As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

O futuro da pandemia

Marina Gusmão, Cobra doce
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JUDITH BUTLER*

Apesar da afirmação da interdependência, torna-se patente que o mundo compartilhado não é igualmente partilhado.

Independentemente de como assimilamos esta pandemia, nós a compreendemos como global; ela deixa claro o fato de que estamos implicados em um mundo compartilhado. A capacidade de criaturas humanas vivas de afetar umas às outras é, por vezes, uma questão de vida ou morte. Como são muitos os recursos partilhados de forma desigual, e muitos também são aqueles que possuem apenas uma pequena ou extinta fração do mundo, não podemos reconhecer a pandemia como global sem enfrentar tais desigualdades.

Algumas pessoas trabalham para o mundo comum, fazem-no girar, mas são, por tal razão, parte dele. Podem lhes faltar as propriedades ou os documentos. Elas podem ser marginalizadas pelo racismo ou até mesmo ser desprezadas como lixo – aquelas que são pobres, negras, com dívidas impagáveis que bloqueiam o sentimento de um futuro aberto.

O mundo compartilhado não é igualmente partilhado. O filósofo francês Jacques Rancière se refere à “parte dos sem parte” – aqueles cuja participação no comum não é possível, nunca foi, ou não mais será. Afinal, não se pode possuir parcelas apenas de empresas e recursos, mas também de uma noção de comum, uma sensação de pertencer igualitariamente ao mundo, uma confiança de que ele está organizado para assegurar o florescimento de todos.

A pandemia iluminou e intensificou desigualdades raciais e econômicas ao mesmo tempo que aguçou os sentidos globais de nossas obrigações com os outros e com o planeta. Há um movimento com direção mundial, baseado em uma nova noção de mortalidade e interdependência. A experiência da finitude está associada a uma aguçada percepção das desigualdades: quem morre prematuramente e por quê? E para quem estão ausentes a infraestrutura ou a promessa social de continuidade da vida?

Essa percepção da interdependência do mundo, fortalecida por uma crise imunológica comum, desafia a concepção de nós mesmos como indivíduos isolados e encapsulados em corpos discretos, sujeitos a fronteiras estabelecidas. Quem negaria, nesta altura, que ser um corpo significa estar vinculado a outras criaturas vivas, às superfícies e aos elementos, incluindo o ar que pertence a ninguém e a todos?

Nestes tempos pandêmicos, ar, água, teto, roupas e o acesso à saúde são focos de angústia coletiva. Entretanto, todos eles já estavam ameaçados pelas mudanças climáticas. O fato de alguém viver ou não uma vida vivível não é uma mera questão existencial privada, mas uma questão econômica urgente, incitada pelas consequências de vida ou morte da desigualdade social: existem serviços de saúde, abrigos e água limpa suficientes para todos aqueles que têm direito a uma parte igual deste mundo? A questão se torna ainda mais urgente devido às condições de precariedade econômica agravadas pela pandemia – que expõe, também, a catástrofe climática em andamento como a ameaça à vida vivível que ela é.

Pandemia é, etimologicamente, pandemos: todas as pessoas ou, mais precisamente, as pessoas em todos os lugares, ou algo que se espalha sobre ou através das pessoas. O “demos” são todos, a despeito das barreiras legais que tentam separá-los. Uma pandemia, então, vincula todas as pessoas por meio dos potenciais de infecção e recuperação, sofrimento e esperança, imunidade e fatalidade. Nenhuma barreira impede a circulação do vírus enquanto os humanos circularem; nenhuma categoria social garante imunidade absoluta para todos aqueles que inclui.

“O político, em nosso tempo, deve partir do imperativo de reconstruir o mundo em comum”, argumenta o filósofo camaronês Achille Mbembe. Se consideramos a espoliação dos recursos planetários para o lucro empresarial, a privatização e a própria colonização como um projeto ou um empreendimento planetário, então faz sentido conceber um movimento que não nos envie de volta aos nossos egos e identidades, nossas vidas isoladas.

Tal movimento será, para Mbembe, “uma descolonização [que] é, por definição, um empreendimento planetário, uma abertura radical do e para o mundo, uma respiração profunda do mundo em oposição ao isolamento”. A oposição planetária à extração e ao racismo sistêmico deve, portanto, nos trazer de volta ao planeta, ou deixar que ele se torne, como que pela primeira vez, um lugar para uma “respiração profunda” – um desejo que todos hoje conhecemos.

No entanto, um mundo habitável para os humanos depende de um planeta florescente onde os humanos não estã no centro. A oposição às toxinas ambientais não acontece apenas para que possamos viver e respirar sem ter medo de nos envenenar mas, também, porque a água e o ar devem ter vidas que não estejam centradas na nossa.

Conforme desmontamos as formas rígidas de individualidade nestes tempos interconectados, podemos imaginar o papel menor que os mundos humanos devem desempenhar neste planeta Terra de cuja regeneração tanto dependemos – e que, por sua vez, depende de nosso menor e mais consciente papel.

*Judith Butler é professora de filosofia na University of California, Berkeley. Autora, entre outros livros de Vida precária: os poderes do luto e da violência (Autêntica).

Tradução: Daniel Pavan.

Publicado originalmente na revista TIME.

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
João Lanari Bo Francisco Pereira de Farias Heraldo Campos Rodrigo de Faria Priscila Figueiredo Eliziário Andrade Gabriel Cohn Caio Bugiato João Carlos Loebens Ricardo Musse Maria Rita Kehl Atilio A. Boron Remy José Fontana Bruno Machado Berenice Bento Tarso Genro Kátia Gerab Baggio Luiz Carlos Bresser-Pereira Ronald Rocha Dênis de Moraes Elias Jabbour José Machado Moita Neto Marcelo Módolo Samuel Kilsztajn Afrânio Catani Leonardo Boff Luiz Bernardo Pericás Antonino Infranca Henry Burnett Luciano Nascimento Luis Felipe Miguel Marilena Chauí José Costa Júnior Paulo Fernandes Silveira Bruno Fabricio Alcebino da Silva Antônio Sales Rios Neto Eugênio Trivinho Celso Frederico Chico Alencar Everaldo de Oliveira Andrade Antonio Martins Slavoj Žižek Michael Roberts Luiz Roberto Alves Eduardo Borges Julian Rodrigues Sergio Amadeu da Silveira Flávio Aguiar Paulo Capel Narvai Ricardo Fabbrini Alexandre de Lima Castro Tranjan José Geraldo Couto Mariarosaria Fabris Plínio de Arruda Sampaio Jr. Luiz Werneck Vianna Francisco Fernandes Ladeira Carla Teixeira Vladimir Safatle José Dirceu Roberto Bueno Manuel Domingos Neto Eleutério F. S. Prado Leonardo Avritzer Eleonora Albano Denilson Cordeiro Carlos Tautz Fernando Nogueira da Costa Vanderlei Tenório Marcos Silva Vinício Carrilho Martinez Roberto Noritomi André Márcio Neves Soares Valério Arcary Anselm Jappe Renato Dagnino Alexandre de Freitas Barbosa Valerio Arcary João Feres Júnior Daniel Brazil Luiz Marques Igor Felippe Santos Dennis Oliveira Salem Nasser Gilberto Maringoni Marilia Pacheco Fiorillo Luiz Renato Martins Alysson Leandro Mascaro Milton Pinheiro Leda Maria Paulani Sandra Bitencourt Jean Pierre Chauvin Luís Fernando Vitagliano Andrew Korybko Thomas Piketty Osvaldo Coggiola Eugênio Bucci Ronald León Núñez Benicio Viero Schmidt Manchetômetro Annateresa Fabris Henri Acselrad Paulo Martins Flávio R. Kothe Liszt Vieira João Adolfo Hansen Yuri Martins-Fontes Jorge Branco Marjorie C. Marona Walnice Nogueira Galvão André Singer João Paulo Ayub Fonseca Jean Marc Von Der Weid Rafael R. Ioris José Luís Fiori Lorenzo Vitral João Carlos Salles Jorge Luiz Souto Maior Alexandre Aragão de Albuquerque Fábio Konder Comparato Anderson Alves Esteves Ronaldo Tadeu de Souza Francisco de Oliveira Barros Júnior Ricardo Antunes Érico Andrade Boaventura de Sousa Santos Ladislau Dowbor Bernardo Ricupero Luiz Eduardo Soares Armando Boito Marcos Aurélio da Silva Claudio Katz Marcelo Guimarães Lima Celso Favaretto Lincoln Secco Tales Ab'Sáber Fernão Pessoa Ramos Ari Marcelo Solon Rubens Pinto Lyra Marcus Ianoni Daniel Costa Airton Paschoa José Micaelson Lacerda Morais Otaviano Helene Michael Löwy Gerson Almeida Juarez Guimarães Luiz Costa Lima José Raimundo Trindade Lucas Fiaschetti Estevez Ricardo Abramovay Daniel Afonso da Silva Bento Prado Jr. Mário Maestri Leonardo Sacramento Tadeu Valadares Gilberto Lopes Paulo Nogueira Batista Jr Paulo Sérgio Pinheiro João Sette Whitaker Ferreira Chico Whitaker

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada