta na internet um mea-culpa que na sequência foi apagado, mas deixou as digitais do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu. Na Jordânia, uma multidão de manifestantes incendeia a sede da Embaixada de Israel em resposta à chacina. Cresce a indignação. O ato terrorista cometido pelo Hamas leva um Estado a reproduzir o irracionalismo. Os protestos espalham-se pela Europa.

A autoridade da ONU na condição de uma instância global de governança, muito desgastada por Donald Trump e seu fantoche da Barra (pesada) da Tijuca, precisa ser restaurada e fortalecida. É a oportunidade de restabelecer, em paralelo, o caráter massivo do Fórum Social Mundial (FSM) com correções de rumo para torná-lo mais organizativo das lutas da civilização contra a barbárie. A pandemia foi incapaz de humanizar os donos do teatro, que prosseguem na marcha da distopia. As notícias doem no estômago. Este artigo termina no verso-denúncia dos desvarios, com o suspiro de melancolia da poeta Cecília Meireles: “Saudade das esperanças / Quando se acabar o mundo”.

*Luiz Marques é professor de ciência política na UFRGS. Foi secretário estadual de cultura do Rio Grande do Sul no governo Olívio Dutra.

A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
José Machado Moita Neto Elias Jabbour Paulo Nogueira Batista Jr Antonio Martins Dênis de Moraes Ricardo Fabbrini José Luís Fiori Andrew Korybko Priscila Figueiredo Rafael R. Ioris Afrânio Catani Thomas Piketty Mário Maestri Roberto Bueno Luis Felipe Miguel Eleonora Albano Anselm Jappe Luiz Werneck Vianna Ricardo Musse Luiz Roberto Alves João Carlos Salles Roberto Noritomi Chico Whitaker Gilberto Maringoni Lucas Fiaschetti Estevez Kátia Gerab Baggio Tales Ab'Sáber Luiz Carlos Bresser-Pereira Airton Paschoa João Feres Júnior Ladislau Dowbor Marcos Aurélio da Silva Gerson Almeida Marjorie C. Marona Leonardo Boff Antônio Sales Rios Neto Mariarosaria Fabris José Micaelson Lacerda Morais Samuel Kilsztajn Denilson Cordeiro Rodrigo de Faria Anderson Alves Esteves Tadeu Valadares Lincoln Secco Alysson Leandro Mascaro André Singer Paulo Capel Narvai Celso Frederico Paulo Fernandes Silveira Fábio Konder Comparato Jean Pierre Chauvin José Raimundo Trindade Vinício Carrilho Martinez Yuri Martins-Fontes Valerio Arcary Vanderlei Tenório Everaldo de Oliveira Andrade Sergio Amadeu da Silveira Marcelo Módolo Renato Dagnino João Adolfo Hansen Luciano Nascimento Jorge Luiz Souto Maior José Dirceu Tarso Genro Milton Pinheiro Armando Boito Paulo Martins Marcus Ianoni Berenice Bento Maria Rita Kehl Bruno Machado Fernando Nogueira da Costa Ronald Rocha Marcos Silva Daniel Costa Slavoj Žižek Carlos Tautz Claudio Katz Luiz Renato Martins Manchetômetro Celso Favaretto João Lanari Bo Boaventura de Sousa Santos José Geraldo Couto Rubens Pinto Lyra Plínio de Arruda Sampaio Jr. Gabriel Cohn Ronaldo Tadeu de Souza Eugênio Trivinho Marilena Chauí Ricardo Antunes Gilberto Lopes Marilia Pacheco Fiorillo Paulo Sérgio Pinheiro Otaviano Helene Manuel Domingos Neto Lorenzo Vitral Atilio A. Boron Francisco Pereira de Farias Bernardo Ricupero Ricardo Abramovay Juarez Guimarães Carla Teixeira Luís Fernando Vitagliano Henry Burnett Antonino Infranca Jean Marc Von Der Weid Daniel Brazil Eliziário Andrade Michael Löwy Eleutério F. S. Prado Remy José Fontana Chico Alencar Walnice Nogueira Galvão Daniel Afonso da Silva Luiz Eduardo Soares Salem Nasser Luiz Costa Lima Annateresa Fabris Igor Felippe Santos Osvaldo Coggiola Vladimir Safatle Luiz Bernardo Pericás Bento Prado Jr. André Márcio Neves Soares Alexandre Aragão de Albuquerque Leda Maria Paulani Marcelo Guimarães Lima Dennis Oliveira José Costa Júnior Michael Roberts Benicio Viero Schmidt Heraldo Campos Luiz Marques Fernão Pessoa Ramos Érico Andrade Bruno Fabricio Alcebino da Silva Flávio Aguiar Francisco de Oliveira Barros Júnior Sandra Bitencourt Leonardo Sacramento Eduardo Borges Caio Bugiato Julian Rodrigues Ronald León Núñez João Paulo Ayub Fonseca João Sette Whitaker Ferreira Valério Arcary Jorge Branco Liszt Vieira João Carlos Loebens Francisco Fernandes Ladeira Leonardo Avritzer Alexandre de Freitas Barbosa Ari Marcelo Solon Alexandre de Lima Castro Tranjan Henri Acselrad Flávio R. Kothe Eugênio Bucci

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada