As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

As ameaças de guerra na Europa

Imagem: Alexander Zvir
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por EVERALDO DE OLIVEIRA ANDRADE*

A crise na Ucrânia não interessa às populações dos países envolvidos, exceto para governos buscarem uma via para superar, provisoriamente, uma crise profunda do próprio capitalismo

Os Estados Unidos, a OTAN, a União Europeia, entre outros, vem denunciando há várias semanas que a Rússia estaria se preparando para invadir a Ucrânia, tendo concentrado mais de cem mil soldados na fronteira comum. O governo russo e o presidente Putin afirmam o contrário, declarando que o perigo é que a Ucrânia passe a formar parte da aliança militar comandada pelos EUA.

Recordemos que a OTAN foi fundada a mais de 70 anos com o objetivo declarado de fazer frente à URSS. Se acreditamos nessa justificativa, a desagregação da URSS em dezembro de 1991 e a dissolução do pacto de Varsóvia neste mesmo ano tornavam obsoleta esta Aliança. Além disso, em 1990 a administração estadunidense presidida na época por George Bush pai pactuou com Gorbatchov que se esse não se opusesse à unificação da Alemanha então “nem a jurisdição nem as tropas da OTAN se estenderiam a territórios situados a leste da Aliança naquele momento”.

Acordo não cumprido por todas as administrações dos EUA, que compreenderam rapidamente a utilidade da OTAN, por um lado para controlar militarmente os países europeus e, por outro para  dar cobertura a todas as aventuras militares da administração estadunidense …por exemplo, os bombardeios na Iugoslávia e Líbia, a invasão durante mais de 20 anos do Afeganistão foram realizadas sob o guarda-chuvas da OTAN, quando, em princípio, o âmbito da OTAN estava limitado à Europa Ocidental e América do Norte, como seu nome indica, “Atlântico Norte”.

E mais, segundo o Tratado de Maastricht, artigo 17, que criou a União Europeia, esta instituição é solidaria com as ações militares da OTAN. E a atual exigência dos governos estadunidenses, incluído Obama, Trump e atualmente Biden aos governos europeus de participar em maior proporção nos gastos militares, tanto aumentando os orçamentos militares como enviando tropas, só corresponde aos interesses do Estado ianque.

 

A quem servem essas ameaças de guerra?

É um fato incontestável e que se verifica com o tempo.

Por um lado, a linguagem belicista de Biden tem uma relação direta com a própria crise nos Estados Unidos, a brutal crise econômica, o aumento da inflação, o déficit comercial (mais de 80 bilhões de dólares no mês de dezembro), a divisão que atravessam as instituições estadunidenses, a continuidade das medidas antissindicais e a opressão brutal às minorias, em particular a minoria negra. Nessa situação, Biden busca cerrar fileiras, em nome da “unidade da pátria” contra o inimigo exterior.

Convém recordar que Joe Biden foi eleito presidente após uma das maiores mobilizações eleitorais da história dos Estados Unidos, para fechar o caminho a Donald Trump, apoiando-se para isso na minoria negra e em promessas de ampliação dos seguros saúde que foram remanejados ou reduzidos a serviço de uma política militarista sob controle dos grandes grupos da indústria armamentista.

Também influi a necessidade dos EUA de vender sua produção de gás natural à Europa, aonde seu maior competidor é o gás russo.

O governo dos EUA ataca na Europa com os olhos na China. De fato, necessita ter os governos europeus submetidos para alinhá-los na guerra comercial contra a China. Guerra necessária para tentar reduzir seu déficit comercial, mas impossível de ganhar por sua dependência da economia chinesa, e pelos próprios interesses da quase totalidade das multinacionais estadunidenses que deslocalizaram sua produção para os países estrangeiros e, em particular para a China.

Por trás do conflito na Europa, em última instância, estão as contradições do mercado mundial capitalista que florescem.

 

Os povos europeus não querem a guerra

Esta é uma evidência. Nem o povo russo, nem o ucraniano, nem o alemão, nem os povos inglês, francês, espanhol e outros querem a guerra. Sabem que esta seria contrária à preservação ou conquista dos direitos sociais e democráticos. Sabem que esta seria utilizada para justificar novos ataques aos salários, às aposentadorias, às liberdades. Ataques que se sumariam aos que já sofrem todos com a desculpa da suposta luta contra a pandemia. Os cortes dos serviços públicos de saúde prosseguiram ao lado dos gigantescos lucros das indústrias farmacêuticas.

Mas isso não é tudo, nem sequer os governos europeus estão interessados na guerra. No é casual que o presidente Emannuel Macron e o chanceler Olaf Scholtz insistam em uma via de negociação. E não só porque a Alemanha, e boa parte da Europa, sejam dependentes do gás russo (e do carvão depois do recuo da energia nuclear, por supostos motivos ecológicos, pela “transição sustentável” …) senão porque se a guerra começa, as vítimas serão em sua maioria europeias, e os povos sem dúvida irão cobrar de seus respectivos governos.

E o povo russo é também mais que cético frente à política de Vladimir Putin. Este se apresenta como defensor dos russófonos da Ucrânia e das fronteiras de Rússia, mas, na realidade, para ele a guerra é uma ocasião para forçar a população a unir-se em torno de sua política, num momento em que multiplica suas ações repressivas e anti-operárias em todo o país. Hoje há inúmeros ativistas e militantes operários e democratas sendo perseguidos.

Opor-se a guerra concretamente é um caminho que choca com o conjunto das políticas que EUA, Rússia e demais governos europeus vassalos buscam como uma via para superar sempre provisoriamente uma crise profunda que é do próprio capitalismo.

*Everaldo de Oliveira Andrade é professor do Departamento de História da FFLCH-USP. Autor, entre outros livros, de Bolívia: democracia e revolução. A Comuna de La Paz de 1971 (Alameda).

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
José Luís Fiori Gilberto Lopes Vanderlei Tenório Ladislau Dowbor Leonardo Avritzer Gerson Almeida Daniel Afonso da Silva Flávio Aguiar Daniel Brazil Alysson Leandro Mascaro Ricardo Antunes Eugênio Trivinho Jorge Luiz Souto Maior Ricardo Fabbrini Afrânio Catani João Sette Whitaker Ferreira Manuel Domingos Neto Luiz Marques Plínio de Arruda Sampaio Jr. João Carlos Salles Vinício Carrilho Martinez Fernão Pessoa Ramos Liszt Vieira Milton Pinheiro João Paulo Ayub Fonseca Valerio Arcary João Feres Júnior Rubens Pinto Lyra Elias Jabbour Paulo Martins Mariarosaria Fabris João Lanari Bo Paulo Capel Narvai José Machado Moita Neto Flávio R. Kothe André Singer Paulo Nogueira Batista Jr Yuri Martins-Fontes Eliziário Andrade Francisco Fernandes Ladeira João Carlos Loebens Luciano Nascimento Chico Whitaker Jorge Branco Francisco Pereira de Farias Anderson Alves Esteves Ronaldo Tadeu de Souza Berenice Bento Lucas Fiaschetti Estevez Chico Alencar Roberto Noritomi Jean Marc Von Der Weid João Adolfo Hansen Dennis Oliveira Rafael R. Ioris Eugênio Bucci Paulo Sérgio Pinheiro Maria Rita Kehl Luiz Werneck Vianna Tales Ab'Sáber Carlos Tautz Atilio A. Boron Dênis de Moraes Valério Arcary Fernando Nogueira da Costa Renato Dagnino Bernardo Ricupero José Micaelson Lacerda Morais Andrew Korybko Boaventura de Sousa Santos Slavoj Žižek Bruno Fabricio Alcebino da Silva Antonino Infranca Walnice Nogueira Galvão Marcos Silva José Raimundo Trindade Tarso Genro Luis Felipe Miguel Sandra Bitencourt Michael Roberts Henry Burnett Samuel Kilsztajn Airton Paschoa Leda Maria Paulani Carla Teixeira Luís Fernando Vitagliano Luiz Carlos Bresser-Pereira Henri Acselrad Bento Prado Jr. Juarez Guimarães Marjorie C. Marona Paulo Fernandes Silveira Otaviano Helene Michael Löwy Ari Marcelo Solon Manchetômetro Vladimir Safatle Priscila Figueiredo Annateresa Fabris Caio Bugiato Marilia Pacheco Fiorillo Luiz Costa Lima Marilena Chauí Eleutério F. S. Prado Leonardo Sacramento Ricardo Abramovay Marcelo Guimarães Lima Gabriel Cohn Ricardo Musse Luiz Bernardo Pericás Eduardo Borges Julian Rodrigues Marcos Aurélio da Silva Sergio Amadeu da Silveira Antonio Martins Gilberto Maringoni Lorenzo Vitral Ronald León Núñez Denilson Cordeiro José Geraldo Couto Francisco de Oliveira Barros Júnior Benicio Viero Schmidt Kátia Gerab Baggio Salem Nasser Roberto Bueno Daniel Costa Lincoln Secco Alexandre Aragão de Albuquerque Marcelo Módolo Heraldo Campos Anselm Jappe Remy José Fontana Tadeu Valadares Celso Frederico Claudio Katz Jean Pierre Chauvin José Dirceu Alexandre de Freitas Barbosa Bruno Machado Luiz Renato Martins Luiz Eduardo Soares Alexandre de Lima Castro Tranjan Antônio Sales Rios Neto José Costa Júnior Eleonora Albano Rodrigo de Faria Osvaldo Coggiola Luiz Roberto Alves Ronald Rocha André Márcio Neves Soares Fábio Konder Comparato Érico Andrade Marcus Ianoni Celso Favaretto Mário Maestri Igor Felippe Santos Armando Boito Thomas Piketty Leonardo Boff Everaldo de Oliveira Andrade

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada