As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A Revolução Alemã (1918-1923)

Foto de Christiana Carvalho
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ANGELA MENDES DE ALMEIDA*

Comentário sobre o livro de Isabel Loureiro

O livro de Isabel Loureiro A Revolução Alemã (1918-1923), publicado pela primeira vez em 2005, foi reeditado recentemente em uma versão revista. Trata-se de um livro de extrema valia. Contém um mosaico de anos cruciais da Alemanha, abarcando imenso número de informações sobre um período rico de acontecimentos naquele país, englobando personagens, grupos, partidos políticos e fatos históricos.

A narrativa é concisa, com um alto grau de minúcia e, ao mesmo tempo, de sensibilidade. Foram cinco anos em que a Alemanha passou por revoluções, tentativas de insurreição, massacres contrarrevolucionários e experiências inovadoras. A par da narrativa cativante dos fatos e do desenho dos personagens, a autora vai entremeando a posição de historiadores e teóricos sobre aqueles episódios, bem como falas, por vezes anedóticas, que descem ao chão da realidade.

No capítulo inicial, Isabel traça um painel do Kaiserreich, o Império Alemão,  unificado sob a condução do chanceler Bismarck e a larga preponderância da Prússia. Atravessa décadas do século XIX e início do XX, situando as peculiaridades alemãs, em geral pouco conhecidas. Vai mostrando, paulatinamente, como as forças políticas dominantes terminam por conduzir à formação de uma sociedade autoritária e militarizada, onde o Exército constitui um modelo de vida, com suas ideias belicistas e expansionistas. Tal preponderância operou no sentido de transformar a disciplina em valor moral, incentivando a aptidão para o servilismo e a submissão. O capítulo mostra ainda o desenvolvimento de um nacionalismo que se volta contra os judeus e uma ideia de expansionismo cujo corolário seria a necessidade de novos espaços. Aqui e ali a autora intercala as expectativas de Marx e a visão de Rosa Luxemburgo sobre aquela Alemanha. Paralelamente descreve a formação da social-democracia alemã, os personagens e grupos políticos originários, Lassalle e, por outro lado, Marx e Engels, o impacto da ilusão pacifista de Bernstein, a resposta ortodoxa de Kautsky e Luxemburgo, bem como a ascensão da burocracia operária, Friedrich Ebert e seus companheiros de tendência, Scheidemann e Noske. Com este capítulo ficam marcados os limites em que as ações revolucionárias do período seguinte se darão, tolhidas pela estrutura administrativa e governamental herdada do Império. O capítulo inspira a refletir sobre as razões pelas quais, mais tarde, nos anos 1930 e 1940, uma parte do povo alemão iria aceitar passivamente o nazismo e até colaborar com ele.

Isabel Loureiro, na esteira de uma historiografia alemã mais recente, divide o período revolucionário em duas fases, a moderada (1918-1919) e a radical (1919- março de 1921), dedicando a cada uma delas um capítulo. No dedicado à fase moderada, na qual tantos fatos cruciais sinalizavam uma forte ruptura do regime imperial, a autora dá toda a importância que possui um acontecimento que iria romper, para sempre, o movimento socialista, a aprovação no Reichstag, pela bancada social-democrata, dos créditos para que a Alemanha aderisse à guerra de 1914-1918, que se iniciava. Jogam ao lixo o internacionalismo proletário e a luta de classes! Dessa resolução, contrária a tudo que a social-democracia pregava até então, surge o Partido Social-democrata Independente Alemão (USPD), dentro do qual se alojaram, como tendências, o Grupo Spartacus, liderado por Rosa Luxemburgo e Karl Liebknecht,criado anteriormente, e os Delegados Revolucionários, liderados por Richard Müller e Ernst Däumig, que iria constituir o germe dos futuros conselhos operários. Grande contribuição dá Isabel ao aprofundar o conhecimento sobre esse grupo e o pensamento conselhista, utilizando uma bibliografia mais recente. A narrativa se aproxima do momento crucial da queda do regime imperial abordando diversos fatos, entre eles a confissão do alto comando militar ao governo, em meados de 1918, de não mais poder assegurar as fronteiras alemãs. Mostra como os generais manipulam a social-democracia para que assuma o governo e seja ela a negociar a paz com os Aliados, ficando com a responsabilidade, junto com partidos burgueses, de assinar o infame Tratado de Versalhes, mais tarde passado à história como “uma punhalada nas costas”, dada pelos civis aos militares. E como os social-democratas do Partido Social Democrata Alemão (SPD), tendo Ebert à frente, se deixaram manipular muito naturalmente.

Enquanto esses manejos eram feitos, no início de outubro a população toma conhecimento da iminente derrota. A revolução começa no fim desse mês com a rebelião dos marinheiros da frota de alto-mar, no Norte. E, de cidade em cidade, na luta pela libertação dos marinheiros presos, a revolução avança até chegar a Berlim, em 9 de novembro. Por seu lado os grupos e partidos revolucionários conseguem mobilizar rapidamente conselhos eleitos em fábricas e quartéis para reunir-se em assembleia e eleger um governo provisório. Pelo princípio da unidade proletária, um valor fundamental na formação do movimento operário alemão, os social-democratas independentes, então em maioria nos conselhos, oferecem ao SPD o lugar de três Comissários do Povo, ficando eles com os outros três lugares. Mais tarde, quando da realização do I Congresso dos Conselhos de Trabalhadores e Soldados, na terceira semana de dezembro, por uma manobra do SPD, os social-democratas independentes acabam por ser marginalizados.

Isabel Loureiro destaca várias vezes a moderação dos trabalhadores: queriam apenas, naqueles momentos, o sufrágio universal e a República. Nesse sentido, hipotecavam as decisões estruturais à futura Assembleia constituinte a ser eleita em data já marcada, 19 de janeiro de 1919. Outro aspecto abordado e aprofundado em relação a esse período é a formação dos corpos francos, como consequência da derrota e desmobilização do Exército. Milícias de voluntários formadas por oficias fiéis à monarquia, soldados sem emprego, estudantes sem universidade, todos reunidos pela ideologia de defesa dos valores do antigo regime. Essas tropas viriam a ter enorme importância na repressão à revolução no período posterior. E no meio disso tudo, a fundação do Partido Comunista Alemão (KPD), na passagem de ano de 1918 para 1919, desde o seu início ligado à Internacional Comunista que se formava na mesma época.

Passando, no capítulo seguinte, à fase radical da revolução (1919- março de 1921), Isabel ilustra com detalhes o caráter explosivo da situação vivida nos primeiros dias de 1919 e a consciência que tinham os trabalhadores e militantes mais decididos de que a revolução estava se esvaindo. A velha social-democracia – o SPD -, totalmente imbuída do papel de estancar a revolução, de não permitir que ela chegasse ao ponto a que tinham chegado na Rússia, demite um social-democrata independente que ainda ocupava o posto importante de chefe da polícia de Berlim. Considerada uma provocação, essa ação desperta a cólera dos trabalhadores. O grupo dos Delegados Revolucionários e o Partido Comunista (KPD) convocam uma manifestação de protesto que, afinal, revela-se gigantesca. Daí para a ocupação de jornais e edifícios, entra-se em uma situação definitivamente insurrecional. Os dirigentes, nessa noite, decidem levar a cabo, na manifestação do dia seguinte, a derrubada do governo, sobretudo porque esperavam um prometido apoio da Divisão Popular da Marinha. No entanto, diante dos cerca de 200 mil trabalhadores presentes na manifestação, os marinheiros e suas armas prometidas não chegam. Os dirigentes colocam-se a questão de recuar e evitar um banho de sangue, o que causa polêmica. Paralelamente setores do movimento operário pedem a unidade dos partidos socialistas. É o momento em que o governo intervém, Noske entra em ação com os corpos francos, desalojando jornais e edifícios ocupados, prendendo e executando sumariamente. O massacre dura uma semana. É no fim desses dramáticos dias que Rosa Luxemburgo e Karl Liebknecht são presos e trucidados, em assassinatos cuidadosamente preparados. E apesar disso as eleições para a Assembleia constituinte se realizam normalmente, dando a vitória ao SPD.

A revolução continua em outras cidades. De grande valor, no livro, é a narrativa detalhada da formação da República dos Conselhos da Baviera, ao sul do país. A autora descreve sucessivamente a fase moderada do movimento, de coexistência entre os conselhos e o parlamento local, liderada por Kurt Eisner, terminada com seu assassinato, e a dispersão dos parlamentares; e a fase radical, em que os conselhos tornam-se o único governo, em que a figura do comunista Eugen Leviné ganha proeminência. Relata ainda o apoio de grandes intelectuais alemães – por exemplo, Martin Buber, Rilke e mais longinquamente Max Weber – à experiência da República dos Conselhos de Trabalhadores, Camponeses e Soldados da Baviera. No primeiro período essa experiência pôde se desenvolver, porém, a repressão do governo central e os corpos francos chegam também para, em algumas batalhas, reconquistar Munique em 2 de maio e fazer da cidade uma terra arrasada, com um terrível massacre que só termina seis dias mais tarde.

Um capítulo final é dedicado às duas tentativas insurrecionais do Partido Comunista Alemão (KPD) já, a essa altura, completamente dependente da Internacional Comunista. Duas tentativas frustradas. A primeira – a “ação de março”, em 24 de março de 1921 – por convocar uma greve geral sem qualquer fundamento, que só levou ao afastamento de grande quantidade de militantes. A segunda, – o “outubro alemão”, no terrível ano de 1923 – quando, em Moscou, dirigentes russos e alemães discutem detalhadamente um plano de insurreição que contava com o apoio dos conselhos de fábrica alemães que iriam se reunir em conferência. Apoio completamente frustrado: no momento em que o dirigente comunista Brandler propõe uma greve geral, a resposta é um longo silêncio, seguido logo depois pela advertência do dirigente social-democrata de que, se o comunista insistisse, eles se retirariam da sala.

A história dramática da Alemanha conclui esse período, mais uma vez, com os trabalhadores recusando uma ação mais radical e seguindo fielmente o SPD. Isabel Loureiro nos prepara, ao longo de todo o livro, para a compreensão dessa moderação essencial do movimento operário alemão. Este painel, aqui sumariamente descrito, transpõe o leitor para a cena daqueles acontecimentos que marcaram o início da República de Weimar.

*Angela Mendes de Almeida é professora de História na PUC-SP. Autora, entre outros livros, de Revolução e Guerra Civil na Espanha (Brasiliense).

Referência


Isabel Loureiro. A Revolução Alemã (1918-1923). 2ª. edição revista. São Paulo, Unesp, 2020, 218 págs.

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Gilberto Maringoni Juarez Guimarães Flávio Aguiar Ricardo Abramovay Igor Felippe Santos José Raimundo Trindade Marcos Aurélio da Silva Mariarosaria Fabris Ladislau Dowbor Jorge Luiz Souto Maior Marcelo Módolo Celso Frederico Gerson Almeida Leda Maria Paulani Mário Maestri Alexandre Aragão de Albuquerque Michael Löwy Annateresa Fabris Manuel Domingos Neto Luciano Nascimento Roberto Noritomi Jean Marc Von Der Weid Remy José Fontana Milton Pinheiro Heraldo Campos Maria Rita Kehl Tarso Genro Leonardo Sacramento Rodrigo de Faria José Geraldo Couto Bernardo Ricupero Ronald León Núñez Francisco Pereira de Farias Armando Boito Paulo Capel Narvai Salem Nasser Sergio Amadeu da Silveira Eugênio Trivinho Caio Bugiato Luiz Marques Gilberto Lopes Érico Andrade Jean Pierre Chauvin Paulo Nogueira Batista Jr Antonio Martins Luiz Costa Lima Henri Acselrad Eleutério F. S. Prado Walnice Nogueira Galvão Priscila Figueiredo Jorge Branco Slavoj Žižek Eleonora Albano Ricardo Antunes Luiz Renato Martins Marilena Chauí Francisco Fernandes Ladeira Rafael R. Ioris Alexandre de Freitas Barbosa Manchetômetro João Lanari Bo Afrânio Catani André Márcio Neves Soares Ricardo Musse Alysson Leandro Mascaro Valério Arcary Anderson Alves Esteves Anselm Jappe Michael Roberts Elias Jabbour Paulo Fernandes Silveira Luiz Werneck Vianna Atilio A. Boron Lincoln Secco Fábio Konder Comparato Daniel Brazil Antônio Sales Rios Neto Lucas Fiaschetti Estevez Berenice Bento José Machado Moita Neto Tadeu Valadares Daniel Costa Bento Prado Jr. Benicio Viero Schmidt José Micaelson Lacerda Morais Alexandre de Lima Castro Tranjan Lorenzo Vitral Renato Dagnino Paulo Martins Vladimir Safatle Leonardo Avritzer Claudio Katz Marjorie C. Marona Luiz Carlos Bresser-Pereira Eugênio Bucci João Carlos Salles João Feres Júnior Julian Rodrigues Chico Whitaker Thomas Piketty Luiz Bernardo Pericás Eduardo Borges Luis Felipe Miguel André Singer Kátia Gerab Baggio Everaldo de Oliveira Andrade Carla Teixeira Ari Marcelo Solon Sandra Bitencourt Vinício Carrilho Martinez Bruno Machado Vanderlei Tenório Fernão Pessoa Ramos Henry Burnett João Carlos Loebens Daniel Afonso da Silva Liszt Vieira Denilson Cordeiro Dênis de Moraes Marcos Silva Rubens Pinto Lyra Marcus Ianoni Samuel Kilsztajn Eliziário Andrade Bruno Fabricio Alcebino da Silva João Paulo Ayub Fonseca Luiz Roberto Alves José Luís Fiori Chico Alencar Antonino Infranca Ronald Rocha Roberto Bueno Osvaldo Coggiola Francisco de Oliveira Barros Júnior Tales Ab'Sáber Gabriel Cohn Luís Fernando Vitagliano Yuri Martins-Fontes Leonardo Boff José Costa Júnior Fernando Nogueira da Costa Plínio de Arruda Sampaio Jr. Ronaldo Tadeu de Souza Marcelo Guimarães Lima José Dirceu Valerio Arcary Otaviano Helene Dennis Oliveira Boaventura de Sousa Santos Airton Paschoa Marilia Pacheco Fiorillo João Adolfo Hansen Ricardo Fabbrini Paulo Sérgio Pinheiro Luiz Eduardo Soares Carlos Tautz Celso Favaretto João Sette Whitaker Ferreira Andrew Korybko Flávio R. Kothe

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada