A ceia de Jesus

Imagem: Ciro Saurius
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LEONARDO BOFF*

Nesta quinta-feira Santa vigora uma falta criminosa de comensalidade entre os humanos

A Quinta-feira Santa, a Ceia do Senhor, nos faz lembrar a comensalidade, negada aos milhões passando fome hoje no Brasil e no mundo, como consequência da intrusão do Covid-19. Notamos, infelizmente, uma ausência dolorosa de solidariedade face à multidão de esfomeados, impedindo o comer juntos (comensalidade).

Um dos méritos do MST consiste em ter se organizado em todos os seus assentamentos ao redor da ética da solidariedade entre seus membros e com os de fora. Estão exemplarmente repartindo o que têm com alimentos agro-ecológicos e com muitas marmitas distribuídas a milhares de famílias nas periferias de nossas cidades. Permitem a realização de um dos mais ancestrais sonhos da humanidade: a comensalidade, vale dizer, todos podendo comer e comer juntos, sentados ao redor de alguma mesa e desfrutando da convivência e dos frutos da generosa Mãe Terra.

Os alimentos são mais que coisas materiais. São sacramentos e símbolos da generosidade da Mãe Terra que tudo nos dá, junto com o  trabalho humano. Não se trata de nutrição mas de comunhão com a natureza e com os outros com quem repartimos o pão. No contexto da mesa comum, o alimento é apreciado e feito objeto de comentários. A maior alegria das cozinheiras é perceber a satisfação dos comensais. Gesto importante na mesa é servir ou passar a comida ao outro. O comportamento civilizado faz com que todos se sirvam, zelando para que a comida chegue suficiente a todos.

A cultura contemporânea modificou de tal forma a lógica do tempo cotidiano em função do trabalho e da produtividade que enfraqueceu a referência simbólica da mesa. Ela foi reservada para os domingos ou para os momentos especiais de festa ou de aniversário quando os familiares se encontram. Mas, via de regra, deixou de ser o ponto de convergência permanente da família.

A mesa familiar foi substituída por outras mesas, absolutamente dessacralizadas: mesa de negociação, mesa de jogos, mesa de discussão e de debate, mesa de câmbio e mesa de concertação de interesses entre outras. Mesmo dessacralizadas, estas várias mesas guardam uma referência inapagável: são lugar de encontro de pessoas, pouco importa os interesses que as levam a sentarem-se à mesa. Estar à mesa para a troca, negociação, concertação e definição de soluções que agradem as partes envolvidas. Ou também abandonar a mesa pode significar o fracasso da negociação e o reconhecimento do conflito de interesses.

Não obstante essa difícil dialética, importa reservar tempos para a mesa em seu sentido pleno de convivência e a satisfação de poder comer juntos. Ela é uma das fontes perenes de refazimento de nossa essência como seres de relação. Como isso é negado hoje aos pobres e famintos!

Resgatemos um pouco a memória da comensalidade presente em todas as culturas e realizada por Jesus na Última Ceia com seus apóstolos.

Comecemos pela cultura judaico-cristã pois nos é mais familiar. Ai há uma categoria central – a do Reino de Deus, conteúdo primeiro da mensagem de Jesus – que  vem representada por um banquete para o qual todos são convidados.

Todos, independentemente de sua situação moral, se sentam à mesa e são feitos comensais. Conta o Mestre: “O Reino dos céus é semelhante a um rei que preparou um banquete para o casamento de seu filho. Enviou os criados para chamar os convidados e lhes disse: ide às encruzilhadas dos caminhos e chamai a todos os que encontrardes para a festa. Saíram os criados pelos caminhos e reuniram todos os que encontraram, maus e bons e a sala ficou cheia de convidados” (Mt 22,2-3;9-10).

Outra memória nos vem do Oriente. Nela o comer juntos, solidários uns com os outros, representa a suprema realização humana, chamada de céu. O inverso, a vontade de comer, mas egoisticamente, cada um para si, realiza a suprema frustração humana, chamada de inferno. Conta a lenda: “Um discípulo perguntou ao Vidente:

-Mestre, qual é a diferença entre o céu, a comensalidade entre todos e o seu contrário? O Vidente respondeu: – Ela é muito pequena mas com graves consequências. Vi comensais sentados à mesa onde havia um monte muito grande de arroz. Todos estavam famintos, quase a morrer de fome. Todos tentavam mas não conseguiam se aproximar do arroz. Com seus longos palitos de mais de um metro de comprimento procuravam levar o arroz à própria boca, individualmente. Por mais que se esforçassem, não o conseguiam porque os palitos eram longos demais. E assim famintos e solitários permaneciam definhanho por causa de uma fome insaciável e sem fim. Isso era o inferno, a negação de toda comensalidade.

– Vi outro cenário maravilhoso, disse o Vidente.  Pessoas sentadas à mesa ao redor de um monte de arroz fumegante. Todos estavam famintos. Mas coisa maravilhosa! Cada um apanhava o arroz e o levava à boca do outro. Serviam-se mutuamente numa imensa cordialidade. Juntos e solidários. Todos saciavam uns aos outros. Sentiam-se como irmãos e irmãs na grande mesa do Tao. E isso era o céu, a plena comensalidade dos filhos e filhas da Terra”.

Essa parábola dispensa qualquer comentário.  Lamentavelmente hoje, em tempos de Covid-19 grande parte da humanidade está faminta e desesperada porque são pouquíssimos aqueles que lhes estendem os palitos para que se saciem mutuamente com os alimentos abundantes da mesa da Terra. Os ricos se apropriam privadamente deles e comem sozinhos sem olhar quem está excluido. Vigora uma falta criminosa de comensalidade entre os humanos. Por isso somos tão carentes de humanidade. Mas o isolamento social nos cria a oportunidade de revermos nossas práticas individualistas e descobrir a fraternidade sem fronteiras e a comensalidade: todos poderem comer e comer juntos.

*Leonardo Boff é teólogo e filósofo. Autor, entre outros livros, de Comer e beber juntos e viver em paz (Vozes).

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Alysson Leandro Mascaro Marilia Pacheco Fiorillo Andrew Korybko Elias Jabbour José Costa Júnior Yuri Martins-Fontes Manchetômetro Daniel Brazil Berenice Bento Fábio Konder Comparato Marilena Chauí Michael Löwy Paulo Nogueira Batista Jr Slavoj Žižek Everaldo de Oliveira Andrade Leonardo Sacramento Remy José Fontana José Luís Fiori Jorge Luiz Souto Maior Marcos Silva Thomas Piketty Jean Pierre Chauvin Lucas Fiaschetti Estevez Ricardo Musse Sandra Bitencourt Paulo Martins Benicio Viero Schmidt Antônio Sales Rios Neto André Singer Marcus Ianoni Antonino Infranca Eliziário Andrade Dênis de Moraes Igor Felippe Santos Afrânio Catani Chico Alencar Leonardo Avritzer Ladislau Dowbor Fernando Nogueira da Costa José Raimundo Trindade Paulo Capel Narvai Tadeu Valadares Flávio R. Kothe Vanderlei Tenório Liszt Vieira Boaventura de Sousa Santos Lincoln Secco Henry Burnett Atilio A. Boron Caio Bugiato Daniel Afonso da Silva Eleutério F. S. Prado Lorenzo Vitral Ricardo Fabbrini Alexandre Aragão de Albuquerque Manuel Domingos Neto Luiz Eduardo Soares José Machado Moita Neto Paulo Sérgio Pinheiro Bruno Machado Samuel Kilsztajn Luciano Nascimento Matheus Silveira de Souza Juarez Guimarães Tarso Genro Claudio Katz Francisco de Oliveira Barros Júnior João Carlos Loebens Luiz Marques Marcelo Guimarães Lima Ricardo Antunes Salem Nasser André Márcio Neves Soares Osvaldo Coggiola Luís Fernando Vitagliano Walnice Nogueira Galvão João Adolfo Hansen Érico Andrade Andrés del Río Priscila Figueiredo Sergio Amadeu da Silveira José Micaelson Lacerda Morais Gabriel Cohn Eleonora Albano Daniel Costa Plínio de Arruda Sampaio Jr. João Lanari Bo Vinício Carrilho Martinez Jorge Branco José Geraldo Couto Luiz Roberto Alves Ronald Rocha Luiz Carlos Bresser-Pereira Rubens Pinto Lyra Celso Favaretto Michael Roberts Denilson Cordeiro Marcos Aurélio da Silva Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Paulo Fernandes Silveira Carla Teixeira Jean Marc Von Der Weid Francisco Pereira de Farias Bento Prado Jr. Luis Felipe Miguel Milton Pinheiro Airton Paschoa Eugênio Trivinho Maria Rita Kehl João Paulo Ayub Fonseca Armando Boito Henri Acselrad Michel Goulart da Silva Ronaldo Tadeu de Souza Ricardo Abramovay Alexandre de Lima Castro Tranjan Gilberto Lopes Luiz Renato Martins Kátia Gerab Baggio Valerio Arcary Rafael R. Ioris Heraldo Campos José Dirceu Antonio Martins Valerio Arcary Alexandre de Freitas Barbosa Mário Maestri Eduardo Borges Luiz Bernardo Pericás Marjorie C. Marona Ari Marcelo Solon Celso Frederico Fernão Pessoa Ramos Rodrigo de Faria Leda Maria Paulani Eugênio Bucci Chico Whitaker Gilberto Maringoni Julian Rodrigues Luiz Werneck Vianna João Sette Whitaker Ferreira Anselm Jappe Marcelo Módolo Leonardo Boff Vladimir Safatle Ronald León Núñez Annateresa Fabris Otaviano Helene Tales Ab'Sáber João Carlos Salles Renato Dagnino Flávio Aguiar Mariarosaria Fabris Francisco Fernandes Ladeira Gerson Almeida Dennis Oliveira João Feres Júnior Bruno Fabricio Alcebino da Silva Bernardo Ricupero Carlos Tautz

NOVAS PUBLICAÇÕES