As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Segredos do tempo

Imagem: Tom Swinnen
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por IVONALDO LEITE*

Num mundo onde o tempo é uma qualidade, acontecimentos não são pontos fixos em determinados períodos

“Muitos anos depois, diante do pelotão de fuzilamento, o Coronel Aureliano Buendía havia de recordar aquela tarde remota em que seu pai o levou para conhecer o gelo”. Assim escreveu o Prêmio Nobel Gabriel García Márquez, ao principiar o seu clássico Cem Anos de Solidão, narrando a saga da América Latina, por ele chamada Macondo.

García Márquez deu expressão literária ao tempo-ficção como construtor da memória-existência de uma região, nomeadamente, de resto, quando afirma que Macondo era uma pequenina aldeia de apenas vinte casas de barro e taquara, construídas à margem de um rio, e que “o mundo era tão recente que muitas coisas careciam de nome e para mencioná-las era necessário apontar com o dedo”. A inteligibilidade ficcional do tempo, contudo, contrasta com a polissemia da sua representação “real”.

Dizia Agostinho de Hipona que há consciência do que é o tempo; porém, basta tentar expressá-lo em palavras, e já não se sabe do que se trata. Por vezes, o tempo é percebido como a trágica renúncia de possibilidades, a vida inteira que poderia ter sido, mas não foi, segundo o dizer do poeta Manuel Bandeira.

Outras vezes, o tempo é sentido como portador de possibilidades inesperadas. Há casos em que as coisas duram apenas alguns segundos, mas que consubstanciam momentos que valem uma vida ou, conforme a célebre frase do personagem cego Frank Slade (Al Pacino) no filme Perfume de Mulher: “num momento, vive-se uma vida”. No entanto, há momentos, também, em que os segundos podem demorar um “século”, e não têm significação ontológica.

Diante do tempo, há milhares de palavras. Contudo, as perguntas a seu redor se mantêm e se multiplicam, questionando, por exemplo, se ele realmente existe ou se é um conceito que nós criamos para aglutinar as inquietações sobre as quais há mais mistério do que perceptibilidade. Não só isso. Várias outras indagações emergem, como: Em quantos sonhos, por causa do tempo, os seres humanos já se viram enredados?

Qual é o significado do tempo estampado no rosto, na fala e nos gestos? As palavras que brotam, os olhos que deambulam entre elas, os sentidos do presente, que não são mais os mesmos de antes, o pensamento e as suas realizações, são obras do tempo? A religião e a sua ideia de saberes, as profecias, as crenças, a dedicação a cultos e adoração de deuses, os ritos, as obrigações da iniciação religiosa, etc., existiriam se não fosse o enigmático vácuo do tempo? O poder manter-se-ia sem o tempo no qual ele se expressa? No vazio da sua ausência, haveria o ideal de liberdade e de transformação? Enfim, haveria vida sem o tempo?

De uma referência que, como marcador, acompanhava o nascer e o pôr do sol, aos poucos, o tempo passou a nortear o controle do ritmo da vida quotidiana. Contemporaneamente, verifica-se um predomínio da textualização do tempo, quer dizer, da utilização da linguagem dando vida à temporalidade. Expressões como duração, transcurso, continuidade, ontem, hoje, amanhã, instante, etc., evidenciam uma relação entre o ‘ser e o tempo’ sob a mediação da linguagem.

Por outro lado, sem a linguagem, percebe-se o tempo, mas ele carece de significação. Eventos como nascer, crescer, amar, transformar-se, etc., são percebidos na temporalidade e registam marcas no ser, com ele, ao longo da sua existência, produzindo modos de identificá-las e compreendê-las.

Uma das dimensões mais desafiantes, para o ser humano, é, provavelmente, a que envolve o tempo e a finitude. Na verdade, a morte parece ser um “problema” para os que ficam, os que não morreram, não para quem se foi. Nesse sentido, o filósofo alemão Theodor Adorno disse que os sobreviventes das mortes trágicas não tinham o direito de viver ignorando as “dores do mundo”, isto é, o sofrimento daqueles que padecem com o inferno das tragédias que lhes são impostas. Deveriam, sim, ser solidários com eles.

Há infernos, aqui e agora, por todos os lados. Ao dizer que o “inferno são os outros”, o dramaturgo e romancista sueco August Strindberg descreveu-o como um lugar onde uma alma atordoada habita um esplendido palácio, leva uma vida luxuosa e até se considera uma das pessoas eleitas. Aos poucos, no entanto, os esplendores evaporam e a atordoada criatura dá-se conta de que está confinada em um local miserável e cercada de sujeira. Sartre deu outra configuração (cênica) à expressão.

Seja como for, estamos perante metáforas. Infernos psíquicos e infernos corrosivos das condições individuais de existência, geralmente mais tormentosos ainda em decorrência da falta de percepção sobre o que representa a temporalidade. O grupo musical Titãs canta: “O problema não é meu/O paraíso é para todos/O problema não sou eu/O inferno são os outros, o inferno são os outros”.

A maior parte de nossa vida – escreveu Sêneca em Cartas a Lucílio – passa enquanto estamos a fazer coisas desagradáveis, outra parte enquanto não estamos a fazer nada, e tudo isso enquanto estamos a fazer o que não deveria ser feito. Estamos equivocados, diz a lição senequiana, quando pensamos que a morte é coisa do futuro, pois, do “tempo de vida vivido”, a morte já se apossou de nacos seus: os anos atrás de nós já não existem.

A relação entre tempo e finitude parece, de facto, ser indissociável. Por isso, ao invés de conceber o tempo de forma meramente quantitativa, convém pensá-lo como uma qualidade, como a luminescência da noite sobre as árvores no preciso momento em que a lua nascente toca o topo das copas, tal qual a imaginação de Alan Lightman a respeito dos sonhos de Einstein. Ou ainda como o alumiar mostra-e-esconde do inquieto percurso dos vaga-lumes. Num mundo onde o tempo é uma qualidade, acontecimentos não são pontos fixos em determinados períodos, mas sim projeções que deambulam pelo espaço da imaginação materializadas por olhares, sentimentos e desejos.

*Ivonaldo Leite é professor de sociologia da educação na Universidade Federal da Paraíba (UFPB).


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Francisco de Oliveira Barros Júnior Ronald León Núñez João Carlos Loebens Luiz Costa Lima Jorge Luiz Souto Maior José Geraldo Couto Annateresa Fabris Marcelo Guimarães Lima Henry Burnett Leonardo Boff Ari Marcelo Solon Ronald Rocha Alysson Leandro Mascaro Flávio R. Kothe Everaldo de Oliveira Andrade Ricardo Fabbrini José Micaelson Lacerda Morais Claudio Katz Gabriel Cohn Alexandre Aragão de Albuquerque Leonardo Avritzer Eleonora Albano Kátia Gerab Baggio Gilberto Maringoni Ronaldo Tadeu de Souza Marjorie C. Marona Ricardo Antunes Manuel Domingos Neto Heraldo Campos Luiz Marques Flávio Aguiar Luiz Bernardo Pericás Tarso Genro Marilena Chauí Antônio Sales Rios Neto Paulo Nogueira Batista Jr Sergio Amadeu da Silveira Armando Boito André Márcio Neves Soares Valerio Arcary Thomas Piketty Carla Teixeira André Singer Dennis Oliveira Fernão Pessoa Ramos Luiz Werneck Vianna Eduardo Borges Lorenzo Vitral Benicio Viero Schmidt José Luís Fiori Michael Roberts Fábio Konder Comparato João Lanari Bo Celso Frederico José Costa Júnior Priscila Figueiredo Igor Felippe Santos Bruno Fabricio Alcebino da Silva Antonino Infranca Daniel Afonso da Silva Tadeu Valadares Michael Löwy Boaventura de Sousa Santos Paulo Fernandes Silveira Gerson Almeida José Dirceu Luiz Renato Martins Bruno Machado Luiz Eduardo Soares Berenice Bento Jean Pierre Chauvin Leonardo Sacramento Eliziário Andrade João Sette Whitaker Ferreira Marcos Silva Rafael R. Ioris Eugênio Trivinho Airton Paschoa José Machado Moita Neto Antonio Martins Dênis de Moraes Valério Arcary Luiz Carlos Bresser-Pereira Jean Marc Von Der Weid Luciano Nascimento Afrânio Catani Marcelo Módolo Anderson Alves Esteves Daniel Costa Manchetômetro Bento Prado Jr. Ricardo Abramovay Daniel Brazil Luis Felipe Miguel João Feres Júnior Lucas Fiaschetti Estevez Plínio de Arruda Sampaio Jr. Henri Acselrad Lincoln Secco Osvaldo Coggiola Leda Maria Paulani Eugênio Bucci Caio Bugiato Francisco Fernandes Ladeira Rodrigo de Faria Walnice Nogueira Galvão Mário Maestri Remy José Fontana Rubens Pinto Lyra Marcos Aurélio da Silva Vladimir Safatle Juarez Guimarães Eleutério F. S. Prado Vanderlei Tenório Yuri Martins-Fontes Bernardo Ricupero Roberto Bueno Luiz Roberto Alves Maria Rita Kehl Tales Ab'Sáber Alexandre de Freitas Barbosa Paulo Martins Marcus Ianoni Gilberto Lopes Chico Whitaker Denilson Cordeiro Renato Dagnino Milton Pinheiro Érico Andrade Salem Nasser Slavoj Žižek Vinício Carrilho Martinez Ladislau Dowbor Andrew Korybko Paulo Sérgio Pinheiro José Raimundo Trindade Elias Jabbour Alexandre de Lima Castro Tranjan Francisco Pereira de Farias Julian Rodrigues Paulo Capel Narvai Jorge Branco Celso Favaretto Roberto Noritomi Sandra Bitencourt Ricardo Musse Marilia Pacheco Fiorillo Mariarosaria Fabris Luís Fernando Vitagliano Anselm Jappe Carlos Tautz João Carlos Salles Samuel Kilsztajn Fernando Nogueira da Costa João Adolfo Hansen João Paulo Ayub Fonseca Liszt Vieira Chico Alencar Atilio A. Boron Otaviano Helene

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada