Estagflação renitente

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ELEUTÉRIO F. S. PRADO*

Considerações sobre o atual estágio do processo de expansão da mundialização do capital

Uma das contradições que sustentam a tese do ocaso do capitalismo se encontra na geopolítica do capital ou, o que é o mesmo, nas relações de concorrência – cooperação e competição – dos Estados nacionais que formam a atual economia globalizada. O desenvolvimento das “forças produtivas” – diz Murray Smith em Invisible Leviathan[i] – “extrapolou os confins do sistema de Estados-nações, mas são ainda as nações individuais que enfrentam os graves problemas”, isto é, os problemas causados pelo próprio processo contraditório de acumulação de capital.

Eis alguns deles: a emergência climática, as pandemias, a poluição dos oceanos, a manutenção das cadeias da produção de mercadorias, a inflação global etc. Nesta nota quer-se tratar apenas da estagflação que aparece agora como um fenômeno renitente e duradouro da produção capitalista. Baixo crescimento com inflação está aí como um novo “normal” que vai continuar assombrando o futuro das economias capitalistas em geral. Mas, para fazê-lo, é preciso dar dois passos iniciais com a finalidade de enquadrar esse fenômeno em suas condições objetivas.

O primeiro deles consiste em apresentar o atual estágio do processo de expansão da mundialização do capital. Um indicador desse processo histórico se encontra na figura abaixo; ele mostra graficamente a evolução da razão entre as exportações mundiais totais e o PIB mundial. Aparecem nesse perfil, notoriamente, três ondas de globalização que marcam a história do capitalismo: entre 1870 e 1914, entre 1945 e 1980 e entre 1980 e 2008; assim como, também, um período de desglobalização entre 1914 e 1945. Em adição, o gráfico indica o surgimento de um novo período de contração do comércio internacional, o qual ocorre após a grande crise de 2008.

Os períodos de globalização ocorrem sob hegemonia pouco contestada de uma potência imperialista. O primeiro deles acontece sob a supremacia inglesa e os dois seguintes sob a preeminência norte-americana. A desglobalização ocorrida no século XX adveio, como bem se sabe, do acirramento do conflito entre as potências imperialistas (Grã-Bretanha, Estados Unidos, Alemanha, Japão etc.) e, por isso mesmo, se inicia e termina com a primeira e a segunda guerra mundial, respectivamente. Assume-se aqui que o ano de 2008 marca o início de um processo de desglobalização que se estenderá pelos próximos anos. Por quê?

Com a crise de lucratividade e a queda da produção dos anos 1970, a potência hegemônica passa a liderar um processo de abandono do keynesianismo no centro e do desenvolvimentismo na periferia do sistema, para substituí-lo pelo neoliberalismo assimétrico, mas generalizado. Agora, para elevar a taxa de lucro, a lógica da concorrência não podia mais ser contida pelas políticas estatais de proteção da classe trabalhadora. Foi feito, ademais, um esforço para engajar todos os países, inclusive a Rússia (após 1990) e a China (após 1978) na economia mundial comandada pelas empresas multinacionais e pelos bancos internacionais do centro capitalista. Algumas economias da Ásia, em especial a China, foram assim privilegiadas como fontes dinâmicas de acumulação já que poderiam contribuir de modo excepcional para a elevação da taxa de lucro mundial.

Entretanto, essa segunda onda de globalização do pós-Segunda Guerra Mundial teria de chegar ao fim porque a taxa de lucro mundial média começara novamente a cair após 1997 – ano que marca o fim da recuperação neoliberal e início da longa depressão (ver gráfico em sequência). Diante dessa condição estrutural e diante da crise de 2008 – que ameaçou levar o sistema a um colapso de proporções jamais vistas –, a estratégia do centro imperialista tinha de mudar. Eis que a hegemonia do Ocidente liderado pelos Estados Unidos começou a ser contestada pela emergência de potências competidoras.

As taxas de crescimento econômico das economias centrais do Ocidente, que havia caído de um nível de 5% ao ano no primeiro decênio do pós-guerra para um nível aproximado de 2% ao ano no novo milênio, poderiam cair ainda mais. A perspectiva que esses países enfrentavam, segundo os próprios economistas do chamado mainstream, era de uma “estagnação secular”. Diante desse quadro, como escreveu Michael Roberts, “tornou-se claro para os estrategistas do centro que a globalização trouxera ganhos, mas que gerara também crescimento acelerado em países com a Rússia, a China e o Leste Asiático”. E essas potências não se conformavam a um comportamento servil; ao contrário, desejavam ser também um polo de poder político e militar.

Tornou-se claro, assim, que esses últimos países não estavam dispostos a aceitar o domínio econômico ocidental dos últimos cinco séculos. A Rússia almejava criar uma polaridade econômica junto com os países do continente europeu por meio do fornecimento de gás e outros produtos minerais. A China se tornara a fábrica do mundo, passara a dominar o comércio internacional de mercadorias e, agora, se mostrava capaz de competir e rivalizar cada vez mais no campo do desenvolvimento tecnológico.

Com Donald Trump e depois com Joe Biden, o imperialismo norte-americano mudou então de estratégia tentando manter a hegemonia indiscutível que alcançara no pós-Segunda Guerra Mundial. Assim, ao invés da política de inclusão que durara trinta anos, passou a adotar uma política de contenção desses países da periferia dinâmica nos planos econômico, diplomático e militar. A Europa se tornou, então, um centro dessa batalha geopolítica. A América Latina que vira já, nesse período, o seu desenvolvimento regredir por meio da desindustrialização e da reprimarização, sem deixar de ser um campo de disputa, passou a ser assobrada pela barbárie crescente.

O resultado desse processo foi a criação de uma tendência de queda do nível de globalização por meio da introdução de uma trava no desenvolvimento do comércio internacional. Mas para compreender por que a estagflação aparece agora como um fenômeno persistente no horizonte da economia mundial, é preciso explicar antes por que a inflação se torna renitente. Sabe-se de qualquer modo que a desglobalização é perniciosa do ponto de vista da acumulação global de capital.

Primeiro, é requerido que se veja que uma inflação, no mínimo rastejante, se tornou a norma no pós-guerra, depois que o dinheiro mundial perdeu a sua âncora no padrão ouro e se tornou formalmente fiduciário. Em sequência, é necessário que se saiba que a inflação é criada pelas empresas, principalmente pelas oligopolistas ou monopolistas, sempre que a sua condição de lucratividade líquida (taxa de lucro menos taxa de juros) se mostra inadequada.[ii] diante de impulsos de demanda, nesse caso, elas preferem elevar os preços de venda das mercadorias que produzem ao invés de expandir a produção. Em adição, veja-se também que os preços sobem necessariamente quando há restrições para a manutenção ou elevação da oferta, mesmo se a demanda está fraca ou caindo menos do que a própria oferta. Nesse último caso, mesmo se aumenta a margem de lucro, a taxa de lucro pode não se elevar necessariamente.

Bem, essa última situação relatada no parágrafo anterior parece ter se verificado nos dois últimos anos e meio em face de choque negativos de oferta e de aumento dos custos de produção. A pandemia do coronavírus forçou o fechamento temporário de empresas, provocou rompimentos nas cadeias de suprimentos globais, contraiu o mercado de força de trabalho. Em sequência, a guerra da Ucrânia passou a compelir o crescimento dos preços da energia, dos metais, dos alimentos e dos fertilizantes. Em consequência desses “choques de oferta”, a estagflação passou a afligir de modo persistente a economia mundial.

Contudo, ao contrário do que julgam os crentes na “economia de mercado”, não haver agora esperança de que essa situação mude no futuro próximo. A estagflação persistirá assombrando as perspectivas de recuperação do sistema econômico da relação de capital. Eis o que diz Nouriel Roubini em The gathering stagflationary storm, artigo publicado em 25 de abrila de 2022 no Project Syndicate: “mesmo sem os significativos fatores de curto-prazo [acima elencados], a perspectiva de prazo médio vem a ser a de uma longa noite escura. Há muitas razões para supor que a estagflação atualmente presente irá continuar a caracterizar a economia global nos próximos anos, produzindo inflação alta, baixo crescimento, com possíveis recessões em muitas economias”.

Eis que a situação da economia mundial nos próximos anos parece se configurar como semelhante àquela que se observou durante o período iniciado e terminado com as duas guerras mundiais, ou seja, entre 1914 e 1945. “Desde a crise de 2008 – diz Roubini –, tem havido um recuo da globalização e o retorno de várias formas de protecionismo”. E essa situação, como bem mostrou o exemplo do século XX, não proporciona condições desenvolvimento, mas uma tendência à estagnação que traz junto consigo um aumento das tensões sociais e da rivalidade entre as nações.

A política de contenção em relação à China e à Rússia e o medo das turbulências crescente nas economias periféricas e pobres, vai tender reduzir ainda mais a taxa de lucro nos países capitalistas centrais. Além do efeito da “lei de tendência” enunciada por Marx, há duas razões adicionais: (i) sabendo que o ritmo de crescimento das populações dessas nações é hoje quase estacionário, note-se que as políticas contra a imigração impedirão que os mercados de força de trabalho nos países centrais sejam renovados; (ii) ganhos dos países mais avançados proporcionados pela “troca desigual” e por outras formas de extração de renda, sempre em detrimento dos atrasados, poderá ser perdido em parte.

A nova guerra fria entre os Estados Unidos e a China/Rússia já está produzindo e produzirá efeitos estaflacionários no futuro. A guerra quente atual na Ucrânia, com a participação indireta da Nato e direta da Rússia, se elevou o risco de um conflito bélico mais amplo no futuro, já está produzindo choque adversos no comércio e na produção. As sanções econômicas, mesmo se funcionam como “armas” para as potências hegemônicas, perturbam de imediato o funcionamento dos mercados. Mas, de modo ainda mais importante, contrariam mesmo a lógica expansiva do capitalismo. Alguns economistas argumentam mesmo que elas podem minar a hegemonia do dólar como dinheiro mundial nos próximos anos.

Em suma: “as crescentes tensões geopolíticas’ – convém o economista norte-americano – “provavelmente levarão a relocalização da manufatura da China e de mercados emergentes para economias avançadas (…). Assim, a produção será mal alocada para regiões e países de custo mais alto”. “O desacoplamento da produção sino-americana” – continua – “implicará na fragmentação da economia global, na balcanização das cadeias de oferta e em restrições maiores nas transferências de informação e tecnologia – elementos chaves do futuro comércio”.

Se a estagflação aparece agora como o “novo normal” no médio prazo, no longo prazo as coisas não parecem melhor. Eis que não se pode esquecer o risco crescente de que secas, desertificações, furacões, chuvas torrenciais etc. prejudiquem a produção de alimentos por todo o mundo. As mudanças no clima – assim como outros problemas de poluição – terão certamente efeitos na produção de mercadorias, os quais aparecerão de diversas formas como fomes, ondas de imigração, conflitos sociais etc. Como se configuram como restrições à oferta, tenderam a aparecer também como estagflação.

Sem pretender esgotar todos os fatores que concorrem para a turbulência crescente e para agudização da desarmonia imanente da economia capitalista – por exemplo, seria possível acrescentar o problema do custo crescente da energia em face da descarbonização necessária –, é preciso terminar mencionando uma mudança na criação de barreiras pelo processo de acumulação de capital.

Em meados do século XIX, Karl Marx mencionou que o capital cria barreiras, supera essas barreiras, para engendrar novas e maiores barreiras. E é assim porque a acumulação de capital é um processo dotado de realimentação positiva – insaciável, disse ele – que tende à desmedida e que inventa, por isso, crises e catástrofes continuamente. Ora, agora ele está produzindo barreiras que são limites últimos, “barreiras” que não pode mais superar.

Eleutério F. S. Prado é professor titular e sênior do Departamento de Economia da USP. Autor, entre outros livros, de Da lógica da crítica da economia política (Ed. Lutas Anticapital).

 

Notas


[i] Smith, Murray E. G. – Invisible Leviathan – Marx’s law of value in the twilight of capitalism. Chicago: Haymarket Books, 2018.

[ii] Ver o capítuto 15 do livro Capitalism – competition, conflict, crises de Anwar Shaikh (Oxford University Press, 2018) para se inteirar sobre uma versão mais rigorosa da teoria da inflação e da estagflação.

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Manuel Domingos Neto Caio Bugiato Eugênio Trivinho Andrew Korybko José Costa Júnior Elias Jabbour Tadeu Valadares Marcus Ianoni Marilia Pacheco Fiorillo Dennis Oliveira Liszt Vieira Eduardo Borges Walnice Nogueira Galvão Slavoj Žižek Gabriel Cohn João Paulo Ayub Fonseca Remy José Fontana Chico Whitaker Salem Nasser Matheus Silveira de Souza Armando Boito Eleutério F. S. Prado Luiz Eduardo Soares André Márcio Neves Soares Michael Löwy José Dirceu Ronald León Núñez Vanderlei Tenório Luiz Bernardo Pericás Henri Acselrad Priscila Figueiredo Antonino Infranca Antonio Martins José Micaelson Lacerda Morais Marjorie C. Marona Atilio A. Boron Claudio Katz Yuri Martins-Fontes Jorge Branco Paulo Capel Narvai Luis Felipe Miguel Afrânio Catani Ricardo Abramovay Leonardo Boff Annateresa Fabris Marilena Chauí Eliziário Andrade Ronaldo Tadeu de Souza Igor Felippe Santos Bruno Machado Luiz Roberto Alves Mário Maestri Gilberto Lopes Marcelo Módolo Leonardo Sacramento Fábio Konder Comparato Ricardo Antunes Ari Marcelo Solon Ronald Rocha Paulo Sérgio Pinheiro Maria Rita Kehl Alexandre de Freitas Barbosa Flávio R. Kothe Benicio Viero Schmidt Marcos Silva Luciano Nascimento Chico Alencar José Luís Fiori Michael Roberts Francisco de Oliveira Barros Júnior Alexandre de Lima Castro Tranjan Francisco Pereira de Farias Gilberto Maringoni Michel Goulart da Silva João Carlos Salles Boaventura de Sousa Santos João Feres Júnior Celso Favaretto Sergio Amadeu da Silveira Renato Dagnino Valerio Arcary Paulo Nogueira Batista Jr Luiz Werneck Vianna Francisco Fernandes Ladeira Denilson Cordeiro Jean Marc Von Der Weid Paulo Martins Antônio Sales Rios Neto Daniel Afonso da Silva Gerson Almeida Sandra Bitencourt Valerio Arcary Henry Burnett Vladimir Safatle André Singer Anselm Jappe Carla Teixeira Tarso Genro Lincoln Secco Mariarosaria Fabris Bernardo Ricupero Dênis de Moraes José Machado Moita Neto Flávio Aguiar Airton Paschoa José Geraldo Couto Daniel Costa Luís Fernando Vitagliano Luiz Renato Martins Daniel Brazil Juarez Guimarães Bento Prado Jr. Osvaldo Coggiola Alysson Leandro Mascaro Ladislau Dowbor João Carlos Loebens Tales Ab'Sáber Ricardo Fabbrini Luiz Carlos Bresser-Pereira Jorge Luiz Souto Maior Rodrigo de Faria Otaviano Helene João Sette Whitaker Ferreira Berenice Bento Ricardo Musse Manchetômetro Marcelo Guimarães Lima Lorenzo Vitral Luiz Marques Rubens Pinto Lyra Bruno Fabricio Alcebino da Silva Lucas Fiaschetti Estevez Everaldo de Oliveira Andrade Thomas Piketty Érico Andrade Marcos Aurélio da Silva Milton Pinheiro Anderson Alves Esteves Alexandre Aragão de Albuquerque Heraldo Campos Paulo Fernandes Silveira Eleonora Albano João Lanari Bo Vinício Carrilho Martinez Plínio de Arruda Sampaio Jr. Leonardo Avritzer Julian Rodrigues Rafael R. Ioris Eugênio Bucci José Raimundo Trindade Samuel Kilsztajn Leda Maria Paulani Fernão Pessoa Ramos Andrés del Río Carlos Tautz Celso Frederico João Adolfo Hansen Fernando Nogueira da Costa Kátia Gerab Baggio Jean Pierre Chauvin

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada