A revogação do decoro

Imagem: Elyeser Szturm
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por Manuel Domingos Neto*

No parlamento, no tribunal, no quartel, nas escolas o enxovalhar da honra da mulher é a forma mais eficaz de destruição da convivência respeitosa entre humanos. Trata-se de uma regra milenar!

Vontade de dirigir-me aos congressistas, aos integrantes do Judiciário, às autoridades do país…Vontade de alertar sobre a necessidade irrecorrível de destituição, o mais brevemente possível, do Presidente da República, seguida de processo legal e punição conforme a lei vigente.

Não exatamente por conta do entreguismo desavergonhado e da imposição de sofrimentos à sociedade, problemas que só podem ser resolvidos no embate político. É que o Presidente ofendeu moralmente a mulher brasileira na pessoa da jornalista Patrícia Campos Mello. Esse crime deu sequência à longa série de agressões morais assacadas por esse indivíduo ao longo de sua vida pública.

O fato de esse homem ter se tornado presidente revela que as instituições não exerceram em tempo hábil o papel que lhes cumpria. O corporativismo da Câmara Municipal do Rio de Janeiro e da Câmara Federal acobertou seus vilipêndios. Ficou sobremaneira revelada a falência do ensino militar, regiamente bancado com o suor do povo. É inconcebível que tal aberração moral tenha logrado diplomas na Academia Militar de Agulhas Negras e na Escola de Aperfeiçoamento dos Oficiais do Exército!

Espanta-me o tipo de oficial que compõe hoje nossas Forças Armadas. É inacreditável que tantos generais suportem alegremente conviver e submeter-se às ordens desse rebotalho! Se o atual mandatário da Presidência ficar impune no presente caso, estarão liberadas as ofensas mais sórdidas e inacreditáveis contra a mulher. As consequências políticas e sociais serão imprevisíveis. As autoridades deveriam imaginar que, sem a sua punição, qualquer um poderá atribuir-se o direito de referir-se pública e jocosamente às partes íntimas de suas próprias avós, mães, esposas e filhas sem que seja passível de punição.

No parlamento, no tribunal, no quartel, nas escolas o enxovalhar da honra da mulher é a forma mais eficaz de destruição da convivência respeitosa entre humanos. Essa regra é milenar! O conceito “decoro” estará, na prática, revogado da Lei brasileira e a defesa da honra competirá a cada um, individualmente.

Penso em minha família e nas famílias brasileiras. Eu admitiria impassível um marginal atingir minhas filhas como o calhorda atingiu à jornalista? Mergulharíamos no mundo-cão caso essa torpeza seja admitida pelas instituições brasileiras. Está evidente que a preservação da civilidade, da Lei e da Ordem passa pela destituição do Chefe de Estado.

Atacando a esquerda, o general Villas-Boas e seus camaradas falavam de “esgarçamento moral da sociedade”. Autoproclamados pastores cristãos sedentos de dinheiro lhes faziam coro. Balela! Desmentiram-se ao conduzir a excrescência moral ao mais alto cargo do país. Promoveram a degradação!

O Presidente é um covarde. Garantindo-lhe o mandato, as instituições acompanharão o seu padrão moral e dirão ao povo: salve-se quem puder!

As fábricas de retroescavadeiras bombarão!

*Manuel Domingos Neto é professor aposentado da UFC/UFF, ex-presidente da Associação Brasileira de Estudos de Defesa (ABED) e ex-vice presidente do CNPq.

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • 40 anos sem Michel Foucaultveneza 13/07/2024 Por VINÍCIUS DUTRA: O que ainda permanece admirável na forma de Foucault de refletir é sua perspicácia em contestar ideias intuitivamente aceitas pela tradição crítica de pensamento
  • Que horas são no relógio de guerra da OTAN?José Luís Fiori 17/07/2024 Por JOSÉ LUÍS FIORI: Os ponteiros do “relógio da guerra mundial” estão se movendo de forma cada vez mais acelerada
  • A Unicamp na hora da verdadecultura artista palestina 13/07/2024 Por FRANCISCO FOOT HARDMAN: No próximo dia 6 de agosto o Conselho Universitário da Unicamp terá de deliberar se susta as atuais relações com uma das instituições empenhadas no massacre em Gaza
  • Carta de Berlim — a guerra e o velho diaboFlávio Aguiar 2024 16/07/2024 Por FLÁVIO AGUIAR: Há um cheiro de queimado no ar de Berlim. E não há nenhum Wald (bosque) em chamas, apesar do calor estival. O cheiro de queimado vem mesmo da sede do governo Federal
  • Marxismo e política — modos de usarLuis Felipe Miguel 15/07/2024 Por LUIS FELIPE MIGUEL: Introdução do autor ao livro recém-publicado
  • Um ciclo interminávelpalestina rua gente 16/07/2024 Por BRUNO HUBERMAN: A esquerda sionista ataca a luta palestina por descolonização
  • Antígona na sala de aulalivros e leitura 17/07/2024 Por GABRIELA BRUSCHINI GRECCA: O tempo presente tem se mostrado cada vez mais essencial para retomarmos o contato com as tragédias gregas
  • Episódios stalinistas no Brasilfotos antigas 14/07/2024 Por ANGELA MENDES DE ALMEIDA: Uma história costurada com inverdades, mas que, muito tempo depois, acabaram por sair à luz do dia
  • Depois do neoliberalismoELEUTERIO2 18/07/2024 Por ELEUTÉRIO F. S. PRADO: A incapacidade de pensar o capitalismo como um sistema social formado por relações sociais estruturantes
  • A noite em que a Revolução Francesa morreuater 0406 01/07/2024 Por MARTÍN MARTINELLI: Prefácio do livro de Guadi Calvo

PESQUISAR

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES