As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Blindagem trincada

Imagem: Magali Guimarães
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por MANUEL DOMINGOS NETO*

A tentativa de apaziguamento do quartel ajeita e desmantela: pode aliviar tensões momentâneas, mas dá tempo às novas tramas

Em seu retorno à presidência, Lula deixou claro seu interesse em sossegar a caserna e governar sem arroubos. A escolha do Ministro da Defesa atestou sua opção. José Múcio Monteiro disse com todas as letras estar “resolvendo as coisas em absoluto comum acordo com os comandantes das Forças Armadas”. Ignora que houve uma eleição: “Na realidade, eu administro apenas a resultante da vontade de cada comandante”.

Os comandantes, entre outras demandas, querem recursos públicos. José Múcio Monteiro endossa a recomendação da OTAN de investir 2% do PIB em Defesa. Exibindo distanciamento da temática, argumenta que o Brasil tem uma grande fronteira!

A rejeição ao debate sobre a renovação da Política Nacional de Defesa, na qual os comandantes sempre pontificam, é outra demonstração de que Lula não quer contraposições aos desígnios do quartel.

A sugestão de uma Conferência Nacional para ampliar a discussão sobre essa política pública fundamental não foi levada em conta. José Múcio Monteiro desqualifica a crítica acadêmica com jeito de saudoso da ditadura.

O debate poderia mostrar que os investimentos requeridos são inadequados para defender o Brasil neste ambiente de tensões internacionais. Poderia revelar também a falta de lógica, para a Defesa Nacional, da supremacia da Força Terrestre em relação à capacidade aeronaval. Enfim, tudo fica como sempre esteve.

A reação do governo ao vandalismo do dia 8 de janeiro, quando a cadeia de comando foi preservada, em que pese ter falhado na contenção da baderna golpista, já evidenciara a opção de Lula de não mexer com os quartéis.

Em bate-papo virtual, seu ministro da Defesa isentou completamente as corporações. Disse que os militares não teriam deixado “digitais no dia 8” e que a CPI para investigar o vandalismo seria um “movimento midiático” de parlamentares que querem aparecer: “não vamos encontrar responsáveis”. No máximo, seriam responsabilizados pessoas sem liderança, afirmou.

Fatos recentes, entretanto, mostram as dificuldades de blindar as corporações. Muitos brasileiros acompanham indignados as gravações do tenente-coronel Mauro Cid. Nomes vão sendo revelados nos jornais. Impossível prever as revelações que podem surgir.

A atuação golpista dos militares foi prolongada, sistemática e explícita. Mesmo a imprensa conservadora mergulha nas investigações. A Polícia Federal mostra serviço e a Justiça dá demonstrações de que a blindagem está trincada.

Como reagirão os comandantes, em particular o do Exército, diante das revelações? Até onde irá a Corte?

Lula quer apaziguamento, mas a dinâmica dos fatos contraria sua expectativa. As corporações desejam o que Lula não pode dar: anistia antecipada aos seus integrantes investigados e plena liberdade para prosseguimento de sua cruzada obscurantista.

O atendimento às demandas corporativas não basta para apaziguar o militar. No passado, Lula acreditou nisso e terminou preso. Voltou à chefia de Estado sob a espada de Dâmocles. Dilma Rousseff também acreditou e perdeu o cargo.

Muitos afirmam, atenuando a responsabilidade da caserna, que ambos foram vitimados por golpes judiciais, parlamentares e midiáticos. Mas golpes não se efetivam sem amparo militar e policial. O exercício da autoridade sobre a caserna é indispensável à institucionalidade democrática.

A tentativa de apaziguamento do quartel ajeita e desmantela: pode aliviar tensões momentâneas, mas dá tempo às novas tramas. Soldados precisam receber missões claras, desafiadoras, gloriosas. Reconhecê-los como interlocutores políticos é um erro fatal para a democracia. Blindá-los, nestas circunstâncias, é missão inglória e, provavelmente, impossível.

*Manuel Domingos Neto é professor aposentado da UFC, ex-presidente da Associação Brasileira de Estudos de Defesa (ABED) e ex-vice-presidente do CNPq.

A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Andrew Korybko Yuri Martins-Fontes Maria Rita Kehl Jorge Branco Renato Dagnino Lucas Fiaschetti Estevez Fernão Pessoa Ramos Marjorie C. Marona Marcos Aurélio da Silva Tales Ab'Sáber Marcus Ianoni Dênis de Moraes Ronaldo Tadeu de Souza Daniel Costa Paulo Martins Mário Maestri Antônio Sales Rios Neto Everaldo de Oliveira Andrade Mariarosaria Fabris Alexandre de Freitas Barbosa José Micaelson Lacerda Morais Airton Paschoa Samuel Kilsztajn Chico Whitaker Eliziário Andrade Luiz Werneck Vianna Berenice Bento Eduardo Borges Antonino Infranca Igor Felippe Santos Rafael R. Ioris Liszt Vieira Valerio Arcary Benicio Viero Schmidt Marilena Chauí Michael Löwy Daniel Afonso da Silva Caio Bugiato Luiz Costa Lima Afrânio Catani Luiz Roberto Alves Michael Roberts Dennis Oliveira André Singer Otaviano Helene Luiz Marques Marilia Pacheco Fiorillo Luciano Nascimento Rodrigo de Faria Carla Teixeira João Feres Júnior Marcelo Guimarães Lima Henry Burnett Eugênio Bucci Leonardo Boff Vladimir Safatle Juarez Guimarães Bernardo Ricupero Antonio Martins Elias Jabbour Celso Favaretto Salem Nasser Ladislau Dowbor João Adolfo Hansen Julian Rodrigues José Raimundo Trindade Anselm Jappe Valério Arcary Daniel Brazil Slavoj Žižek Ricardo Fabbrini Jean Marc Von Der Weid José Luís Fiori Walnice Nogueira Galvão Atilio A. Boron Sandra Bitencourt José Machado Moita Neto Marcos Silva Érico Andrade Tarso Genro Heraldo Campos João Paulo Ayub Fonseca Vinício Carrilho Martinez José Geraldo Couto Luis Felipe Miguel Fernando Nogueira da Costa Eleonora Albano Eugênio Trivinho Ricardo Antunes Gilberto Lopes Thomas Piketty Vanderlei Tenório Fábio Konder Comparato Armando Boito José Costa Júnior Kátia Gerab Baggio Carlos Tautz Eleutério F. S. Prado Remy José Fontana João Sette Whitaker Ferreira Lincoln Secco João Lanari Bo Gerson Almeida Boaventura de Sousa Santos Gabriel Cohn José Dirceu Bruno Fabricio Alcebino da Silva Chico Alencar Bruno Machado João Carlos Salles Flávio R. Kothe Henri Acselrad Leda Maria Paulani Gilberto Maringoni Alexandre Aragão de Albuquerque Lorenzo Vitral Anderson Alves Esteves Ronald León Núñez Ronald Rocha Bento Prado Jr. Manuel Domingos Neto Roberto Noritomi Celso Frederico Luiz Carlos Bresser-Pereira Tadeu Valadares Luiz Eduardo Soares Annateresa Fabris Milton Pinheiro Luiz Renato Martins Ricardo Abramovay Jorge Luiz Souto Maior Francisco Pereira de Farias Claudio Katz Francisco de Oliveira Barros Júnior Sergio Amadeu da Silveira Francisco Fernandes Ladeira Alysson Leandro Mascaro Denilson Cordeiro João Carlos Loebens Paulo Nogueira Batista Jr Jean Pierre Chauvin Roberto Bueno Osvaldo Coggiola Flávio Aguiar Alexandre de Lima Castro Tranjan Ricardo Musse Leonardo Avritzer Manchetômetro Leonardo Sacramento Luiz Bernardo Pericás Paulo Fernandes Silveira Marcelo Módolo Paulo Sérgio Pinheiro Priscila Figueiredo Luís Fernando Vitagliano André Márcio Neves Soares Ari Marcelo Solon Plínio de Arruda Sampaio Jr. Rubens Pinto Lyra Paulo Capel Narvai

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada