Javier Milei é uma ameaça fascista

Imagem: Regina Pivetta
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por VALÉRIO ARCARY*

Se Javier Milei vier a vencer o seu governo será incompatível com as liberdades democráticas conquistadas, dramaticamente, depois da queda da última ditadura militar

“Saber não ter ilusões é absolutamente necessário para se poder ter sonhos” (Fernando Pessoa).

“Nada é mais fácil do que se iludir, pois todo o homem acredita que aquilo que deseja seja também verdadeiro” (Demóstenes).

“Construímos estátuas de neve e choramos ao ver que derretem” (Walter Scott).

Um vulcão político entrou em irrupção na Argentina. A mídia apresenta o discurso de Javier Milei, com alegre indulgência irresponsável, como anarco-capitalista, mas se trata de uma candidatura de tipo neofascista. Se Javier Milei vier a vencer o seu governo será incompatível com as liberdades democráticas conquistadas, dramaticamente, depois da queda da última ditadura militar. Não é possível uma política de choque antipopular tão brutal sem quebrar a espinha dorsal do movimento sindical e popular mais forte do continente. Não pode ser imposto sem violência e, portanto, sem uma mudança de regime.

O recente resultado das PASO parece ter sido, totalmente, inesperado. No Brasil, foi uma abrupta surpresa. Há quem reduza o significado a um voto “bronca”. Deve haver um “grão” de verdade nesta ideia do protesto, mas parece ser muito mais sério. Ninguém previa que um movimento tão profundo das “placas tectônicas” sociais era iminente, e poderia subverter, qualitativamente, as relações políticas de força. Infelizmente, prevaleceu, mais uma vez, uma ingênua subestimação da extrema direita, como já tinha acontecido com Jair Bolsonaro em 2018. O que deveria, honestamente, nos perturbar, e levar a perguntar: por quê?

No que nos diz respeito já sabemos, foi complicado e polêmico. Foi muito difícil admitir que, depois de treze anos de governos liderados pelo PT, mas permanente concertação com frações da classe dominante, o país estava fraturado pelo giro da “massa da burguesia” para a oposição e o golpismo, o deslocamento da maioria das camadas médias, exauridas pelo rancor social, para o antipetismo, e a divisão da classe trabalhadora diante da ofensiva da operação Lava Jato criminalizando a esquerda como corrupta. As ilusões cegam, quando a realidade é cruel demais.

No que remete ao fenômeno Javier Milei e seu partido La Libertad avanza, o melhor critério internacionalista é aguardar as respostas que virão da esquerda argentina. Afinal, nunca se viu uma bestialidade antissocial tão frontal. Um programa ultraliberal feroz, thatcherismo com “44 graus de febre”, que defende a privatização da educação e saúde pública, a suspensão de todos dos programas de assistência social, um ataque devastador contra os direitos trabalhistas e as aposentadorias, a defesa de privatizações ilimitadas, livre acesso ao armamento generalizado e apoio irrestrito à violência policial, revogação do direito ao aborto, eliminação dos ministérios da educação, saúde pública, cultura, ambiente, ciência e tecnologia, dolarização e fim do Banco Central. Um horror.

O bufão Javier Milei com sua cabeleira, calculadamente, desgrenhada, seu histrionismo pop ensaiado, uma retórica exaltada contra tudo e contra todos, muita demagogia extremista e propostas malucas atraiu o voto de milhões. Muito além das aparências, dos disfarces, das dissimulações, a votação revelou uma fratura social profunda que deve ser analisada e explicada.

Ainda que o primeiro turno seja somente no final outubro, e uma luta eleitoral esteja por ser feita, não se pode deixar de levar a sério o perigo “real e imediato” de que um fascista estará no segundo turno. E seria uma leviandade imperdoável descartar a possibilidade de que Javier Milei poderá vencer as eleições. Não se pode lutar contra todos os inimigos, ao mesmo tempo, com a mesma intensidade. O terreno da tática é aquele em que é necessário fazer uma escolha. Nada é mais importante do que lutar para impedir o fascista de vencer.

Esta nova realidade acende um alerta vermelho para a esquerda argentina e sul-americana, por duas razões. Em primeiro lugar, porque a possibilidade da vitória de Javier Milei sinaliza a precipitação de uma ofensiva contrarrevolucionária apocalíptica contra os trabalhadores e o povo cujo desfecho é imprevisível e, talvez, o perigo de uma derrota histórica.

Em segundo lugar, porque evidencia que a ameaça fascista continua presente, mesmo depois de vitórias eleitorais como as de Gabriel Boric no Chile, Gustavo Petro na Colômbia e Lula no Brasil. Se o governo de Frente Ampla liderado pelo PT fracassar, o perigo de que o movimento político-social de extrema-direita, ainda que sem Jair Bolsonaro candidato, possa disputar o poder em 2026 é real.

Na Argentina, a derrota do governo de Mauricio Macri não enterrou a direita. Ao contrário, o desgaste do governo peronista chefiado por Alberto Fernández, diante do apodrecimento da crise social, não favoreceu a esquerda anticapitalista. Potencializou a conquista vertiginosa de audiência de massas pela extrema-direita. Por quê? Seguramente, há fatores nacionais “argentinos” que explicam por que o “pêndulo” da relação política de forças girou para o neofascismo, e não para a esquerda. Nada mais justo do que fazer os balanços, identificar as responsabilidades, e retirar as lições, sem dissolver em discussões circulares – “eles venceram porque nós perdemos” – a avaliação do que aconteceu.

Mas, a realidade é que o avanço do neofascismo é um dos traços fundamentais da situação internacional, há dez anos. Algo mudou, e profundamente. Tudo sugere que a etapa aberta com a restauração capitalista, entre 1989/91, que podemos denominar de globalização, se encerrou. O mundo ficou mais perigoso.

As últimas crises confirmam que os limites históricos do capitalismo estão mais estreitos. O prazo de “validade” histórica do capitalismo diminuiu. Os perigos de estagnação econômica de longa duração, empobrecimento, deslocamento de refugiados e crise social catastrófica, aquecimento global, disputa pela supremacia política mundial, e ascensão do fascismo se acumulam.

Mas não são equivalentes, e não têm a mesma urgência. Na luta de classes o ritmo dos processos é central, porque é assim que se desenvolve a experiência prática de milhões, e se faz a disputa de consciências. A luta contra a emergência de que um partido fascista possa chegar ao poder é uma prioridade incontornável. Trump, Marine Le Pen, o crescimento do AfD na Alemanha, tampouco, podem ser subestimados.

Algumas “certezas” dos marxistas do século XIX, finalmente, desabaram pelo caminho: hoje sabemos mais, e sabemos que é mais difícil. Um dos problemas centrais são as formas degeneradas da moderna contrarrevolução. Para Marx e os seus contemporâneos, a barbárie era uma das possibilidades de evolução do capitalismo, se não triunfasse a revolução socialista: mas um processo degradado como veio a ser o nazi-fascismo, a contrarrevolução imperialista com métodos de genocídio, era impensável.

São inesquecíveis, para os que as leram, sejam ou não socialistas, as páginas em que explica n’O 18 do Brumário de Luiz Bonaparte, com horror, as monstruosidades do regime da contrarrevolução bonapartista na França, depois da derrota de 1848. Mas o bonapartismo do século XIX não pode ser, nem remotamente, comparado ao horror da contrarrevolução no século XX. O mesmo, possivelmente, se possa dizer até para Lênin que, contudo, vinha de um país onde os pogroms eram frequentes. Se não se surpreendeu com a decretação da Primeira Guerra Mundial pelos imperialismos modernos, e os seus dez milhões de mortos, tampouco conheceu os grotescos desfiles e marchas nazifascistas, ou o horror dos campos de extermínio do holocausto como método e política de Estado.

A derrota do nazi-fascismo esteve entre as vitórias mais extraordinárias da luta dos trabalhadores e dos povos no século XX. A Segunda Guerra Mundial foi a mais importante e extraordinária guerra revolucionária da história. O seu desenlace definiu a segunda metade do século. De um ponto de vista marxista, não pode ser resumida a uma disputa inter-imperialista pela hegemonia no mundo ou pelo controle do mercado mundial. Um enfoque essencialmente economicista para explicá-la, simplifica as diferenças entre os bloques em luta e ignora o lugar do nazi-fascismo.

Não só em função da invasão alemã da URSS em 1941, e a ameaça de restauração capitalista e colonização que ela preparava, o que já por si a diferenciaria, qualitativamente, da Primeira Guerra Mundial, em função do genocídio da limpeza étnica judia. Pela primeira vez na história, verificou-se um combate implacável entre potências imperialistas em torno a dois regimes políticos. De um lado, o regime mais avançado conquistado pela civilização, à exceção do regime de Outubro nos seus inícios, a democracia republicana burguesa, e de outro lado, o mais degenerado, o fascismo.

O mais aberrante e regressivo, porque seu projeto político ia muito além do esmagamento da revolução operária na Alemanha: o novo Reich exigia a escravização de povos inteiros, como os eslavos, e o genocídio de outros, como os judeus e os ciganos, além da repugnante homofobia transformada em política de repressão do Estado.

Javier Milei tem que ser derrotado.

*Valério Arcary é professorde história aposentado do IFSP. Autor, entre outros livros, de Ninguém disse que seria fácil (Boitempo) (https://amzn.to/3OWSRAc).


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • Sobre a ignorância artificialEugenio Bucci 15/06/2024 Por EUGÊNIO BUCCI: Hoje, a ignorância não é uma casa inabitada, desprovida de ideias, mas uma edificação repleta de baboseiras desarticuladas, uma gosma de densidade pesada que ocupa todos os espaços
  • Franz Kafka, espírito libertárioFranz Kafka, espírito libertário 13/06/2024 Por MICHAEL LÖWY: Notas por ocasião do centenário da morte do escritor tcheco
  • A sociedade da história mortasala de aula parecida com a da história usp 16/06/2024 Por ANTONIO SIMPLICIO DE ALMEIDA NETO: A disciplina de história foi inserida numa área genérica chamada de Ciências Humanas e Sociais Aplicadas e, por fim, desapareceu no ralo curricular
  • Fortalecer o PROIFESsala de aula 54mf 15/06/2024 Por GIL VICENTE REIS DE FIGUEIREDO: A tentativa de cancelar o PROIFES e, ao mesmo tempo, fechar os olhos para os erros da direção da ANDES é um desserviço à construção de um novo cenário de representação
  • Carta ao presidenteLula 59mk,g 18/06/2024 Por FRANCISCO ALVES, JOÃO DOS REIS SILVA JÚNIOR & VALDEMAR SGUISSARDI: “Concordamos plenamente com V. Exa. quando afirma e reafirma que ‘Educação é investimento, não é gasto’”
  • A armadilha de Volodymyr Zelenskystar wars 15/06/2024 Por HUGO DIONÍSIO: Quer Zelensky consiga o seu copo cheio – a entrada dos EUA na guerra – ou seu copo meio cheio – a entrada da Europa na guerra –, qualquer das soluções é devastadora para as nossas vidas
  • A PEC-65: independência ou patrimonialismo no Banco Central?campos neto cavalo de troia 17/06/2024 Por PEDRO PAULO ZAHLUTH BASTOS: O que Roberto Campos Neto propõe é a emenda constitucional do almoço grátis para a futura elite do Banco Central
  • Introdução a “O capital” de Karl Marxcultura vermelho triangular 02/06/2024 Por ELEUTÉRIO F. S. PRADO: Comentário sobre o livro de Michael Heinrich
  • Hélio Pellegrino, 100 anosHelio Pellegrino 14/06/2024 Por FERNANDA CANAVÊZ & FERNANDA PACHECO-FERREIRA: Na vasta elaboração do psicanalista e escritor, ainda há um aspecto pouco explorado: a luta de classes na psicanálise
  • O melancólico fim do Estadãocarros abandonados 17/06/2024 Por JULIAN RODRIGUES: Péssima notícia: o quase sesquicentenário diário paulista ( e melhor jornal brasileiro) definha aceleradamente

AUTORES

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES