Um humanismo mínimo

Imagem: Paweł L.
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LEONARDO BOFF*

O que existe em nós que nos torna inimigos uns dos outros, homicidas, fratricidas, etnocidas e ultimamente biocidas?

Meu sentimento do mundo me diz que possivelmente nunca na história dos últimos tempos tenhamos vivido, a nível universal, tanta desumanidade. Quando falo em desumanidade quero expressar o desprezo total pelo valor do ser humano para com outro ser humano diferente, seja de etnia (negros, indígenas, palestinos), seja político (fundamentalistas, conservadores), seja de religião (muçulmanos, candomblé), seja de gênero (mulheres e LGBTQ+). Por um tênis alguém é morto. Uma pequena discussão de trânsito pode terminar num assassinato à bala.

Sem falar da guerra Rússia-Ucrânia (por detrás estão os EUA e a OTAN), a mais espantosa desumanidade está sendo assistida por toda a humanidade, através das mídias digitais, a céu aberto: a dizimação de todo um povo, palestinos da Faixa de Gaza, centenas de mulheres e milhares de crianças inocentes sacrificadas pela fúria vingativa do atual primeiro ministro israelense, de extrema direita, Banjamin Netanyahu. Seu ministro da Defesa declarou explicitamente que os palestinos da Faixa de Gaza (especialmente o ramo militar Hamas que perpetrou um ato terrorista contra Israel a 7 de outubro de 2023 com cerca de 1200 vítimas) são como animais, são sub-humanos e assim devem ser tratados, eventualmente, exterminados.

Cercados por todos os lados, como num campo de extermínio, os que vivem na Faixa de Gaza são permanentemente atacados dia e noite por ar, terra e mar pelas forças de guerra do governo israelense. Muitos morrem de sede, de fome, sob os escombros e de seus ferimentos, pois, tudo lhes foi lhes é negado.

Nem de longe se alimenta a ideia de que somos todos humanos, do mesmo gênero de seres e, portanto, vigora um inegável um laço de irmandade entre todos. Todos respiram, todos comem, todos pisam o mesmo solo, todos recebem os mesmos raios de sol e as gotas de chuva. Todos, por mais altos que sejam seus cargos, têm que atender as necessidades da natureza. O rei da Inglaterra não pode dizer ao seu serviçal: vá fazer pipi no meu lugar. Nesse ponto reina a mais radical democracia em grau zero, incluindo, reis, rainhas, papas, milionários, simples gente do povo, homens e mulheres, crianças e idosos.

Por que somos incapazes de nos tratar humanamente? Vale dizer, nos acolher como membros da mesma espécie homo, nos respeitar nas formas diversas de organizar a vida social e pessoal, nos hábitos, nas tradições e nas expressões religiosas e práticas sexuais? O que existe em nós que nos torna inimigos uns dos outros, homicidas, fratricidas, etnocidas e ultimamente biocidas? Há alguns que afirmam que o homem de Neandertahl, também um humano pensante, teria sido exterminado pelo homo sapiens.

Já foi observado por bioantropólogos que somos uma espécie extremamente ativa, irrequieta, violenta e possivelmente com pouca duração sobre este planeta. Por outro lado, geneticistas e neurólogos constatam que pertence ao nosso DNA (cf. Watson, Crik, Maturana) o amor, a solidariedade, a cooperação e o sentimento de pertença. Há modos de equacionar estes dados aparentemente contraditórios? Por que chegamos aos níveis atuais de desumanidade?

Não conheço nenhuma resposta satisfatória. O que podemos dizer, como tantos pensadores o tem sustentado, é que o ser humano, por sua condição existencial, é simultaneamente sapiens e demens. É movido por impulsos contraditórios, mas que convivem na mesma pessoa, um de destruição e outro de construção. Tenho trabalhado com duas categorias: a dimensão sim-bólica do ser humano (a que une e congrega) e dimensão dia-bólica (a que desune e desagrega). Ambas convivem, se confrontam e trazem dinamismo à história.

Por um tempo, por razões múltiplas que não cabe aqui aventar, predomina a dimensão sim-bólica. Assim surge uma sociedade de convivência pacífica e cooperativa. Num outro, impera a dimensão dia-bólica que dilacera o tecido social, produz violência e até guerras. Temo que estamos neste momento sob o predomínio do dia-bólico, recalcando o sim-bólico pois prevalece o pensamento fundamentalista, fascista e de uso da violência para resolver os problemas sociais.

Não basta descrever esta fenomenologia de dualidade. Temos que cavar mais fundo. Estimo que a causa principal da desumanidade atual e histórica reside na erosão da Matriz Relacional (Relational Matrix). Quer dizer, ao longo da história, lentamente mas por fim de forma cabal, rompemos o sentimento de que todos estamos interligados, que relações se instauram entre todos os seres, formando o grande todo da natureza, da Terra e até do cosmos.

Com a irrupção da razão e seu uso como poder de dominação, rompemos com a Matriz Relacional. Temos nos considerado senhores e donos das coisas. Podemos usá-las inescrupulosamente em nosso benefício, com o pressuposto falso de que elas não possuem valor em si mesmas e, por isso, são destituídas propósito, inclusive o planeta Terra. Assim se fundou o paradigma da modernidade.

Essa ruptura mostra-se hoje extremamente danosa, pois a natureza ou a Terra, estão se voltando contra nós, enviando-nos eventos extremos, uma gama de vírus letais e, nos últimos tempos, o aquecimento global que já se tornou sem retorno. Introduziu uma nova e perigosa fase do planeta Terra e da história humana.

A ruptura da Matriz Relacional com os seres da natureza levou a uma ruptura com sua origem, com o Criador de todas as coisas. O que se chamou de “a morte de Deus” significa que perdemos aquele elo que dava coesão e sentido de plenitude ao nosso viver e a existência de um sentido último da vida e da história. A proclamação da morte de Deus (sua ausência na consciência pessoal e coletiva) deu origem a muitos humanos desenraizados e mergulhados numa profunda solidão. O oposto à uma visão humanístico-espiritual do mundo que afirma que a vida tem sentido e a história não termina no vazio, não é o materialismo ou o ateísmo. É o desenraizamento e o sentimento de que estamos sós no universo e perdidos, coisa que uma visão humano-espiritual do mundo impedia.

Hoje temos que voltar à nossa própria essência para refundar um humanismo mínimo. Quer dizer, colocar como marcos orientadores de nossa existência e coexistência neste planeta o cuidado de uns para com os outros e para com a comunidade de vida, o amor como a maior força congregadora e humanizadora de todas as relações, desentranhar de nosso interior nossa potência de cooperação e de solidariedade especialmente para com os que ficaram para trás, uma opção coletiva pela corresponsabilidade pelo destino comum, e, por fim, abrirmo-nos àquela Energia poderosa e amorosa de intuímos em nosso íntimo como razão e sustentáculo de toda a realidade. Podemos dar-lhe mil nomes ou nenhum.

As religiões chamam-na de Deus, os cosmólogos de abismo alimentador de todos os seres, ou o que prefiro, “aquele Ser que faz ser todos os seres”. Esqueçamos os nomes e concentremo-nos nessa Energia Inteligente e Suprema que sustenta e subjaz a todos os seres e fenômenos. É uma visão humano-espiritual das coisas.

Sobre estes pressupostos poderemos fundar um humanismo mínimo, pelo qual todos se reconhecerão como companheiros na mesma caminhada neste planeta e como irmãos e irmãs de todos as coisas (pois temos a mesma base genética) e uns dos outros. Para sermos realistas, o dado sim-bólico e dia-bólico estará presente, mas sob a regência do sim-bólico.

Desta forma construiremos uma convivência humana na qual não será tão difícil a acolhida de uns e de outros e na qual poderá florescer a solidariedade essencial, a cooperação e o amor “que move o céu, todas as estrelas” e os nossos corações. Ou daremos este passo ou nos devoraremos uns aos outros.

*Leonardo Boff é teólogo, filósofo e escritor. Autor, entre outros livros, de Terra madura: uma teologia da vida (Planeta).


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Rafael R. Ioris Celso Favaretto Matheus Silveira de Souza Tadeu Valadares Marcos Aurélio da Silva Luiz Carlos Bresser-Pereira Marcelo Módolo Afrânio Catani Alexandre Aragão de Albuquerque Liszt Vieira Claudio Katz Elias Jabbour Luiz Renato Martins Manchetômetro Valerio Arcary Vladimir Safatle Marilia Pacheco Fiorillo Ladislau Dowbor Daniel Costa Henry Burnett Paulo Nogueira Batista Jr Luís Fernando Vitagliano Boaventura de Sousa Santos Gilberto Maringoni Paulo Capel Narvai João Feres Júnior Daniel Brazil Dênis de Moraes Rubens Pinto Lyra José Luís Fiori Ricardo Abramovay Leonardo Avritzer Otaviano Helene Ronald León Núñez José Dirceu Igor Felippe Santos Airton Paschoa Slavoj Žižek Antonio Martins Luiz Werneck Vianna Ari Marcelo Solon Luis Felipe Miguel Sandra Bitencourt Samuel Kilsztajn Sergio Amadeu da Silveira Atilio A. Boron Paulo Sérgio Pinheiro Ricardo Fabbrini Leonardo Sacramento João Paulo Ayub Fonseca Maria Rita Kehl Alysson Leandro Mascaro Thomas Piketty Yuri Martins-Fontes Armando Boito João Carlos Salles Jean Marc Von Der Weid Luiz Roberto Alves José Machado Moita Neto Fábio Konder Comparato Gerson Almeida Eugênio Trivinho Juarez Guimarães Anselm Jappe Marilena Chauí Mariarosaria Fabris Flávio Aguiar Bruno Fabricio Alcebino da Silva Everaldo de Oliveira Andrade Andrés del Río Lincoln Secco Gilberto Lopes Ricardo Antunes Julian Rodrigues Caio Bugiato Leda Maria Paulani Rodrigo de Faria José Micaelson Lacerda Morais Alexandre de Freitas Barbosa Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Luiz Eduardo Soares Leonardo Boff Ronaldo Tadeu de Souza Osvaldo Coggiola Francisco Pereira de Farias Milton Pinheiro Francisco de Oliveira Barros Júnior João Adolfo Hansen Alexandre de Lima Castro Tranjan Tales Ab'Sáber Tarso Genro André Márcio Neves Soares Heraldo Campos Ronald Rocha Benicio Viero Schmidt Berenice Bento Lucas Fiaschetti Estevez Bernardo Ricupero Daniel Afonso da Silva Michael Löwy José Geraldo Couto Renato Dagnino Jorge Branco Vanderlei Tenório Marcelo Guimarães Lima Marcus Ianoni Marcos Silva Fernando Nogueira da Costa Kátia Gerab Baggio Chico Alencar Henri Acselrad Lorenzo Vitral Gabriel Cohn Salem Nasser Flávio R. Kothe Priscila Figueiredo Jean Pierre Chauvin Eugênio Bucci Michel Goulart da Silva Ricardo Musse Luciano Nascimento Dennis Oliveira Valerio Arcary Eduardo Borges Luiz Bernardo Pericás Antonino Infranca Bento Prado Jr. Francisco Fernandes Ladeira Manuel Domingos Neto Bruno Machado Carlos Tautz Chico Whitaker João Carlos Loebens Denilson Cordeiro Paulo Martins João Sette Whitaker Ferreira João Lanari Bo Annateresa Fabris Fernão Pessoa Ramos Walnice Nogueira Galvão Mário Maestri Luiz Marques José Raimundo Trindade José Costa Júnior Andrew Korybko Paulo Fernandes Silveira Érico Andrade Eleonora Albano Vinício Carrilho Martinez Carla Teixeira Antônio Sales Rios Neto Eleutério F. S. Prado Plínio de Arruda Sampaio Jr. Jorge Luiz Souto Maior Celso Frederico Remy José Fontana Eliziário Andrade André Singer Marjorie C. Marona Michael Roberts

NOVAS PUBLICAÇÕES