As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A que ordem e progresso servimos?

Imagem: Vinicius Vieira
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por MARCUS BERNARDES*

A quem os símbolos nacionais servem? Por quem e para quem são criados?

Os símbolos fazem as pontes representativas entre o concreto e o abstrato. A própria palavra carrega em sua etimologia significados contrastantes, syn em grego pode significar união, enquanto o verbo ballein indica lançar. A metáfora da ponte parece ser interessante, pois sugere movimento e estabilidade, ao mesmo tempo. O símbolo toma o lugar (se une?) daquilo que quer representar, mas esse lugar é apenas no nível abstrato. Uma árvore representada em uma pintura não deixa de existir quando é simbolizada, mas ganha novos ares para nós. O concreto então tem a condição de se lançar para outras possibilidades.

Tomemos um objeto mais complexo que a árvore: a identidade brasileira, assim mesmo, no singular. A quem os símbolos nacionais servem? Por quem e para quem são criados? Longe de esgotar o assunto, apenas sugerindo alguns caminhos, quero me deter na bandeira nacional do Brasil e como ela tem sido utilizada por grupos bolsonaristas na sua versão CBF.

Ao contrário do que aprendemos na escola, o verde não simboliza as matas, o amarelo não é o ouro, o azul não é o céu e por aí vai. As estrelas representam os estados e o distrito federal, essa parte é verdade. Toda a simbologia das cores remete às famílias portuguesas que colonizaram (a natureza e as pessoas) nesse território. Divergindo das lutas de independência na América hispânica, o nosso processo de independência foi fajuto, misturado às ilusões da criação de um império, como dizia Anísio Teixeira, ainda que a estabilidade da monarquia nunca tenha acontecido de fato em função de importantes lutas regionais, essas sim de maior autodeterminação dos povos.

Os símbolos nacionais (restrinjo-me a pensar apenas a bandeira e o hino), embora produtos do período imperial, foram ressignificados e comprados para servir à nascente república. Nas primeiras décadas do século XX veremos um esforço grandioso de muitos intelectuais para definir os elementos da brasilidade. Esse movimento é parceiro da criação da fábula das três raças, uma configuração ideológica do mito da democracia racial. Agora, o Brasil tinha as suas próprias cores da bandeira, seu lema originalíssimo de “ordem e progresso” e seu próprio mito de fundação. Toda a retórica de nação estava montada.

Essas narrativas produzem noções homogêneas e unificadas que invisibilizam a subordinação de povos e diferentes culturas ao projeto de identidade nacional. O esforço totalizador é uma política das nações necessariamente ideológica, que esconde as possiblidades multiétnicas e plurinacionais de nosso país, bem como os conflitos (que estão acontecendo exatamente agora, quando você lê esses grafemas da língua portuguesa).

Dito isso, não é estranho que grupos conservadores que apoiam incondicionalmente o presidente Bolsonaro (sem partido) retomem a simbologia nacional para se (auto)identificarem. São acionados os velhos discursos da família tradicional brasileira (que escodem racismo e sexismo), da unidade nacional, da deturpação da moral e bons costumes burgueses, além disso são comuns nas manifestações nostalgias não só do período da ditadura empresarial-militar (existe uma aproximação significativa entre autoritarismo e símbolos nacionais, “Brasil: ame-o ou deixe-o”), como também do próprio período monárquico! Quais operações ideológicas são necessárias para um cidadão republicano se identificar com uma monarquia estrangeira e escravocrata?

Dizem, nesses círculos liberais e conservadores, que os comunistas querem acabar com a nação brasileira. Se for essa nação colonialista que repete símbolos de violência, que estereotipam e matam as mais de trezentas etnias indígenas que (sobre)vivem no Brasil, que fecham os olhos para o feminicídio e as múltiplas sexualidades existentes em nome da sacralidade da família tradicional brasileira, que finge respeitar espiritualidades diversas desde que digam amém, que não se importam com o genocídio da população negra e a crescente precarização do trabalho, essa nação deve ser realmente extinta. A luta comunista é internacionalista por ser contra diversos mecanismos de explorações e pela certeza de que a manutenção de uma nova ordem da vida é amparada em novos sentidos de cooperação, e ainda assim, não são eliminadas as peculiaridades de cada local. A simbologia nacional que devemos almejar é uma que não apague as diferenças, mas que as celebre. Um Brasil multiétnico como um Estado (em transição para o seu fim assim que eliminados os antagonismos de classes) verdadeiramente plurinacional.

*Marcus Bernardes é professor de sociologia e antropologia. Coordena o Núcleo de Pesquisa em Educação e Culturas do Observatório UniFG do Semiárido Nordestino.

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Manuel Domingos Neto Airton Paschoa Luiz Carlos Bresser-Pereira Paulo Nogueira Batista Jr Ricardo Fabbrini Claudio Katz Fernando Nogueira da Costa Francisco Fernandes Ladeira Flávio Aguiar Marilia Pacheco Fiorillo Mário Maestri Julian Rodrigues Andrew Korybko Eugênio Bucci Vinício Carrilho Martinez Lincoln Secco Heraldo Campos Antônio Sales Rios Neto Jean Pierre Chauvin Alysson Leandro Mascaro Francisco Pereira de Farias Jorge Luiz Souto Maior Roberto Noritomi Luís Fernando Vitagliano Priscila Figueiredo Luiz Costa Lima Chico Alencar Juarez Guimarães Bruno Fabricio Alcebino da Silva Gilberto Lopes Marcelo Guimarães Lima Leonardo Boff Igor Felippe Santos Francisco de Oliveira Barros Júnior Caio Bugiato Ricardo Musse Luiz Roberto Alves Lorenzo Vitral Anderson Alves Esteves Flávio R. Kothe Ricardo Abramovay Benicio Viero Schmidt André Márcio Neves Soares Celso Favaretto Roberto Bueno Elias Jabbour Fernão Pessoa Ramos Daniel Afonso da Silva Antonino Infranca Kátia Gerab Baggio Paulo Sérgio Pinheiro João Paulo Ayub Fonseca Eleutério F. S. Prado Otaviano Helene Valerio Arcary Remy José Fontana Yuri Martins-Fontes Ronald León Núñez Sandra Bitencourt Annateresa Fabris Luiz Eduardo Soares Marcos Aurélio da Silva Eugênio Trivinho José Costa Júnior Marjorie C. Marona Alexandre de Freitas Barbosa Carla Teixeira Tarso Genro Eduardo Borges Chico Whitaker Samuel Kilsztajn André Singer Sergio Amadeu da Silveira Rafael R. Ioris Marcus Ianoni Luis Felipe Miguel João Carlos Loebens Henri Acselrad Tales Ab'Sáber Plínio de Arruda Sampaio Jr. Tadeu Valadares Gabriel Cohn Daniel Brazil Ronaldo Tadeu de Souza Renato Dagnino Berenice Bento Leonardo Sacramento Maria Rita Kehl Michael Roberts Alexandre de Lima Castro Tranjan Vladimir Safatle Rodrigo de Faria Paulo Martins Leda Maria Paulani Alexandre Aragão de Albuquerque Ricardo Antunes Michael Löwy Carlos Tautz Bento Prado Jr. João Lanari Bo Luiz Bernardo Pericás Boaventura de Sousa Santos Lucas Fiaschetti Estevez José Dirceu Mariarosaria Fabris Armando Boito Osvaldo Coggiola Luiz Marques Everaldo de Oliveira Andrade Anselm Jappe Henry Burnett Luciano Nascimento José Geraldo Couto Gerson Almeida José Micaelson Lacerda Morais Luiz Werneck Vianna Bernardo Ricupero José Raimundo Trindade Leonardo Avritzer Luiz Renato Martins Rubens Pinto Lyra Milton Pinheiro Marcos Silva Valério Arcary Vanderlei Tenório Ladislau Dowbor Denilson Cordeiro Slavoj Žižek Jean Marc Von Der Weid Ronald Rocha Fábio Konder Comparato Afrânio Catani Daniel Costa Paulo Fernandes Silveira Walnice Nogueira Galvão Paulo Capel Narvai Manchetômetro Érico Andrade Celso Frederico Dênis de Moraes Liszt Vieira Marilena Chauí João Adolfo Hansen Thomas Piketty Gilberto Maringoni Bruno Machado Eliziário Andrade Eleonora Albano José Luís Fiori Dennis Oliveira Ari Marcelo Solon Jorge Branco José Machado Moita Neto Salem Nasser João Carlos Salles João Feres Júnior Marcelo Módolo Atilio A. Boron Antonio Martins João Sette Whitaker Ferreira

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada