As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

As duas revoluções do feminismo

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por Leonardo Boff*

As mulheres trazem para o espaço público os valores de sua vivência no âmbito privado: solidariedade, partilha e cuidado. Altruístas, defendem mais cooperação no mundo do trabalho e a reversão do processo de destruição da natureza e da espécie humana.

O dia internacional da mulher que no fundo cada dia é o dia da mulher, nos oferece a ocasião de pensar o desafio que o movimento feminista mundial nos lança.

Esse movimento mais que outros fez duas revoluções: colocou em questão o machismo e o patriarcalismo. O machismo como a dominação do homem sobre a vida da mulher que já tem séculos. A luta das mulheres nos despertou para a questão de gênero que envolve relações de poder. Esse não pode ser só do homem. Deve ser partilhado entre o homem e a mulher. Evitar a divisão sexual de trabalho e priorizar lógica de partilha e da coparticipação em todo o projeto de vida a dois. Daí surge uma relação mais justa e harmoniosa.

Em segundo lugar, o movimento feminista fez talvez a mais consistente crítica à cultura patriarcal que organizou toda a sociedade e as várias instâncias da vida e também da religião. O homem assumiu o poder através do qual submete os demais, chefia o Estado, cria a burocracia, organiza o exército e faz guerras. Quase todos os heróis e a maioria das divindades são masculinas. Ele ocupa a vida pública e relega à mulher à vida privada e familiar.

O patriarcado, pela crítica feminista, foi teoricamente desmantelado, embora na prática, tente sempre de novo a dominar a mulher. Um refúgio especial do patriarcado é a mídia e o marketing que usam a mulher, não só em sua totalidade, mas as partes dela, os seios, as pernas, as partes íntimas. É uma forma de transformar a mulher em objeto.

A grande contribuição do feminismo foi ter mostrado que todas ou quase todos as culturas hoje existentes são patriarcais. Tem como consequência a manutenção da desigualdade na relação homem-mulher em todos os âmbitos. Seja nos USA, na Alemanha e seja no Brasil uma mulher pode fazer o mesmo trabalho, mesmo o mais competente, pelo fato de ser mulher, ganha pelos menos 20-30% a menos que o homem que executa a mesma função. Não basta a consciência da superação teórica do patriarcado, mas a demolição de seus hábitos mantidos nas instituições e comportamentos sociais.

Mas nem sempre foi assim. O ser humano existe já há 7-8 milhões de anos. Na primeira fase que durou milhões de anos as relações homem-mulher eram de harmonia e de equilíbrio com a natureza. Contrariamente do que crê o pensamento patriarcal, a verdadeira convivência humana não foi regida pela violência de uns sobre outros, mas pela solidariedade e pela cooperação.

A violência é recente no processo da antropogênese. Ela começou com o homo faber há dois milhões de anos que na busca dos alimentos especialmente da caça começou a usar o instrumento e a força. Aí o masculino passa a ser o gênero predominante. Ela ganhou hegemonia ao surgirem há 8 mil anos a agricultura, as vilas, as cidades e os impérios. As relações homem-mulher passam a ser de desigualdade: ele ocupa toda a vida pública, governa sozinho e relega a mulher à função de procriadora e cuidadora do lar.

As mudanças que sempre se buscaram, culminaram no século XX com a segunda revolução industrial quando a mulher entra no domínio público porque o sistema competitivo faz mais máquinas que machos. Já no final do século XX e hoje as mulheres são maioria na humanidade e praticamente 50% da força de trabalho mundial. Com isso se encerra, de certa forma, o ciclo patriarcal e se inicia um novo paradigma de valorização das diferenças e a busca da igualdade ainda a ser alcançada.

As mulheres trazem para o sistema produtivo e para o Estado algo radicalmente novo. Não será só competitivo e autoritário. A mulher traz o que viveu no domínio privado: os valores da solidariedade, da partilha e do cuidado. Milenarmente foi educada para o altruísmo. Se um bebê não tiver à sua disposição alguém altruísta que o cuidasse, não duraria uns dias sequer. Desta forma, a entrada da mulher no domínio público masculino é condição essencial de humanização e mais cooperação no mundo do trabalho e, o que é fundamental, reverter o processo de destruição da natureza e da espécie humana.

Isso ficou claro na consciência coletiva no Relatório da ONU para o Fundo para a População (FNUAP) que sustenta: “a raça humana vem saqueando a Terra de forma insustentável e dar às mulheres maior poder de decisão sobre o seu futuro pode salvar o planeta de sua destruição”. Veja que aqui não se fala de “poder de participação” que elas sempre tiveram, mas de “poder de decisão”.

São elas que entendem de vida, pois a geram. Serão elas as principais protagonistas na decisão de uma biocivilização assentada no cuidado, na solidariedade e na lógica do coração, sem as quais a vida não viceja. Elas junto com os homens que desentranharam a sua dimensão de “anima” (cuidado, gentileza e amorosidade) que se articula com a dimensão de “animus” (razão, organização, direção) presentes, em proporções próprias em cada pessoa, poderão dar um rumo novo à nossa existência neste planeta e nos afastar do caminho sem retorno, caminho de perdição.

*Leonardo Boff é teólogo, autor com Rose Marie Muraro do livro Feminino & Masculino: uma nova consciência para o encontro das diferenças (Record).

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Heraldo Campos Eleonora Albano Flávio R. Kothe Flávio Aguiar Ricardo Abramovay Carla Teixeira Rafael R. Ioris Anderson Alves Esteves Gabriel Cohn Gerson Almeida Luciano Nascimento José Raimundo Trindade Tarso Genro Valerio Arcary Jorge Branco André Singer Thomas Piketty Daniel Brazil Ricardo Antunes Bento Prado Jr. João Lanari Bo Everaldo de Oliveira Andrade Alysson Leandro Mascaro Claudio Katz Henry Burnett Eleutério F. S. Prado Walnice Nogueira Galvão Bruno Machado Ronaldo Tadeu de Souza Gilberto Lopes Juarez Guimarães Ronald León Núñez Leda Maria Paulani Jorge Luiz Souto Maior Priscila Figueiredo Armando Boito Eliziário Andrade Ronald Rocha José Geraldo Couto Roberto Bueno Airton Paschoa Otaviano Helene Tales Ab'Sáber Manchetômetro Gilberto Maringoni João Adolfo Hansen Milton Pinheiro Michael Roberts Paulo Martins Jean Pierre Chauvin Afrânio Catani Salem Nasser Lorenzo Vitral Bernardo Ricupero Érico Andrade Atilio A. Boron João Sette Whitaker Ferreira Paulo Fernandes Silveira Francisco Pereira de Farias Marjorie C. Marona Ari Marcelo Solon Antônio Sales Rios Neto Henri Acselrad Dênis de Moraes Slavoj Žižek Yuri Martins-Fontes Luís Fernando Vitagliano Carlos Tautz Valério Arcary José Machado Moita Neto Michael Löwy Remy José Fontana Caio Bugiato Alexandre Aragão de Albuquerque Antonino Infranca João Carlos Salles Elias Jabbour Luiz Marques Eugênio Bucci Vinício Carrilho Martinez Eugênio Trivinho Dennis Oliveira José Costa Júnior Luiz Carlos Bresser-Pereira Ricardo Fabbrini Vanderlei Tenório Osvaldo Coggiola Berenice Bento Luiz Bernardo Pericás Marcos Silva André Márcio Neves Soares Eduardo Borges Ladislau Dowbor Daniel Costa Alexandre de Lima Castro Tranjan Denilson Cordeiro Leonardo Avritzer Kátia Gerab Baggio Annateresa Fabris Francisco Fernandes Ladeira Chico Alencar Fernando Nogueira da Costa Maria Rita Kehl Leonardo Boff Ricardo Musse Liszt Vieira Antonio Martins Sandra Bitencourt João Feres Júnior Lincoln Secco Manuel Domingos Neto Daniel Afonso da Silva Paulo Capel Narvai Vladimir Safatle Paulo Nogueira Batista Jr Boaventura de Sousa Santos Paulo Sérgio Pinheiro Marilena Chauí Jean Marc Von Der Weid Anselm Jappe Samuel Kilsztajn Tadeu Valadares Luiz Werneck Vianna Leonardo Sacramento Luiz Eduardo Soares Sergio Amadeu da Silveira Lucas Fiaschetti Estevez João Paulo Ayub Fonseca Renato Dagnino Rubens Pinto Lyra Mário Maestri Fernão Pessoa Ramos Marcus Ianoni Igor Felippe Santos Julian Rodrigues Celso Favaretto Fábio Konder Comparato Luis Felipe Miguel Marilia Pacheco Fiorillo José Micaelson Lacerda Morais Plínio de Arruda Sampaio Jr. Andrew Korybko Bruno Fabricio Alcebino da Silva Marcelo Módolo João Carlos Loebens Chico Whitaker Benicio Viero Schmidt José Luís Fiori Celso Frederico Marcelo Guimarães Lima Roberto Noritomi José Dirceu Luiz Roberto Alves Alexandre de Freitas Barbosa Luiz Costa Lima Marcos Aurélio da Silva Luiz Renato Martins Rodrigo de Faria Mariarosaria Fabris Francisco de Oliveira Barros Júnior

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada