As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A pornô-política

Imagem_ColeraAlegria
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por RICARDO T. TRINCA*

O político obsceno tem prazer pelo domínio, sob a forma de uma prestidigitação, algo que pode ser encontrado também nos mágicos

Há alguns anos atrás tive o privilégio de conversar com um dos grandes diretores do cinema pornô brasileiro. Nessa conversa, na verdade breve, escutei como seus filmes tinham a característica de explorar cenas explícitas na forma de closes, por meio de ângulos fechados, em uma filmagem que mostrava o ato sexual e seus órgãos em demoradas tomadas. Perguntei sobre o motivo desse tipo de filmagem, a meu ver tão crua, e ele me respondeu laconicamente: “porque eu gosto!”. Fiquei muito intrigado com a dissociação que parecia existir em seus relatos entre o ato sexual e a pessoa, e pensei tratar-se de uma maneira de representar não só o machismo e a dominação por meio do sexo, mas também a falta de pudor, transmitidos de uma maneira quase impessoal, como se fosse possível, por meio dessas cenas, dissociar a pessoa do ato em si.

Mais recentemente outra experiência deixou suas marcas. Estava em uma festa infantil e um mágico criava ilusões incríveis, para o deleite dos seus espectadores. Estava também entretido suas mágicas surpreendentes quando ofereceu-me uma lata de tomates e um abridor para abri-la. Fiquei intrigado com sua proposta e comecei a abrir a lata, um pouco constrangido pelo fato de tornar-me o foco de todos que assistiam ao espetáculo naquele momento. Quando terminei de abrir a lata, vi que o meu relógio, um modelo antigo e pouco usual, estava dentro dela! Espantado, constatei que havia sido retirado de meu pulso em algum momento sem o meu conhecimento. Percebi que enquanto me divertia com alguma outra mágica não observei a ação desse verdadeiro prestidigitador, que felizmente devolveu-me o relógio, mas não a credulidade.

Parece existir entre os dois acontecimentos uma diferença intransponível: enquanto o mágico – ou o prestidigitador – esconde sua verdadeira ação ludibriando seu espectador com alguma outra que aos olhos salta, o diretor do filme pornô parece única e exclusivamente se dedicar ao totalmente explícito (embora dissociado da subjetividade). Tenho, no entanto, cá comigo, que o pornô e o mágico são complementares na política atual.

Para compreendermos tal afirmação devemos antes observar como tanto o mágico quanto o pornô procuram ativamente capturar o olhar por meio de uma espécie de indução hipnótica. Essa hipnose, longe de ser uma perda absoluta de consciência, é um rebaixamento da atenção, que concentra seu foco sobre uma fonte excitante específica e de forma exagerada, impedindo o pleno exercício de uma atenção livremente flutuante. Com isso os detalhes, verdadeiros DNAs da realidade, são retirados da relação com o restante. O resultado, falando de forma alegórica, é que uma cauda de leão acaba por ser compreendida como um espanador, e de modo inquestionável. Tanto o pornô quanto a mágica capturam a atenção por retirarem de cena deliberadamente uma enorme quantidade de detalhes, enquanto nos concentramos em outras que compõem o quadro excitante. O mágico é tanto melhor quanto mais habilidade tem em exercer essa arte. Assim, enquanto no pornô não vemos a subjetividade, a emoção e a presença sexual associada com a vida emocional, na mágica não vemos as cenas que lhe antecedem, como o furto, e permanecemos com um desejo por mantermo-nos iludidos.

No entanto, o realmente obsceno, isso que choca pela ausência de decoro, por sua vulgaridade e pela crueldade, não pode ser atribuído inteiramente nem à pornografia e muito menos à mágica. Penso que essa categoria se adequa mais precisamente à política atual. Estamos atualmente hipnotizados, consumindo vorazmente pornografia-política. Ficamos diariamente capturados por cenas e falas dos governantes que chocam pela completa falta de decoro, e também pela crueldade com que são feitas. Tais atitudes, espalhadas pelos quatro cantos palacianos, parecem advir de gente que se compraz em ferir o pudor alheio, especialmente interessados em dirigir a atenção para si mesmos. Nessa verdadeira biblioteca de obscenidades, há uma continua autorização em revelar a devassidão, numa explícita coleção de cenas justapostas, dignas de uma Lécole du libertinage[i]. E como num filme pornô, são retiradas da cena as relações ou impactos subjetivos que cada ação tem sobre a pessoa que falou; e principalmente sobre a pessoa a quem é dirigida a ação. Refiro-me a falas francamente racistas, homofóbicas e de indiferença em relação aos mortos pelo novo coronavírus, escandalosamente obscenas e de mal augúrio, que não estabelecem diálogo, intimidade ou desenvolvimento de um pensar.

Ficamos, como espectadores, nauseados com a indiferença com que tais integrantes do governo proferem suas obscenidades, ferindo sem culpa. Isso ocorre porque na pornô-política o outro é um veículo, um meio e um objeto. Não há alteridade possível e muito menos concernimento, que se caracteriza pela preocupação com o outro por meio de um senso de responsabilidade e cuidado, já que nossa ação pode frequentemente ferir ou criar danos.

O político obsceno tem prazer pelo domínio, sob a forma de uma prestidigitação, algo que pode ser encontrado também nos mágicos. Enquanto cria ações imorais, sem decoro e se compraz em realiza-las, retira nossos relógios sem que percebamos, já que permanecemos excitados com o “close” da cena obscena. Isso já foi compreendido anteriormente com um nome interessante, diversionismo. Essa palavra, que tem a diversão em seu interior, caracteriza-se por ser um estratagema cujo objetivo é impedir que se discuta ou se aprove algo, como uma lei ou uma resolução, ocupando todo o tempo ou a atenção dos participantes para um assunto diferente do que está sendo tratado. Algo que os mágicos conhecem bem.

Se a obscenidade dessa política parece residir, por um lado, na explícito de uma cena que choca pela crueldade e falta de decoro, e por outro no fato dela esconder, do mesmo modo como excita, outras cenas e relações emocionais, por outro lado não conseguimos deixar de ser capturados. E o pornô-político, como o mágico, deixa a boiada passar enquanto perdemos a capacidade de olhar para o entorno. A pergunta que fica, portanto, é: o que estamos deixando de ver? O que estamos deixando passar? Sobre isso vale a pena rememorar um trecho de Huxley (1946), de seu prefácio de O Admirável Mundo Novo: “Grande é a verdade, mas ainda maior, do ponto de vista prático, é o silêncio em torno da verdade”. Sabe-se que um povo destituído de verdade torna-se mais facilmente controlado. Mas ainda assim a verdade pode residir em algum lugar, como além dos muros daquele país em que ela foi silenciada, e ser continuamente almejada.

Em nossa época, a verdade, de modo distinto, tornou-se explícita, pornográfica, de modo que não vemos nada além do choque que ela causa. E, chocados, somos roubados justamente da verdade. Isso porque a verdade é tornada absoluta, e não algo que carrega um devir, uma estranheza e uma incerteza. A verdade, nesse ouro sentido, é impossível de ser detida, controlada, e participa de numa ordem simbólica sempre falha. Ela é mutável, articulável e seu centro se conserva inevitavelmente fugidio. A verdade pornô-política, contrariamente, é obscena porque rouba a cena. Ela impede sistematicamente que alguma verdade possa, de fato, aparecer. Nessa espécie de verdade auto-proclamada, somos arremessados uns contra os outros, em uma desarticulação sobre bases comuns a partir das quais se assentam as experiências coletivas, constituída de inúmeros detalhes e partes que as compõem. Retiradas essas bases, pode-se produzir a figuração pornografica de ocasião: ela se dará sempre como um teatro de repulsa ou de aceitação; e com ele não saímos do lugar, a não ser empurrando o outro da frente, proferindo concordâncias ou discordâncias por meio de palavras de ordem e de juízos morais.

É nesse sentido que a autoverdade[ii] se impõe. A forma como se diz, obscena, se por um lado “lacra”, por outro interrompe o fluxo associativo e a possibilidade de pensar. Nessa perspectiva a verdade obscena é vulgar e chocante. Sua política de choque em nada tem a ver com a verdade de fato. E esse é um dos maiores desastres que estão em curso nesse momento. A coletividade, chocada, permanece assistindo essa pornografia política proferir autoverdades sem dar-se conta do seu elevado estado depressivo. E sente que para não desabar em uma depressão ainda maior deve continuar em seu processo de consumo de obscenidades políticas excitantes. No entanto, esvaziada de verdades nutritivas, o sentimento de cansaço e desesperança só tende a aumentar, acentuada pelas crises sanitária e econômica, catalisadores dessa depressão coletiva.

Devemos temer pelo futuro e por nossos filhos, que terão que lidar com problemas tão complexos, já que esta desfibrilação da verdade, que se encontra praticamente morta, não será tarefa de uma única geração; pois será extremamente árdua – coletivamente – a regeneração da experiência da verdade.

*Ricardo T. Trinca, psicanalista, é doutor em Psicologia Clínica pela USP. Autor de A visitação do Real nos fatos clínicos psicanalíticos (EDUSP).

[i] Escola de libertinagem, de Sade.

[ii] Tomo de empréstimo a feliz expressão cunhada por Brum (2018).

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Flávio R. Kothe Francisco Fernandes Ladeira Leonardo Sacramento José Luís Fiori Samuel Kilsztajn Fernando Nogueira da Costa Paulo Capel Narvai Benicio Viero Schmidt Chico Alencar Eugênio Bucci Lucas Fiaschetti Estevez Jean Pierre Chauvin Fábio Konder Comparato Berenice Bento Marcus Ianoni Salem Nasser Antonio Martins Luiz Costa Lima José Machado Moita Neto Luiz Renato Martins Airton Paschoa Julian Rodrigues Henri Acselrad Atilio A. Boron Paulo Fernandes Silveira Paulo Martins Bruno Machado Tales Ab'Sáber Renato Dagnino Dennis Oliveira Sandra Bitencourt Carla Teixeira Antônio Sales Rios Neto Ricardo Musse Milton Pinheiro Fernão Pessoa Ramos Roberto Bueno Remy José Fontana Caio Bugiato Maria Rita Kehl João Lanari Bo Sergio Amadeu da Silveira Luis Felipe Miguel Vanderlei Tenório Otaviano Helene Kátia Gerab Baggio Leonardo Avritzer Luís Fernando Vitagliano Marcelo Módolo Luiz Carlos Bresser-Pereira Eduardo Borges Michael Roberts Valerio Arcary João Carlos Loebens José Geraldo Couto Leda Maria Paulani Juarez Guimarães Luiz Eduardo Soares Elias Jabbour Francisco Pereira de Farias Gilberto Lopes Afrânio Catani Jean Marc Von Der Weid Tadeu Valadares Armando Boito Tarso Genro Yuri Martins-Fontes Alexandre Aragão de Albuquerque Alexandre de Freitas Barbosa Luiz Marques Anselm Jappe José Costa Júnior Carlos Tautz Ronaldo Tadeu de Souza Daniel Afonso da Silva Andrew Korybko Celso Favaretto Igor Felippe Santos Mariarosaria Fabris João Paulo Ayub Fonseca Alexandre de Lima Castro Tranjan Lincoln Secco Luiz Werneck Vianna Anderson Alves Esteves Priscila Figueiredo José Raimundo Trindade Bruno Fabricio Alcebino da Silva Érico Andrade Gilberto Maringoni Liszt Vieira Ladislau Dowbor Ricardo Antunes João Adolfo Hansen Paulo Nogueira Batista Jr Alysson Leandro Mascaro André Singer Annateresa Fabris Luiz Roberto Alves Paulo Sérgio Pinheiro José Micaelson Lacerda Morais Eliziário Andrade Eleutério F. S. Prado Ricardo Abramovay Denilson Cordeiro Antonino Infranca André Márcio Neves Soares Rubens Pinto Lyra Marilia Pacheco Fiorillo Daniel Brazil Valério Arcary Marilena Chauí Henry Burnett Vinício Carrilho Martinez Dênis de Moraes Manchetômetro Eleonora Albano Lorenzo Vitral Bernardo Ricupero Marcelo Guimarães Lima Gerson Almeida Leonardo Boff Eugênio Trivinho Slavoj Žižek Jorge Branco Everaldo de Oliveira Andrade Daniel Costa Luciano Nascimento Luiz Bernardo Pericás Ricardo Fabbrini Marcos Silva João Feres Júnior Marcos Aurélio da Silva Bento Prado Jr. Manuel Domingos Neto Jorge Luiz Souto Maior Chico Whitaker Boaventura de Sousa Santos Michael Löwy Flávio Aguiar Rodrigo de Faria João Carlos Salles João Sette Whitaker Ferreira Claudio Katz Walnice Nogueira Galvão Ronald Rocha Vladimir Safatle Ronald León Núñez Plínio de Arruda Sampaio Jr. Rafael R. Ioris Marjorie C. Marona Gabriel Cohn José Dirceu Mário Maestri Celso Frederico Francisco de Oliveira Barros Júnior Thomas Piketty Osvaldo Coggiola Heraldo Campos Ari Marcelo Solon Roberto Noritomi

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada