As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A urgência do cuidado e da autocontenção

Imagem: Eugene Liashchevskyi
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LEONARDO BOFF*

A cultura do consumo das porções opulentas, ego-centradas e desalmadas já está cobrando mais de uma Terra e meia para atender voracidade delas

Alinho-me àqueles cientistas descritos pela jornalista de assuntos ecológico-científicos, Elizabeth Kolbert em seus dois livros famosos A sexta extinção e o outro Sob o céu branco:a natureza do futuro (Intrínseca).Embora alimente alguma esperança, Elizabeth Kolbert delineia como seria o céu após uma guerra nuclear devastadora: branco, impedindo a passagem dos raios sol dos quais quase tudo depende na Terra.

É um fato experimental, embora haja um grande número de negacionistas, particularmente entre os CEOs dos grandes oligopólios que negam o estado degradado da Terra que agora, possivelmente, inaugurou uma nova era: o piroceno.

A cultura do consumo daquelas porções opulentas, ego-centradas e desalmadas já está cobrando mais de uma Terra e meia (1,7) para atender voracidade delas. A sobrecarga da Terra deste ano foi constatada no dia 22 de julho. Isso significa que que seus bens e serviços renováveis, indispensáveis para a nossa sobrevivência, se exauriram. Acenderam todos os sinais. Mesmo assim lhe fazem violência, arrancando-lhe o que não lhes pode mais dar. Como é um super-ente vivo que funciona sistemicamente, a Terra reage mandando eventos extremos como grandes secas de um lado, espantosas nevascas por outro, diminuindo o volume das águas aumentando os desertos, destruindo com tufões regiões inteiras, sacrificando a biodiversidade, enviando mais vírus e outras enfermidades.O aumento da temperatura esperada para o ano 2030,um crescimento de 1,5 graus C, está celeremente se antecipando para os próximos 3-5 anos.

Compreende-se que muitos climatólogos se mostrem céticos e até fatalistas ao se dar conta de que a ciência a técnica chegaram atrasadas. Não temos muito que fazer senão prevenir as catástrofes e minorar seus efeitos danosos. A Terra está mudando, dia-a-dia, de forma irreversível, procurando um novo equilíbrio cujo centro de gravidade não nos é conhecido. Supomos que climaticamente se estabilize entre 38-40 graus C. Quem puder se adaptar a esta temperatura sobreviverá mas muitas pessoas, crianças e idosos e principalmente inúmeros organismos vivos não terão o tempo suficiente para se adaptarem e serão condenados a desaparecer depois de milhões de anos de vida sobre este planeta.

São sérias as advertências dos sábios. A Carta da Terra (documento assumido pela ONU) ou as duas encíclicas do Papa Francisco:Como cuidar da Casa Comum e o outro Todos irmãos e irmãs peremptoriamente denunciam o alarme ecológico. A Carta da Terra adverte: “A humanidade deve escolher o seu futuro…ou formar uma aliança global para cuidar da Terra e uns dos outros ou arriscar a nossa destruição e a da diversidade da vida”. O Papa é mais severo: “Estamos todos no mesmo barco; ou nos salvamos todos ou ninguém se salva”.

A grande maioria não pensa em tais coisas, pois parece-lhe insuportável lidar com os limites e eventualmente com o desastre coletivo, possível ainda dentro de nossa geração. Alienados, acabarão engrossando o cortejo daqueles que rumarão na direção da fossa comum.

Resta-nos uma réstia de esperança sempre suscitada pelo sábio de 102 anos Edgar Morin: “A história várias vezes mostrou que o surgimento do inesperado e o aparecimento do improvável são plausíveis e podem mudar o rumo dos acontecimentos”. Cremos que ambos – o inesperado e o plausível – sejam possíveis. Seria nossa salvação.

Entretanto, temos que fazer a nossa parte. Se quisermos garantir um futuro comum, da Terra e da humanidade, se impõem duas virtudes: a autocontenção e a justa medida, ambas expressões da cultura do cuidado.

Mas como postular essas virtudes se todo o sistema está montado em sua negação? Desta vez, porém, não há escolha: ou mudamos e nos pautamos pelo cuidado, nos auto-imitando em nossa voracidade e vivendo a justa medida em todas as coisas ou enfrentaremos uma tragédia coletiva. O cuidado nos leva a estabelecer um laço afetivo para com todos os seres para que continuem entre nós.

A autolimitação significa um sacrifício necessário que salvaguarda o Planeta, tutela interesses coletivos e funda uma cultura da simplicidade voluntária. Não se trata de não consumir, mas de consumir de forma responsável e solidária para com aqueles que virão depois de nós. Eles também têm direito à Terra e a uma vida com qualidade.

*Leonardo Boff é ecoteólogo, filósofo e escritor. Autor, entre outros livros, de Habitar a Terra (Vozes) (https://amzn.to/45gjjKP).


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Alexandre de Lima Castro Tranjan Eleonora Albano Elias Jabbour Luiz Carlos Bresser-Pereira Paulo Fernandes Silveira Gilberto Maringoni Bruno Fabricio Alcebino da Silva Igor Felippe Santos Dênis de Moraes João Carlos Loebens Mário Maestri Valério Arcary Luiz Eduardo Soares Marcos Aurélio da Silva Dennis Oliveira Ronaldo Tadeu de Souza José Dirceu José Micaelson Lacerda Morais Salem Nasser Marcelo Guimarães Lima Gerson Almeida Alysson Leandro Mascaro Everaldo de Oliveira Andrade Samuel Kilsztajn André Márcio Neves Soares Otaviano Helene Armando Boito Ricardo Antunes Fábio Konder Comparato Francisco Fernandes Ladeira Jean Pierre Chauvin Fernão Pessoa Ramos Chico Whitaker Érico Andrade Francisco Pereira de Farias Anselm Jappe Vinício Carrilho Martinez Marilena Chauí Ronald Rocha Jorge Branco Remy José Fontana Milton Pinheiro Gilberto Lopes Michael Roberts Carlos Tautz Rafael R. Ioris Rodrigo de Faria José Costa Júnior Bernardo Ricupero Eugênio Bucci Walnice Nogueira Galvão Alexandre Aragão de Albuquerque João Paulo Ayub Fonseca Marcos Silva André Singer Manchetômetro Carla Teixeira Sergio Amadeu da Silveira Jean Marc Von Der Weid Ladislau Dowbor Daniel Afonso da Silva Marcelo Módolo Michael Löwy Vladimir Safatle Julian Rodrigues Thomas Piketty Lincoln Secco Henri Acselrad Eliziário Andrade Rubens Pinto Lyra Paulo Capel Narvai Fernando Nogueira da Costa Tadeu Valadares Flávio R. Kothe Leonardo Avritzer Paulo Sérgio Pinheiro Ari Marcelo Solon Caio Bugiato Luiz Werneck Vianna Priscila Figueiredo Atilio A. Boron Paulo Martins Luís Fernando Vitagliano Francisco de Oliveira Barros Júnior Yuri Martins-Fontes Antonio Martins José Geraldo Couto Marcus Ianoni Leonardo Sacramento Leda Maria Paulani Airton Paschoa Renato Dagnino Andrew Korybko Tales Ab'Sáber Berenice Bento Henry Burnett Luiz Roberto Alves Daniel Brazil Osvaldo Coggiola Heraldo Campos Manuel Domingos Neto Eduardo Borges Celso Favaretto Boaventura de Sousa Santos Luciano Nascimento José Machado Moita Neto Alexandre de Freitas Barbosa Celso Frederico Gabriel Cohn Denilson Cordeiro Luis Felipe Miguel João Feres Júnior Marjorie C. Marona Lucas Fiaschetti Estevez Afrânio Catani Mariarosaria Fabris Anderson Alves Esteves Luiz Renato Martins Luiz Bernardo Pericás Sandra Bitencourt Valerio Arcary Jorge Luiz Souto Maior Lorenzo Vitral João Sette Whitaker Ferreira Luiz Costa Lima Chico Alencar Flávio Aguiar Plínio de Arruda Sampaio Jr. Maria Rita Kehl Vanderlei Tenório Eugênio Trivinho Roberto Bueno Kátia Gerab Baggio Antônio Sales Rios Neto José Raimundo Trindade Slavoj Žižek Ricardo Musse Bruno Machado José Luís Fiori Daniel Costa Tarso Genro João Lanari Bo Liszt Vieira João Carlos Salles Claudio Katz Antonino Infranca Benicio Viero Schmidt Marilia Pacheco Fiorillo Roberto Noritomi Eleutério F. S. Prado Ricardo Fabbrini Paulo Nogueira Batista Jr Leonardo Boff Annateresa Fabris Luiz Marques Juarez Guimarães Ronald León Núñez João Adolfo Hansen Bento Prado Jr. Ricardo Abramovay

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada