As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Lista de Devedores

Imagem: Elyeser Szturm
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por Jean Pierre Chauvin*

Nos últimos dias, os jornais noticiaram a formalização do Cadastro de Base do Cidadão, pelo dirigente desta neocolônia, em 9 de outubro. De acordo com as informações veiculadas pela imprensa, o governo entende por atributos biométricos, “características biológicas e comportamentais como a palma da mão, as digitais dos dedos, a retina ou a íris dos olhos, o formato da face, a voz e a maneira de andar”.

A julgar pelos últimos eventos de nossa historieta nacional, a(o) internauta não se surpreenda, se topar com colegas de ofício, familiares, amigos, motoristas de aplicativos, gerentes de banco, ou cabeleireiros, a reagir com a resignação de costume. Neste grupo de conformados reinará o discurso do sacrifício individual em prol da segurança pública e do combate às variadas formas de vadiagem.

O mais preocupante, porém, será o provável comportamento assumido pela horda de antigos e neoconservadores que, em nome do suposto bem e da retidão dos modos, devidamente guiados pela luz metafísica comunicada por pseudorreligiosos, converterão o tal cadastro de cidadãos em remédio espiritual das almas. Segundo seu entendimento, que já sabemos ser raso, fake e unidimensional, tratar-se-á de uma panaceia capaz de resolver todos os males e extinguir os malfeitores da vez, sejam eles identificados genericamente como “bandidos”, ou mais especificamente, como comunistas, democratas, humanistas, intelectuais, professores, jornalistas ou humoristas, quase todos a orbitar entre os polos da Terra que aqueles fingem ser plana.

Uma leitura ingênua poderia vislumbrar algo de positivo, na existência de uma lista de concidadãos pré-fichados pelo governo federal, já que, em tese, ela simplificaria o acesso aos dados pessoais de sujeitos potencialmente maus, desviantes e perigosos. No entanto, o que esperar disso, numa republiqueta em que o mandatário é preconceituoso, a toga é seletiva e o cassetete é tão violento quanto certeiro?

Notícias desse teor merecem ser lidas e examinadas com a devida cautela. Aos olhos do capitão e de grande parte de seus apoiadores, quase todos teriam motivos para ocupar postos de destaque em seu cadastro de inimigos imaginários. Em dez meses de mandato, quantos índios, pretos, mulheres, homossexuais foram mortos? Quantas vezes, centros de religiões de matriz africana foram derrubados? Quantos professores foram agredidos por alunos e subestimados pelos governos, em escala municipal, estadual ou federal? Quantos peixes grandes da “nova” política foram julgados pelas asneiras que proferiram, pelas gafes internacionais e pelos atos repulsivos que incentivam, quando não os cometem, a sorrir feito maníacos que odeiam o povo?

Talvez pudéssemos recorrer a exemplos da literatura, para ilustrar a presente situação e seus contornos. Por exemplo, a distopia orwelliana figurada no romance 1984, em que Winston Smith e os de sua classe são monitorados, dia e noite, pelas teletelas, sob a ameaça constante da detenção, por motivos tão questionáveis quanto possuir livros ou escrever. Leitores mais jovens, considerem o cenário descrito por Verônica Roth em Divergente: mundo arrasado em que os adolescentes confundem o sentido de “escolha” pessoal com o de classificação compulsória, em nome da paz mantida artificialmente pelo Estado.

Decerto haverá os “otimistas” que defendam a existência de um catálogo de pessoas que reúna os sujeitos que classificam como “homens de bem” ou “malfeitores”. Adeptos das frases prontas que andam muito aquém do bom senso (“quem não deve não teme” ou “minha vida é um livro aberto”), o fato é que persistem em dar crédito a atrocidades ditas e praticadas por representantes, cujos cargos e ministérios primam em contradizer as funções a que, teoricamente, seriam destinados.

Dia desses, qualquer um de nós – vigiados com o auxílio de drones, viaturas vagarosas ou vizinhos delatores – será levado a um porão, porventura ao cárcere, sem saber que pensamentos teve, quais palavras disse, que gestos fez, a ponto de expiarmos pela manutenção do bem, do direito e da ordem, em nome de Deus, do lucro e das milícias.

Deve ser isso o que os ideólogos e financiadores do atual desgoverno fingem entender, quando dissertam sobre algo que nunca houve neste pequeno grande quintal dos Estados Unidos, land of the free, home of the brave.

*Jean Pierre Chauvin é professor na Escola de Comunicação e Artes da USP

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Chico Alencar Salem Nasser Marilia Pacheco Fiorillo Ladislau Dowbor Remy José Fontana Henry Burnett Marcelo Módolo Gilberto Maringoni Jorge Branco Milton Pinheiro Michael Roberts Celso Frederico Slavoj Žižek Yuri Martins-Fontes Eugênio Trivinho João Carlos Salles Luiz Werneck Vianna Eleonora Albano Luiz Costa Lima Ronaldo Tadeu de Souza Érico Andrade Luiz Renato Martins Michael Löwy Carla Teixeira Alysson Leandro Mascaro Otaviano Helene José Machado Moita Neto Ari Marcelo Solon Tales Ab'Sáber João Sette Whitaker Ferreira Ronald Rocha Paulo Sérgio Pinheiro João Feres Júnior Vinício Carrilho Martinez João Lanari Bo João Adolfo Hansen Alexandre de Freitas Barbosa Celso Favaretto Lorenzo Vitral Ronald León Núñez Alexandre de Lima Castro Tranjan Roberto Noritomi Andrew Korybko João Paulo Ayub Fonseca Valério Arcary Samuel Kilsztajn Gabriel Cohn André Singer Ricardo Antunes Daniel Costa Walnice Nogueira Galvão Igor Felippe Santos Francisco Pereira de Farias Julian Rodrigues Mariarosaria Fabris Marcus Ianoni Sandra Bitencourt Alexandre Aragão de Albuquerque Flávio Aguiar José Dirceu Chico Whitaker Eliziário Andrade Antonino Infranca Jorge Luiz Souto Maior Marcos Silva Atilio A. Boron Flávio R. Kothe Ricardo Abramovay Anderson Alves Esteves Sergio Amadeu da Silveira Manchetômetro Denilson Cordeiro Roberto Bueno Bruno Fabricio Alcebino da Silva Luiz Carlos Bresser-Pereira Luiz Marques Leonardo Avritzer Daniel Brazil Marjorie C. Marona Dennis Oliveira Fábio Konder Comparato Osvaldo Coggiola Leonardo Boff André Márcio Neves Soares Luis Felipe Miguel Rafael R. Ioris Luiz Roberto Alves Airton Paschoa Berenice Bento Afrânio Catani Gerson Almeida José Luís Fiori José Micaelson Lacerda Morais Lincoln Secco Antônio Sales Rios Neto Valerio Arcary Boaventura de Sousa Santos Paulo Capel Narvai Eugênio Bucci Bernardo Ricupero Luiz Bernardo Pericás Eduardo Borges Thomas Piketty Luiz Eduardo Soares Tarso Genro Bruno Machado Ricardo Fabbrini Leda Maria Paulani Renato Dagnino Vanderlei Tenório Priscila Figueiredo Henri Acselrad Rodrigo de Faria Liszt Vieira Mário Maestri Marilena Chauí Francisco Fernandes Ladeira Kátia Gerab Baggio Fernando Nogueira da Costa Eleutério F. S. Prado Leonardo Sacramento Anselm Jappe José Geraldo Couto Paulo Nogueira Batista Jr Daniel Afonso da Silva Juarez Guimarães Benicio Viero Schmidt Antonio Martins Luís Fernando Vitagliano Marcos Aurélio da Silva Annateresa Fabris Bento Prado Jr. Carlos Tautz Luciano Nascimento João Carlos Loebens Paulo Martins Everaldo de Oliveira Andrade Claudio Katz Jean Pierre Chauvin Jean Marc Von Der Weid Gilberto Lopes Armando Boito José Costa Júnior Dênis de Moraes José Raimundo Trindade Manuel Domingos Neto Tadeu Valadares Lucas Fiaschetti Estevez Francisco de Oliveira Barros Júnior Elias Jabbour Maria Rita Kehl Vladimir Safatle Paulo Fernandes Silveira Heraldo Campos Fernão Pessoa Ramos Marcelo Guimarães Lima Caio Bugiato Ricardo Musse Rubens Pinto Lyra Plínio de Arruda Sampaio Jr.

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada