PCO e a extrema direita

Imagem: Mariano Ruffa
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por FRANCISCO FERNANDES LADEIRA*

O PCO é um partido político cujo objetivo não é necessariamente eleitoral, mas servir aos interesses particulares de seu presidente Rui Costa Pimenta

“O único candidato capaz de derrotar o Lula é Jair Bolsonaro, por isso a perseguição”. A frase que abre este artigo foi compartilhada por Jair Bolsonaro em suas redes sociais. A princípio, poderia ser mais um dos devaneios do ex-presidente inelegível se não fosse um detalhe que chamou a atenção. A frase – que insinua uma suposta perseguição do “sistema” a Jair Bolsonaro para favorecer Lula – foi dita por Rui Costa Pimenta, presidente do Partido da Causa Operária (PCO), organização classificada por muitos como “extrema esquerda”.

No entanto, quem acompanha o cenário político nacional dos anos últimos não se surpreendeu. Trata-se de mais uma etapa da estratégia discursiva do PCO para atrair o público de extrema direita. Ao que tudo indica, foi muito bem-sucedida, haja vista a repercussão positiva da fala de Rui Costa Pimenta entre a bolha bolsonarista.

Isso não significa compactuar com a chamada “teoria da ferradura”, que parte do falacioso argumento de que extrema esquerda e extrema direita seriam opostos de um espectro político linear e contínuo que se aproxima, da mesma forma que o fim de uma ferradura.

Para entender o porquê do (aparentemente paradoxal) interesse do PCO no público do espectro ideológico oposto é importante tecer algumas palavras sobre o modus operandi dessa organização partidária.

Como bem pontuaram Pedro Zambarda e Kiko Nogueira, em live do Diário do Centro do Mundo (DCM), o PCO é um partido político cujo objetivo não é necessariamente eleitoral, mas servir aos interesses particulares de seu presidente Rui Costa Pimenta. Não por acaso, praticamente toda a família de Pimenta ocupa cargos na direção partidária.

Caso se tratasse de uma empresa, não haveria problema algum em empregar parentes, mas o PCO é um partido político que, como tal, recebe recursos públicos (Fundo Eleitoral). Portanto, as contas do partido, em boa medida pagas por todos nós, são de interesse nacional.

Em quase três décadas de existência, o PCO só elegeu um vereador (em uma aliança com a direita, no estado do Amazonas, que os membros do partido fazem questão de ocultar). Ao que tudo indica, o PCO não prioriza as vitórias eleitorais de seus quadros, pois não são raras as candidaturas indeferidas (por motivos banais, como falta de documentos) ou entrega de materiais de campanha para os candidatos somente após os processos eleitorais. “Não entramos nas eleições para vencer, mas para denunciá-las”, diz um dos mantras dos candidatos do PCO. Pura cortina de fumaça para esconder as reais intenções do partido.

Além do Fundo Eleitoral, o PCO obtém recursos financeiros por meio de rifas virtuais, financiamentos coletivos, superchats em canal do YouTube e nas vendas de jornais impressos, revistas e outros produtos em sua loja virtual. Portanto, para os propósitos do PCO, “consumidores” e “engajamento digital” são mais importantes do que “eleitores” e “votos”.

Diante disso, não é por acaso que boa parte dos discursos do PCO se alinha às bandeiras bolsonaristas (cujos adeptos atuam bastante nas redes sociais). Entre as últimas polêmicas do partido estão a campanha pelo voto impresso, a postura negacionista frente à pandemia da Covid-19, a negação de que o 8 de janeiro foi uma tentativa de golpe e a defesa de figuras ligadas ao pensando conservador, como Monark, Maurício Souza, Daniel Silveira, Allan dos Santos, Robinho e Daniel Alves. Nesse flerte com a extrema direita, também foram notórias as participações de Rui Costa Pimenta no Flow Podcast, no canal Arte da Guerra e no programa Pânico, da Jovem Pan.

Outra estratégia do PCO para obter maior engajamento digital (e consequentemente angariar mais potenciais “consumidores”) são as matérias com títulos sensacionalistas publicadas no jornal digital do partido (Diário Causa Operária). Alguns exemplos são categóricos: “Talibã faz mais pelas mulheres do que as feministas histéricas”, “Obrigado, Trump”, “Como as palhaçadas de Boulos levaram ao 7×1 contra a Alemanha”, “Vacina obrigatória: um devaneio autoritário e fascista do STF” e “Luta da mulher não pode ser usada como aríete contra direitos” (sobre a condenação do ex-jogador Robinho por estupro).

Desse modo, o PCO está frequentemente em evidência, sendo alvo de críticas da esquerda por seu “fogo amigo” e recebendo rasgados elogios de bolsonaristas. Maior engajamento digital, maior possibilidade de lucro.  Parafraseando um conhecido programa televisivo: “pequeno partido, grandes negócios”.

*Francisco Fernandes Ladeira é doutorando em geografia na Unicamp. Autor, entre outros livros, de A ideologia dos noticiários internacionais (CRV). [https://amzn.to/49F468W]


Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
José Machado Moita Neto Vladimir Safatle Atilio A. Boron Eugênio Trivinho Luis Felipe Miguel Luiz Marques Daniel Costa João Paulo Ayub Fonseca Elias Jabbour Manchetômetro Jean Pierre Chauvin Luís Fernando Vitagliano Francisco Fernandes Ladeira Jean Marc Von Der Weid Ari Marcelo Solon Andrés del Río Alexandre de Freitas Barbosa Thomas Piketty Francisco Pereira de Farias Paulo Martins Tadeu Valadares Eliziário Andrade Sergio Amadeu da Silveira Luiz Roberto Alves Bruno Fabricio Alcebino da Silva Renato Dagnino Anderson Alves Esteves Tarso Genro João Carlos Loebens Antonio Martins Bruno Machado Daniel Afonso da Silva Eduardo Borges Luiz Bernardo Pericás Andrew Korybko Vanderlei Tenório Celso Favaretto Luciano Nascimento Everaldo de Oliveira Andrade Priscila Figueiredo Mariarosaria Fabris Igor Felippe Santos Salem Nasser Henri Acselrad Berenice Bento Bento Prado Jr. Carlos Tautz Valerio Arcary Lucas Fiaschetti Estevez Paulo Capel Narvai Gabriel Cohn Rodrigo de Faria Manuel Domingos Neto Dênis de Moraes Denilson Cordeiro Claudio Katz Yuri Martins-Fontes Fábio Konder Comparato Anselm Jappe Samuel Kilsztajn José Micaelson Lacerda Morais Walnice Nogueira Galvão João Carlos Salles João Lanari Bo Gerson Almeida José Luís Fiori Luiz Renato Martins André Singer Alexandre Aragão de Albuquerque Rubens Pinto Lyra João Feres Júnior Luiz Eduardo Soares Matheus Silveira de Souza Carla Teixeira Liszt Vieira Maria Rita Kehl Francisco de Oliveira Barros Júnior Plínio de Arruda Sampaio Jr. Flávio R. Kothe Annateresa Fabris Heraldo Campos Jorge Luiz Souto Maior Ricardo Musse Ronald León Núñez Armando Boito Antônio Sales Rios Neto José Dirceu Slavoj Žižek Alexandre de Lima Castro Tranjan Michael Löwy Otaviano Helene Marjorie C. Marona Luiz Werneck Vianna José Geraldo Couto Chico Whitaker Flávio Aguiar Ronald Rocha Afrânio Catani Marcus Ianoni Marcelo Módolo Marcelo Guimarães Lima André Márcio Neves Soares Dennis Oliveira Eleutério F. S. Prado Érico Andrade João Adolfo Hansen Daniel Brazil Lincoln Secco Tales Ab'Sáber Airton Paschoa Ronaldo Tadeu de Souza Boaventura de Sousa Santos Gilberto Lopes Eugênio Bucci Ricardo Antunes Rafael R. Ioris José Raimundo Trindade Bernardo Ricupero Chico Alencar Marilena Chauí Celso Frederico Paulo Fernandes Silveira Mário Maestri Benicio Viero Schmidt Leonardo Boff Remy José Fontana Juarez Guimarães Fernando Nogueira da Costa Ricardo Abramovay Ladislau Dowbor Jorge Branco Fernão Pessoa Ramos Eleonora Albano Michel Goulart da Silva Antonino Infranca Ricardo Fabbrini Leda Maria Paulani Alysson Leandro Mascaro Henry Burnett Luiz Carlos Bresser-Pereira Paulo Nogueira Batista Jr Julian Rodrigues Kátia Gerab Baggio Michael Roberts Leonardo Avritzer Sandra Bitencourt Gilberto Maringoni José Costa Júnior Osvaldo Coggiola Lorenzo Vitral Paulo Sérgio Pinheiro Vinício Carrilho Martinez Leonardo Sacramento Caio Bugiato Marcos Aurélio da Silva Milton Pinheiro Marilia Pacheco Fiorillo Valerio Arcary Marcos Silva João Sette Whitaker Ferreira

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada