As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

América do Sul – onda cinza?

Imagem: Carolyn
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ANGELITA MATOS SOUZA*

As dificuldades dos governos progressistas os colocam distantes das aspirações da esquerda

Logo após a eleição do presidente Lula para o seu terceiro mandato, uma matéria no jornal O Globo declarava que a vitória consolidava a nova ‘onda rosa’ na América do Sul: estavam em mãos de governos de esquerda a Argentina, a Bolívia, o Peru, Chile, Colômbia e, finalmente, o Brasil, além de Honduras e México, fora da região. E muitos analistas escreveram o mesmo, havia no horizonte uma nova onda rosa.

Infelizmente, há indícios de que está virando uma “onda cinza”. No Peru, o presidente Pedro Castillo foi destituído antes mesmo da posse do presidente Lula. A situação na Argentina é tão crítica que não podemos desconsiderar a possibilidade de a eleição deste ano dar vitória a um fanfarrão. Na Bolívia, à crise econômica, marcada pela evasão de divisas, soma-se a disputa já estabelecida entre Luis Arce e Evo Morales, em torno de quem será o candidato do MAS (Movimento ao Socialismo) em 2026, o que divide o partido e, obviamente, favorece a direita.

Na Colômbia, o presidente Gustavo Petro, diante das dificuldades para governar em sentido reformista, fez uma reforma ministerial e anunciou que apostará na mobilização popular para se fortalecer. Se tiver êxito, servirá de exemplo para os governos progressistas na região. Por isso mesmo, a batalha tem tudo para ser dificílima.

No Chile, a reversão foi mais deprimente, pois depois das grandes mobilizações que clamavam por mudanças, e resultaram na eleição de Gabriel Boric para presidente, se esperava muito mais do país. No entanto, em 2022 houve a derrota em plebiscito do projeto de Constituição e a extrema direita venceu as eleições para o novo processo constituinte ocorridas neste mês.

Quase todas as análises que li responsabilizaram o descompasso entre o avanço das pautas por reconhecimento e a realidade ideológica chilena (conservadora). Carlos E. Martins, em artigo postado no site A Terra é Redonda chamou a atenção para um fato importante: a introdução do voto obrigatório teria ampliado a participação eleitoral das massas desorganizadas e despolitizadas, o que teria favorecido a direita. Em meio à difusão de fake news, o voto obrigatório parece que foi mesmo um equívoco. Ou seria sempre um equívoco? (Por aqui, por causa do fenômeno do lulismo, pode ser que não).

Por fim, em que pese a recuperação de prestígio internacional com a volta do presidente Lula ao poder, internamente a situação no Brasil é complicada. O Banco Central insiste em uma política de juros suicida; no Congresso, Arthur Lira faz os “Rodrigos” parecerem grandes republicanos: o presidente anterior, Rodrigo Maia, e o atual presidente do Senado, Rodrigo Pacheco.

Há ainda um conflito se desenhando entre o Ministério do Meio Ambiente (MMA) e a Petrobras, e se tem uma pessoa que o governo não deveria arriscar a perder é a Marina Silva. Atualmente, a Amazônia é a principal fonte de soft power para o governo (não mediar conflitos bélicos, ao que tudo indica, de longa duração) e a ministra contribui para tanto.

Em suma, nunca foi fácil, mas na primeira década deste século o milagre das commodities ajudou bastante. O que certamente não contribuiu para com o futuro (o agora), notadamente no caso brasileiro, foi a carência de um projeto de desenvolvimento (industrial), que visasse investimentos em setores econômicos novos ou mesmo no sentido da reindustrialização como objetivo principal.

O Brasil era o país em melhores condições para perseguir esse objetivo. As políticas de distribuição de renda foram importantes, inclusive para a vitória do presidente Lula em 2022, todavia, nos seus governos anteriores se poderia ter aproveitado melhor a fortuna, inclusive para travar uma “batalha ideológica” contra o neoliberalismo hegemônico. Esperemos que haja outra oportunidade, agora construída por nós. E fiquemos de olho na Colômbia

*Angelita Matos Souza é cientista política e professora no Instituto de Geociências e Ciências Exatas da Unesp.

Publicado originalmente no Jornal GGN.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Eugênio Trivinho Claudio Katz Jean Marc Von Der Weid Boaventura de Sousa Santos Sergio Amadeu da Silveira Ricardo Abramovay Jean Pierre Chauvin Ari Marcelo Solon Daniel Brazil Paulo Martins Annateresa Fabris Daniel Costa José Costa Júnior Paulo Fernandes Silveira José Geraldo Couto Elias Jabbour Priscila Figueiredo Atilio A. Boron Luiz Bernardo Pericás Dênis de Moraes Luís Fernando Vitagliano Fernão Pessoa Ramos Celso Favaretto Rodrigo de Faria Leonardo Sacramento Marcelo Módolo Bruno Fabricio Alcebino da Silva João Lanari Bo Mário Maestri Gerson Almeida Marilia Pacheco Fiorillo Francisco Pereira de Farias Henri Acselrad Ronald Rocha Slavoj Žižek João Carlos Salles Sandra Bitencourt André Márcio Neves Soares Dennis Oliveira Valério Arcary Flávio R. Kothe Osvaldo Coggiola Gilberto Maringoni João Paulo Ayub Fonseca Flávio Aguiar Salem Nasser Eleonora Albano Everaldo de Oliveira Andrade Ricardo Antunes Kátia Gerab Baggio Fernando Nogueira da Costa Vladimir Safatle Berenice Bento Ronaldo Tadeu de Souza Eliziário Andrade João Feres Júnior Roberto Noritomi Luiz Costa Lima José Dirceu Caio Bugiato Airton Paschoa Paulo Nogueira Batista Jr Luiz Marques Remy José Fontana Antonio Martins Rafael R. Ioris Mariarosaria Fabris Celso Frederico Gilberto Lopes Antônio Sales Rios Neto Eugênio Bucci Bento Prado Jr. Marilena Chauí Luiz Eduardo Soares Walnice Nogueira Galvão Otaviano Helene Marcus Ianoni José Machado Moita Neto Leonardo Avritzer José Raimundo Trindade Gabriel Cohn Maria Rita Kehl Jorge Branco Benicio Viero Schmidt Yuri Martins-Fontes Érico Andrade Chico Whitaker André Singer Bernardo Ricupero Leonardo Boff Renato Dagnino Michael Roberts Luciano Nascimento Antonino Infranca Armando Boito Tadeu Valadares Manuel Domingos Neto Vinício Carrilho Martinez Eduardo Borges Thomas Piketty Afrânio Catani Manchetômetro Samuel Kilsztajn Ronald León Núñez Michael Löwy Julian Rodrigues Lucas Fiaschetti Estevez Chico Alencar Marcos Silva Heraldo Campos Luiz Werneck Vianna Ricardo Fabbrini Marjorie C. Marona Francisco de Oliveira Barros Júnior Luis Felipe Miguel Ladislau Dowbor Paulo Capel Narvai Vanderlei Tenório Luiz Roberto Alves Ricardo Musse Roberto Bueno Alexandre de Lima Castro Tranjan Fábio Konder Comparato Daniel Afonso da Silva Paulo Sérgio Pinheiro Andrew Korybko Juarez Guimarães Henry Burnett Leda Maria Paulani Marcos Aurélio da Silva Carlos Tautz Liszt Vieira Carla Teixeira Igor Felippe Santos José Luís Fiori Luiz Carlos Bresser-Pereira Alysson Leandro Mascaro João Carlos Loebens Plínio de Arruda Sampaio Jr. João Sette Whitaker Ferreira Marcelo Guimarães Lima Anderson Alves Esteves Anselm Jappe Francisco Fernandes Ladeira João Adolfo Hansen Lincoln Secco Lorenzo Vitral Eleutério F. S. Prado Tarso Genro Valerio Arcary Alexandre Aragão de Albuquerque Milton Pinheiro Luiz Renato Martins José Micaelson Lacerda Morais Bruno Machado Denilson Cordeiro Alexandre de Freitas Barbosa Rubens Pinto Lyra Jorge Luiz Souto Maior Tales Ab'Sáber

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada