O prego e o rinoceronte

Imagem: KAZIMIR MALEVICH
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por DANIEL BRAZIL*

Comentário sobre o livro recém-lançado de Regina Dalcastagnè

Vários ensaios literários, a grande maioria oriundos de obrigações rituais acadêmicas, se parecem com serpentes que se enroscam de tal forma à sua presa que acabam se confundindo com ela. Tentam extrair o líquido vital de um conto, de um romance, de um poema, de um autor, numa tentativa quase prometeica de ganharem luz própria. Alguns conseguem, deixando o objeto de desejo ainda maior. Outros são rapinantes, só deixam restos, deixando o esqueleto da vítima exposto às intempéries do tempo, mas também não sobrevivem. E a maioria são carrapatos, pequenos parasitas no couro de um boi que continuará pastando tranquilamente nas bibliotecas e mentes de seus leitores.

Imagem e discurso

Muitas vezes falamos e pensamos recorrendo a imagens, como no parágrafo anterior. A relação entre a figura e a palavra é tão ancestral que podemos afirmar que nasceram quase ao mesmo tempo. Pictogramas, hieróglifos, ideogramas. Os estudos linguísticos de Ferdinand de Saussure (1857/1913) e Charles Peirce (1839/1914) abriram caminhos de interpretação desses significados e significantes, estabelecendo relações entre a língua e as demais linguagens.

Embora isso seja matéria amplamente discutida nos meios acadêmicos, ainda é pouco clara para o público de outras áreas do conhecimento. Os estudos literários brasileiros não são muito pródigos em estabelecer relações dos textos com imagens. É por isso que este conjunto de ensaios de Regina Dalcastagnè, professora de literatura brasileira na Universidade de Brasília, chama a nossa atenção.

São nove ensaios provocativos, e uma introdução que vale por mais um. Dalcastagnè estabelece uma série de reflexões cruzadas sobre literatura e artes visuais: gravura, pintura, fotografia. O célebre rinoceronte de Dürer (1471/1528), que ilustra a capa, é ponto de partida para análises que nunca abandonam a leitura crítica da realidade, escrutinando as múltiplas possibilidades de “verdade”, literária ou visual.

A professora edita a revista Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, e coordena um grupo de estudo que já pesquisou quase 700 romances, editados de 1990 a 2014. Seus estudos estabelecem um corte de classe, gênero e raça, construindo uma sociologia da literatura. Em livro anterior, demonstrou estatisticamente que o universo ficcional brasileiro é dominado por homens brancos de classe média, moradores de metrópoles. (Literatura Brasileira Contemporânea: um território contestado, Ed. Horizonte).

Nesse novo conjunto de ensaios, O prego e o rinoceronte, a autora reforça a visão social, e incorpora fecundas analogias com a produção visual de nosso país. Ilustrado com imagens de Vik Muniz, Bispo do Rosário, Iberê Camargo, João Câmara e Rosangela Rennó, além de fotografias, cartas e publicações. Regina Dalcastagnè coloca a lupa sobre Salim Miguel e Eglê Malheiros, editores da heroica revista Sul, nos anos 50; faz comparações entre Paulo Lins (Cidade de Deus) e Aluísio Azevedo (O Cortiço), relembra o pioneirismo de Bom Crioulo, de Adolfo Caminha; destaca Maria Carolina de Jesus e todo o seu contexto, passando por Ana Maria Gonçalves (Um Defeito de Cor), Marilene Felinto (Mulheres de Tijucopapo) e Conceição Evaristo (Ponciá Vicêncioe Becos da Memória).

Autores “periféricos”, como Sacolinha, Vário do Andaraí, Sérgio Vaz e Ferréz, vão colorindo o painel construído pela autora, que não se limita ao chavão do pobre-negro-oprimido, mas expande historicamente sua ótica inclusiva e questionadora do status quo. Não é à toa que a epígrafe da introdução é de David Kopenawa Yanomami.

O belo ensaio que encerra o livro retoma a questão verbo versus imagem, traçando relações entre a obra do contista judeu Samuel Rawett e do gravador Oswaldo Goeldi, o romancista Autran Dourado e o pintor Iberê Camargo, o escritor Sérgio Sant’Anna e o pintor João Câmara. Relações ruidosas para alguns, eufônicas para outros, que cumprem a função de cutucar a curiosidade do leitor para um conhecimento melhor das obras e dos autores, além de propor questões conceituais de grande pertinência.

Como diz a autora, são “respostas que artistas da mesma geração, trabalhando em formas expressivas diferentes, oferecem às indagações do seu tempo, especialmente àquelas relacionadas à representação do outro”.

*Daniel Brazil é escritor, autor do romance Terno de Reis (Penalux), roteirista e diretor de TV, crítico musical e literário.

Referência


Regina Dalcastagnè. O prego e o rinoceronte: resistências na literatura brasileira. Porto Alegre, Ed. Zouk, 2021, 238 págs.

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Dennis Oliveira Bernardo Ricupero Francisco Fernandes Ladeira Paulo Sérgio Pinheiro Chico Alencar Dênis de Moraes Anselm Jappe Rafael R. Ioris Ronald León Núñez Luiz Marques João Lanari Bo Andrés del Río Rubens Pinto Lyra Annateresa Fabris José Machado Moita Neto Eliziário Andrade Leonardo Avritzer Luís Fernando Vitagliano João Carlos Salles Michel Goulart da Silva Atilio A. Boron Francisco de Oliveira Barros Júnior Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Mariarosaria Fabris Sergio Amadeu da Silveira Vanderlei Tenório Luiz Werneck Vianna Heraldo Campos João Paulo Ayub Fonseca João Sette Whitaker Ferreira Afrânio Catani Bruno Machado Fábio Konder Comparato José Raimundo Trindade Walnice Nogueira Galvão Plínio de Arruda Sampaio Jr. Antonino Infranca Denilson Cordeiro Paulo Fernandes Silveira Leonardo Boff Alexandre Aragão de Albuquerque José Micaelson Lacerda Morais Michael Roberts Eugênio Trivinho Marcos Aurélio da Silva Sandra Bitencourt Rodrigo de Faria Fernão Pessoa Ramos Luiz Roberto Alves Flávio R. Kothe Ari Marcelo Solon José Geraldo Couto Kátia Gerab Baggio Alexandre de Freitas Barbosa Maria Rita Kehl João Feres Júnior Jean Marc Von Der Weid Leonardo Sacramento Gilberto Lopes Julian Rodrigues Otaviano Helene Claudio Katz Jorge Luiz Souto Maior Armando Boito João Adolfo Hansen Eugênio Bucci Antônio Sales Rios Neto Marcelo Guimarães Lima Luiz Eduardo Soares Eleonora Albano Michael Löwy Tales Ab'Sáber Alysson Leandro Mascaro Lucas Fiaschetti Estevez Vladimir Safatle Airton Paschoa Marilena Chauí Luiz Renato Martins Salem Nasser Samuel Kilsztajn Berenice Bento Eduardo Borges Caio Bugiato Celso Frederico Vinício Carrilho Martinez Antonio Martins André Singer Ronaldo Tadeu de Souza Francisco Pereira de Farias Slavoj Žižek Carla Teixeira Thomas Piketty Marjorie C. Marona Valerio Arcary Lorenzo Vitral Daniel Afonso da Silva Tarso Genro Paulo Martins Alexandre de Lima Castro Tranjan Boaventura de Sousa Santos Luciano Nascimento Gabriel Cohn Gilberto Maringoni João Carlos Loebens José Luís Fiori Remy José Fontana André Márcio Neves Soares Matheus Silveira de Souza Flávio Aguiar Lincoln Secco Paulo Nogueira Batista Jr Eleutério F. S. Prado Juarez Guimarães Paulo Capel Narvai Érico Andrade Benicio Viero Schmidt Mário Maestri Luiz Carlos Bresser-Pereira Renato Dagnino Manchetômetro Celso Favaretto Daniel Costa Luis Felipe Miguel Osvaldo Coggiola Igor Felippe Santos Milton Pinheiro Ladislau Dowbor Priscila Figueiredo José Costa Júnior Everaldo de Oliveira Andrade Elias Jabbour Henri Acselrad Jean Pierre Chauvin Andrew Korybko Liszt Vieira Marcus Ianoni Ricardo Fabbrini Bento Prado Jr. Henry Burnett Leda Maria Paulani Luiz Bernardo Pericás Ricardo Musse Gerson Almeida Chico Whitaker José Dirceu Fernando Nogueira da Costa Tadeu Valadares Yuri Martins-Fontes Bruno Fabricio Alcebino da Silva Marcelo Módolo Manuel Domingos Neto Daniel Brazil Carlos Tautz Ricardo Abramovay Marcos Silva Jorge Branco Ronald Rocha Marilia Pacheco Fiorillo Ricardo Antunes Valerio Arcary

NOVAS PUBLICAÇÕES