As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

O que o Brasil quer de seus militares?

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por RICARDO ABRAMOVAY*

A elite de nossa corporação armada fez como se a queda do Muro de Berlim nada significasse em sua estratégia de atuação e para os valores básicos que a orientam

O exercício reflexivo e autorreflexivo necessário à superação da tentativa de golpe de 8 de janeiro passa por uma pergunta crucial: o que o Brasil quer de seus militares? Até aqui, e desde 1985, o país fortaleceu sua democracia – não apenas sem acertar as contas com os crimes cometidos por representantes do Estado durante a ditadura, mas, sobretudo, sem jamais entrar no mérito daquilo que os mais expressivos comandos militares pensam, como se as bases político-culturais da formação e da atuação dos militares fossem assunto corporativo interno. O problema é que essa autonomia pesa como espada de Dâmocles sobre a sociedade. [Segundo a lenda grega, Dâmocles era um conselheiro que cobiçava o lugar do rei – que um dia o cedeu. Dâmocles observou então que sobre o assento real pairava permanentemente uma espada.]

A questão central se inverte e recebe formulação ameaçadora: o que os militares querem do Brasil?

A pergunta é impertinente e absurda numa democracia, mas é radicalmente legitimada pelos comandos militares. Sua resposta não se limita à ideia de que todos queremos um país soberano, próspero, cada vez menos desigual e democrático. Inúmeros seminários, declarações e lives realizadas durante a pandemia mostram que os comandos militares mais próximos ao Palácio do Planalto difundiram uma visão alucinada de mundo, que as redes sociais amplificaram e que não seria tão grave se não viesse da burocracia armada que tem como função constitucional defender o país.

Mas defender o país contra o quê? Por incrível que pareça, a mais importante inspiração do comando militar que esteve junto ao Palácio do Planalto nos últimos anos para responder a esta pergunta é um conjunto de trabalhos do general Golbery do Couto e Silva, publicados nos anos 1950, cuja ideia básica é que, no mundo posterior à Segunda Guerra Mundial, as fronteiras físicas foram substituídas por fronteiras ideológicas. Por essa concepção, a missão da burocracia armada não é tanto proteger o país de invasões externas, mas sim de guardá-lo contra um inimigo interno que acabou se materializando, após o golpe de 1964, nas organizações de resistência à ditadura. Nessa narrativa, tortura, assassinatos, sequestros e outras formas de violência amplamente documentadas justificam-se pela missão cívica de impedir a vitória do comunismo.

Grandes corporações só perduram no tempo se forem capazes de perceber as mudanças nos ambientes em que atuam. Mas a elite de nossa corporação armada fez como se a queda do Muro de Berlim nada significasse em sua estratégia de atuação e para os valores básicos que a orientam.

O inimigo continua sendo interno. O delírio de que paira sobre o país uma ameaça comunista no início da terceira década do século XXI não é um puro produto das redes sociais. É uma ideia que a direção da burocracia militar não cessou de propagar, seja quando insistia em comemorar o golpe de 1964 seja em declarações cotidianas. Os acampamentos em frente aos quartéis foram admitidos por fortalecerem essa fantasia com a qual a elite militar brasileira, ao menos a que esteve junto ao Palácio do Planalto nos últimos anos, se identifica.

E isso não foi objeto de debate público em que essas fantasias pudessem receber algum teste de realidade. Ao contrário, formou-se, por meio das redes sociais, o que a professora Zeynep Tufekci, da Universidade Columbia, chama de “esfera pública oculta”, em que a visão conspirativa de mundo se espalha, mas sob a forma de bolhas de pertencimento, o que impede que ela se submeta a qualquer forma sensata de verificação empírica e, muito menos, de discussão pública e aberta.

Mas, nos dias de hoje, o maior inimigo interno, além desse fantasma comunista, é a sustentabilidade. Quem o afirma é o general, e agora senador, Hamilton Mourão. Em Webinar realizado por ocasião dos duzentos anos da independência, no dia 25 de agosto de 2021, no Instituto General Villas Bôas, ele explicava: “neste século XXI, uma das maiores questões que ameaçam a soberania é a sustentabilidade. Dessa forma, a questão do desenvolvimento da Amazônia, onde diversos atores não estatais limitam nossa soberania, é algo que tem que se abraçado pela nação como um todo”. Ao comunismo somam-se, como inimigos internos, os ativistas, os cientistas e os empreendedores que defendem a floresta e os povos que nela vivem.

Já o general Augusto Heleno, na audiência pública sobre o Fundo Clima, convocada pelo ministro Luís Roberto Barroso, no STF, pontificava, em 2020: “As razões do aquecimento são discutidas por cientistas famosos com teses antagônicas”.

Estes não são casos isolados: ainda em 2021, em conversa com o Instituto Defesa & Segurança, o general Luiz Eduardo Rocha Paiva criticava os “governos submissos” que comprometeram a soberania nacional, particularmente em áreas de fronteira, por terem promovido a demarcação e assinado a “Declaração Universal dos Direitos dos Povos Indígenas”.

Estes desvarios estão fortemente relacionados às prioridades que o comando da burocracia militar estabeleceu, juntamente com o Palácio do Planalto e parte significativa do Parlamento, para a maior floresta tropical do mundo: legalizar o que o bom senso e a democracia tornaram ilegal (invadir territórios indígenas, fortalecer o garimpo, extrair madeira ilegalmente e grilar de terras públicas) e impedir o fortalecimento das organizações e das atividades ligadas ao desenvolvimento sustentável. Paralisar o Fundo Amazônia e denunciar o multilateralismo democrático são expressões desse desatino que fez do Brasil um pária global.

É claro que as pessoas têm o direito de acreditar no que quiserem. O que não é admissível é que as ideias e as bases político-culturais da formação e da atuação de um corpo burocrático tão importante e custoso sejam tratadas como um tema de interesse interno, inacessível e insensível ao debate democrático. O 8 de Janeiro não irá para o passado enquanto o Brasil não discutir ampla e abertamente os valores ético-normativos que norteiam a burocracia militar.

Ricardo Abramovay é professor titular sênior do Instituto de Energia e Ambiente da USP. Autor, entre outros livros, de Amazônia: por uma economia do conhecimento da natureza (Elefante/Terceira Via).

Publicado originalmente na revista Piauí.

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Francisco Fernandes Ladeira José Geraldo Couto Luciano Nascimento Luiz Eduardo Soares Marcelo Guimarães Lima Sandra Bitencourt Leda Maria Paulani Valério Arcary Andrew Korybko Marcos Silva Ronald Rocha Leonardo Boff Vladimir Safatle Otaviano Helene Eliziário Andrade Luiz Werneck Vianna Ricardo Musse Paulo Nogueira Batista Jr Claudio Katz Alexandre de Freitas Barbosa Rodrigo de Faria Milton Pinheiro Lorenzo Vitral Priscila Figueiredo Heraldo Campos Afrânio Catani Luiz Bernardo Pericás Sergio Amadeu da Silveira Bento Prado Jr. Ronald León Núñez Eleonora Albano Marilia Pacheco Fiorillo Carla Teixeira Leonardo Avritzer Boaventura de Sousa Santos Henry Burnett José Raimundo Trindade Jean Marc Von Der Weid Luiz Marques Celso Favaretto Roberto Bueno Paulo Martins Valerio Arcary Manuel Domingos Neto Ricardo Fabbrini Vanderlei Tenório André Singer Carlos Tautz Alexandre Aragão de Albuquerque Eugênio Bucci Ari Marcelo Solon Paulo Sérgio Pinheiro Ricardo Abramovay Mariarosaria Fabris Eugênio Trivinho Alysson Leandro Mascaro Alexandre de Lima Castro Tranjan Tarso Genro Roberto Noritomi Dênis de Moraes Paulo Fernandes Silveira Tadeu Valadares Antonino Infranca Ricardo Antunes Yuri Martins-Fontes Bruno Machado João Adolfo Hansen Michael Roberts Everaldo de Oliveira Andrade Luís Fernando Vitagliano Lincoln Secco Maria Rita Kehl Francisco Pereira de Farias Marilena Chauí Paulo Capel Narvai Michael Löwy João Feres Júnior Bruno Fabricio Alcebino da Silva Francisco de Oliveira Barros Júnior Plínio de Arruda Sampaio Jr. Kátia Gerab Baggio Marjorie C. Marona Gilberto Lopes Juarez Guimarães Renato Dagnino André Márcio Neves Soares Anderson Alves Esteves Marcelo Módolo Walnice Nogueira Galvão Airton Paschoa Jean Pierre Chauvin Gabriel Cohn Leonardo Sacramento Daniel Costa Igor Felippe Santos Tales Ab'Sáber Celso Frederico Bernardo Ricupero José Micaelson Lacerda Morais Julian Rodrigues Marcos Aurélio da Silva Luiz Costa Lima Érico Andrade Fábio Konder Comparato Gilberto Maringoni Annateresa Fabris Atilio A. Boron Osvaldo Coggiola Daniel Afonso da Silva Fernando Nogueira da Costa Denilson Cordeiro Slavoj Žižek Liszt Vieira Jorge Branco José Luís Fiori Eduardo Borges Anselm Jappe Berenice Bento Thomas Piketty Samuel Kilsztajn Chico Whitaker Mário Maestri José Dirceu Elias Jabbour Benicio Viero Schmidt Antonio Martins Lucas Fiaschetti Estevez Remy José Fontana João Carlos Salles Luis Felipe Miguel João Carlos Loebens Jorge Luiz Souto Maior Ladislau Dowbor Fernão Pessoa Ramos Flávio Aguiar Gerson Almeida Ronaldo Tadeu de Souza João Sette Whitaker Ferreira Luiz Renato Martins Antônio Sales Rios Neto Rafael R. Ioris Salem Nasser Henri Acselrad Flávio R. Kothe João Lanari Bo José Costa Júnior Armando Boito Caio Bugiato Eleutério F. S. Prado Marcus Ianoni Daniel Brazil José Machado Moita Neto Luiz Roberto Alves Vinício Carrilho Martinez Chico Alencar João Paulo Ayub Fonseca Manchetômetro Rubens Pinto Lyra Dennis Oliveira Luiz Carlos Bresser-Pereira

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada