América do Sul – onda cinza?

Imagem: Carolyn
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ANGELITA MATOS SOUZA*

As dificuldades dos governos progressistas os colocam distantes das aspirações da esquerda

Logo após a eleição do presidente Lula para o seu terceiro mandato, uma matéria no jornal O Globo declarava que a vitória consolidava a nova ‘onda rosa’ na América do Sul: estavam em mãos de governos de esquerda a Argentina, a Bolívia, o Peru, Chile, Colômbia e, finalmente, o Brasil, além de Honduras e México, fora da região. E muitos analistas escreveram o mesmo, havia no horizonte uma nova onda rosa.

Infelizmente, há indícios de que está virando uma “onda cinza”. No Peru, o presidente Pedro Castillo foi destituído antes mesmo da posse do presidente Lula. A situação na Argentina é tão crítica que não podemos desconsiderar a possibilidade de a eleição deste ano dar vitória a um fanfarrão. Na Bolívia, à crise econômica, marcada pela evasão de divisas, soma-se a disputa já estabelecida entre Luis Arce e Evo Morales, em torno de quem será o candidato do MAS (Movimento ao Socialismo) em 2026, o que divide o partido e, obviamente, favorece a direita.

Na Colômbia, o presidente Gustavo Petro, diante das dificuldades para governar em sentido reformista, fez uma reforma ministerial e anunciou que apostará na mobilização popular para se fortalecer. Se tiver êxito, servirá de exemplo para os governos progressistas na região. Por isso mesmo, a batalha tem tudo para ser dificílima.

No Chile, a reversão foi mais deprimente, pois depois das grandes mobilizações que clamavam por mudanças, e resultaram na eleição de Gabriel Boric para presidente, se esperava muito mais do país. No entanto, em 2022 houve a derrota em plebiscito do projeto de Constituição e a extrema direita venceu as eleições para o novo processo constituinte ocorridas neste mês.

Quase todas as análises que li responsabilizaram o descompasso entre o avanço das pautas por reconhecimento e a realidade ideológica chilena (conservadora). Carlos E. Martins, em artigo postado no site A Terra é Redonda chamou a atenção para um fato importante: a introdução do voto obrigatório teria ampliado a participação eleitoral das massas desorganizadas e despolitizadas, o que teria favorecido a direita. Em meio à difusão de fake news, o voto obrigatório parece que foi mesmo um equívoco. Ou seria sempre um equívoco? (Por aqui, por causa do fenômeno do lulismo, pode ser que não).

Por fim, em que pese a recuperação de prestígio internacional com a volta do presidente Lula ao poder, internamente a situação no Brasil é complicada. O Banco Central insiste em uma política de juros suicida; no Congresso, Arthur Lira faz os “Rodrigos” parecerem grandes republicanos: o presidente anterior, Rodrigo Maia, e o atual presidente do Senado, Rodrigo Pacheco.

Há ainda um conflito se desenhando entre o Ministério do Meio Ambiente (MMA) e a Petrobras, e se tem uma pessoa que o governo não deveria arriscar a perder é a Marina Silva. Atualmente, a Amazônia é a principal fonte de soft power para o governo (não mediar conflitos bélicos, ao que tudo indica, de longa duração) e a ministra contribui para tanto.

Em suma, nunca foi fácil, mas na primeira década deste século o milagre das commodities ajudou bastante. O que certamente não contribuiu para com o futuro (o agora), notadamente no caso brasileiro, foi a carência de um projeto de desenvolvimento (industrial), que visasse investimentos em setores econômicos novos ou mesmo no sentido da reindustrialização como objetivo principal.

O Brasil era o país em melhores condições para perseguir esse objetivo. As políticas de distribuição de renda foram importantes, inclusive para a vitória do presidente Lula em 2022, todavia, nos seus governos anteriores se poderia ter aproveitado melhor a fortuna, inclusive para travar uma “batalha ideológica” contra o neoliberalismo hegemônico. Esperemos que haja outra oportunidade, agora construída por nós. E fiquemos de olho na Colômbia

*Angelita Matos Souza é cientista política e professora no Instituto de Geociências e Ciências Exatas da Unesp.

Publicado originalmente no Jornal GGN.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • 40 anos sem Michel Foucaultveneza 13/07/2024 Por VINÍCIUS DUTRA: O que ainda permanece admirável na forma de Foucault de refletir é sua perspicácia em contestar ideias intuitivamente aceitas pela tradição crítica de pensamento
  • Que horas são no relógio de guerra da OTAN?José Luís Fiori 17/07/2024 Por JOSÉ LUÍS FIORI: Os ponteiros do “relógio da guerra mundial” estão se movendo de forma cada vez mais acelerada
  • A Unicamp na hora da verdadecultura artista palestina 13/07/2024 Por FRANCISCO FOOT HARDMAN: No próximo dia 6 de agosto o Conselho Universitário da Unicamp terá de deliberar se susta as atuais relações com uma das instituições empenhadas no massacre em Gaza
  • A disputa de Taiwan e a inovação tecnológica na ChinaChina Flag 20/07/2024 Por JOSÉ LUÍS FIORI: A China já é hoje a líder mundial em 37 das 44 tecnologias consideradas mais importantes para o desenvolvimento econômico e militar do futuro
  • Carta de Berlim — a guerra e o velho diaboFlávio Aguiar 2024 16/07/2024 Por FLÁVIO AGUIAR: Há um cheiro de queimado no ar de Berlim. E não há nenhum Wald (bosque) em chamas, apesar do calor estival. O cheiro de queimado vem mesmo da sede do governo Federal
  • A produção ensaística de Ailton Krenakcultura gotas transp 11/07/2024 Por FILIPE DE FREITAS GONÇALVES: Ao radicalizar sua crítica ao capitalismo, Krenak esquece de que o que está levando o mundo a seu fim é o sistema econômico e social em que vivemos e não nossa separação da natureza
  • A radicalidade da vida estéticacultura 04 20/07/2024 Por AMANDA DE ALMEIDA ROMÃO: O sentido da vida para Contardo Calligaris
  • Depois do neoliberalismoELEUTERIO2 18/07/2024 Por ELEUTÉRIO F. S. PRADO: A incapacidade de pensar o capitalismo como um sistema social formado por relações sociais estruturantes
  • Um ciclo interminávelpalestina rua gente 16/07/2024 Por BRUNO HUBERMAN: A esquerda sionista ataca a luta palestina por descolonização
  • Antígona na sala de aulalivros e leitura 17/07/2024 Por GABRIELA BRUSCHINI GRECCA: O tempo presente tem se mostrado cada vez mais essencial para retomarmos o contato com as tragédias gregas

PESQUISAR

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES