A lava previsível

Imagem: Lara Mantoanelli
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por EUGÊNIO TRIVINHO

A irrupção histórica da nova escumalha política no tecido superior do Estado joga o débito da ruína no colo das elites conservadoras

Para Angela Pintor dos Reis

“O que Hannah Arendt denomina o mal absoluto, eu prefiro chamar o monstruoso. O anthrôpos cria o sublime, mas é capaz de criar, igualmente, a monstruosidade” (Cornelius Castoriadis, Os destinos do totalitarismo).

A tribalização bolsonarista da política (isto é, uma certa relação autoritária com a disputa de poderes no perímetro do Estado) e a dramática escalada pandêmica no país (mais precisamente, uma certa relação negacionista e antiocidental para com essa tragédia humanitária) permitiram conhecer um pouco mais das franjas sombrias da alma do povo brasileiro.

Para quem tirocínio de dedução é método, o porão neofascista re-emergente no início deste século sempre esteve às escâncaras, sempre variou sinonímias e matizes, ora na legalidade forjada, ora com vergonha arredia, desde o ido assaque a caules de Caesalpinia echinata, atual Paubrasilia echinata, conhecido pau-brasil. Por mais enrustidos os sinais da escabrosidade, esse submundo nunca deixou de pleitear distribuição de cartas, desde o bote colonial a Pindorama.

O problema político e social mais recente é que magmas vulcânicos ressentidos e muitíssimo ignaros na afobação incontinente acabaram por se avultar na crosta institucional da sociedade; e, deslumbrados com a ribalta acesa na berlinda, controlam hoje – glamour a rostos – o baralho vandálico na mesa do absurdo como normalidade.

Constata-se agora o quanto essa lava áspera e ingrata, tão intratável quanto infame, e totalmente deseducada para a democracia (como para a civilização, desprezadas as maltas com clava e espingarda, empáfia colérica à frente, tosco peitoral de estufa), jamais poderia ter alcançado os estratos decisórios mais altos do Estado, especialmente a principal cadeira executiva da República. A infelicidade da pandemia ajudou a explicitar as vísceras desse magma: um conjunto abundante de intenções mentecaptas e insensíveis, cujo gangsterismo surpreende somente a percepção crédula e imprevidente.

De ecos longínquos – do Império à República –, o desserviço sistêmico de tantas elites políticas conservadoras e reacionárias, através de sucessivas formas de administração reprodutoras de desigualdades extremas, está criminosamente implicado na lactação recorrente e na irrupção dessa efeméride histórica. O futuro da inteligência haverá certamente de enquadrar a lava nos peculiares alfarrábios da incivilidade. Mais de três séculos de investimento insuficiente e (quase) contínuo em educação,1 sem gerenciamento de qualidade, eficácia e resultado, um dia arranja efeito macroestrutural e unificado com dedo miliciano em riste – fogo embainhado, pavio aceso – no rosto rubro da indiferença cínica e da ingenuidade simulada, atributos da mentalidade tecnocrática de cúpula. Esse esforço orçamentário estruturalmente desorganizado ou incompleto, sempre desproporcional ao tamanho geopolítico do país – longe do que advogaram Fernando de Azevedo, Anísio Teixeira, Paulo Freire e Darcy Ribeiro, entre outros2 –, quando combinado com altas taxas de desemprego e segregação populacional, mostra efeito explosivo, cobrando alto preço coletivo, para além dos redutos elitizados: no rastro de 2016 e 2018, a administração negacionista e desastrada da pandemia, mais de 300 mil mortes depois, faz o Brasil expiar o opróbrio do mundo.

No ímpeto insolente de repeteco de décadas militares, a escumalha orgulhosa – interclasses – e com representativo bufão no Palácio do Planalto, expande raízes neofascistas: ruminando obsessivamente golpe de perpetuação – golpe de Defesa, golpe de Sítio, autogolpe militarizado ou consortes –, lança atropelos à disputa presidencial em curso.

Para redimir-se de culpas, as elites políticas conservadoras, que apoiaram o neofascismo bolsonarista e hoje pretendem limpar-se dele, quererão varrer a escabrosidade (esta agrura profunda que as açodou pelas laterais e agora estagia no jardim da frente) para o antro blindado dos tabus, embaixo de tapetes com palidez risonha, na sala de estar.

Pedem à decência que esqueça o que vê e deduz. Incondicional, ela desobedece à iniquidade. Sua indisciplina legítima assevera que a conta política, econômica e moral da reconstrução do que poucos anos já derruíram está sendo jogada no colo dos próprios nepotistas e fisiologistas do conservadorismo instituído, com projeção ao longo do século. Os movimentos sociais de centro-esquerda jamais olvidarão a paternidade dessa devastação tantas vezes anunciada. Estimativa histórica otimista alerta que mesmo um investimento triplicado e sistemático em estrutura e trabalho irreversível em todos os níveis educacionais, por mais de cinco décadas, será insuficiente – e isto guardando-se a proporção da devida suspeita: neofascistas, supremacistas e quejandos – de indivíduos a grupos e empresas – raramente se convencem, com autenticidade e honestidade, do valor universal da democracia e de seus efeitos benéficos para o desenvolvimento do indivíduos e das relações sociais. Para sabotá-la, cultivam, no seio da mentalidade de direita, um álibi quixotesco e pueril: a necessidade de defesa fetichista contra o “comunismo imaginário”, supostamente abolidor de todas as diferenças (materiais e simbólicas). Num expediente retórico puído, atribuem, primeiro, a essa quimera a culpa pela ameaça geral às instituições (da “ordem” e do “progresso”) e, na sequência, utilizam-na para justificar o próprio fechamento do tempo.

Raras vezes o óbvio merece explicitação, como no caso: a vergonha histórica do mencionado passivo na educação jamais será das classes populares, vulneráveis, segredadas, periféricas e/ou desfavorecidas – as classes majoritárias tornadas “serviçais” e legalmente obrigadas (independentemente de inclinações voluntárias circunstanciais e imprevistas). Nenhum estratagema discursivo hegemônico esconde o rombo e seus espirros. Eles alcançam, também responsabilizando, a ambiguidade conveniente e até hoje insolúvel das classes médias brasileiras.

A bem dos rigores, no bojo de esperanças nulas, o melhor exemplo que as elites conservadoras dariam – e, obviamente, jamais o farão – seria não somente vazar da berlinda, mas também abandonar a cena nacional por bom tempo, a passo silente, para evitar vaias aos quatro cantos. Patentear o brio dos rigores faz, ao menos, mais que expor o nutritivo osso que tais elites e arredores não largam: mantém a agulha do que é justo na ferida principal, em liame com a posteridade.

*Eugênio Trivinho é professor do Programa de Estudos Pós-Graduados em Comunicação e Semiótica da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP).

Notas


1- A relevante exceção nesse aspecto abarca a política orçamentária de governos progressistas. O período de 2002 a 2015, em que a aliança de poder liderada pelo Partido dos Trabalhadores (PT) administrava o país, foi o que mais observou investimento em educação no Brasil. Detalhes estatísticos internacionais e comparativos podem ser vistos, por exemplo, nos relatórios Education at a glance de 2017 a 2019, da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anisio Teixeira (INEP), órgão do Ministério da Educação, provê acesso aos arquivos (em inglês e português), em http://inep.gov.br/education-at-a-glance.

2 – O ensejo, acossado por tantas incertezas rudes, reclama urgência: vale citar, para divulgação necessária, os tomos respectivos da Coleção Educadores, concebida e financiada pelo Ministério da Educação (quando o órgão era recinto respeitado e qualificador do ramo), em parceria com a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) e a Fundação Joaquim Nabuco:

BEISIEGEL, Celso de Rui. Paulo Freire. Recife: Fundação Joaquim Nabuco; Massangana, 2010.

NUNES, Clarice. Anísio Teixeira. Recife: Fundação Joaquim Nabuco; Massangana, 2010.

GOMES, Candido Alberto. Darcy Ribeiro. Recife: Fundação Joaquim Nabuco; Massangana, 2010.

PENNA, Maria Luiza. Fernando de Azevedo. Recife: Fundação Joaquim Nabuco; Massangana, 2010.

Os mais de 60 volumes da Coleção Educadores, incluindo os acima, estão disponíveis em http://www.dominiopublico.gov.br/pesquisa/ResultadoPesquisaObraForm.do.

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Igor Felippe Santos Andrés del Río Carlos Tautz Maria Rita Kehl Marjorie C. Marona Eleutério F. S. Prado Ronald Rocha André Singer Vladimir Safatle Anderson Alves Esteves José Dirceu Chico Alencar Gabriel Cohn Eleonora Albano Leonardo Boff Michel Goulart da Silva Lorenzo Vitral José Machado Moita Neto Rodrigo de Faria Sandra Bitencourt Bruno Machado Ricardo Musse Claudio Katz Milton Pinheiro Tarso Genro Paulo Martins Chico Whitaker Paulo Fernandes Silveira Walnice Nogueira Galvão Daniel Brazil Leda Maria Paulani Bento Prado Jr. Mário Maestri Everaldo de Oliveira Andrade Tales Ab'Sáber Bernardo Ricupero Matheus Silveira de Souza Flávio R. Kothe Liszt Vieira Marilena Chauí Eugênio Trivinho João Feres Júnior Thomas Piketty Antônio Sales Rios Neto Alexandre de Lima Castro Tranjan Elias Jabbour José Raimundo Trindade Annateresa Fabris Gilberto Lopes José Luís Fiori Luiz Bernardo Pericás João Carlos Salles André Márcio Neves Soares Luís Fernando Vitagliano Daniel Costa Manuel Domingos Neto Eliziário Andrade Renato Dagnino Ricardo Fabbrini Marcus Ianoni Leonardo Avritzer Bruno Fabricio Alcebino da Silva Alexandre Aragão de Albuquerque Michael Roberts Henry Burnett Jean Pierre Chauvin Caio Bugiato Fábio Konder Comparato Otaviano Helene Ladislau Dowbor Luiz Roberto Alves Francisco de Oliveira Barros Júnior Andrew Korybko Luiz Carlos Bresser-Pereira Rubens Pinto Lyra Luciano Nascimento Ronaldo Tadeu de Souza Antonino Infranca Gerson Almeida Tadeu Valadares Slavoj Žižek Berenice Bento Paulo Capel Narvai Francisco Fernandes Ladeira João Lanari Bo Gilberto Maringoni Armando Boito Celso Frederico Jean Marc Von Der Weid Marcelo Guimarães Lima Leonardo Sacramento Alysson Leandro Mascaro Valerio Arcary Luis Felipe Miguel Paulo Sérgio Pinheiro Osvaldo Coggiola Airton Paschoa João Sette Whitaker Ferreira João Paulo Ayub Fonseca Manchetômetro João Adolfo Hansen Luiz Renato Martins Michael Löwy Francisco Pereira de Farias Luiz Eduardo Soares Luiz Werneck Vianna Vanderlei Tenório Ronald León Núñez Denilson Cordeiro Afrânio Catani Benicio Viero Schmidt Dênis de Moraes Julian Rodrigues Henri Acselrad Heraldo Campos Lincoln Secco Carla Teixeira Ricardo Abramovay Alexandre de Freitas Barbosa José Geraldo Couto Valerio Arcary Eugênio Bucci Salem Nasser Rafael R. Ioris Boaventura de Sousa Santos José Micaelson Lacerda Morais Plínio de Arruda Sampaio Jr. Eduardo Borges Ari Marcelo Solon Daniel Afonso da Silva Lucas Fiaschetti Estevez Marcos Silva Priscila Figueiredo Érico Andrade Luiz Marques Fernão Pessoa Ramos Jorge Branco Marcelo Módolo José Costa Júnior Yuri Martins-Fontes Dennis Oliveira Flávio Aguiar Anselm Jappe Marcos Aurélio da Silva Remy José Fontana Antonio Martins Juarez Guimarães Sergio Amadeu da Silveira Celso Favaretto Marilia Pacheco Fiorillo Fernando Nogueira da Costa Vinício Carrilho Martinez Jorge Luiz Souto Maior Ricardo Antunes Atilio A. Boron Kátia Gerab Baggio Mariarosaria Fabris João Carlos Loebens Paulo Nogueira Batista Jr Samuel Kilsztajn

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada