O combo bolsonarista na educação paulista

Carla Barchini, Autorretrato VIIII, 2019, Telhas de cimento, 20 cm3
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LUIS FELIPE MIGUEL*

O bolsonarismo, do qual Tarcísio é a versão 2.0, é isso. Uma forma de extremismo que sempre acaba colocando um Rolex no pulso de seus líderes

O governo de São Paulo decidiu que o estado não vai participar do programa nacional de distribuição de livro didáticos. Vai elaborar material próprio que será disponibilizado aos estudantes em formato digital.

É de se questionar o que será o conteúdo especial que chegará às escolas paulistas. A ditadura militar como período de paz e prosperidade? Nazismo de esquerda? Criacionismo? Terra plana?

Não é só o risco de contaminação do material didático pelo negacionismo científico que caracteriza a extrema direita. Há também o fato de que todas as pesquisas mostram que os estudantes absorvem melhor os conteúdos quando leem em livros físicos.

E o acesso dos estudantes aos equipamentos necessários?

Serão distribuídos pela Secretaria da Educação. Aí está o pulo do gato. O secretário Renato Feder é acionista da empresa que tem contratos milionários com sua própria Secretaria, para fornecimento de equipamentos de informática.

O Ministério Público está investigando “conflito de interesses”, nome bonito para uma roubalheira deslavada.

Pressionado, o governo admitiu que pode imprimir as apostilas para estudantes com dificuldade de acesso ao digital.

A impressão é mais cara e produz um material de menor qualidade do que o livro, sem manter qualquer das vantagens tecnológicas alardeadas com a migração para o digital. Se o livro digital pode simplesmente ser substituído por sua versão impressa, o que justifica a troca?

E onde estão as impressoras, nas escolas, para fazer o serviço? Quem sabe um aditivo no contrato com a Multilaser – a empresa de Feder – resolve a parada…

Ao mesmo tempo, a Secretaria da Educação anunciou que, no concurso para contratação de novos professores, os candidatos serão avaliados por um vídeo de 5 a 7 minutos, que cada um deve gravar.

A performance de influencer vale o dobro do que valem títulos de pós-graduação ou experiência anterior em sala de aula.

Está claro o projeto de fechar escolas em favor do ensino à distância. Uma política que não apenas reduz a qualidade do ensino, mas penaliza fortemente os mais pobres – que carecem dos equipamentos e não têm com que deixar os filhos. E empurra os remediados para o mercado da educação privada.

A política da Secretaria de Educação de São Paulo é destruir a escola pública. Aí também há espaço para bons negócios.

O bolsonarismo, do qual Tarcísio é a versão 2.0, é isso. Uma forma de extremismo que sempre acaba colocando um Rolex no pulso de seus líderes.

*Luis Felipe Miguel é professor do Instituto de Ciência Política da UnB. Autor, entre outros livros, de Democracia na periferia capitalista: impasses do Brasil (Autêntica).

Publicado originalmente nas redes sociais do autor.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • Razões para o fim da greve nas Universidade Federaisbancos 16/05/2024 Por TADEU ALENCAR ARRAIS: A nova proposta do Governo Federal anunciada dia 15 de maio merece debate sobre continuar ou não a greve
  • O negacionismo ambiental e a inundação de Porto Alegreporto alegre aeroporto alagado 14/05/2024 Por CARLOS ATÍLIO TODESCHINI: Porto Alegre tem o melhor sistema de proteção contra cheias do Brasil. É considerado um “minissistema holandês”. Por que esse sistema falhou em sua função de evitar que a cidade fosse alagada?
  • A universidade operacionalMarilena Chauí 2 13/05/2024 Por MARILENA CHAUI: A universidade operacional, em termos universitários, é a expressão mais alta do neoliberalismo
  • A mão de OzaJoao_Carlos_Salles 14/05/2024 Por JOÃO CARLOS SALLES: O dever do Estado brasileiro e a universidade contratada
  • Como mentir com estatísticascadeira 51 18/05/2024 Por AQUILES MELO: Os números apresentados pelo governo federal aos servidores da educação em greve mais confundem do que explicam, demonstrando, assim, desinteresse na resolução do problema
  • A “multipolaridade” e o declínio crônico do OcidenteJosé Luís Fiori 17/05/2024 Por JOSÉ LUÍS FIORI: A defesa da multipolaridade será cada vez mais a bandeira dos países e dos povos que se insurgem neste momento contra o imperium militar global exercido pelo Ocidente
  • O cavalo Caramelocavalo caramelo 15/05/2024 Por LEONARDO BOFF: Há que se admitir que nós não temos respeitado os direitos da natureza com seu valor intrínseco, nem posto sob controle nossa voracidade de devastá-la
  • A greve nas universidades e institutos federais não…caminho tempo 17/05/2024 Por GRAÇA DRUCK & LUIZ FILGUEIRAS: As forças de esquerda e democráticas precisam sair da passividade, como que esperando que Lula e o seu governo, bem como o STF resolvam os impasses políticos
  • Pensar após GazaVladimir Safatle 08/05/2024 Por VLADIMIR SAFATLE: Desumanização, trauma e a filosofia como freio de emergência
  • SUS, 36 anos – consolidação e incertezasPaulo Capel Narvai 15/05/2024 Por PAULO CAPEL NARVAI: O SUS não foi o “natimorto” que muitos anteviram. Quase quatro décadas depois, o SUS está institucionalmente consolidado e desenvolveu um notável processo de governança republicana

AUTORES

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES